História Amor ou amizade! - Capítulo 32


Escrita por:

Postado
Categorias Carrossel
Personagens Adriano Ramos, Alícia Gusman, Bibi Smith, Carmen Carrilho, Cirilo Rivera, Clementina Soares, Daniel Zapata, Davi Rabinovich, Diana Ayala, Firmino Gonçalves, Jaime Palillo, Jonas Pallilo, Jorge Cavalieri, Kokimoto Mishima, Laura Gianolli, Marcelina Guerra, Margarida Garcia, Maria Joaquina Medsen, Mário Ayala, Paulo Guerra, Personagens Originais, Rabito, Valéria Ferreira
Tags Carmiel, Ciriquina, Daléria, Kobi, Lauriano, Marilina Jorgerida, Paulicia
Visualizações 117
Palavras 1.382
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Esporte, Famí­lia, Festa, Romance e Novela, Suspense
Avisos: Álcool, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Espero que gostem do capítulo.

Capítulo 32 - Falando umas verdades!


Já no outro dia, na escola foi nada de novo e bem triste. Maria Joaquina mais ainda, com a notícia que recebeu ontem, ficou no mundo da lua. Só que não comentou nada com ninguém, fora isso normal.

Com todos em casa, Cirilo e Jorge na cadeia. Os policiais disseram que o mauricinho tinha visita, ele com algemas foi ver quem era e seus pais.

Jorge: pai e mãe!- Falou meio que envergonhado.

Rosana: filho!- Foi abraçá-lo e alisava cabelo dele.

Alberto: Jorge como foi capaz de fazer coisas assim, filho não foi essa educação que eu te dei.- Deu uma grande bronca nele.

Rosana: calma Alberto, ele já está pagando pelo o que fez, não precisa ser tão duro com o menino.

Alberto: é essa pulso leve Rosana, que o Jorge está aqui.

Rosana: Alberto ele sabe que errou, poxa isso não é importante.

Alberto: fico feliz, por isso, mas esse é só começo, para mudanças de atitudes.

Jorge: eu sei pai, eu vou mudar. Prometo!

Alberto: espero!- Depositou mais uma confiança no filho.

Nesse exato momento, Margarida entrou pela sala e Jorge ficou de boca aberta.

Jorge: Marga?- Ele perguntou bem surpreso.

Marga: oi, Jorge! Oi, senhor Alberto, dona Rosana!- Ela ficou envergonhada.

Alberto: ola, Margarida!- Cumprimentou a menina.

Rosana: oi!- Fez cara de nojo.

Jorge: o-o q-que fa-faz a-aqui?- Ela gaguejou nervoso.

Marga: vim te ver, né Jorge!- Falou como fosse óbvio.

Jorge: mais logo aqui?- Não ficou muito satisfeito.

Marga: por que eu não viria, não tenho nada contra você, mesmo que merece.- Foi bem sincera.

Jorge: é que você não merece está aqui Margarida, isso é só pra delinquentes.

Marga: não se faça de coitado, porque esse não é seu tipo.- Deu um sorriso e Jorge também, Rosana não estava gostando da Margarida e disse.

Rosana: garota o que você quer meu filho, seu dinheiro, fama? Você sabe muito bem que meu filho, você são muito diferentes e não são da mesma classe social, né.- Margarida olhou séria para mãe de Jorge.

Jorge: mãe!- Pediu Jorge.

Rosana: silêncio, filho! Não acredito que você se meteu nessa, por essa daí…

Jorge: mãe, para!- Ele pediu sério.

Rosana: não, ela precisa escutar e seu pai também… Quantas vezes eu falei Alberto que nosso filho perto dessa gentinha, ele ia pegar mal comportamento… Olha só que ponto chegamos! Ele metido em sequestro, só para poder ficar com uma caipira.- Margarida ouvia tudo e deixava as lágrimas caírem.

Jorge: chega, mãe! Não vou aceitar que fale com a Margarida assim…

Rosana: Jorge não se meta!

Alberto: chega Rosana… Melhor irmos, já disse muita besteira por hoje.

Marga: não precisa, senhor Cavalieri, melhor eu ir, já está tarde.- Ela se levantou rápido.

Jorge: Margarida!- Ele chamou ela que não deu atenção.- Satisfeita, mãe?

Rosana: muito! Ela não era uma garota do seu nível filho, procure alguém melhor.

Jorge: melhor mãe? O tempo eu vivi em baixo das saias dos meus pais, sempre fui um mimado que me achava superior aos outros por dinheiro.- Ele se revoltou.

Rosana: mas você é!

Jorge: não, eu não sou… Você me acredita nessa palhaçada toda, agora estou sem amigos e sem nada. O que superioridade pra você? Viver sozinho e não ter uma pessoa que te ame de verdade?

Rosana: Jorge, outras garotas da nossa classe social pode gostar de você.

Jorge: mas eu não quero que ela goste de mim, eu quero a Margarida é isso vou consegui do meu jeito e não se meta… Cansei de todo verão, e eu vivendo num mundo de outono… Olha só, quantas vezes eu me diverti, muito mais do que na minha antiga escola. Isso era desde criança, mas você me fez sempre acreditar que eu era um monstro.

Rosana: você não é, eles são…- Não se deu por vencida.

Jorge: chega, mãe… Não vou perder meu tempo, tentando fazer você entender. Só quero que pense nos seus atos, olha em volta, quantas pessoas que gostam de você de verdade e a senhora não deu valor… Não quero seguir esse mesmo caminho, desculpa falar assim desse jeito… Mas é a verdade!- Ele se levantou.- Tchau, pai! tchau, mãe!

Alberto: tchau, filho!- Ele diz sorridente, ao ver que seu filho tinha aprendido uma lição.

Rosana: já vai, ainda temos tempo…

Jorge: pra mim, já deu!- Ela saiu com os guardas.

Na outra sala de visitas, Cirilo não foi ver a Maria Joaquina, ela ficou esperando a Margarida e viu que a amiga veio correndo e chorando.

Majo: Margarida, o que foi?- Ela perguntou preocupada.

Marga: nada, só me tira daqui.- Pediu com urgência. Majo fez, o que a amiga pediu. Elas estavam dentro do carro e Majo perguntou.

Majo: está chorando por causa do Jorge?-

Marga: não!- Balançou a cabeça negativamente.

Majo: o que foi então?

Marga: a mãe dele.

Majo: o que a Rosana fez?

Marga: ela falou que eu não era garota, para pode ficar com o Jorge e ficou me xingando?- Falou triste.

Majo: Rosana e sua mania… O que o Jorge fez?

Marga: ele tentou me defender, mas sair de lá e não ouvi o que os dois tinham conversados.

Majo: vai deixar ele se explica?

Marga: não sei!- Ficou indecisa.- Eu gosto do Jorge, mas as coisas tem tudo pra dar errado, não entendo.

Majo: como assim?- Não entendeu.

Marga: ué, nós dois somos diferentes, depois com tudo que aconteceu desse sequestro e agora a mãe dele.

Majo: não é tão difícil assim…- Maria Joaquina riu.- Pensa vocês não são mais diferentes que eu e Cirilo, aliás nós dois brigamos mais, do que ficamos juntos… Daqui a pouco Jorge vai ser solto. E mãe dele é menor dos problemas, se você gosta dele, dane-se ela.- Incentivou a amiga.

Marga: por esse lado você tem razão!- Deu um sorriso.- Mas, ciriquina, como está?

Majo: você sabe o que é gelo do polo norte?

Marga: que?- Não entendeu.

Majo: ciriquina está frio desse jeito, ele nem veio falar comigo.

Marga: nossa!- Ficou surpresa.

Majo: meus motivos pro choros são maiores que os seus amiga.- Brincou.

Marga: nem tanto, se vocês quiserem ficar juntos, não tem ninguém para atrapalhar.

Majo: esse é o problema… Comigo e Cirilo não tem terceiro querendo nos separar, e sim nós dois, isso faz as coisas ficarem mais complicada.

Marga: então coloca seu orgulho de lado e se declara para ele.

Majo: ele vai me rejeita, ainda mais sendo eu que coloquei ele naquele lugar.

Marga: está vendo, o problema de vocês dois, são os dois Majo. Quantas vezes ele já se declarou por você e não correspondeu. Agora podia fazer esse esforcinho.

Majo: será?- Maria Joaquina ficou pensativa.

Marga: só dar pra saber tentando.- Elas chegaram na casa da margarida.- Tchau miga.- Se abraçaram.

Majo: tchau!- Eles sorriram.

OPV- Daniel

Convoquei todos da minha turma, para organizar um jeito de ajuda o Cirilo e tira ele dá cadeia.

Eu: bom pessoal… Eu quero ajudar de vocês, para que nós conseguimos provar que o Cirilo é inocente.

Val: como vamos fazer isso?

Jaime: nós podemos investigar tudo.

Ally: tá, mas quem?

Paulo: Jorge Cavalieri, aquele mauricinho deve saber de alguma coisa.

Davi: será que ele vai querer contar?

Jaime: se ele não querer contar numa boa, vai ser na marra.- Bateu em suas próprias mãos.

Eu: sem violência Jaime, alem do mais, nós vamos a uma delegacia e se você bate no Jorge lá, vai ir preso.

Carmen: Daniel tem razão.

Bibi: por que a gente, não pede para a Margarida perguntar?

Koki: Concordo com a minha ruivinha, Margarida daqui é que tem mais aproximação com o Jorge.

Mário: caso fechado, pedimos para que a Margarida fala com o Jorge e depois vemos o que fazer.

Eu: ok…

Paulo: falando em Margarida, onde está a chatonilda?

Ally: ela foi visitar o Cirilo!

Val: pra que? Não foi ela que colocou ele lá, está arrependida agora?

Ally: não se, mas se quer reclamar, vai diretamente falar com ela e não comigo.

Val: que grosseria!- Ela se levantou.- Bom já vou indo, qualquer coisa me liguem…- Ela disse puxando Davi, assim foram saindo todo mundo, menos eu e Carmen ficamos arrumando as coisas na casa abandonada.

Carmen: esse negócio do sequestro, pegou todo mundo desprevenido né?

Eu: sim, ainda mais pelo Cirilo coitado.

Carmen: verdade!- Ela terminou sua parte.- Bom terminei aqui.

Eu: também!- Sento do seu lado.

Carmen: aquilo na sala de música foi real?

Eu: pelo por mim, foi tudo.- Deu um sorriso a ela.

Carmen: sabe Dani, eu gosto muito de você!- Ficou envergonhada.

Eu: gosto mais de você.- Nos aproximando.

Carmen: sua boca agora virou meu vício.- Ela me beijou, retribui na mesma hora, ficamos cinco minutos nos beijando quando veio a falta de ar e nos afastamos.

Eu: foi um máximo!- Dou um sorriso.

Carmen: bom, melhor nós irmos que já está tarde.

Eu: ok!

Levei Carmen e depois fui para minha casa.


Notas Finais


Espero que tenham gostado do capítulo.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...