História Amor por acidente - Capítulo 35


Escrita por:

Postado
Categorias Camila Cabello, Fifth Harmony
Personagens Ally Brooke, Camila Cabello, Dinah Jane Hansen, Lauren Jauregui, Normani Hamilton, Personagens Originais
Tags Camila Cabello, Camren, Fifth Harmony, Lauren Jauregui
Visualizações 372
Palavras 1.156
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Literatura Feminina, Romance e Novela, Saga, Universo Alternativo, Yuri (Lésbica)
Avisos: Bissexualidade, Insinuação de sexo, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 35 - Confusão


Fanfic / Fanfiction Amor por acidente - Capítulo 35 - Confusão

— Então ela disse que passou em um mestrado?— Dinah pergunta para a latina que assente.— E ela não vai?— A latina assente de novo.— Se ela não vai qual é o problema então?

— Isso fazia parte dos planos que ela fazia uma ano atrás, antes da vida dela desandar do jeito que desandou. Não quero que ela desista e arrependa mais tarde.

— Ela não é a Ariana, ela é incrível e vocês duas juntas ficam mais incríveis ainda, se você não deixar essa insegurança de lado vai acabar perdendo ela.— Fala de segurando para não dar na cara da latina

— Mas...

— E você tá certa, ela planejou isso um ano atrás, mas olha só tudo que aconteceu, a vida dela deu um giro de sei lá quantos graus, ela tem uma filha e tem uma namorada de nesse momento deveria estar lá apoiando a decisão dela, ela tem todos os motivos para ficar.— Fala puxando a amiga para um abraço.— Eu não sou boa nisso, cadê a Ally?

.
.
.

Mani observava a amiga em pé ao lado do berço com o cenho franzido, certo que a amiga era paranóica com o sono de Hope mas nunca ficou olhando a a filha dormir por tanto tempo.

— Você não vai dormir?— Pergunta para a amiga que nega com a cabeça após acordar para ir tomar água.— Perdeu o sono por causa da Camila?

— Ela tá com febre...— Sussura passando a mão no rosto da filha.— Ela tá com febre.

— Hey, calma...— Murmura indo para o lado da amiga para ver a bebê.— Relaxa, vou pegar o termômetro.

— Ela nunca ficou doente.— Sussurra observando a filha preocupada.

— Bom, ela tem 3 meses e meio, algum dia ela iria ficar doente Lauren, é natural.— Fala colocando o termômetro na testa da bebê se pondo ao lado da amiga.— Se passar de 40 graus a gente liga para Ally, se não eu fico com ela e você vai dormir, são quase 4 da manhã e você parece um zumbi.

— Eu não acho que vá conseguir dormir.— Murmura sem tirar os olhos da bebê.— Ela não quer comer, a última vez que ela mamou foi umas 11 horas.

— Bom... Isso é ruim, mas a temperatura dela não tá em 40.— Fala entregando o termômetro para a amiga.— Tenta dormir um pouco.

— Não dá...— Sussura tirando a filha do berço e a apertando contra seu peito.— Ver minha filha doente me deixa doente.

— Tá...— Murmura puxando a amiga até a cama.— Me fala da Camila, vai te distrair.

— No momento a Camila tá me deixando doente também.— Fala sentando na cama.— Eu falei sobre o mestrado, falei que não vou e quando fui falar sobre a ideia do projeto ela saiu correndo.

— E você ficou na porta esperando ele voltar.— Completa lembrando da amiga sentada no sofá quando ela chegou.— Ela não é nem louca de te deixar, eu mesma dou uma surra nela se ela fizer isso.

— Acho difícil, ela tem a Dinah pra proteger ela.— Sussura com o nariz perdido nos cabelos da filha.

— Com a Dinah eu me resolvo depois.— Fala observando a amiga.— Não gosto de te ver triste.

— O sentimento é recíproco.— Murmura olhando para a amiga.— Sabe qual foi a última coisa que eu vi antes de sentir uma enchente de memórias encher meu cérebro?

— Eu diria que o teto mas não sei.

— Hope. A enfermeira colocou ela em cima de mim e quando tirou ela dos  meus braços tudo voltou.— Sussura olhando a filha dormindo em seus braços.
.
.
.

— A Ally tá esperando a gente no hospital...— Normani fala para a amiga que estava atrás enquanto dirigia.— Ela tá acordada?

— Tá.— Responde sem tirar os olhos da filha, eram quase 8 horas da manhã agora e a febre de Hope havia aumentado.— Eu não sou boa nisso.

— Por que você diz isso?— Pergunta olhando a amiga pelo retrovisor.

— Ela tá doente e eu nem sei o que fazer.— Responde olhando para a morena rapidamente e logo voltando seu olhar para a filha que voltará a chorar.— Se você assim eu vou acabar chorando também amorzinho.

— Ligou para a Camila?

— O celular dela tá desligado.— Resmunga tentando acalmar a filha.
.
.
.
—... E ela nem quis mamar.— Fala observando a baixinha que examinava a bebê.— É alguma coisa grave Ally?

— Não, bebês ficam doentes com frequência é normal.— Responde pegando a pequena nos braços.

— Eu falei Laur.— Mani se pronuncia pela primeira vez desde que chegaram no local.

— E é normal as mães surtarem também.— Murmura sentando de frente para elas com um sorriso.— É uma infeção no ouvido, muito normal.

— Sério? Não me parece normal ela não querer comer.— Responde observando a filha no colo de Ally.

— Falta de apetite é um dos sintomas, assim como febre e dificuldade para dormir, a orelhinha esquerda dela tá vermelha, provavelmente ela tentou puxar e imagino que ela tenha chorado.— Ally fala tentando ser profissional.— E te conhecendo imagino que você não tenha dormido nem um pouco.

— Ela não dormiu nada.— Normani responde observando o rosto cansado da amiga.— Nem quando me ofereci para ficar com a Hope.

— Não consegui.— Murmura observando Ally levantar logo entregando a bebê para ela.— Vai passar alguma coisa para ela melhorar logo?

— Normalmente isso passa com o tempo.— Fala sentando e pegando um folha na mesa.— Mas como ela é pequenininha vou receitar um remédio para colocar no ouvido dela. Como você tem plano de saúde pode pegar na farmácia do hospital.

— Tem certeza que vai me deixar levar ela para casa assim?— Pergunta insegurança observando a filha dormindo em seu colo.

— Bom, você é mãe dela, mesmo que eu achasse que você não é capacitada eu não poderia de impedir de levar ela.— Responde observando a insegurança da amiga.— Se te deixar tranquila posso passar lá mais tarde quando sair do trabalho.

— Isso seria ótimo.— Normani fala antes que a amiga ponha mais dificuldade.

— Quer um conselho? Dorme um pouco. A Mani cuida dela um pouco e quando você acordar ela pode dormir.— Murmura sorrindo para a garota pálida, mais pálida ainda agora.

— Duvido muito que ela faça isso.— Normani fala olhando para a amiga.

.
.
.

— Você vai ficar nesse sofá o dia todo?— Dinah pergunta para Camila que estava deitada no sofá.

— Vou, liguei pro hospital e disse que tô doente.

— Tá mesmo, sua doença se chama burrice.— Fala tirando as pernas da latina do sofá e se sentando.— Me diz que não vai fazer nada idiota por favor.

— Não posso prometer.— Camila responde jogando as pernas por cima dela e olhando para o teto.

— Tá.— Fala levantando e indo até a porta.— Acho melhor você se "curar" logo, Ally ligou e a Hope tá doente e de verdade.— Resmunga e sai batendo a porta.

— Doente?— Pergunta para si mesma olhando para a porta.
O que eu tô fazendo da minha vida?



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...