História Amor por Contrato - Capítulo 7


Escrita por:

Postado
Categorias Karol Sevilla, Ruggero Pasquarelli
Tags Karol, Ruggarol, Ruggero
Visualizações 677
Palavras 2.275
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Ficção, Policial, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Linguagem Imprópria, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 7 - Vadia de luxo


Eu não sei explicar o que estava sentindo... Não sabia explicar o que eu queria dizer ou fazer. Saber que eu poderia perder minha mãe doía pra Caralho. Eu não posso e não aceito viver sem ela! Ao ouvir o médico falando senti o meu mundo desabar e o chão sumir... Senti que a minha vida estava acabando ali!

Eu não conseguia ouvir mais nada além de meu próprio choro. Não conseguia entender mais nada... a única coisa que não saia da minha cabeça era que: "Sua mãe pode morrer a qualquer momento". Senti braços ao meu redor e deixei que naquele momento ele pudesse me abraçar e me dizer que ficaria tudo bem. Coisa que nem ele mesmo tinha a certeza já que quando levantei meus olhos para olha - lo seus olhos estavam vermelhos e com lágrimas ameaçando cair...

- A senhora está bem? - O encarei.

- Só faça o seu trabalho,  faça o possível e o impossível mais salve a vida da minha mãe. - Falei.

- Senhora farei o possível e o impossível mais a vida de sua mãe não está em minhas mãos... Agora é com vocês e Deus! - Ele fala e sai da sala levando a minha mãe. 

Senti Ruggero me apertar e me puxar para um local mais afastado. O encarei sem entender e sem esperar por nada ou qualquer reação da minha parte senti ele me abraçar forte, ali naquele momento eu desabei... era demais para mim eu não ia suportar perder a minha mãe. 

◇*¤HORAS DEPOIS¤*◇

Amanheceu e nada de notícias,  não sei o que está acontecendo ali dentro a única coisa que eu sabia fazer era pedir a Deus que poupasse a vida dele e levasse a minha... pelo menos assim todo esse meu sofrimento acabaría. Ruggero não saio do meu lado em momento algum, Valentina e meu pai estavam com os nervos a flor da pele. Eu não fazia idéia de que horas eram até o celular do Ruggero tocar, nem precisei fazer qualquer esforço para saber quem era, e só ouvi o qie ele falava.

- Onde cê acha que eu tô? - Faz uma pausa. - Estou no hospital esperando noticias da minha sogra que ainda está na sala de cirurgia! - Afirma, seu tom de voz era grosso mais em nenhum momento falou alto. - Olha, eu não quero saber de reunião nenhuma, remarque-as para outro dia... - Outra pausa. - A saúde da minha sogra e o bem estar da minha esposa também são importantes! - Arregalei os olhos o olhando. - Foda-se reunião minha família em primeiro lugar! - Ele faz outra pausa e me olha por um tempo e logo desvia o olhar. - Dependendo do seu ponto de vista não,  mais dependendo do meu sim... eu não vou sair daqui enquanto não tiver a certeza de que minha sogra esta bem e de que minha esposa vai ficar bem e tranquila. - Falou desligando o celular.

O encarei por um segundo e olhei pro lado, meu celular eu tinha deixado em casa e por isso ainda não fui incomodada pelo Henrique ou por qualquer outro. Sabia que tinha que dar uma satisfação mais não seria capaz de fazer isso... Não agora. Peguei o braço do Ruggero e me assustei ao ver a hora...

- Meu Deus ninguém vai vim aqui dizer como a minha mãe está não? - Falei passando a mão no rosto.

- Vamos na lanchonete você precisa comer. - Ele fala ao me lado.

- Ruggero eu quero é saber da minha mãe e não comer! - Reviro os olhos. 

- Meu amor mais... - Ele tenta falar.

- Mais meu amor nada! Olha,  Ruggero você não precisa fingir nada na frente do meu pai e nem da Valentina. - Falei irritada. 

- Karol fica calma não desconta no seu marido... ele não tem culpa de nada! - Meu pai fala e o encaro.

- Ah, claro... esqueci que tenho que manter as aparências né papai? Tem razão ele não tem culpa de nada... o culpado é você por ter escondido de mim que a mamãe estava doente! O culpado é você por ela não ter sido tratada antes, o culpado de tudo é você! Se você tivesse escutado a Valentina e o Mike isso não teria acontecido, se você não tivesse jogado nosso dinheiro no lixo eu, A sua filha não teria passando por tudo isso! Eu não estaria sofrendo tanto... eu só rezo pra minha mãe ficar bem, é só isso o que quero. -Encaro meu pai que estava sem reação e Ruggero que estava de cabeça baixa. - Eu só peço a Deus pra que tudo isso seja um pesadelo e que eu logo acorde porque não estou aguentando mais. - Falei e deixei as lágrimas caírem. 

- Meu amor você está alterada... fique tranquila, faça o qie o seu marido disse vá na lanchonete e coma um pouco, seu pai não tem culpa de nada, o Ruggero não tem culpa de nada, é a vida minha irmã... seu pai foi errado em ter jogado todo o dinheiro de vocês no lixo? Com certeza foi... mais ele não tem culpa dela esta doente. - Valentina fala tentando me acalmar. Ela olha pro Ruggero e suspira. - Vai com ela, e come também, não deixa a minha irmã sozinha. - Ruggero assinte. 

- Vamos... - Pega na minha mão e me levanta com cuidado. Me solto dele e vou andando na frente, ele ssuspira e vem logo atrás. 

Não demorou e chegamos na lanchonete, sentei em uma das mesas vazias e ele vai fazer o pedido. Aquele modo do Ruggero me tratar estava me tirando do sério, aliás o modo como todo mundo vem me tratando esta me tirando do sério. Isso tem que mudar, e vai mudar!

Ele traz um lanche pra mim e um pra ele e comemos em silêncio,  não demorei muito pra comer. Então assim que acabamos saímos dali indo para a sala de espera assim que chegamos o Dr. Samaniego entra na sala nos encarando, sua aparência era cansada provavelmente pela noite que passou acordado. Corri até ele o abordando. 

- E então? Como foi a cirurgia?  Ela tá bem? - Perguntei angustiada. 

- Bom a cirurgia foi complicada, tivemos alguns contratempos mais felizmente ocorreu tudo bem, e sua mãe está perfeitamente bem... Não pode se estressar com nada no momento então por favor se aconteceu a ou acontecer alguma coisa não conte nada. Ela precisa de um tempo para se recupera. - Fala o Doutor sorrindo olhando para mim.

- Ô meu Deus obrigado senhor... - Falei sem conseguir conter minha alegria. - Doutor o senhor é um anjo! Muito, mais muito obrigado pelo que fez pela minha mãe! - Falei sorrindo. 

- Que isso, precisa agradecer não... só esse sorriso e esses olhos brilhantes bastam! Não tem nada mais gratificante no mundo do que devolver a uma filha preocupada sua mãe praticamente recuperada! - Ele sorrir galanteador e sinto uma mão apertando minha cintura e não precisava ser uma vidente pra saber quem era. O doutor olhou para a mão do Ruggero em minha cintura e Riu. - Honestamente, não sei se devo fazer isso mais como sua mãe é insistente ela acordou chamando por você. 

- Por... por mim? - Ri, e olhei para Valentina.

- Vai lá... Ela quer você! - Minha irmã fala sorrindo.

Eu olhei para o Dr. Samaniego e sorri, e como sempre O Ruggero tem que fazer ceninha, me olha sorrindo sei que ele estava aliviado me da um selinho e me abraça. 

Logo me solto e acompanho o Dr. Samaniego, chegando na porta do quarto ele me olha sorrindo e abre a porta minha mãe estava pálida com certeza perdeu muito sangue. Me aproximo devagar e ele me olha sorrindo de leve.

- Oi minha princesa... - Fala tentando sorrir.

- Mamãe... - Vou até sua cama e lhe dou um beijo no rosto. - Eu tive tanto medo...

- Minha filha... Não tenha medo, eu sempre vou estar aqui por você... mesmo sem estar! - Fala calmamente, seu semblante era cansado. 

- Não quero que se esforce muito... acabou de sair de uma cirurgia e precisa descansar! - Falo calma e alisando seu rosto.

◇*¤Um mês depois¤*◇

Minha mãe hoje recebe alta graças a Deus, não sabe de nada sobre o dinheiro do meu pai e muito menos do casamento... a verdade é que ela sempre achou que me casei por amor. O pior é que ela está certa nisso... Não casei somente por conta dela, eu realmente amava o Ruggero! 

- Henrique segura as pintas aí... eu preciso ir buscar a minha mãe no hospital! - Falo sorrindo.

- Claro vai lá... - Ele me olha sorrindo e eu saio da central. Não me dei o trabalho de tirar a farda, fui assim msm pois não podia demorar muito.

O trânsito não ajudava muito mais não demorei muito pra chegar no hospital. Estacionei o carro desci e andei até o elevador, chegando no andar do quarto da minha mãe vi que ela já estava pronta me esperando. Me abraçou forte, meu Deus que saudade eu tive desse Abraço. 

- Minha filha o Dr. Samaniego quer falar com você... Não entendi bem o motivo aliás ele deviria solicitar o seu pai já que o responsável por tudo é ele. - Falou ela calma. Meu coração?  Mano meu coração parecía que ia sair pela boca.

- Bom eu vou falar com ele... - Lhe dou um beijo no rosto e vou até a sala do doutor.

Já na sala do Pedro ele da um abraço e sorrimos, fizemos uma linda amizade todo esse tempo. Conversamos e ele me alertou sobre os remédios, o que fazer e o que não fazer, nada de esforço por pelo menos um ano. Ele foi comigo até o quarto de dona Carolina e se despediu dela.

...

Largo e vou pra casa e vou pra casa, estava cansada e só queria minha cama. Entro em casa e sabia que Ruggero estava com a sua vadia de Luxo! Só não esperava encontrar Camila acordada a essa hora.

- Tá tudo bem Camila? 

- Sim minha querida... só queria vê como a senhora está... quase não te vejo mais! Preparei sua comida favorita e uma sobremesa maravilhosa pra você! - Falou ela sorrindo. 

- Obrigada por ser assim... - A Abraço. - Bom vou tomar banho...

- Posso preparar seu banho? - Ela me olha.

- Por que isso?

- Ah, só quero cuidar um pouco de você... todos esses dias você cuidou de sua mãe e quem cuidou de você? Ninguém então quero fazer isso. - Ela fala sorrindo e eu assinto seria justo.

Subimos entre risadas e entramos no meu quarto. Ela me contava sobre sua filha, riamos bastante. Coloquei uma boa música pra tocar baixo, e entrei no meu banheiro e me joguei na banheira, Camila continuava comigo e falando sobre tudo obviamente o Ruggero escutaria já que falávamos alto, ela me perguntava sobre o doutor e sobre o capitão o que deixava envergonhada más confiava nela.

Com um tempo terminei o banho e ela pegou a toalha e me deu. Me vesti e desci com ela para jantar... Chegando na cozinha dou de cara com a vadia de luxo e com ele comendo alguma coisa. Finjo que não tem ninguém ali e continuo falando com a Camila. 

- Vou esquentar o seu jantar, não vai demorar. - Camila fala sorrindo pra mim. 

- Tudo bem eu espero... - Sorri e peguei meu celular.

- O jantar esta quente Camila, a Cande esquentou. - Ruggero falou para poupa - lá. 

- Ela esquentou o seu jantar senhor... o da minha menina eu guardei. - Fala pegando uma vasilha na geladeira enquanto eu a olhava.

- Fez muito bem Camila... vai que a comida esteja envenenada?! - Solto rindo e ela rir também. - O que fez pro jantar Camila?

- Nossa ela agora é cega. - Candelaria fala em um tom de deboche. - Não vê que é risoto de camarão?

- Bom que eu lembre não falei Vadia e sim Camila... - A olho com desdém. E olho pra Camila esperando uma resposta.

- Fiz seu prato preferido minha linda... Nhoque e de sobremesa fiz Tiramisù. - Sorri, sabia que Ruggero amava aquele prato e provavelmente a mocreia também. Esse italianos sabem o qie é bom! Eu amo esse prato mais nada se compara a minha culinária mexicana. Olhei de relance e vi Ruggero e a Vadia de boca aberta.

- Você é a melhor! - Falei indo lhe dar um beijo. 

- Por que ela come o nosso melhor prato enquanto temos que comer risoto? - A vadia perguntou ao Ruggero. 

- Não sei... também gostaria de saber dona Camila...

- UE,  sabe que só faço coisa boa mesmo quando a naja não vem pra cá! - Ri, ou melhor gargalhei. - E como tem um mês que a minha PATROA não se alimenta devidamente bem, estou eu fazendo ela se alimentar para manter esse corpo perfeito que Deus deu a ela! - Rio e me olhou.

Eles a encarou e enquanto ela esquentava o Nhoque sentei na cadeira mexendo no celular respondendo algumas mensagens, meu primo Lío era uma comédia e estava falando comigo pelo WhatsApp. Lionel foi o meu primeiro namorado era uma pessoa incrível mais aí não tiramos nada haver... ele casou e estão me chamando para ir pra balada Sábado e eu concordo mãos falo que não vou com o Ruggero e sim com um amigo! 

_Seu sorriso brilha mais que o sol, seus olhos brilham mais que todas as estrelas juntas, sua pela me fascina mais que a própria Lua! - Admirador secreto. (NEM INVENTE DE ACABAR COM A SURPRESA INDO INVESTIGAR QUEM É!)


Notas Finais


Admirador? Arrasou em Karol?!
Continuo ou paro?
Sabendo que a partir do próximo capítulo em diante a história vai se intensificar...


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...