1. Spirit Fanfics >
  2. Amor por contrato Destiel >
  3. Capítulo 27

História Amor por contrato Destiel - Capítulo 27


Escrita por:


Capítulo 27 - Capítulo 27


 

Dez dias se passaram, e a relação de Dean e Castiel começava a melhorar. Já riam e voltaram a fazer as refeições juntos, porem nada mais que isso. Suas camas e seus corpos continuavam separados.

 

 

 

 


- Atrasado de novo? - Cas disse estendo a xícara de café para Dean que descia as escadas apressado e tentando arrumar a gravata.

 

 

 

 


- Sempre passo da hora por causa desta bendita gravata.

 

 

 

 


- Venha cá e me deixe cuidar disso.

 

 

 


Ele caminhou em sua direção e o menor deu um nó em sua gravata rapidamente.

 

 

 


- Pronto. - ele disse enquanto o loiro bebia o café rápido.

 

 

 

 


Alguém tocou a campainha. Ou melhor dizendo “esqueceu” o dedo na campainha, e não adiantou de nada Castiel gritar enlouquecido três vezes um “já vai!”.

 

 

 


Abriu a porta com cara de poucos amigos, e se deparou com Gabriel, mais branco que um papel:

 

 

 

 


- O que houve? Parece preocupado.

 

 

 


O baixinho entrou sem ser convidado como sempre fazia. Cas fechou a porta dando de ombros.

 

 

 

 


- Ei Gabe. - disse sorrindo – E ai?

 

 

 


- Preciso de você... - o amigo disse aflito, parecendo a ponto de chorar

 

 

 

 


- Bom dia Gabriel. - Dean disse, mas o mesmo não respondeu seu comprimento – Bom, já vou indo. - informou pegando a maleta e indo até a porta - Até mais meninos. Gabe, algum recado pro Sam? - Gabriel apenas negou com a cabeça, e Dean arregalou os olhos – Tudo bem. Um ótimo dia pra vocês. Tchau Cas.- disse fechando a porta

 

 

 

 


- Tchau! - o menor gritou para que ele escutasse. - Fale, o que quer?

 

 

 

 


- Eu sou um idiota! Sou o maior idiota do mundo! - falou parecendo entrar em pânico

 

 

 

 


- Descobriu a pouco tempo? - Cas disse com humor

 

 

 

 

 


- Eu falo serio! - o baixinho ralhou – Estou em primeiro lugar na lista dos idiotas!

 

 

 

 

 


- Puxa... desde quando Dean caiu para a segunda posição?

 

 

 

 


A tentativa de animar o amigo não ajudou muito, pois ao contrario de rir ele bateu o pé no chão, bagunçou os cabelos e sentou no sofá escondendo o rosto com as mãos.

 

 

 

 


- Eu não acredito que fiz isso! - disse quase sussurrando

 

 

 

 

 


- Que fez oque? Que ganhou de Dean em questão de idiotice? - Gabe meneou com a cabeça – Bom, é difícil de acreditar mesmo que alguém ganhe dele. Até eu estou chocado

 

 

 

 


Castiel chegou mais perto de Gabe e percebeu que ele começava a soluçar.

 

 

 

 


- O que houve? - disse ficando sério de repente e vendo que o assunto não permitia brincadeira.

 

 

 

 


Poucas vezes na vida virá Gabriel tão desesperado... Isso se não fosse a primeira vez.

 

 

 

 


- Estou perdido- o baixinho disse erguendo o rosto molhado de lagrimas

 

 

 

 

 

- O que foi? Brigou com Sam? - Cas perguntou sentando ao lado de Gabriel e lhe abraçando com um braço. O menor meneou a cabeça – Então o que foi? Me diga, quero te ajudar.

 

 

 

 

 

 


Gabriel não conseguiu falar. Tinha a garganta apertada e o único som que conseguia emitir, eram os soluços de choro.

 

 

 

 


Ao contrario de falar abriu a bolsa e mostrou para Castiel uma caixinha onde em letras grandes e coloridas de azul e rosa indicavam: “Teste de Gravidez”

 

 

 

 


O queixo de Castiel instintivamente foi parar no chão.

 

 

 

 


- Você... - o Novak não conseguiu terminar a pergunta, apenas apontou para a caixinha

 

 

 

 

 


- Não sei. - disse em pranto – Não tive coragem de fazê-lo sozinho

 

 

 

 


Css não tinha ideia do que falar. Ficou em silencio por alguns segundos que mais pareceram minutos, e quando viu que Gabe estava realmente desesperado e que precisava dele mais do que nunca, respirou fundo e tomou o controle da situação.

 

 

 

 


- Ótimo. Não vamos nos precipitar. A quanto tempo suspeita disso?

 

 

 


- Apenas um mês

 

 

 


- Isso não significa exatamente que esteja esperando um bebê.

 

 

 

 


- Eu me sinto diferente Castiel! Sinto náuseas matinais, excesso de sono e... você sabe

 

 


O moreno esfregou as têmporas.

 

 

 


- Quem é o pai?

 

 

 

 


- Como quem é o pai! - o baixinho pareceu ofendido – Obvio que é o Samuel!

 

 

 

 

 


- Tudo bem, foi uma pergunta idiota, mas.. Por Deus Gabe não sei o que te dizer! Como vocês esqueceram de se proteger?

 

 

 

 


- Oh Castiel, vai dizer que se lembra da merda da camisinha quando esta prestes a ir as alturas com Dean? - Castiel corou com o comentário – Vai me dizer que sempre usaram camisinha!

 

 

 

 


- Nunca usamos camisinha. -  disse um tom de voz mais alto – Eu tomo regularmente o anticoncepcional. Você não?

 

 

 

 

 


- Tenho milhares de coisas na cabeça... nunca me lembro de tomá-lo na hora certa! Não deve ter surtido efeito.

 

 

 

 


- Ou você esqueceu de tomá-lo. - Castiel disse a opção mais provável

 

 

 

 

 


- Oh, o que acontece agora é que eu estou completamente perdido! O que eu vou fazer com uma criança?! Me diga, o que vou fazer com uma criança?! - ele voltou a chorar – Eu nem se quer sei o que Sam acha sobre filhos! Céus o que eu faço Castiel?

 

 

 

 

 


- Gabriel, não chore! - ele disse com os olhos igualmente marejados – Vamos pensar em algo. Estamos juntos nessa.

 

 

 

 


- Obrigado... - o baixinho pronunciou ainda chorando

 

 

 

 


- Bom, você ainda não fez o teste certo? - o amigo assentiu – Então, a primeira coisa é fazê-lo.

 

 

 

 


- Trouxe mais cinco marcas diferentes. - disse secando as lagrimas e tirando as outras cinco caixinhas da bolsa – Se importa se também fizer um? Não quero fazê-lo sozinho

 

 

 

 


Castiel abriu a boca para dizer “Estupidez” mas voltou a fechá-la. Nunca virá o amigo tão transtornado.

 

 

 

 


- Tudo bem. Dê-me um. Eu faço e depois você faz.

 

 

 

 


Cas pegou uma caixinha e foi até o banheiro lendo as instruções.

 

 

 

 

Quando voltou do banheiro, Gabriel o esperava com a expressão que parecia ainda mais aflita.

 

 

 

 


- Sua vez. Você faz todos os cinco de uma só vez e depois vemos o resultado juntos.

 

 

 

 


- Tudo bem. - assentiu parecendo de repente ficar mais confiante.

 

 

 

 

 


Antes do baixinho entrar no banheiro, Cas o abraçou com força. Gabe sorriu sem jeito, entrou no banheiro e demorou alguns minutos até sair.

 

 

 

 


Quando saiu tinha cinco testes na mão e os entregou todos a Castiel.

 

 

 

 


- Me diga você o resultado.

 

 

 

 


O Novak pegou os testes e os colocou sobre a mesa de centro da sala de estar. Sentou-se no sofá ao lado de Gabriel e ambos esperarem ferozmente que cinco minutos houvessem passado.

 

 

 

 


- É agora. - Cas disse se levantando – Quer que eu diga o seu ou o meu primeiro?

 

 

 

 

 


- Tanto faz. -  deu de ombros ainda bastante branco

 

 

 

 


Castiel pegou o dele primeiro.

 

 

 


- Tudo bem, todos são com os resultados iguais. Uma linha negativo duas linhas positivo. - pegou o que Cas havia feito e mostrou para Gabriel – Negativo.

 

 

 

 


O amigo assentiu com a cabeça e começou a esfregar as mãos uma na outra.

 

 

 

 


Castiel pegou o primeiro que o menor havia feito e por sua expressão o resultado já estava evidente.

 

 

 

 


- Positivo, Gabe. - ele esticou o teste para o amigo que pegou-o na mão.

 

 

 

 


- Oh meu Deus. - sussurrou voltando a chorar, enquanto olhava as duas linhas destacadas – Os outros... - disse parecendo esperançoso - … estão diferentes?

 

 

 

 


- Estão todos iguais Gabe. - Castiel abriu um pequeno sorriso enquanto os olhos começavam a transbordar - Você vai ser pai.

 

 

 

 


Gabriel levantou parecendo perturbado e pegou os outros testes, comparando-os. Todos com duas linhas… Todos positivos…

 

 

 

 


- Estou perdido... - começou a repetir sem parar

 

 

 

 


Em um ataque de ira jogou os testes no chão, fazendo Cas se assustar. Apenas um teste havia ficado sobre a pequena mesa de centro, e o moreno o pegou e correu até a cozinha, jogando-o com raiva dentro da lixeira. Desnorteado, voltou com a intenção em dar o mesmo fim aos outros, mas quando chegou na sala, o Novak lhe abraçou e tentou acalmá-lo:

 

 

 

 


- Acalme-se Gabe. Isso não vai lhe fazer bem.

 

 

 

 


- Que se dane! - agritou – Estou perdido … Como vou dizer a Sam isso? Um bebê! Céus um bebê... ele não vai querer um bebê.

 

 

 

 


Castiel sentiu um calafrio na coluna. Gabe não podia falar sério. Não mesmo. Respirando fundo e criando coragem para perguntar, ele falou:

 

 

 


- Mais você o quer, não quer? Você quer um bebê não é Gabe? - perguntou contendo o próprio choro

 

 

 

 


- E-e-eu não sei. Estou confuso - respondeu sentando no sofá. O Novak sentou ao seu lado, sentindo as próprias pernas tremerem.
Gabriel realmente, realmente não podia, não podia por momento algum pensar em interromper a vida de um ser humano.

 

 

 

 


- Você não esta pensando em … em... - a palavra se recusou a sair da garganta de Cas, mas ele tinha certeza que o amigo havia compreendido...

 

 

 

 

O par de olhos castanhos se arregalou e o baixinho pulou do sofá com a expressão assustada:

 

 

 


- A que estima me tem Castiel? Claro que não! Nunca faria isso!

 

 

 

 

 

O mesmo suspirou aliviado, e sorriu:

 

 

 


- Eu sei, desculpe. É que você me assustou...

 

 

 

 


- Eu estou assustado! - disse desabando novamente no sofá – O que eu faço Castiel?

 

 

 

 

 


- A primeira coisa é falar com Sam.

 

 

 

 

 


- Não posso fazê-lo. Não suportarei se ele me lançar aquele olhar de repreensão que os advogados tem. Oh, ele tinha que ser advogado? - Cas se obrigou a rir – Não ria de mim. Estou por um fio de perder o controle.

 

 

 

 

 


O silencio caiu sobre ele, permitindo que ambas organizassem os pensamentos. De repente, Gabriel disse sério

 

 

 

 


- Prometa que por enquanto isso fica entre nós Castiel. Não quero que conte para Dean. Pelo menos ainda não.

 

 

 

 


- Porque? - disse com o tom de voz mais grave que o habitual. Por algum motivo a falta de confiança que Gabe demonstrou por Dean o deixou irritado

 

 

 

 

 

- Quero um tempo para preparar Sam para a notícia. Se você contar pro Dean, temo que ele de com a língua nos dentes. Você pode fazer isso por mim?

 

 

 

 


Cas suspirou e pensou por longos segundos. Gabe tinha o direito de querer esconder isso por uns dias.

 

 

 

 

 


- Quando você pretende contar pro Sam?

 

 

 

 


- O mais rápido possível. - respondeu mirando o chão

 

 

 

 

 


- Quer que eu converse com ele? -  se propôs como qualquer bom amigo faria

 

 

 

 


- Não. Obrigado mas não. É algo que diz respeito a mim, a ele e ao … nosso filho.

 

 

 

 


- Ou filha. - Castiel disse de imediato.

 

 

 

 


Gabriel gemeu e deitou a cabeça no colo do amigo, como sempre faziam quando um estava carente. Cas iniciou o cafuné e disse divertido:

 

 

 

 


- Nossa, estou fazendo cafuné em duas pessoas ao mesmo tempo... e só com uma mão. É tão estranho.

 

 

 

 


Castiel finalmente conseguiu o que queria desde que o amigo havia batido em sua porta. Gabriel gargalhou e secou os olhos.. desta vez não porque estava chorando, e sim porque derramara lagrima de tanto rir.

 

 

 

 


- Você vai ver que vai dar tudo certo. - disse lhe beijando a cabeleira castanha– Eu vou estar aqui com você o tempo todo. Sei que agora você esta com um pouco de medo, e céus eu também estou, mas não precisa se preocupar. Nós, juntos vamos tirar de letra, independente do que aconteça daqui pra frente. Combinado irmão?

 

 

 

 


- Combinado. - Gabriel falou sentindo-se de repente mais confiante

 

 

 


- E pode apostar que se precisar passar noites em claro porque o bebê não para de chorar, ou porque o bebê não quer dormir sozinho, ou quando ele chorar porque quer ser trocado, ou quando ele chorar porque quer mamadeira, ou quando ele chorar … - o baixinho lhe interrompeu

 

 

 

 


- Eu entendi Castiel! - falou divertida

 

 

 


O olhar de Castiel se iluminou:

 

 

 

 


– Já imaginou uma bebezinho me chamando de tio Cas?

 

 

 

 

 


- De Dindo Cas. - Gabe o corrigiu e o olhou nos olhos – A menos que você ache que Dean não vai aceitar. Você acha que ele vai aceitar ser o padrinho?

 

 

 

 


O coração de Castiel bateu mais forte, e ele preferiu brincar do que falar realmente sério:

 

 

 

 

 

 

- Acho bom mesmo. Mataria você se não me chamasse para ser o padrinho do seu primeiro filho. - Gabe riu novamente.

 

 

 

 

 


- Será que ele ou ela, vai ter meus olhos?- o baixinho parecia sonhador com um grande sorriso nos olhos – Eu gostaria que tivesse os cabelos de Sam... e o sorriso de Sam. Por mim poderia ser a caricatura dele.

 

 

 

 


Castiel riu e continuou acariciando o cabelo do amigo:

 

 


- Tenho certeza que será uma criança linda, Gabe

 

 

 


- Eu também, Cas.
 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...