História Amor por contrato (Triplo Imagine - Monsta X) - Capítulo 15


Escrita por: ~

Postado
Categorias Monsta X
Personagens Hyung Won, I'M, Joo Heon, Ki Hyun, Min Hyuk, Personagens Originais, Show Nu, Won Ho
Tags Chae Hyung Won, Harém-reverso, Hyungwon, Im Chang Kyun, Jooheon, Kihyun, Kpop, Lee Min Hyuk, Minhyuk, Monsta X, Shin Ho Seok, Show Nu, Son Hyun Woo, Universitário, Won Ho, Yoo Ki Hyun
Visualizações 105
Palavras 3.200
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Bishounen, Comédia, Crossover, Esporte, Famí­lia, Festa, Ficção Adolescente, Harem, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Álcool, Linguagem Imprópria
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Superrrrr atrasada
Ain q vergonha
Perdão meus bebês, to fazendo cosplay de Flash esses dias e só encontrei hj pra terminar de escrever
Mas, depois do enem (q vou fazer pra tentar conseguir n pagar mais faculdade) vou voltar tranquila
Bora lá
|
|
|
|
Boa leitura~

Capítulo 15 - 014


 

Arrepios nada bem vindos insistem em subir por toda minha espinha dorsal, causados pela bendita sensação malquista de ter todas as almas presentes nesse parque hoje, olhando para mim enquanto acaricio os fios negros do beiçudo, quem já tem sua coloração comum. Um grito vindo do além que nos fez desvencilharmo-nos dessa situação meramente embaraçosa para mim, pelo menos. 

  — O que estão fazendo? – Na Woo questiona após se aproximar do nosso atual banco depois do berro estridente. – Quem é esse? – nem engolir em seco eu faço, pois não tenho saliva nem pra isso. A água do meu corpo deve ter sido evaporada pelo sol compilado com meu nervosismo. – Princess, você não... 

  — Não! – a corto antes de Kris sequer pensar na palavra final. – Ele é... Meu... Meu... Cadê o Joo Heon? – descaradamente mudo de assunto. Na tora mesmo. Antes que eu me cague aqui. 

  — Foi comprar água pra gente. E seu namorado? Onde está? – a nova morena cruza os braços logo após um torturante ênfase no pronome referente a minha pessoa.nósung Won meu caro, não morra agora e use sua língua tagarela pra algo útil!

  — Tô aqui – o beiçudo diz suave, carregado da tranquilidade ausente em mim. Eu pedi algo útil, Chae Hyung Won! No termino de sua fala, eu o olho totalmente assustada e prestes a sair correndo.

  — Como? Eu não sei o nome do garoto, mas sei que não é você! – já estou fodida mesmo, não é? Vamos lá então.

  — Okay – respiro fundo e me levanto ficando frente a frente com a morena. – Eu namoro o Ki Hyun, aquele que você conhece, mas também namoro o Hyung Won – digo tão rápido que poderia entrar no livro dos records.

  — Espera – Kris descai os braços e seu semblante sério poderia me encher de buracos com tamanhos diversificados de tão penetrante e cortante. – Você trai o Ki-sei-lá-das-quantas? – abro a boca na intenção de respondê-la, mas a morena continua. – Não acredito! He, de princesa você tem só a cara. Cara essa desprovida de vergonha necessária!

  — Ai ai ai, calma. Deixa eu explicar – Hyung Won começa levantando-se juntando seu corpo a peitar a garota junto de mim. – Ele sabe – diz num suspiro o que faz a garota, agora de feição confusa, arregalar os olhos.

  — O que?! – grita atraindo olhares (dessa vez tenho certeza) a nós. A gritante cora violentamente e abaixa a cabeça como quem não quer ter o rosto visto. Ah, se eu pudesse já estaria à, no mínimo, dez palmos a baixo do chão.

  — E tem mais um – isso faz a Kris envergonhada levantar o rosto trazendo um olhar descrente a mim e Hyung Won. – Mas isso realmente não é da sua conta, então que tal fingir que não sabe de nada?! – wow, essa maneira curta e grossa do beiçudo eu ainda não havia visto.

 — Como você quer que eu esqueça? Eu acabei de ouvir que  princess, a virjona do dormitório, se não do campus, tem três nam...

 — Chega! – a interrompo, mas me parece ter sido alto demais. Por que o ser humano tem que ser tão curioso? – Só... Só esquece isso. Por ora – sussurro minhas palavras finais antes de me sentar de forma jogada na beira do banco jaz desocupado.

 Não que eu não concorde com o espanto de Kris, porém minha verdadeira intenção era que ela nem soubesse sobre. Já não basta os de fora olhando através de mim, não quero perder o mínimo contato que tenho com uma ou outra do dormitório. Por mais que a idéia de ter feito errado ao contar pra Kris sobre, mesmo ela não sabendo que tudo se resume a um contrato ilegítimo, eu senti um alívio inimaginável ao dizer sobre. Isso apenas me mostra que ter esse tipo de relação pressiona-me e é desgastante

 — Ei, princess! – a voz de Pyo Lee, que já está sendo irritante de ouvir, chama por mim desviando meus pensamentos e a atenção de todos nós três. – Que tipo de namorada você é? – questiona autoritária tendo atrás de si um I.M voado, um Wonho com espanto esboçado na face e uma Jae Bom rindo de engasgar acompanhada de Min Hyuk vermelho de tanto rir e Ki Hyun sem qualquer brilho nos olhos ou vida no rosto.

 — Desculpa? – interrogo mudando meu olhar de inerte para uma tentativa de indignação.

 — Você deixou seu namorado sozinho pra ajudar o amigo dele? – meus olhos se arregalam com a frase dita. Não sei definir bem qual o real motivo. O fato de que Paek Pyo Lee está demonstrando interesse excessivo sobre meu envolvimento com os garotos; ou que Wonho poderia ouvir e desconfiar, já que eu fiquei foi com o Hyung Won (quem ele sabe que tenho relação além); ou por uma vontade estranha e primária de bater nela. Mas no fim, fiquei sem reação, como de costume pelo mesmo medo; afastar dos poucos que troco um “oi” que seja.

 — Isso não te interessa, Lee – Na Woo intervem. – Se ele não se importa, por que você deveria? – okay, alguém além de Sakura está a meu favor e isso muito novo pra mim. Não surta.

 — Ele deve estar tímido para buscar satisfações, tendo a gente por perto – a acastanhada retruca como se tivesse certeza que é dona da merda nenhuma.

 — Na verdade, não – o motivo da discussão se junta, seguido por Min Hyuk, à rodinha formada envolta do banco ocupado por mim. – Nós três sabemos como a preciosa é protetora e cuidadosa com todos. Ela ficou preocupada com ele, o que tem demais? 

 A causadora de todo um rebuliço desnecessário abre a boca para emitir algo, porém nada sai. Mais um vez, e o mesmo resultado. Não sei o porque dela estar a me perseguir tanto, mas está irritante. Nunca imaginei-me considerar a presença de alguém de forma tão desconfortável como Pyo Lee está fazendo esses dias.

 — Você nem tem nada com isso, por que insiste tanto em render o assunto? – me pronuncio cansada de vê-la com suas tentativas de dizer algo. – Onde a Sakura e Shownu estão? – pergunto pretendendo desviar os olhares surpresos de cima de mim. – E Wonho e I.M? Eles estavam aqui a segundos atrás.

 — O casal foi comprar algodão doce e tentar resolver e treta insignificante sobre o boné do Hyun Woo – Jae Bom responde minha segunda questão, já que Pyo Lee fechou a boca por ora. – E os dois palermas foram atrás do Joo Heon por água e acho que vou também. Estão demorando muito – dito isso, a jaz risonha se vira afastando-se de nós.

 — Bom, parados aqui que não vamos ficar, né? – Kris começa. – O que querem fazer enquanto esperamos por eles?

 — Comer – sou acompanhada pelos outros três, formando um coro, o que gera risadas entre nós quatro, uma Kris de órbitas arregaladas e uma Pyo Lee sem graça.

 — Eu vou ir atrás dos outros – ao proferir isso, a acastanhada se retira sem mais dizer. E, para mais uma primeira vez no pote, eu dei de ombros por tal ato.

 — Comer então – o algodão diz me puxando pela mão sem esperar mais e guiarmo-nos para uma das muitas lanchonetes ali.

 O restante do dia foi muito mais tranquilo e eu pude aproveitar com vontade. Sakura teve que levar Shownu embora antes que o mesmo batesse no assistente por ele não poder ajudar sobre a perda do boné; Pyo Lee não ficou junto de mim e os outros; Kris trocou o Joo Heon pela minha companhia e a dos garotos; Joo Heon e Wonho só foram vistos por mim quando nos encontramos todos do lado de fora do parque; e eu tinha me esquecido sobre Yun Jin, Jae Hee e Ma Ju. Na Woo me fez prometer contar como meu relacionamento poliamoroso começou e como é viver um, sendo que nem eu sei. Prometeu-me guardar segredo mesmo achando besteira o fazer. E agora cada um está em seu caminho para casa tendo Hyung Won dirigindo dessa vez. Ao som de Pink Lady, solo de MiSo. Eu estaria empolgada, mas as inúmeras mensagem sendo “Desconhecido Trouxa” o remetente, conseguiram me cativar mais.

 

 Desconhecido Trouxa:

 - Me sinto o maior trouxa

 - De todos os tempos

 - Passei praticamente a noite inteira

 - Te mandando mensagens

 - Mesmo sabendo que você não gosta

 - E aqui estou de novo

 - Bem de manhãzinha

 - Aposto que você nem está lendo

 - E tenho certeza que estou te irritando 

 - Talvez seja esse meu objetivo

 - Eu tenho que sair agora

 - Encontrar alguém

 - Mesmo que não seja quem eu queria

 - Nos vemos mais tarde

 - Finalmente acabou

 - Quase que fugi

 - Mas não certo (҂⌣̀_⌣́)

 - Sabe princess

 - Me pergunto onde você gostaria de ir

 - Em um primeiro encontro

 - Vou pensar mais sobre esse assunto

 - Pode ser que não demore para isso acontecer

 - Mesmo tendo essa bixa

 - Que você insiste em intitular como seu namorado

 

Mensagens desde às sete e meia da manhã até a dois minutos atrás. Eu nem ao menos tenho algum pensamento sobre isso na minha mente. Realmente não sei como se deve reagir a situações assim. Ignorar? Bloquear? Apagar? Responder? Perdida num buraco mental que eu acabei de criar, sou forçada a sair dele quando Min Hyuk cutuca minha bochecha.

 — O que foi, preciosa? 

 — Nada demais – não é algo relevante, então eu não menti.

 — Tava olhando o celular de forma tão concentrada. Tem certeza que não é nada? – Ki Hyun quem questiona.

 — Tenho.

 — Mas o poste do Chan Yeol está passando ali e você nem sequer olhou – um quase poste falando do outro. Olho para a tela do DVD que reproduz Lotto no momento.

 — Bom assim, não? – o algodão doce argumenta já mostrando as bordas de seu ciúmes sempre sem razão.

 — Podia pelo menos me notar, não acha? – ruivo mais aleatório está longe do cabeleireiro.

 — Por que ela notaria você? – e lá vamos nós com Min Hyuk de novo. Não há o que eu possa fazer além de olhar, há? Eu não sei. Arg, odeio a forma como ficar perdida sem ações se tornou um hábito a pouco menos de um mês.

 — Ser o namorado dela não é motivo suficiente?

 — Não quando você não é o único.

 — Tá com medo de ser chutado, Min Hyuk?

 — Não seja estúpido. Além do que, é mais fácil você ser trocado que eu. Nem pra passar a semana com a preciosa você serve.

 — Como? O que quis dizer com isso, cara de cavalo?

 — O que você entendeu.

 — Para porra! – Hyung Won se extravasa batendo com as mãos no volante ao pararmos em um sinal vermelho. – Coisa irritante! Para com essa merda de crise de ciúmes, Min Hyuk!

 — O que? Por que eu? – pergunta com a voz carregada de incredulidade.

 — Por que você começou – o beiçudo diz óbvio. Sinto-me um telespectador de teatro dramático sem reação.

 — E por isso acaba de perder sua semana – Ki Hyun finaliza sério.

 — Hã? Como isso? – indaga mais uma vez incrédulo.

 — São as regras, Min Hyuk, você sabe. Você quem as fez.

 — Você teve um ataque de ciúmes comigo na segunda semana do mês! Por que não teve punição? – questiona levantando uma questão que deixou os outros dois pensativos.

 — Porque não lembramos?! – Ki Hyun mais pergunta do que exclama.

 — O negócio é comigo? – e com essa frase de Min Hyuk que eu canso.

 — Não, fala sério. Encerrou, okay

 Os três se silenciaram deixando que a dupla AKMU se certifique de não haver um silêncio ensurdecedor dentro do veículo. Por algum motivo estranho, meus dedos coçam pedindo que eu responda aquela cachoeira de mensagens. Bufo de arrependimento sem ter feito ainda.

 

                  Desconhecido Trouxa:

 - Tem razão

 - Você é um trouxa de grife

 - Mais trouxa por querer manter sua identidade em sigilo -_-

 - Honrado em ter sido respondido por você dessa vez

 - Sobre omitir meu nome

 - É para mantermos uma diversão mais prolongada

 - E um mistério clássico

 - O que quer dizer com “por você dessa vez”?

 - E irei ignorar esse seu papo de à toa

 - Qual é, princess

 - Eu sei que não foi você quem me respondeu de primeira

 - Tenho certeza que você não soube o que fazer quando recebeu minhas mensagens

 - Então algum conhecido seu o fez

 - Sendo meio rude, mas nada que me afete

 - Agora irei ignorar você

 

 Bloqueio o celular por notar que estamos estacionados no estacionamento do campus. Vasculho com os olhos por dentro do veículo e encontro três pré-adultos de cabeça baixa. Suspiro pesado e me ajeito no banco de modo a poder olhar para os três jujurus. E eu sei bem o motivo disso.

 — Certo. Seguinte, vocês três são amigos a mais tempo do que sabem da minha existência. Não ousem deixar que minha pessoa seja motivo de intrigas entre vocês – começo mantendo o tom sério. – Sobre isso de perder a semana, não significa que não possamos nos ver, certo? E eu não sei porque está tão afetado por não ter minha presença insignificante – reviro os olhos, pois pra mim o que eu disse não é nada, mas os olhares que recebo mostra que sou a única a pensar assim.

 — Não fale isso! – o beiçudo exclama.

 — Nunca mais! – o algodão doce completa. Típico.

 — Não estamos brigados. Estamos tristes por saber que sentimos ciúmes entre nós e isso significa falta de confiança. A preciosa não está nos causando nada de ruim – o ruivo diz de um modo tão firme que eu poderia sentir seus olhos brilharem.

 — E jamais diga que sua presença é insignificante de novo. Só sua áurea nos causa conforto. Sua presença é como um acordo de paz entre nós e os problemas ao nosso redor. Eu vou aceitar essa pelo ciúmes, pois quebrei uma parede que não deveria ser tocada – Min Hyuk finaliza nossa conversa e todos os quatro saímos da Ranger compartilhável.

 — Fico contente em ouvir isso – e não minto. Senti algo quente em meu peito por ver a união deles entre si. Isso me causa uma pitada de inveja, mas aquela inveja do bem (se é que isso existe). – Nos despedimos aqui então. Boa noite – aceno recebendo sorrisos como resposta e me afasto.

 Ao entrar no dormitório, limpo que dá até orgulho, dou de cara com uma Ma Ju esparramada no chão. Parando pra relembrar, não vi Ma Ju, Jae Hee nem Yun Jin durante o passeio. Entro mais a fundo na sala e vejo Yun Jin jogada no sofá. Eu hein. Deixo meu celular encima da mesa de centro e vou até a cozinha na ideia de beber água pra dar de frente com Jae Hee largada em uma cadeira. O que capeta está acontecendo? 

 — Eh... Jae Hee? Tá viva? – cutuco o corpo desacordado com o tronco na mesa e este grunhi. É suficiente saber que ela está viva.

 Completo meu objetivo e volto a sala apenas para buscar meu bebê e subo escadas já pensando no meu banho merecido. Pensamentos esses que esvaíram ao entrar em meu quarto e encontrar Kris e Sakura sentadas na minha cama a conversar.

 — Erraram de quarto? – pergunto irônica fechando a porta atrás de mim. – Como chegaram aqui tão rápido? Quer dizer, fui a ultima a chegar? – um aceno é minha confirmação. Mais uma coisa estranha pro dia prestes a fechar.

 — Não erramos de nada. Estamos aqui pra conversar – Na Woo se levanta e vem de encontro a mim. A estrangeira começa a mexer no meu cabelo o que me faz franzir a testa até chegar a doer.

 — O que tá fazendo? – questiono sobre vê-la brincando com minha bagunça na cabeça.

 — Estão princess, tá na hora de matar nossa curiosidade – Sakura me puxa pelo braço levando-me a sentar na cama e as duas lado a lado em pé na minha frente.

 — Que?

 — Já que a Sakura sabe que eu sei, chegamos num acordo de te deixar responder uma pergunta por dia.

 — E eu concordei quando? 

 — Agora mesmo. Com sua entrada no quarto – a NASA tá precisando dar uma passadinha aqui na faculdade. Vai encontrar diversas espécies de doidos.

 — E tinha como eu não fazer? É meu quarto – dou ênfase ao pronome referente a mim e me levando da cama. Mas logo sou empurrada por uma mão de cada curiosa ainda em minha frente, fazendo eu me sentar novamente. – Ah cacete, fala logo.

 As duas se entreolham com cumplicidade e acenam levemente como se não quisessem que eu visse. Lá vem bomba e das grandes.

 — Como é transar com os três? – dizem em conjunto tornando a pergunta em uma só voz. Pergunta que faz meus olhos quererem pular a janela. Mais vermelho que meu rosto nesse momento, só o sangue que está acumulado em minhas bochechas.

 — C-como assim? – me amaldiçoo por ter gaguejado.

 — É sabe... Vocês fazem juntos? – Kris se senta a minha direita no colchão com olhos brilhantes, dando-me vontade de fura-los com as unhas.

 — Ou é só com o parceiro da semana? – Sakura se senta do meu lado esquerdo com um sorriso malandro demais pro meu gosto.

 — E-eu não... Quer dizer, no-nós não... – mundo, pesso que me engula e não me solte mais. Pode digerir e dar fim.

 — Que?! – Na Woo exclama alto. Seus olhos, ainda brilhantes, agora arregalados cheio de desentendimento.

 — Vocês não transaram ainda? – o que fazer se não negar com a cabeça? – Princess, eu sei que você nunca tinha beijado até nosso jogo da garrafa, o que nem foi beijo direito. Mas pensei que estando namorando, tendo três namorados – um maldito ênfase é dado a quantia falada – você descobriria o lado bom da vida.

 — Exato exato – a morena concorda ainda de olhos esbugalhados. Está me dando é medo.

 — O que eu namorar tem a ver com isso? 

 — Certo. Princess, não fique com raiva de mim por isso – começa Sakura. – Você tem três fucking boys como namorados. Como você nunca tentou nada? – perdida estou.

 — É sabe. Seria bem complicado me segurar – não sei do que estão a falar.

 — Eu iria passar um bom tempo sem dançar – diz a mestiça e solta uma risadinha marota.

 — Tá, do que estão falando exatamente? – ambas param de rir e me olha revirando os olhos. Ah saco.

 — Eles são gostosos, princess

 — Demais. Tá na hora de começar a aproveitar, né? Você já passou uma semana com cada um, já é suficiente.

 — Suficiente? Pra que? 

 — Pra dormir com eles! Pelo amor de deus, você é mais lerda do que eu pensava – as ofensas de Kris Na Woo não me ofendem mais.

 — Por que eu faria?

 — Porque eles tem necessidades. E se você não fizer...

 — Alguém vai – finaliza a morena e ambas saem do meu quarto deixando para trás uma eu perdida e sem qualquer entendimento sobre o que acabou de acontecer.

 Dormir, é isso que eu precioso. Já agilizando as coisas, deixo minha cama no jeito e sigo para o banheiro com meu conjunto de pijama (composto por uma calça moletom e uma regata surrada), minha toalha e escova de dentes. Sem mais enrolação, pulo sobre meu colchão confortável e tento dormir. Só tento, por que está bem difícil. Eu não consigo entender o que elas queriam dizer com “se eu não fizer, alguém vai”. Fazer o que? Eu já dormir com o Min Hyuk, tecnicamente falando. Dormimos no mesmo quarto. Não é isso? Essas merdas de pensamentos teóricos estão travando meu sono!


Notas Finais


Teve umas bebezidades mandando mensagem sobre as interações nas notas finais kkkk eu vou fazer mais pq eu gosto kkkk n se preocupe.
Comecei uma parceria de uma short com uma dongsaeng muito fofinha hehe
Com o EXO, dê uma olhada depois
https://spiritfanfics.com/historia/em-outra-vida-suho-e-xiumin-10675219/capitulo1

Obrigada por ler~
Comentem oq acharam. Já disse q amo interagir com vcs? Hehehe

Mais um beijo diferente e vcs sabem o pq

Kiss kisu~ ( ˘ ³˘)💋


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...