1. Spirit Fanfics >
  2. Amor pra sempre >
  3. 18 - Hearth broken (cap extra)

História Amor pra sempre - Capítulo 20


Escrita por: smont

Notas do Autor


Aviso: Isso não é bem um capítulo, é um momento extra :)

Capítulo 20 - 18 - Hearth broken (cap extra)


Fanfic / Fanfiction Amor pra sempre - Capítulo 20 - 18 - Hearth broken (cap extra)

~ Pov Ruby

Eu estava sentada na minha cama enquanto olhava meu celular, fazia dois dias que eu recebia ligações de Kathryn que depois eu percebi que estava em algum lugar na América Central - pelas fotos das redes sociais. 

A ideia de ter Kathryn me ligando provavelmente bêbada fazia um misto de sentimentos dentro do meu peito e me dava a maior dor de cabeça. 

 

- Narrador / Kathryn [5 meses atrás] ---------------------------------------------------------------------------------------

 

- Isso é um absurdo, quem esse Hood pensa que é? - Alex falava enquanto dirigia o carro de volta para o hotel onde Kathryn morava. - O senhor podia ligar para o pai dele, você o conhece não? Ele não é o real dono daquele escritório? - Ursula falava com desdém na voz. - Calem a boca, pelo amor de Deus! - Kathryn falou mais alto do que pretendia e também se calou pelo resto do caminho até sua casa.

 

~ SQ ~ 

 

Se precisar de mim, me ligue - Alex se conteve em dizer ao deixar as duas mulheres na entrada social do hotel. 

Kathryn se conteve em apenas concordar com um aceno da cabeça e se virou para subir para seu apart, na realidade, ela não queria nem que Úrsula a acompanhasse mas não podia dispensar a amiga, ela sabia que a amiga estava deixando muitas coisas pra ficar do seu lado nesse momento.

 

Momento esse que Kathryn não sabia o que estava sentindo. Era tudo uma grande confusão dentro dela. Ela sentia raiva de si mesma e de Emma. Da mesma por que não deveria ter ligado, ela sabia que Ruby provavelmente estaria dirigindo e que Ruby ficaria nervosa com a sua ligação - ok, mas não ao ponto de não prestar atenção na estrada. 

 

A raiva de Emma era algo que já havia aflorado algumas vezes mas nada forte, antes daquele dia, era apenas uma pequena intriga com a idolatrada Emma, mas isso ela tinha também até em relação a Regina, não entendia o que tanto a amiga comparava Emma e Ruby, pra Kathryn as duas eram muito diferentes, Ruby muito mais amável.  E ela estava certa - na sua visão da coisa - pois as duas grandes brigas que teve com Ruby parecia que Emma entrava no meio e empurrava Ruby para longe de Kathryn, e dessa vez até mesmo uma pequena ajuda judicial ela havia pedido para garantir tal coisa, um jogo sujo. 

 

- O que você está pensando? - perguntou Ursula enquanto as duas estavam jogadas no sofá pouco tempo depois de terem chegado.

- Eu preciso pedir desculpas para Ruby… - Kathryn falou com a voz baixa. 

- Desculpa por que? - Ursula arregalou os olhos e encarou a amiga, ela sempre fazia isso quando estava contrariada. 

- Por que eu quase a matei, Urs - Kathryn falou e poderia gritar com a amiga, mas não faria por que se continuasse naquele caminho, provavelmente iria chorar.

- Ah! Mas não foi culpa sua ela atender, não foi culpa sua ela se enfiar no meio da pista - Ursula falou mas teve a decência de se calar ao ver a cara da loira. - Você precisa de um shot de tequila, lá de Cancun! 

- Tá de brincadeira né? - Kathryn se levantou jogando uma almofada no colo da amiga de modo bruto. - Eu vou deitar. 

 

Às vezes, Kathryn se perguntava se o otimismo de Úrsula não era uma espécie de patologia. Ela se jogou na cama agarrando um de seus travesseiros, mas sem ser por acaso era o que geralmente Ruby dormia… Kathryn proibiu de lavarem a fronha dele depois da última briga mas pode constatar que o que não queria que acontecesse aconteceu: o cheiro de Ruby já não estava lá.

Ela escutou a porta do quarto se fechar, sinalizando assim que Úrsula já tinha ido embora e agora ela podia chorar do jeito que queria sem ser interrompida. 

 

~ SQ ~

Os dias se passaram e Kathryn ia com frequência na casa de Zelena para saber notícias de Ruby, apesar da crítica de seu pai e de Úrsula, em momento nenhum ela pensou em falar com Robin sobre o assunto, mesmo quando encontrava ele em casa. 

- Eu mandei uma mensagem para Ruby ontem… - ela dizia enquanto segurava seu copo de suco com as duas mãos. 

- Ela não tá usando o celular ainda - Zelena comentou enquanto folheava uma revista de nomes de bebe. - O que você acha de Margareth?

- Achei que ela tinha me bloqueado - falou Kathryn com um sorriso amarelo - a mãe da Emma não tem esse nome?

Zelena a olhou como se fizesse uma pausa e depois deu uma risada concordando com a cabeça. 

 

- Verdade, tia Mary se chama Mary Margareth, obrigada pela lembrança - ela falou voltando a atenção a revista com um sorriso no rosto. - Ruby não bloqueia ninguém, querida, mas ela ignora.

- Muito bem… - Kathryn falou suspirando novamente.

 

Kathryn sabia que Ruby já tinha voltado para a cobertura, ela estava a 5 andares de distância da ex-namorada e se não fosse a casa de Regina e Emma ela já tinha batido na porta até Ruby aparecer.

Ela escutou vagamente um pouco mais sobre os nomes do bebe, Zelena estava empolgada de não saber o nome então fez uma grande lista de duas colunas. E Kathryn se preparou para ir embora pois Robin já estava chegando e ela se sentia desconfortável na presença dele com toda a história da restrição.

- Bom, eu vou indo - ela falou dando um beijo na amiga - obrigada pela companhia. 

- 'Magina, aqui você é sempre bem vinda, amiga - Zelena falou com um sorriso sincero. - te mantenho informada o máximo que puder. 

- Obrigada de novo, Zel! - Kathryn falou mandando um beijo no ar antes de sair pelo corredor. 

 

Kathryn desceu até o térreo e pegou o celular para pedir um táxi quando deu de cara com Granny que entrava no condomínio. As duas se olharam por um momento e Kathryn desejou que ela não parasse, mas a loira não podia se gabar da sorte naqueles dias. 

 

- Bom te ver aqui - Granny falou com aquele sorriso de vovó, seus olhos se contraindo atrás dos óculos. - veio ver Ruby?

A loira piscou atônita, será que Granny estava tirando uma com a cara dela?

- Na realidade eu estava com Zelena - Kathryn falou e agora quem parecia surpresa era Granny.

- Por que você não foi visitar Ruby? Vocês tem que conversar! - Granny falou ajeitando a sacola nas mãos. - Vamos subir, você tem que ver como ela está bem! - disse com um grande sorriso e pegou de leve no braço de Kathryn que rapidamente colocou a mão em cima na de Granny num gesto para parar. 

- Desculpe, Granny… - os olhos da loira se encheram de lágrimas - eu queria muito ver sua neta, mas eu não posso. 

 

Antes mesmo de Granny poder pensar em insistir, Kathryn saiu de perto da senhora pois não podia segurar o choro por muito tempo e seria ainda mais humilhante deixar Granny a ver naquele estado. Ela saiu pela calçada e andou por um quarteirão onde sabia que tinha um ponto de táxi. 

 

~ SQ ~

 

Granny subiu para a cobertura e deixou a sacola na cozinha. Ela iria fazer uma torta mas antes de tudo, agora precisava conversar com sua neta. 

- Ruby Wolf Luccas - chamou Granny parada na porta com as mãos uma em cada lado de seu quadril. 

- Que foi! - Ruby pulou de susto na cama onde estava assistindo seu seriado favorito. 

- Eu só não falo pra você levantar dessa cama por que você não consegue - falou Granny - mas precisamos conversar sério, menina!

- O que eu fiz? Eu nem posso aprontar nada! - Ruby falou olhando para a avó. 

- Encontrei com Kathryn, e eu já te perguntei e vou te perguntar de novo, mas agora eu quero a verdade, por que ela não vem te visitar? - Granny perguntou franzindo o cenho atrás dos óculos. 

 

Ruby tinha acabado de tomar um copo de água mas sua garganta ficou seca devido ao nervosismo que aquele olhar, embora bondoso, transmitia uma autoridade marcante na morena. Ela suspirou antes de contar toda a história com mais detalhes do que já havia contado, Granny sabia apenas que elas tinham terminado por que, na visão de Ruby, Kathryn menosprezava o modo de vida que ela vivia, mas mesmo sabendo que aquilo não era 100% verdade, Ruby ainda tentou debater com Granny que estava certa.

 

- A conversa é a base de todo relacionamento - Granny falou sabiamente depois de escutar - Você acha que seus pais, os Mills, os Nolan e Regina e Emma não conversam e não brigam? - falou.

- Ah vovó - suspirou Ruby que agora estava com o rosto vermelho de segurar o choro. - eu não vou falar com ela, eu  perco a cabeça quando escuto a voz dela e - ela fez uma pausa e limpou uma lágrima do rosto, sua feição havia mudado de triste para amarga - se eu não fosse uma idiota por ela, eu não estaria nessa merda de cama!

Granny tentou ser o mais durona que podia, mas ver sua neta de coração partido a deixava também. Ela ficou em silêncio e chegou mais perto da cama e abraçou como pode Ruby que chorou mesmo contra sua vontade.  

 

------------------------------------[/ Flashback Off /]-------------------------------

 

~  Pov Ruby

 

- O que você está tão interessada nesse celular? - escutei a voz de Aurora vindo da direção do banheiro e por impulso desliguei o celular. 

Aurora havia dormido em casa, ela era uma garota legal. Nos divertimos muito no quesito cama e ela tinha um senso de humor parecido com o meu, a olhei por um momento e sorri amarelo. 

- Nada de importante - falei colocando o celular na cômoda e me virando para olha-lá novamente - Vem cá - falei dando um tapinha no colchão. 

- A gente podia sair um pouco do quarto… - Aurora falou chegando perto da cama mas ficando em pé. 

- O que você quer fazer?

- Não sei, mas não quero ficar entocada aqui dentro - ela disse.

 

Neal e Meegan estavam em casa, e apesar de Aurora ser colega de classe de Megan, eu não gostava de juntar os três. Não sabia muito bem por que eu tinha essa atitude, mas no fundo sabia que não queria que eles se apegassem a Aurora como alguém que eu estivesse me relacionando.

 

- Vamos dar uma volta então - eu falei saindo da cama. 

 

~ SQ ~

 

Aurora e eu andávamos pela China Town enquanto eu comia um espetinho de camarão e ela olhava algumas coisas sem muito interesse, ela havia levado sua câmera mas não tinha tirado foto alguma. 

 

- Por que você nunca me dá a mão quando a gente está na rua? - ela perguntou e eu quase me engasguei.

- Como é? - falei automaticamente. 

- É isso… 

- Ué, quer dá a mão a gente dá! - falei tirando minha mão livre do bolso da jaqueta e estendendo pra ela. 

- Não assim - ela falou me olhando triste e eu fiquei sem graça e guardei minha mão rejeitada no bolso novamente. 

 

Eu fingia que não entendia o que ela queria dizer, mas eu sabia que já estava chegando a hora de a gente parar de se ver, era sempre assim… Eu conhecia alguma garota legal e de repente ela queria fazer o papel de namorada. Bom, eu nunca quis namorar e principalmente agora que estava tentando costurar meu coração. 

 

- Eu vou aproveitar que estamos aqui e ir pra casa - ela falou quando passamos por um ponto do metrô. 

- Te levo  - falei e ela balançou a cabeça negativamente.

- Tudo bem, até depois - ela se inclinou para mim me depositando um beijo na bochecha.

 

Fiquei ali parada sem ter o que falar e esperei ela sumir nas escadas antes de me virar e seguir para o meu carro que estava estacionado na quadra de trás. Meu celular tocou com uma mensagem de Emma:

 

“Chegamos, exaustas. Vamos jantar?” - eu sorri ao ver a mensagem ao mesmo tempo que me sentava no banco do carro, respondi rapidamente que sim e guardei o celular no porta luva - hábito que tinha pego depois do acidente.

 

Depois do acidente, eu estava tentando me reencontrar, tudo parecia novo pra mim por que antes de quase morrer, eu estava totalmente confusa com o meu propósito na Terra, como Granny sempre me dizia: todo mundo tem um destino e eu sempre me perguntei qual era o meu. Por muito tempo eu achava que estava no caminho certo, até Kathryn aparecer na minha vida.

 

Aquela mulher jogou toda a Ruby Luccas que eu era no lixo e me fez colocar uma nova no lugar. E eu adorava a Ruby que eu tinha me tornado ao lado de Kathryn, eu me sentia muito mais adulta e responsável, conseguia entender um pouco mais o que Regina e Emma me falavam sobre querer um emprego melhor ou fazer coisas de gente grande, que a vida não era só mulheres e cerveja. 

 

Só que ao mesmo tempo que Kathryn havia me tirado dessa bolha adolescente, ela brigou comigo quando eu tentava criar uma nova alternativa para a minha vida ao lado dela e isso era algo que eu pensava todo santo dia. Principalmente quando ela me ligava, mas bom, eu nunca disse para ela parar. 

 

Eu sabia que eu ainda amava aquela mulher mesmo tendo uma raiva dentro de mim que eu não conseguia tirar e talvez fosse por pura vaidade que eu deixava o telefone tocar e ficava olhando e contando quantas vezes ela deixava tocar, imaginando como ela estaria naquele momento, o que ela falaria. 

 

Talvez eu devesse ser sincera com Aurora, mas se eu contasse sobre meus sentimentos pra ela, eu a machucaria ainda mais. Aproveitei que ela parecia ter entendido o que eu pretendia - não pretendia mais do que uma amizade colorida - e não gostando, iria se afastar. Fiz uma nota mental para não ligar mais para ela, já que parecia que estávamos querendo ir para lados diferentes.

 

Eu estava me sentindo bem com tudo o que estava acontecendo na minha vida, eu renasci naquele susto do acidente, isso era verdade, mas mesmo assim, mesmo eu não falando com ninguém sobre o assunto como se assim ele fosse desaparecer da minha cabeça, eu ainda amava Kathryn Middas. 

 


Notas Finais


Apenas para situar os sentimentos de Ruby que afinal, é a melhor amiga do nosso casal favorito <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...