História Amor psicopata - Park Jimin - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Amor Psicopata, Bts, Jimin Bts
Visualizações 44
Palavras 1.751
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Hentai, Policial, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Olá meus amores...
Primeira fic do bts né. Vamos com tudo, com fé em Cristo e em G-Dragon, não vou demorar de postar (Pelo menos é o que eu acho).
Essa fanfic retrata mais sobre o que se passa na mente de uma pessoa psicopata
Eunbi (ou Izabelle) sempre teve uma mentalidade estranha, sentia vontade de matar seu pai. O principal causador de seu distúrbio pois abusava da garota e tals... Bom, ela acabou fazendo isso e depois de passar anos isolada seu problema se agravou.

Caso você não goste do nome da principal, ou sla. Muda para o seu ou o nome que gosta e acha bonito.
Em relação a xingamentos, cenas fortes, pensamentos de mutilação.. Desculpa se não queria ler isso. Estou logo informando que entrou na fanfic errada se queria ver todo mundo civilizado e um amor de dorama.

Críticas construtivas aceito de braços abertos. Pode me corrigir em alguma coisa que fiz errado no texto LEMBRANDO QUE ISSO AQUI É APENAS PARA ILUDIR MEU POVO, não vem me xingar quando eu botar Eunbi para trepar com vinte... Brinks não vou fazer isso. Mas entendeu o recado

Sem mais enrolação vamos dar início à história do ChimChim

Capítulo 1 - Prólogo


Fanfic / Fanfiction Amor psicopata - Park Jimin - Capítulo 1 - Prólogo

- volte sempre - disse o antedente da pequena lojinha. Já ia saindo, mas voltei e encostei no balcão com um sorriso simpático

- eu te vi ontem na praça com uma ahjumma, sua mãe?

- Ah... Sim, eu não te vi... Estávamos comemorando o aniversário dela

- certo.. - dei duas batidinhas com o dedo indicador no balcão e olhei para ele - vocês se parecem. Ela é muito bonita!

- é mesmo. É quem eu mais amo na vida.. Na verdade não tenho mais ninguém além dela... Ah, Eunbi! Por que faltou na reunião do condomínio?

- bom.. estava me sentindo mal - inventei uma mentira qualquer - bom... Estou indo, um dia poderíamos tomar um sorvete e passear no parque. O que acha?

- acho uma ótima idéia... Poderia ser num sábado, que tal?

- ótimo, nos vemos no sábado... Trabalhe duro - disse já saindo 

Coloquei um pirulito na boca e caminhei por uma rua vazia enquanto pensava no que iria preparar para comer. Percebi olhares de dois homens que estava num pego, apenas continuei andando naturalmente até escutar assobios. Dei uma risada e voltei lá tirando o pirulito da boca 

- ei gracinha, quer dar um passeio? 

- Hyung, olha as pernas dela... Aigoo, que delícia

- me acham bonita, huh? - logo eles se aproximaram e me mantive parada - eu tenho algo para mostrar a vocês - brinquei com minha lingua, batendo-a nos dois lado da bochecha 

- nos também temos, gracinha.

- eu mostro primeiro 

Olhei ao redor para conferir se não tinha câmeras, logo abri minha bolsa na maior calma enquanto eles me comiam com os olhos. Tirei a arma e apontei para eles, ambos se entreolharam e soltei uma risada divertida apontando a arma para sua genital 

- o que iam me mostrar?

- aponta isso pra lá, garota! Tá louca? 

- ain.. eu não sou mais uma gracinha? Acho que vou ficar chateada.. O que acontece se eu... - puxei o gatinho acertando a parte íntima do mais velho - opss. Foi mal, hoje estou com um tremilique nos dedos 

- DESGRAÇADA 

Ele se contorcia no chão tampando a ferida enquanto o mais novo olhava ao redor igual uma anta e perguntava para seu Hyung se doía muito. Não demorando muito um guarda apareceu do meu lado assustado, soltei a arma no chão ficando ofegante e logo comecei a chorar

- que bom que chegou, senhor guarda. Eles apontaram a arma para mim e... Esfregaram por meu corpo... Então eu.. Me tira daqui por favor 

- fica calma, vou chamar uma viatura e a ambulância... Sente-se ali.. -  disse o guarda

- Não fizemos nada, ela é louca. Veio para cima da gente.. Não vai fazer nada com essa vagabunda? - o mais novo dizia desesperado 

- cala a boca.. Estou reconhecendo você, te vi na delegacia semana passada. Fiquem parados ai 

- para onde você acha que vou? - disse o mais velho com a voz falha 

[...]

- foi isso, policial... J-Jungkook - falei olhando seu nome em seu crachá

- Dê mais lenços a essa moça - diz o policial que me enterrogava 

Não demorando muito sai da delegacia e fui para uma lanchonete onde marquei de me encontrar com um amigo.

Eu poderia ter cido  presa ou algo assim, pois eles eram dois. Mas eles tinham fichas pesadas lá dentro e eu..bom, nenhuma. Já que era tudo falsificação. Para conseguir sair, inventei que tomei a arma deles e por alta defesa atirei, não totalmente proposital mas sim pelo medo.

- Cheguei - disse Taehyung se sentando na cadeira de frente a mim 

- eu percebi - terminei de beber o meu café - demorou, sabe que eu detesto esperar

- desculpa, tive alguns problemas.. e tive que selecionar com cuidado seus brinquedos, sei que minha cliente favorita é exigente 

- corta essa.. Então, cadê?

- no carro. Sabe, não entendi por quê você quis se encontrar comigo em um lugar público. Como você disse: quero que tudo seja discreto e silencioso, no entanto... 

- cala a boca, Taehyung. Vamos logo - corto sua fala e me levanto saindo da lanchonete. Ele veio logo atrás de mim e esperei que abrisse a porta, assim que o fez entrei e esperei que me mostrasse as armas de seu novo estoque 

- pra casa! - disse ele com seu motorista 

Taehyung  é um velho amigo, que sempre está me dando algum agrado. Ele me ajudou bastante quando descobri aos meus 14 anos que tinha transtorno de conduta, não foi difícil  descobrir isso já que sou do tipo grave. Mesmo não achando certo o que eu fazia, Taehyung  me ajudou dando algum dinheiro  que pegava do seu pai e pelo ponto de vista dele, o mesmo me ajudou a matar o desgraçado que me violentava

Eu tinha pensamentos estranhos desde pequena mas tudo piorou quando meu pai começou a abusar de mim, doía tanto que depois descontava no primeiro que achava. Na infância matei três cachorros e se for contar por passarinhos.. melhor esquecer.

Taehyung me tirou da clínica psiquiátrica assim que seu pai morreu, não soube o porque da morte mas também não me importei já que era outro filho da puta desgraçado. 

Meu amigo é milionário e já me fez a proposta de dividir tudo comigo mas só aceitei a parte em que estaria para quando eu precisasse. Fosse como me tirar da cadeia caso acontecer algo, fornecer armas, teto quando preciso, me proteger de qualquer coisa e quando me sentisse solitária me fizesse companhia. Sim, da forma que você pensa. Sou psicopata mas ainda sim sou humana e tenho desejos, já que tenho "confiança" apenas nele, sexo foi o que não faltou nos momentos de carência entre a gente. Em me satisfazer Taehyung era um homem em tanto 

- você prestou atenção no que eu disse?

- perdão? - olhei para ele saindo de meus pensamentos 

- chegamos.. eu tava falando que essas são boas mas a que falei que daria de presente no seu aniversário a você está lá dentro... queria te fazer uma surpresa 

- Tae, eu estou com pressa, tenho que pegar e sair.. queria muito ficar e...

- não seja manipuladora comigo, já falou que não quer ficar então não tente ser docinho comigo já que você é um limão - saiu do carro e foi em direção à sua mansão, eu também saí e o acompanhei

Entramos na casa e assim que me mandou sentar no sofá o obedeci e esperei ele trazer meu presente

- eu acho que te amo mesmo hein. A minha preferida - disse ele se sentando do meu lado, colocou uma caixinha em meu colo e ficou me olhando ansioso - abra logo 

Abri a caixa e dei um sorriso ladino para ele.

- é ouro? - falei pegando a arma testando seu peso 

- puríssima

- Tae, ela não tem potência quanto as outras

- de nada tá. Não importa a potência, você vai por acaso derrubar um museu? Roubar um banco?

- não seria uma má idéia, mas não 

- então garota, não precisa de bastante potência, só saber fazer bem suas jogadas e atrair. Isso você faz muito bem 

- então tá. Já deu a hora, tenho que ir 

- meu motorista vai te levar de volta. 

[...]

- Isso tá complicado demais 

Tentava resolver uma charada que Taehyung mandou para mim resolver. Eu geralmente resolvia em minutos mas essa estava muito complicada. Ele mandava dizendo que iria me deixar distraída, para não me deixar no tédio mas eu sabia que era para me manter sem nenhuma ação, evitando que eu fizesse algo grave já que estava sem nada para fazer.

Perdi a paciência, vesti o moletom e sai de casa. Fui até o mercado que tinha ido mais cedo para comprar cigarro e aproveitar para puxar assunto com o garoto do caixa, o qual seria minha futura vítima. Para acabar com minha festa o garoto não estava lá, e sim a mãe dele, revirei os olhos e peguei a caixa de cigarro esperando chegar minha vez para passar no caixa.

Ali também por coincidência ou não, estava Jimin, mais uma vez tinha deixado o dinheiro em casa já que enrolava a mulher dizendo que estava procurando o dinheiro na mochila. Coloquei o dinheiro encima do balcão pagando o que ele comprou e o meu cigarro, logo o garoto olhou para mim e fechou a cara

- você de novo. Falei para ficar longe de mim - falou pegando as compras e saindo. Guardei o cigarro em meu bolso e segui ele 

- ei Jimin, por que está fugindo? Não te fiz nada... ainda

- cai fora garota, até meu nome sabe, se continuar me seguindo vou chamar a polícia! - ele parou de andar e me aproximei dele 

- está achando que nos encontramos porque estou te perseguindo?

- sim é isso. 

Bom, Jimin é um garoto que conheci não faz muito tempo, dou apenas quatro meses. 

No mercado ele tinha esquecido o dinheiro também então paguei para ele já que queria fazê-lo de vítima,  fui muito boa com ele. Fiz amizade com sua mãe, descobri algumas coisas sobre ele por ela e quando estava quase pondo meus planos para ele em prática fui perceber que estava perdidamente, completamente apaixonada por ele. TÁ, eu também achei estranho já que eu nunca gostei de alguém em toda a minha vida e Jimin fez as honras de ser o primeiro, e por minhas expectativas será o único

Não sei porque mas não sinto vontade de matá-lo, até quando me trata mal ou coisa do tipo. Ele me rejeita por que me viu fazendo coisas parecidas com o que fiz mais cedo com os homens do beco. Ele me repreende e diz que sou louca, não quer saber nem o meu nome, diz que é melhor assim e me ameaça como:

"Se fizer algo a minha família ou alguém que eu conheça, juro que vou te perseguir até o fim do mundo"

Não é má idéia fazer ele me seguir por vingança, seria um jogo interessante e excitante mas eu não morreria em suas mãos. Nem por amor ou algo do tipo, sei o limite de tudo e amo mais a mim

- eu bato em mulheres, não vou ter dó de você então se afasta

- calma, só quero conversar - eu realmente estava amando ver ele quase se cagando a cada passo que eu dava para mais perto dele

- está tudo bem aí? - disse um guarda que parou a alguns metros de nós. Olhei para o guarda e depois para Jimin, abri um sorriso largo e Jimin naquele instante começou a rezar




Notas Finais


Ficou pequeno mas tô sem criatividade para a introdução do capítulo.
Gostaram? Espero que sim
O próximo capítulo sai talvez daqui a três dias


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...