1. Spirit Fanfics >
  2. Amor psicótico ( Imagine Min Yoongi ) >
  3. Fora de controle.

História Amor psicótico ( Imagine Min Yoongi ) - Capítulo 42


Escrita por:


Notas do Autor


Boa noite fadinhas🤍✨

Avisos: •Tudo que contém aqui é apenas ficção, 100% ficção, ou seja, nada relatado aqui é real. •

Desculpa pelo capítulo ruim... Eu tive uma recaída esses dias por conta de ansiedade. Mas já estou bem✨

Perdão pelos erros ortográficos.
Boa leitura 📖💜

Capítulo 42 - Fora de controle.


Fanfic / Fanfiction Amor psicótico ( Imagine Min Yoongi ) - Capítulo 42 - Fora de controle.


    
     Eu estava chegando em meu apartamento quando, notei pelo retrovisor que havia um carro me seguindo. Desde a hora em que eu sai do hospital psiquiátrico.

 

Resolvo acelerar o veículo e manter a calma, não demorou e eu cheguei no prédio. O carro parou na minha frente e de dentro do mesmo saiu, Jeon Jungkook. Por um momento me sinto aliviada por ser ele e por outro momento, eu me sinto apreensiva por vê-lo.

 

— Podemos conversar?

 

— Ah... Claro, podemos sim.

 

O levei até o meu apartamento e entramos, me sentei no sofá e Jungkook ficou em pé um pouco distante de mim. 

 

— Eu lhe fiz alguma coisa?

 

— Uh?

 

— Você está me ignorando, não atende minhas ligações, eu fiz algo que não lhe agradou?

 

— Você não fez nada. - Suspirei tirando meu jaleco. 

 

— Então, o que está acontecendo?

 

 

Eu estava tentando reformular alguma resposta coerente, mas nada vinha em mente para lhe dizer corretamente o porque disso. Eu sei que a forma de como estou tratando está situação não é, o certo, mas a cada dia isso se forma uma bola de neve maior e agora, eu não consigo ter mais controle.

 

 

— Eu só não quero ser na sua vida o início de um fim. - Falei e ao ver sua reação, soube que ele havia captado.

 

Ele riu soprado. — Não diga isso, você jamais séria um início de um fim. 

 

— Não quero machucar você então, o melhor a se fazer é, terminarmos tudo por aqui, aliás, terminar o que nunca começou de verdade. 

 

Jeon encarou um ponto fixo no chão, notei que a sua respiração tornou-se pesada e ele engoliu em seco.

 

— Não queria me machucar? - Ele ri com desdém. — Séria ao contrário. - Agora ele me encarava, sua face estava séria. — Você já machucou. - Jeon se se desencostou da parede e a socou. — Droga!

 

— Eu não q-queria.

 

— Mas fez! Você transou comigo e me iludiu, ou, melhor... Você me usou! E agora diz que quer terminar algo que, nunca começou. 

 

— Não! - Me levantei do sofá. — Eu não lhe usei, para de tentar me culpar. - Passei as mãos pelos meus cabelos. — Você sempre soube dos meus sentimentos em relação ao, Yoongi.

 

— Vai continuar amando ele até quando? Yoongi nunca vai mudar o jeito dele! - Jeon para centímetros de mim. — Se ele realmente a amasse deveria deixar você seguir sua vida.

 

— Por Deus, Jeon, eu estou cansada das pessoas dizendo esses tipos de coisas para mim. Chega! Eu estou dando um basta e agradeça por estar sendo sincera com você. Obrigada por ter me ajudado quando eu mais precisei, mas sinto que, se eu continuar as coisas vão sair fora de controle.

 

— Se é assim que você quer, tudo bem. - Ele me encara profundamente e se retira. 

 

Me joguei no sofá e soltei meu ar. Sinto que fiz a decisão certa em relação à ele. 

 

Meus pensamentos não duraram muito, pois meu celular começou a vibrar no bolsa da minha calça. O peguei olhando no visor e era meu pai.

 

 

Ligação On.

 

Oi filha, boa noite. 

 

— Oi papai, boa noite. Como vocês estão?

 

— Estamos bem e sentindo a sua falta! Você está bem, querida?

 

— Estou na medida do possível...

 

— Você não pensa em voltar? Um amigo meu disse que teria uma vaga para você, em uns dos melhores e maiores hospitais psiquiátricos daqui. Além do mais, o seu irmão irá se casar daqui a um mês.

 

— Eu estou muito bem empregada aqui, mas agradeço e sobre o casamento, eu irei comparecer, claro que eu vou.

 

— Sentimos a sua falta. Sinto que você não está tão bem... 

 

— Não se preocupe...

 

— O seu ex está preso ainda?

 

— Está internado. - Engoli em seco. Papai não havia gostado do Yoongi, ele me avisou de todos as formas para que eu terminasse com o mesmo, contudo, eu nunca lhe dei ouvidos. 

 

Como eu falaria para ele que, eu sou a médica do Yoongi? Ele não poderia dizer-me para me afastar, afinal eu não tenho culpa, talvez, um pouco.

 

Por amar Yoongi, eu simplesmente não consigo o deixar sozinho. Ele precisa de mim e possa ser que, futuramente não, talvez, ele conheça um outro alguém e eu espero que essa pessoa cuide dele e o amo verdadeiramente.

 

Ele fez coisas horríveis e por mais que, meu coração diga “ volte para ele “, eu simplesmente não consigo. Entretanto, eu sempre pensei que as coisas seriam mais fáceis, mais sempre que eu penso nele, sinto que alguma coisa se perdeu em mim, eu não sei o que é, talvez seja metade do meu coração que ele levou junto à ele e é, por isso que eu não consigo esquecê-lo, assim como ele não consegue me esquecer.

 

 

Internado? 

 

— Pai, eu tenho que desligar... Nos falamos depois. - Sem esperar por uma resposta, eu encerrei a chamada.

 

 

Resolvi tomar um banho parar relaxar e ficar menos tensa.

 

 

 

[...]

 

 

Dia seguinte.

 

 

— Você dormiu bem? - Taehyung indaga.

 

— Não. Eu estou tão péssima assim?

 

— Para ser sincero, sim, mas porque você não ficou na sua casa e descansou? 

 

— Não posso deixar vocês na mão, tenho responsabilidades.

 

— Eu lhe admiro muito.

 

— Obrigada, você não foi o único que me disse isso.

 

— E quem mais falou?

 

— Yoongi.

 

— E falando nele, como se encontra seu quadro?

 

— moderado, mas em relação a depressão não posso dizer muito.

 

— Piorou? 

 

— Pelo o que, eu andei observando, sim, e eu não sei, parece que os antidepressivos não estão causando efeito nenhum.

 

—  E a terapia cognitivo?

 

— Ele está fazendo...Os pais deles vêm aqui, inclusive, eles perguntaram se tirar o Yoongi daqui seria bom.

 

— E o que você respondeu?

 

— Disse que não, pois poderia agravar ainda mais o seu caso, mas vendo por outro lado... Eu estou pensando seriamente em liberar a sua saída. O apoio de amigos e familiares faz toda a diferença. São eles que podem oferecer a ajuda ao Yoongi nessa etapa da sua vida.

 

— Tem certeza? Porque você é o maior apoio dele.

 

— Estou pensando ainda, talvez, hoje eu tenha a resposta.

 

— Você precisa fazer o que, acha de melhor para o mesmo. Caso não se adaptar com o tratamento na casa, trazemos ele de volta para cá.

 

— Os pais deles parecem preocupados agora então, creio que ele ficará bem. - Falei. 

 

 

[...]

 

 

Eu já estava decidida em liberar Yoongi e agora eu preciso conversar com o mesmo. Creio que ele irá aceitar já que, ele disse não gostar muito de ficar trancado naquele quarto.

 

 

Os enfermeiros trouxeram ele, e eu dei uma avaliada em sua ficha. Yoongi me encarava sem expressão alguma então, deixei a ficha de lado e o encarei de volta.

 

— Como está se sentindo hoje?

 

— Estou me sentindo bem. Só estou incomodado...

 

—  Com o que exatamente? 

 

—  Eu sempre gostei fazer minhas coisas, de sair à noite e eu não posso mais. Eu não tenho disposição, eu nunca conseguia me concentrar, tudo cansa rápido! Você pega uma coisa pra fazer e às vezes não conclui por inteiro. Isso me frustava! Eu tinha o meu dinheiro, hoje eu já não tenho. Estou aqui dentro e isso está deixando-me ainda mais cansado.

 

No caso do Yoongi, fazer tudo torna-se mais complicado, uma vez que são vários os fatores que prejudicam a sua concretização. Por isso ele sempre dizia que trabalhava em sua casa.

 

— Mas você pode voltar a fazer isso, você disse que conseguia se controlar, não pode deixar as vozes lhe dominarem, você é uma pessoa forte.

 

— Não consigo controlar mais... Quando as vozes estão de comando, ele diz: se mata! Só eu sei o que eu passo trancado naquele quarto, se tivesse alguma arma ou coisas do tipo lá dentro, você acha que eu já não teria me matado? 

 

— Isso não é real, você tenta se convencer que é real, mas não é. O que ouve são alucinações auditivas, que são uma característica comum de muitos transtornos, Yoongi. Confie em si, na sua força e motivação interior para o tratamento e a sua mudança de agora em diante.

 

— Fácil falar quando, não é você que sofre disso e não consegue se livrar dos pensamentos depressivos.

 

— Somos tão ligados que, mesmo sem querer os seus problemas se tornam os meus problemas. - Suspirei. — Eu vou lhe dar alta, você seguirá com o tratamento na casa dos seus pais.

 

— Isso é sério?

 

— Sim.

 

— Eu posso ficar na minha casa? Não gosto da casa dos meus pais.

 

— Irei conversar com eles. 

 

— O que é isso no seu pulso? - Ele indaga olhando fixamente no roxo do meu pulso, a marca que Namjoon causou.

 

— Eu acabei caindo no banheiro do meu apartamento. - Me levantei e antes que, eu pudesse abrir a porta Yoongi me chama.

 

— Você pensou sobre o que, eu lhe pedi? - Me virei em sua direção.

 

— Ainda não.  - Abri a porta e ordenei que levassem ele. 

 

E antes dele sair totalmente, o mesmo sussurrou.

 

Odeio mentiras. 

 

Eu sei que ele não acreditou na desculpa sobre o banheiro, mas eu não posso dizer a ele o real motivo. Por mais que eu queira, isso não será possível.

 

Pedi para que ligassem para os pais do Yoongi, eu teria que conversar com eles e propor todas as condições e tudo o que eles devem fazer.


Notas Finais


Yoongi vai receber alta👀

Esse último pedido dele👀hmm vai dar ruim, conseguem imaginar o que pode acontecer?

Yoongi não acreditou na desculpinhas, Namjoon que se prepare.

Comentem para a tia Ge ✨seu comentário é importante pra mim, me incentiva muito a continuar.

Até a próxima anjinhos 💖


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...