1. Spirit Fanfics >
  2. Amor psicótico ( Imagine Min Yoongi ) >
  3. Vingança.

História Amor psicótico ( Imagine Min Yoongi ) - Capítulo 9


Escrita por:


Notas do Autor


Boa noite fadinhas💜🧚🏻‍♀️

Como eu havia prometido, voltei com mais um capítulo.

Avisos: •Tudo que contém aqui é apenas ficção, 100% ficção, ou seja, nada relatado aqui é real. •

Perdão pelos erros ortográficos.
Boa leitura 📖✨

Capítulo 9 - Vingança.


Fanfic / Fanfiction Amor psicótico ( Imagine Min Yoongi ) - Capítulo 9 - Vingança.

— Olá, Taeyong. - O mesmo deu um sobressalto do sofá se virando para mim e quando ele me viu diante dele, arregalou os olhos. 

 

 

Dei um sorrisinho e caminhei em sua direção.

 

— Seus pais nunca lhe ensinaram que não devemos deixar a porta aberta, Taeyong?

 

— O- O que você está fazendo aqui? - Ele se levantou, parecia ter ficado bem nervoso com a minha presença aqui.

 

— Eu vim lhe fazer uma vistinha.

 

— Vai embora!

 

— Calma, Taeyong. - Parei em sua frente. — Sabe... Eu fiquei sabendo de uma coisa que não me agradou muito. E saber que essa tal coisa está envolvendo a minha irmã, me deixou furioso! 

 

— Eu não sei do que você está falando.

 

— Não seja tão fingido! Jisoo me contou tudo. Ela falou que você tentou abusar dela, você tem noção do que iria fazer? Hein! Você lembra do que eu disse na última vez que nos vimos? 

 

— Yoongi, e- eu não queria ter feito isso. 

 

— Eu disse que se você chegasse perto dela, você seria um homem morto! - Ele desferiu um soco com tamanha força em meu rosto que fiz questão questão, em devolver com a mesma intensidade.

 

— Eu vou te matar! - Nós dois avançamos trocando socos. Ele num rápido movimento, me acertou um chute.

 

O empurrei fazendo ele bater suas costas na grande prateleira, onde havia varias livros. — Eu ainda não vou te matar, você não merece uma morte rápida, Taeyong.

 

— Você é louco! 

 

— Com certeza. - Sorri. — Você irá morrer pelas minhas próprias mãos, farei questão que tenha uma morte lente e dolorosa.

 

O seu rosto expressava medo.

 

— Está com medo? - Ele não respondeu — Tenha medo de mim mesmo. Você não pensou nas consequências dos seus atos quando fez o que fez.

 

 

Em um ato rápido, Taeyong saiu correndo subindo as escadas para o andar de cima. Ele estava tão desesperado que, enquanto subia ele tropeçava nos seus próprios pés e eu estava amando isso.

 

Patético.

 

 

Respirei fundo e subi calmamente. Porque que eu teria pressa? Não tem para onde ele fugir.

 

 

— Vamos fazer uma brincadeira. - Falei — Mas nessa brincadeira eu lhe darei duas escolhas, certo? - Entrei em um corredor, e havia varias portas. — Você se escondeu, e se eu te achar você morre e se eu não te achar você vai morrer do mesmo jeito, porque ninguém escapa de mim! 

 

Ele era esperto, mas eu sou mais ainda.

 

Andei cautelosamente e abri as porta sem fazer barulho. Eu queria provocar mais medo nele, eu quero ver o seu desespero, porque através dele eu vou descobrir a onde ele está escondido.

 

Passei reto por outro corredor, mas tratei de voltar. Eu sentia o seu medo de longe, caminhei até a última porta e abri entrando, é um escritório. 

 

Andei até a mesa com lentidão. — Eu sei que está aqui! Posso sentir o seu medo.

 

Me aproximei e arrastei a mesa com força fazendo-a bater contra uma outra mesinha.

 

— Te achei! 

 

— Fica longe de mim. - Ele se levantou apontando uma arma para mim.

 

— Uau! Desde quando você tem essa arma? Aliás, desde quando aprendeu a usá-la?

 

— Isso não lhe interessa, saia daqui e eu não farei nada. - Sua mão estava tremula.

 

— Quer atirar? Vamos lá, atire! - Desafiei ele então, ele me acertou com ela e depois de alguns golpes tomei a arma de sua mão.

 

— O nosso joguinho está valendo. - Sem pensar duas vezes, atirei em sua perna direita. — Porquê você tentou abusar da minha irmã? Ela já deixou bem claro que não queria mais nada com você.

 

— Aí! - Taeyong caiu no chão. Me agachei pegando a faca que eu carrego comigo. Me aproximei de seu rosto e fiz um pequeno corte ali. Com a faca ainda em mãos eu fiz um corte no seu peito, porém esse foi mais fundo e outro em seu braço. — Eu estava com raiva, eu não queria ter feito aquilo com ela. — P-Para. - Ele murmurou. 

 

 

— Resposta errada. - Falei — Chega de brincar! – engatilhei a arma e apontei para o meio da testa de Taeyong. — Quando a minha irmã pediu para que você parasse, você fez isso? Você parou? 

 

— N-Não.

 

— Então, porque eu deveria parar?

 

— Se você me m-matar, vão descobrir e-e você vai ser preso!

 

— Sério? - Fiz uma expressão de medo e logo em seguida eu ri.

 

Perfurei o seu peito com a faca e Taeyong gritou.

 

— Talvez, eu deixe você aí, agonizando até morrer... Já que está perdendo muito sangue. - Me levantei pensativo. — Isso vai lhe causar uma hemorragia.

 

— Se eu c-conseguir sair v-vivo dessa, você vai pagar caro por isso seu filho da puta! E a sua irmã também, aquela vadia!

 

Lhe acertei com a arma sobre a sua testa que começou a sangrar. — Boa sorte, Taeyong.

 

 

Sai do escritório trancando a porta por fora. Pulei o muro dos fundos e corri até o meu carro, em seguida dei partido indo para a minha casa.

 

 

 

[...]

 

 

Assim que eu pisei dentro de casa, Jisoo veio correndo em minha direção.

 

— A onde você estava? Eu fiquei preocupada com você. - Ela passou a mão sobre o meu rosto. — Que roxo é esse na sua bochecha? Por acaso você brigou?

 

— Eu estou bem, e sim, eu briguei. - Me afastei dela — Eu fui fazer uma visita ao Taeyong. 

 

— O que! Você o matou?

 

— Nah, eu fui apenas conversar e ele me bateu e eu obviamente revidei. Taeyong se escondeu de mim e quando eu o achei, ele apontou uma arma em minha direção, me ameaçando.

 

— Mas...

 

— Ele é bem covarde, como conseguiu namorar um cara desses? - Ela revirou os olhos  — Enfim, eu tomei a arma de sua mão e atirei nele, e provavelmente ele deve ter morrido ou ele ainda está vivo.

 

— Yoongi...

 

— Não começa com as lições de moral, você não está em um patamar muito bom para querer fazer isso. - Proferi — Se me der licença, eu vou subir e tomar um banho.

 

 

 

(S/N) EVANS POINT ON VIEW.

 

 

Já está de noite, Momo acabou de ir embora e agora eu estou sozinha novamente. Eu estou pensando seriamente em sair daqui, eu não sei... não me sinto bem aqui, me sinto muito sozinha.

 

Não tinha nada para se fazer então, comecei a mexer em minhas redes sócias. Depois de tanto vagar por elas, deixei o celular carregando e me levantei para preparar algo pra comer. Resolvi que eu faria um miojo mesmo, a preguiça de cozinhar estava maior. Coloquei a água na panela e liguei o fogo. Voltei a me deitar na cama, meu celular apitou me tirando do transe.

 

Peguei vendo um número desconhecido por mim, abri na conversa.

 

 

Mensagem On.

 

“— Oi, sou eu... O Yoongi “ - Abri um sorriso de orelha a orelha.

 

“ — Oi, Yoongi. Como está? “ 

 

Em seguida ele respondeu 

 

“ — Eu estou na medida do possível e você ? “

 

“ —Eu estou bem... O que está fazendo?” 

 

“— Bem... No momento nada, apenas conversando contigo... E você? “

 

“— O mesmo “

 

“ — Eu gostei muito de conversar com você aquele dia na boate... Podíamos marcar de nos encontrar essa semana para se conhecermos melhor... O que acha? “

 

“ — Por mim está ótimo... “

 

Mensagem Off.

 

 

Sai da nossa conversa ao lembrar que eu esqueci a água fervendo no fogo. Me levantei as pressas e a água estava quase secando.

 

— Parabéns, (S/N). - Falei em voz alta.

 

Terminei de preparar a comida e depois de feita, eu me sentei e me servi. Comi enquanto assistia uma série pelo o meu celular, Yoongi havia mandado mais algumas mensagens, mas depois eu respondo.

 

 

 

 

Manhã seguinte.

 

07:00 AM.

 

 

Eu havia acabado de chegar na faculdade e hoje o meu dia seria cheio, pois, tenho estágio depois das minhas aulas.

 

Cheguei bem adiantada e já fui direto para a minha sala, ao chegar lá encontro a minha professora, ela estava mexendo em seu notebook.

 

— Bom dia, (S/N). Chegou mais cedo hoje.

 

— Bom dia, professora. - Me ajeitei na cadeira. — Pois é, estou adiantada hoje. - Ri fraco.

 

 

 

[...]

 

 

As aulas foram um tédio e finalmente o sinal da saída tocou, e agora eu estava indo para o hospital para mais um dia de estágio. Era a única coisa boa que salvaria esse dia tedioso, eu amo fazer o que eu faço e mal posso esperar para me formar.

 

 

Meia hora depois 

 

Havia chegado no horário, entrei e parei na recepção para assinar alguns papéis. Em seguida segui para a onde se encontrava os doutores e os outros estagiários. O hospital estava mais movimentado do que o normal, perguntei para uma das enfermeiras e ela me informou que um novo paciente havia chegado ao hospital. 

 

Depois de conversar com a equipe, iriamos assistir às consultas e fazer marcações. De repente, os meus pensamentos foram no Yoongi, eu havia esquecido de lhe responder, droga! Ontem, após eu jantar acabei dormindo sem perceber. Mas, de qualquer forma, o meu dia hoje está corrido e ele vai entender, talvez, nem faça questão aliás, acabamos de nos conhecer.

 

 

— Vamos? - Escutei uma voz bem conhecida por mim. Me virei e vi o Taehyung.

 

— Ah... Vamos a onde? - Arqueei a sobrancelha, tentando entender.

 

— Você vai assistir a minha consulta, senhorita (S/N). 

 

— Nossa, me desculpe Drt.Kim, eu não fazia ideia de que era com você. 

 

— Sem problemas. - Soltei uma risada baixa. — Vamos? - Assenti com a cabeça.

 

Assistir a consulta dele, foi sem dúvidas a melhor coisa que já me aconteceu aqui. O seu jeito calmo de tratar o paciente me deixou encantada, eu me via nele nessas partes. Logo a consulta acabou e os enfermeiros tiraram o paciente da sala, deixando apenas eu e o Dtr. Kim que estava anotando algo em seu bloco de folhas.

 

— Você tem a sensação de que o dia de hoje já se repetiu centenas de vezes antes? - Ele perguntou largando a sua caneta em cima da mesa.

 

— Porque da pergunta tão repentinamente?

 

— Só responda.

 

— Não, eu nunca vivi um dia igual ao outro. Mesmo que eventualmente, eu tenha sensações do tipo déjà vu.

 

— Hmm, como explicar o déjá vu...

 

— É um pouco complicado... - Respondi e nos levantamos.

 

— Existe diversas hipóteses. - Apenas concordei.

 

E antes que eu pudesse abrir a porta, Taehyung me segurou.

 

— Permita-me te levar embora hoje? - Dito isso ele mordeu seus lábios.

 

— Não será necessário Drt.Kim, mas eu agradeço.

 

— Ótimo, estarei lhe esperando na saída.

 

— Mas eu disse que...

 

Sem esperar ele abriu a porta e saiu da sala.

 


Notas Finais


Espero que tenham gostado💜

Agora as coisas vão esquentar, hein... Yoon não matou ele de vez🔥👀

Comentem para a tia ge✨seu comentário é importante pra mim.

Deem amor a minha nova fic💜 https://www.spiritfanfiction.com/historia/desejo-ardente-imagine-jeon-jungkook-18538554

Até a próxima anjinhos.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...