1. Spirit Fanfics >
  2. Amor sádico >
  3. Amor fraternal

História Amor sádico - Capítulo 2


Escrita por: alteza

Notas do Autor


Boa leitura! 🌼

Capítulo 2 - Amor fraternal


Amor fraternal.

- Por que está fazendo isso com a gente? – O Itachi gritou do outro lado da porta batendo com força na mesma.

- Porque é divertido. 

O Fugaku saiu travando todas as portas que tinha aberto e subindo, ele tinha feito aquele local cheio de portas para abafar o som e para que quando tivesse alguém em casa ele pudesse fazer o que ele quisesse lá embaixo sem que ninguém escutasse.

[...]

O Itachi estava levando o Sasuke para brincar no parque já que o seu irmãozinho não parava de aperrear em casa, a Mikoto permitiu, desde que eles voltassem cedo para casa e assim os garotos prometeram.

- Você quer ir no balanço? – O Itachi erguntou parando de frente ao seu irmão.

- Sim. – Respondeu o mais novo de forma animada, correndo em direção ao balanço.

O moreno mais velho estava feliz com tamanha alegria do menor, ele sempre ficava nesse estado e quando o mesmo estava triste o Itachi também ficava, eles tinham uma ligação muito forte.

Eles passaram a tarde toda brincando na areia e nos escorregadores, sem falar das gangorras. Já estava prestes a escurecer e o Itachi sabia que se escurecesse a sua mãe brigaria por causa das famigeradas criaturas da noite, mas o mais velho achava que eram apenas histórias para que as crianças não saírem de casa à noite.

- Vamos, Sasuke. – O mais velho chamou se levantando da caixa de areia todo sujo pela mesma e limpando sua roupa com as mãos.

- Só mais um pouquinho, nii-san. – Pediu o menor com a sua voz manhosa que sabia que o seu irmão não resistia. Apesar de terem prometido a Mikoto não tinha como negar vendo aquele biquinho pequeno nos lábios do caçula.

- Só mais uma balançadinha. – O mais velho permitiu, porém, querendo ou não, ele estava com um ar de preocupado.

O Sasuke assentiu e voltou a se balançar, ele abusou e deu cinco balançadas, mas logo o Itachi tirou-o de lá sem cerimônias.

- A mamãe vai ficar uma fera, o sol já se pôs, vamos logo, Sasuke. - Disse ele puxando o irmão menor as pressas que por ter as perninhas pequenas saía tropeçando nas mesmas, por mais que só tivessem um ano de diferença o Sasuke era muito baixo para sua idade.

Os dois estavam andando de cabeças baixas e apressados que só se deram conta de que tinha alguém em sua frente quando se chocaram com o corpo do mesmo. Por extinto o mais velho abraçou o Sasuke e deu passos para trás, finalmente olhando no que tinham batido, era um homem, pelo físico e aparência tinha mais ou menos uns vinte e cinco anos. O homem tinha cabelos longos e muito bonitos, além de sedosos, os olhos negros do mesmo pararam nas duas crianças e ele esboçou um breve sorriso se abaixando para ficar do mesmo tamanho que os garotinhos.

- Vocês não deviam estar fora de casa à essa hora, o sol já se pôs, as criaturas da noite podem aparecer a qualquer momento. - Falou ele afagando a cabeça de ambas as crianças.

- Desculpe, senhor, estamos indo para casa agora mesmo. - Explicou o maior ainda assustado.

- Venham, eu levo vocês em casa para ser mais rápido. - Sem que as crianças pudessem falar alguma coisa ele as pegou no braço e saiu andando com elas. - Então... Qual o nome de vocês? - Ele parecia ser forte para a sua idade.

- Eu sou o Itachi, senhor e o meu irmãozinho é o Sasuke. - Respondeu ele ainda assustado, ele não sabia quem era esse homem que ao seu vê era bondoso, mas sabia que se a sua mãe os vissem andando com estranhos o Itachi iria apanhar por ser o mais velho.

- Qual o sobrenome de vocês? - Perguntou ele com um sorriso bobo no rosto, aqueles de quando as idosas vêem um recém-nascido trajando lindos vestidinhos bordados e luxuosos.

- Uchiha, senhor, o nosso sobrenome é Uchiha e o nome do senhor?

Ao ouvir aquele sobrenome o homem que os segurava no colo parou de andar com um olhar assustado, ele colocou as crianças no chão forçando um sorriso.

- É Madara. - Ele afagou novamente a cabeça dos garotos. - Vão, se a mãe de vocês os virem com um estranho vocês vão se ferrar bonito. - Ele riu sem humor.

As crianças apenas assentiram pedindo um obrigado a ele e indo em direção a casa que não estava tão longe.

[...]

Estava um dia maravilhoso na parte de fora de sua casa, o sol raiando, pássaros cantando, o loirinho tinha acabado de abrir as suas belas orbes azuis, porém por estar tão animado por sua volta às aulas ele não teve dificuldade em se levantar da cama em um pulo. Ele iria estudar em uma escola nova já que os seus pais foram promovidos na Uchiha Company e queriam esbanjar dinheiro.

Ele rumou o banheiro fazendo a sua higiene matinal, vestiu o seu uniforme que era uma camisa branca de tecido fino, um blazer azul marinho por cima, uma gravata lisa da cor vermelha, calça padrão do colégio na mesma cor do blazer e sapato social. Ele não era de pentear os seu belos fios loiros, porém para impressionar ele o fez.

- Naruto, o café está pronto. - Chamou a sua mãe.

O Naruto desceu correndo as escadas do corredor, tropeçando no sofá do térreo, na qual caiu encima do mesmo.

- Meu Deus, que desleixo, menino. Levanta já daí. - Falou a ruiva tentando conter o riso, o seu filho era o desastre em forma de gente, mas ele estava tentando mudar.

O loiro se levantou do sofá devagar, como se voltasse a órbita, quando estava com o rosto no cantinho felpudo estava excelente, só aí ele se deu conta de como estava com sono, pois nem pregou os olhos na noite anterior de tanta ansiedade por estar indo a uma escola nova. O garoto se levantou e foi até a cozinha se sentar para tomar o seu café da manhã.

- Bom dia! - Saudou o loiro patriarca ao entrar na cozinha foleando seu jornal.

- Bom dia! - Respondeu o loiro filho e a ruiva em uníssono.

- Minato, nós definitivamente precisamos de uma casa nova. - Disse a ruiva dando um gole de seu café quentinho. - O Naruto não está nem conseguindo se locomover direito. - Argumentou se lembrando do tombo do baixinho.

- Quer parar de me usar como desculpa, dona Kushina?! - Ironizou o loiro sentado ao lado da mesma com uma cara de tédio.

- Dona é sua avó, me respeite, moleque. - Ela fez careta para o loiro e o mesmo devolveu dando língua a ela. Eles pareciam duas crianças quando estavam juntos, não tinha quem aguentasse, nem mesmo o Minato com toda sua calmaria.

- Assim que eu receber o meu primeiro salário amanhã nós compraremos um novo imóvel. - Respondeu ele com um sorriso no rosto terminando de tomar o seu café em um gole só. - Agora vamos que eu não quero me atrasar logo no meu primeiro dia, eles pagam super antecipados e eu não quero perder uma graninha sequer.

Todos se levantaram da mesa ao mesmo tempo tendo eles comido tudo ou não. Entraram no carro que não era de última geração - por enquanto - e rumaram primeiro a escola do loiro.

- - -

O Naruto entrou meio deslocado, ele não era anti-social, porém chegar sozinho em um local na qual não conhecia ninguém era um tanto assustador. Ele passou pelos corredores e pôde perceber vários olhares sobre ele, aquelas pessoas tinham olhares de que a qualquer momento poderiam atacá-lo ali mesmo. Ele então se cheirou.

- Droga, eu esqueci de tomar meus supressores. - Praguejou baixinho fazendo uma careta de desgosto.

Ele apressou os passos e como se não já bastasse a vergonha que estava passando por estar com um cheiro tão forte e por ele ter um cheiro diferente dos outros ômegas, o seu desleixo fez questão de atuar a essa hora. Ao subir as escadas e um grupo de alunos conversando paralelamente estava descendo, ele pisou em falso em um dos degraus e escorregou, por sorte sentiu o seu corpo sendo segurado por alguém impedindo que o pior acontecesse. Soltou o ar dos seus pulmões de uma vez só.

- Você está bem? - Perguntou um rapaz com longos cabelos e olhos perolados enquanto o encarava preocupado.

- S-Sim. - O Naruto corou ao perceber que eles estavam a centímetros de distância um do outro. - Obrigado.

O moreno desceu as escadas e colocou o loiro no chão, ele sorriu e só então inspirou o cheiro do ômega, desmanchou seu belo sorriso na hora.

- Você está com o cheiro forte. - Ele olhou o loiro, novamente preocupado, mesmo ele não estando no cio, ao menos torcia para que não estivesse, ele poderia ser atacado por um alfa mal intencionado a qualquer momento.

- É... eu meio que me esqueci de tomar meus remédios. - Ele coçou a nuca envergonhado, afinal estava correndo para isso.

- Tudo bem, só tome cuidado. A propósito, eu sou o Neji Hyuuga. - O rapaz estendeu a mão para o ômega voltando a sorrir sem mostrar seus dentes.

- Naruto Uzumaki, muito prazer. - Ele apertou a mão do moreno e sorriu.

- Você é novato, não é? Eu nunca te vi por aqui. - O Hyūga questionou, tinha uma memória excepcional, lembraria se tivesse visto um ômega tão bonito e que cheirava tão bem como aquele.

- Sim, sou!

- Venha, você deve estar perdido. - Era exatamente como o loirinho estava se sentindo, perdido, por sorte esse anjo surgiu em sua vida, literalmente um anjo...

- - -

O Sasuke finalmente acordou, por ter sido jogado pelo pai de uma forma muito bruta ele bateu com a cabeça no chão e terminou apagando. Nesse exato momento ele acordou no colo do seu irmão que estava fazendo cafuné no cabelo do mesmo.

- Que bom que você acordou. - O mais velho falou abrindo um sorriso sincero.

- Eu estou apagado por muito tempo? Cadê o nosso pai? Ele fez algo com você? - Perguntou o menor se levantando para olhar cada centímetro do irmão para ver se ele estava machucado.

- Provavelmente já é dia, você deve ter virado a noite. - Respondeu mais velho puxando o Sasuke para se aninhar em seus braços.

- Eu estou com medo. - Admitiu se encolhendo nos braços alheios, somente ali se sentia seguro.

- Eu sei... - Disse ele apertando mais o irmão no abraço, ele segurou firme os braços do mais novo e encostou a testa na dele o fitando sério. - Eu estou aqui com você, vai ficar tudo bem, não vou deixar ele te fazer mal.

O moreno mais novo apenas assentiu com a cabeça e ficou por mais um tempo naquela posição sem mexer um fio, eles estavam muito próximos um do outro e o local estava tão silencioso que dava para ouvir suas respirações. O Sasuke fechou os olhos e cortou aquela distância que havia entre eles selando os seus lábios aos do seu irmão em um beijo terno e amoroso.

Sem dúvidas o Itachi retribuiu o beijo, ele soltou os braços do irmão que tinham marcas das mãos dele por o mesmo ser muito pálido e passou as suas mãos sobre as costas dele, parando em sua bunda e a apertando em seguida. O Sasuke arfou com tal atitude, mas sem abandonar o beijo, o mesmo desceu uma de suas mãozinhas bobas pelo abdômen do irmão e achou o membro do garoto, e ainda por cima da calça que ele vestia o apertou arrancando um gemido baixinho do Itachi.

O Sasuke se levantou e com as pernas abertas se sentou no colo do seu irmão mais velho, ele voltou a beija-lo puxando os cabelos longos do mesmo e rebolando em seu membro. De tanta provocação o Itachi jogou o irmão com força no chão não querendo nem saber se o mesmo sentiria dor ou não, o mais velho se pôs encima do que já estava no chão e tirou a sua blusa a jogando em qualquer lugar daquele porão esquisito.

O caçula fez o mesmo e puxou o seu irmão para se inclinar encima de si, eles voltaram aos beijos e logo o Itachi passou a chupar o pescoço do mesmo descendo para a região da clavícula e parando nos mamilos do mais novo, ele mordiscava um enquanto beliscava o outro com os dedos.

- Nii-san, isso é cruel...dade. - O menor falou baixinho, tentando conter seus gemidos.

- Não se segure, o papai não tem esse porão cheio de portas à toa. - Dito isso ele passou a sua língua novamente no mamilo já vermelho do garoto.

O Itachi parou o que estava fazendo para fitar o seu irmãozinho corado e entregue de bandeja ao prazer, ele então abriu o zíper do menor passando a mão pelo membro pulsante do garoto que gemeu com o toque.

- Você gosta disso, maninho? - Perguntou com um sorriso malicioso no rosto.

- Annn... ham. - O menor não conseguia nem falar direito, só gemia.

O mais velho se livrou das suas calças e das do seu irmão mostrando a baita ereção de ambos, ele removeu a sua cueca e começou a se masturbar.

- Deixa que eu ajudo. - O Sasuke sugeriu se levantando apressadamente, mas foi impedido pelo maior.

- Não, eu já tenho um trabalho para você. - O Uchiha deitado ficou sem entender, mas não ousaria contrariar o seu irmão mais velho. - Gemer o meu nome. - Concluiu ele descendo a cueca do mais novo até a metade das coxas grossas e fartas apenas com uma de suas mãos, pois a outra ainda estava ocupada.

Sem delongas o Itachi abocanhou o membro de seu irmãozinho o fazendo gritar pelo susto, ele de primeira só passou a língua rodeando a glande do mesmo, mas depois colocou o pênis do menino até onde a sua garganta aguentava. Ele começou a se movimentar de acordo com a velocidade que masturbava seu próprio pênis, como Sasuke era muito apressado rebolou estocando a boca do seu irmão segurando seus cabelos longos e sem pena, o que o fez engasgar, porém o mesmo não parou o oral.

O moreno mais novo já louco de prazer doido para ser penetrado melou o seu dedo com sua saliva e o introduziu em sua entradinha fazendo movimentos rápidos e foi assim que ele chegou ao seu ápice gozando na boca do seu irmão que ao mesmo tempo gozou em suas pernas já que estava encima das mesmas.

O Itachi se pôs encima do garoto de novo e o beijou fazendo-o sentir o seu próprio sabor já que ainda haviam resíduos de sêmen em sua boca, eles estavam tão entregues ao amor dado um pelo outro, o mais velho já estava pronto para se enfiar dentro do mais novo, porém um barulho de porta se abrindo com brutalidade fez os dois brocharem na mesma hora.

- MAS QUE MERDA É ESSA? - O Fugaku gritou não acreditando em seus próprios olhos.

- Pai, eu posso explicar. - O primogênito falou assustadíssimo olhando de soslaio o seu irmão que parecia estar no mesmo estado.

- Eu não quero ouvir porcaria nenhuma.

O patriarca adentrou o local com a passos firmes e saiu puxando o Itachi pelos cabelos arrastando o mesmo até a sala de estar a que eles estavam no primeiro dia em que chegaram, ele travou a porta do local que o Sasuke estava antes de subir as escadas e lançou o filho mais velho com a maior brutalidade do mundo o fazendo bater com o nariz no chão machucando-o e resultando em sangue e mais sangue saindo do mesmo.

Com o corpo exposto e colocando a mão no rosto para uma vã tentativa de fazer o seu nariz parar de sangrar, ele se levantou fitando o pai que estava realmente com muito ódio, ele queria esquecer a cena que viu, porém era impossível, chegava a ser o cúmulo do absurdo. O garoto mais novo se afastou encostando as suas costas na parede para se distanciar do seu pai, o que não adiantou, pois o mesmo o seguiu.

- O-O que vai fazer com o meu irmão? - Perguntou com os olhos marejados por causa da dor que estava sentindo em seu nariz, porém se negava a derramar uma lágrima sequer.

- O que ele merece, assim como você merece, eu não tive dois alfas para se pegarem as escuras. -- O patriarca rosnou irritadiço.

Como se não já bastasse a dor do nariz que o garoto estava sentindo o seu pai lhe deu o primeiro tapa em sua face deixando uma puta marca vermelha de sua mão espalmada.

- Bom, você já deve estar no clima, então vamos começar.

O mais velho caminhou até uma mesa que até então o Itachi não tinha percebido a presença da mesma no local, o patriarca então pegou um tipo de chicote com pontas laminosas na ponta de cada tira daquele objeto.

- O-O que você pretende fazer? - Perguntou o primogênito atônito e ansiando a resposta do pai.

- Que os jogos comecem. - O Fugaku disse com o seu costumeiro sorriso diabólico no rosto. - Vire-se de costa.


Notas Finais


Obrigada por lerem.

Eu realmente não sei porque que eu narrei os dois transando em um porão com sangue seco e cheiro ruim, não sei o que se passava na minha cabeça já 5 anos atrás kkkkkk.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...