1. Spirit Fanfics >
  2. Amor secreto >
  3. Viagem VI

História Amor secreto - Capítulo 10


Escrita por:


Notas do Autor


Vocês são incríveis (mesmo que sejam pessoas que querem ler esses negócios meia-boca que eu faço), eu achei que o capítulo ia pegar umas duas views, mas, apesar de ser pouco, consegui oito, cara, eu não posto capítulo a mais ou menos um ano... Valeu mesmo ❤️

Capítulo 10 - Viagem VI


16/11/2018

P.O.V Gabriel.

Três dias teriam se passado desde os ocorridos relacionados à Aisha, nada de revelante teria acontecido durante esse meio-tempo, as rotinas foram ordinárias e Aisha me ignorava quando nos encontrávamos, tanto durante o pouco tempo que eu me encontrava na piscina quanto nas atividades que fazíamos durante o dia e a tarde, nos quais eu não teria participado de primeira.

No começo do dia, acordei com Maya ao meu lado, no qual sono seria pesado de qualquer jeito, a perna esquerda dela se encontrava acima de minha virilha, provavelmente teria feito isso de propósito noite passada, provocação cujo funcionária, eu já acordava com uma ereção em alguns dias, porém com a perna com estatura sensual de Maya, estava me dando um certo excitamento.

- Maya... Acorde. - Falei, esperando que ao acordá-la ela trocaria de posição, retirando o membro inferior de cima de mim. - Maya!

- Hm? Ah, bom dia. - Minha irmã falava com a voz rouca, levantando a cabeça de cima do travesseiro desconfortável de hotéis, mostrando seu cabelo embaraçado, sem retirar a perna. - Hm? - Maya mexia sua perna em um movimento circular, tentando me provocar, porém apenas segurei o membro dela, no qual a fez parar quase imediatamente, aparentemente teria parado de tentar me provocar tão fortemente, já que por o que eu atuava, levava a ela entender isso.

Fizemos como todos os dias em que estivemos ali, nos arrumando para ir a algum lugar, Maya vestia roupas alargadas e confortáveis como sempre, sua camisa era uma branca, não era possível ver muitos detalhes dela, já que por cima desta, estaria uma blusa de lã com gola alta, no qual provavelmente estaria na moda, junto de calças jeans apertadas. Já eu vestia apenas uma camiseta branca, acompanhada de calças pretas. 

Ao sairmos de dentro do chalé, fechei a porta e percebi alguém nos observando de longe, possuindo uma câmera. Ao cruzarmos olhares, essa figura aparentemente fugiu para de trás de outro chalé, não dei muita atenção a isso, pensei que era algum acaso de alguém tímido.

Andamos em direção ao restaurante, procurando tomarmos o café da manhã, enquanto alguns optavam a acordar mais cedo, fazendo o mesmo procedimento que nós, porém indo a piscina o quanto antes, no qual era o caso de Liz, que estava dentro da água clara.

- Oi Gabriel. - Liz falava apoiada na borda da piscina, perto de onde eu e Maya andávamos. 

- Ah, oi Liz. - Eu procurava o que falar, pois sabia que ela era sensível, e que pensaria demais quanto a eu conversar pouco. - O que acha que a gente vai fazer hoje?

- A-Ah, talvez ir para a praia de novo? - Liz dizia de novo pois no dia cujo eu teria desmaiado, foram ao local. - Hm... Ah! Desculpa, esqueci que você não foi... Queria ir com você para lá...

- Não se preocupe tanto com essas coisas, Liz. - Falei tentando despreocupar a garota. - Tomara que vamos a praia, mesmo.

- Uhum! - Liz acenava positivo com a cabeça.

Olhei para Maya para ver se ainda estava ali, porém já teria ido à frente, caminhei em passos apertados para segui-la.

Ao chegar no restaurante, vi minha irmã já no começo da pequena fila que se formava de manhã logo depois das mesas, no qual eu fui junto, assim pegando apenas algumas frutas, enquanto Maya um pudim barato no qual provavelmente produziam em massa ali.

- Maya... - Falei enquanto andávamos em direção a mesma mesa, nos sentando um ao lado do outro, visto que, durante o café da manhã, não precisávamos nos sentar em mesas relacionadas às classes. 

- O que foi? Vai falar sobre eu parecer uma mãe de novo? - Maya falava, sarcasticamente.

- Não... Eu sei que já é meio tarde pra falar isso, mas, você tem que parar com... - Não terminei minha frase pela fala que precisava citar.

- Com...? 

- Você sabe, essas coisas que você vem fazendo... - Eu falava corando de leve, enquanto tentava desviar o olhar de Maya.

- Ah... isso, você não gosta? Eu... Eu posso parar. - Conforme ela terminava sua fala, mais sua cabeça ficava cabisbaixa, enquanto colocava os talheres de lado, falávamos sobre nossas relações por conta das pessoas ao redor. - Mas... Você não tinha dito que g-gostou? - Maya falava, aparentemente triste, pela primeiras vez em alguns meses, a outra vez provavelmente teria sido em janeiro, onde nosso antigo cachorro teria falecido.

- Eu... Falei? - Disse tentando relembrar dos acontecimentos, enquanto tentava ser delicado com as minhas palavras.

~ Sim, mentiroso... - Maya falava sussurrando para si própria. - Eu sei que você gosta da Liz... Mas... O que eu sou comparado a ela para você? 

- Comparado a Liz? Uma... Irm-... É... - Eu procurava palavras para dizer naquele momento, achei que ao falar “Irmã” eu magoaria Maya. - Uma amiga querida...? Ahhh! Você ‘tá’ me deixando em um lugar ruim aqui... - Olhei ela para ver sua reação, no qual seria como se algo muito importante teria sido perdido, provavelmente seus esforços para fazer com que eu prestasse mais atenção nela. 

- Ah... Entend... - Antes que pudesse terminar sua frase, foi se ouvido um soluço, olhei para Maya, no qual tinha os olhos úmidos, antes que ela tentasse falar, mais alguns soluços a impediam.

- A-Ah, talvez... Talvez uma... A-Amante? - Falei corando, tentando dizer as palavra o mais baixo possível, para que ninguém no local escutasse, ao mesmo tempo, desviava o olhar notavelmente de Maya, novamente.

- Obrigada... - Maya falava, enquanto tentava não mostrar aquele seu lado, qual eu podia ver no canto de meus olhos, que ela olhava para as pernas, enquanto enrolava uma mecha de cabelo em um dedo indicador. 

- E-Eh? Por o que? - Falei, disfarçando, pegando uma uva e a colocando em minha boca.

- Nada... - Maya se virou e deu um abraço no qual não teria dado ou recebido fazia meses, ou até anos, então aos poucos o retribui, enquanto seu cabelo leve caia sobre minha face.

Antes que eu pudesse dizer algo, ela pegou seu prato e saiu, comendo o pudim no caminho, quando me virei e terminei minha comida, pensando no que acabara de acontecer.

Duas horas depois disso, me encontrava em um campo aberto, com todas a sua classes, íamos jogar esconde-esconde, aparentemente em todo o lugar, dos chalés perto de onde eu e Maya dormíamos até a saída da pequena floresta de pinheiros que ficava logo atrás da piscina. O professor de educação física iria escolher alguém para ser o ‘pegador’, no qual teria que achar os outros alunos nos locais, cada um que fosse pego, teria de procurar junto dele, o jogo duraria por meia hora, ou até que todos fossem pegos, após vinte minutos, os professores também iriam fazer parte dos procuradores.

Aparentemente, uma amiga de Maya teria sido escolhida para procurar, enquanto nos deram cinco minutos para nos escondermos, optei por ir até o restaurante, onde me lembrava de uma sala perto da entrada, qual normalmente seria usada como um lugar de atendimento aos clientes, mas como o lugar agora estava sendo ocupado pela escola, aquele local estava desocupado. A maioria das pessoas pensariam que não seria permitido ir até ali, mas caso teriam ouvido as regras, quase qualquer local era permitido, a não ser que fosse a enfermaria ou os chalés. 

Caminhei por três minutos até chegar no restaurante, onde estavam quase cinco pessoas, me certifiquei que ninguém estava me observando, então entrei pela porta que ficava em uma parede ao lado do balcão onde os clientes conversavam. A sala não possuía mais de alguns metros de diâmetro, me sentei com a cabeça apoiada na parede oposta à parede onde a porta ficava. Depois de um minuto sentado, a porta se abriu, fazendo com que eu soltasse um suspiro, pensando que eu teria de compartilhar aquele lugar com alguém durante quase trinta minutos. Quando percebi, Liz estava entrando, me fazendo corar um pouco, pensando em algumas fantasias com a garota.

- G-Gabriel? Você... Aqui? - Liz fala de um jeito forçado e aparentemente ensaiado.

- Você me seguiu, não é? - Falei, deduzindo da fala dela. - Bem, pelo menos não fico mais sozinho. - Ao falar isso, me sentei um pouco mais para o lado e dei dois tapas leves no chão ao meu lado, como se estivesse falando para Liz se sentar.

- C-Como você sabe? Você me viu? - Liz falou, corando, com sua personalidade tímida de sempre. - Desculpa... Eu te segui porque achei que seria muito assustador ficar sozinha... 

- Não se preocupa, agora a gente tem companhia um do outro. - Falei, tentando não me envergonhar, para Liz não ficar ainda mais pensativa.

- Okay... - Liz falou, se sentando ao meu lado, como a distância do balcão para a parede de trás não era tão grande, apenas servia para secretárias (os) ficarem, meu corpo e o corpo de Liz ficavam se tocando constantemente, se não fosse pelo braço dela, eu ficaria com meu braço direito tocando os seios dela.

- Gabriel, fica vendo para ver se ninguém... Está vindo... - Liz falava, tentando claramente não ser ignorante, como não era do feitio dela de fazer pedidos assim, aceitei.

- Claro... - Disse, enquanto me levantava, fazendo Liz colocar seu braço sobre as pernas, o tirando de perto do tórax, mostrando que sabia sobre eu ficar tocando seus seios sem querer, e talvez, por isso teria pedido para eu ficar vigiando.

Fiquei olhando e descansando de vez em quando por quase dez minutos, quando Liz começou a se contrair.

- Você... está bem, Liz? - Eu falava, preocupado com ela.

-Sim... - Liz dizia as palavras tremendo, enquanto apertava o elástico da blusa que vestia, o empurrando para baixo, como se tentasse esconder algo entre suas pernas. - Eu... Só estou com vontade de ir ao banheiro...

- A-Ah... - Pelos movimentos que fazia contra a virilha, ela claramente queria urinar, então me levantei rapidamente para que ninguém me visse, e peguei uma caneca, qual se encontrava perto do balcão, provavelmente como um souvenir local, então o entregando para Liz.

- O-O-Obrigada... - A garota pegou a cabeça dada a ela. Enquanto me encarava, como se estivesse esperando algo.

- Uh? A-A-Ah. - Eu falei, percebendo que ela estava esperando eu me virar, que foi o que fiz, me sentando contra o balcão, já que ela estava do lado oposto, eu ouvia sons de tecidos, provavelmente de Liz retirando sua calça e calcinha, seguido por um som líquido,  me fazendo corar. - Acabou?

- S-Sim... - Ao ouvir essa fala vinda de Liz, me virei, deparando com a face dela contra a minha, enquanto estava sem suas calças ou roupa íntima. 

- L-L-Liz? Cadê sua r-roupa? - Falei, perplexo com a situação, enquanto Liz colocava um dedo seu acima de sua vagina.

- G-Gabriel... E-Eu... Desde que a gente fez aquilo no ônibus, eu ando com aqui... - Ela dizia, apontando para a vagina, com o mesmo dedo que tinha acima dela. - Tendo um formigamento... E-E quando eu toco, eu sinto uma... Uma... Sensação, quente... Você me acha má por isso? - Liz falava, com a voz trêmula.


Notas Finais


Se eu conseguir faço mais um capítulo hoje ;)


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...