História Amor Vincit Omnia - O amor vence todas as coisas - Capítulo 7


Escrita por:

Postado
Categorias Shadowhunters
Personagens Alexander "Alec" Lightwood, Clary Fairchild (Clary Fray), Isabelle Lightwood, Jace Herondale (Jace Wayland), Jocelyn Fairchild, Magnus Bane, Personagens Originais, Sebastian Verlac (Jonathan Christopher Morgenstern), Simon Lewis, Valentim Morgenstern
Tags Alec, Cassandra Clare, Clace, Clary, Izzy, Jace, Jonathan, Magnus, Malec, Os Instrumentos Mortais, Shadowhunters, Simon, Sizzy
Visualizações 18
Palavras 1.016
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Aventura, Comédia, Fantasia, Ficção, Mistério, Sobrenatural

Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 7 - Noites Difíceis - parte 2


Fanfic / Fanfiction Amor Vincit Omnia - O amor vence todas as coisas - Capítulo 7 - Noites Difíceis - parte 2

Alec despertou de um pesadelo horrível onde era perseguido por monstros de pele vermelha e escamas pontudas, absurdamente maiores que ele. Talvez não tivesse se assustado tanto se Magnus não estivesse no pesadelo, correndo de mãos dadas com ele, atirando todos os feitiços de defesa que podia em uma esperança inútil de conter as feras.

Saiu da cama aos tropeços e suando frio. Quase caiu em cima de Jace tentando se localizar no escuro, o balanço da cama quando Alec esbarrou nela fez com que o irmão acordasse.

– O que houve? – resmunga Jace sentando na cama sonolento e ao mesmo tempo alarmado – as torres acenderam? A cidade foi atacada? Quantos mortos?

– Não tem ataque nenhum. Eu tive um pesadelo.

Ele revirou os olhos e soltou um "ah" de desânimo deixando a cabeça despencar de volta para o travesseiro.

– Você fez uma runa de extrema força para ajudar Maryse com o Demônio Dragão que estava no esgoto hoje de manhã – lembrou Jace ainda aos resmungos – marcas mais potentes doem com grande intensidade e causam terríveis pesadelos. Não há nada com que se preocupar irmãozinho.

– Nossa Jace. Nunca pensei que esse dia chegaria – se surpreende Alec – você está sendo compreensivo comigo, compreensivo de verdade. Nem fez nenhuma piadinha – ele sentou na ponta da cama ao lado do irmão com um sorriso – eu sempre soube que no fundo se preocupava. Sabe que as vezes isso faz falta. Um Parabatai compreensivo, disposto a me ouvir e que entende os meus conceitos ao ponto de aceitar...

 "Rrrrooooofiiiiiu"

Não foi surpresa virar e ver Jace roncando. Estava bom demais para ser verdade. Alec levantou, pegou um casaco e saiu do quarto com passos lentos rumo as ruas vazias e silenciosas de Alicante no meio da madrugada para esvaziar a mente.

Enquanto virava a esquina de um caminho tedioso esbarrou em alguém.

– Desculpe – pede com um tapinha amistoso no ombro do estranho. Deu mais dois passos adiante e parou, para enfim reconhecer o rosto que acabará de encontrar – ei você aí? ESPERE! – assim que se virou o sujeito começou a correr e Alec foi em disparada atrás dele.

(...)

A cada início de carta Isabelle tinha uma reclamação diferente.

Caro Simon...

– Horrível – ela amassou o papel e jogou para trás com o resto da pilha.

Querido Simon...

– Mais ou menos, não gostei.

Meu querido Simon...

– Será correto eu estar usando o pronome "meu"?

Amado Simon...

– Muito romântico.

Simon...

– Simples demais – com isso, outro papel foi acrescentado a pilha. Fazendo ela se enfurecer e berrar – O QUE EU ESCREVO?

– ADORADO MUNDANO – grita Jace do quarto ao lado com voz de quem acabou de acordar – ESTÁ NA HORA DE FALAR A VERDADE. EU CAÇO DEMÔNIOS, MATO DESDE PEQUENA, TENHO UM CHICOTE ELÉTRICO QUE PODERIA CORTAR SUA CABEÇA E A LEI SOBERANA DO MEU MUNDO MÁGICO VAI CAÇAR SUA FAMÍLIA ATÉ A MORTE PELO NOSSO "RELACIONAMENTO SECRETO", MAS NÃO CONTA PARA NINGUÉM...

– CALE A BOCA – o grito de fúria de Isabelle trouxe os risos abafados de Jace com ele – NÃO VÊ QUE ISSO É SÉRIO. ESTOU TENTANDO SER SINCERA COM O SIMON.

– E EU ESTAVA SENDO SINCERAMENTE SINCERO AO TE AJUDAR A SER SINCERA.

– QUEM É SIMON? – berrou Maryse do quarto debaixo.

As respostas vieram ao mesmo tempo, mas não foram iguais.

– NINGUÉM! – Isabelle.

– É O GATO! – Jace.

– VÃO DORMIR! – Robert.

– DURMA VOCÊ – rebateu Maryse.

– NÃO TEM QUE GRITAR. EU ESTOU DO SEU LADO NA CAMA.

– ESCUTEM BEM, TODOS VOCÊS! – proclamou Jia Penhallow do corredor – EU NÃO SEI COMO ERRAM AS NOITES NO INSTITUTO, MAS MEUS FILHOS E MEU MARIDO NÃO ESTÃO DISPOSTOS A DORMIR COM ESSA GRITARIA.

– É SÓ UMA CONVERSA TÍPICA DE FAMÍLIA – responde Robert – EU DISSE PARA ELES DORMIREM, MAS...

– ENTÃO AGORA VOCÊ É INOCENTE – questiona Maryse – E QUANDO DISCORDOU DE MIM A RESPEITO DO NOIVADO DE ALEC?

– VOCÊ É A ERRADA. ESTÁ USANDO NOSSO FILHO COMO ESPONJA DE AÇO PARA LIMPAR A SUJEIRA QUE VOCÊ MESMA FEZ.

– DO QUE EXATAMENTE VOCÊ ESTÁ FALANDO...

– CHEGA! – o gritou de Jia, além de muito alto, veio com o som de uma porta abrindo bruscamente como se alguém a tivesse chutado – MARYSE E ROBERT, NINGUÉM AQUI ESTÁ INTERESSADO NO SEU CASAMENTO PROBLEMÁTICO. QUANTO A SEUS FILHOS, EU QUERO SILÊNCIO ABSOLUTO NA MINHA CASA OU TEREMOS SANGUE!

A porta bateu de novo e todos voltaram a dormir. Izzy pegou o papel de volta e, na tentativa de se concentra, escutou Jace cantarolando através da parede.

 🎶🎵🎶🎵🎶

Com quem será?

Com quem será?

Com quem será que a Isabelle vai casar?

Vai depender...

Vai depender...

Vai depender se o mundano vai querer.

Ele aceitou!

Ele aceitou!

Tiveram dois filhinhos e o amor acabou.

Mas não se separaram...

Não se separaram...

Por causa das crianças eles se acomodaram.

Passou um instante...

Passou um instante...

O Simon era Geek e também tinha uma amante.

Para se vingar...

Para se vingar...

A Izzy deu para fada que era o Merlion.

O Simon não sabia...

Agora vai saber...

Que além de corno contraiu HIV.

Quem foi que mandou...

Esse veado...

Comer a Maia lá no almoxarifado.

A Maia engordou...

Autoestima está mal...

E para compensar ela fode com geral.

A coisa está séria...

A coisa está séria...

A Maia contraiu 15 doenças bem sérias.

🎵🎶🎵🎶🎵

Isabelle deu um soco forte na parede e pode ouvir um "aí" do irmão, comprovando sua tese de que ele estava escorado na pedra para que ela ouvisse sua canção.

– Pare com isso idiota – sussurra na parede – você vai provoca-los.

– EU SOU UMA LARANJA CANTANTE – berrou o mais alto que pode.

JACE! – gritaram Maryse, Robert e Jia.

Com isso ele se calou e Isabelle finalmente conseguiu escrever.

Prezado Simon.

Eu estou bem, pelo menos por enquanto. Só para você saber a minha terra natal não é tão bonita quanto eu, nada nesse mundo é mais belo do que eu. Sinto muito, mas não posso dizer onde fica o lugar que estou, apesar de querer tê-lo aqui, isso vai contra as leis do meu povo e se eu te contasse provavelmente teria que mata-lo.

Queria saber, o que diabos é Tatooine? E não, eu não sou uma alienígena, mas vou encarar isso como um elogio.

Quanto ao seu convite, eu adoraria tomar um cappuccino com você, mas infelizmente isso só será possível quando voltarmos para Nova York.

Eu não sei quanto tempo vou ficar aqui, vai depender de como as coisas vão se desenrolar.

Eu espero muito te ver logo.

Isabelle.  


Notas Finais


Talvez não tenham percebido, mas a música que o Jace canta para provocar a Isabelle é de um vídeo do canal Porta dos Fundos, Com Quem Será, e eu modifiquei algumas partes para encaixar com a historia. Hihihi


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...