História Amy Rodrigues - Capítulo 23


Escrita por:

Postado
Categorias Linkin Park
Personagens Brad Delson, Chester Bennington, Dave Farrell, Joe Hahn, Mike Shinoda, Rob Bourdon
Tags Chester Bennington, Linkin Park, Mike Shinoda
Visualizações 25
Palavras 3.292
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Comédia, Drama (Tragédia), Fantasia, Ficção, Hentai, Musical (Songfic), Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Olar!
Lhes trago um capítulo grandinho quando a Amy desperta do seu sono de beleza.
Vai ter treta (obviamente) e vai ter um princípio de falta de ar UAHSUAHSUS
Leiam para descobrir!

Enjoy 🧡

Capítulo 23 - After Sex.


Fanfic / Fanfiction Amy Rodrigues - Capítulo 23 - After Sex.

Amy Rodrigues

Despertei por causa de uns barulhos estranhos no quarto ao lado. Meu quarto ficava entre o do Chester e o de Mike, mas não pude identificar de primeira de qual deles o barulho vinha. Eu estava com dor de cabeça e dor de estômago, com certeza por causa da bebedeira, então não tinha certeza se isso era um sonho ou a realidade. Quando acordei de vez, escutei uma voz feminina chamando por Mike.. Mike… mas de quem poderia ser essa voz? Não sei, mas era um barulho ensurdecedor. Com dificuldade levantei e peguei meu celular, era por volta das 4h45 da manhã e eu estava confusa, por quanto tempo eu dormi? Resolvi por tomar uma ducha, ao começar a me despir, notei estar enrolada em uma jaqueta de Chester, tinha um cheiro muito gostoso de seu perfume, era maravilhoso o cheiro que tinha nela, aliás minha roupa inteira cheirava a ele, então terminei de me despir e rumei ao banheiro. O barulho no quarto ao lado era horrível, barulho de cama batendo na parede e gritos de uma garota… gemidos de uma garota. Finalmente acordei para a vida e entendi: era o Mike transando com alguém no quarto ao lado. Aquilo feriu meu coração, não vou mentir, apesar de tudo que aconteceu mais cedo, ele ainda mexia comigo, sabia disso e parece que gostava de me ver sofrer. Me olhei diante o espelho do banheiro e minha aparência era horrível,minha maquiagem estava totalmente borrada, tinha batom e sombra na minha cara inteira, estava um verdadeiro conto de horrores. Olhei mais para baixo e tinha umas marcas roxas feitas por dentes no meu pescoço e na altura do seio esquerdo. PUTA QUE PARIU. Toda a lembrança dessa noite veio a tona e eu abri a boca assustada. Eu bebi pra caralho com Chester, vi o Mike beijando outra, fiquei puta da vida e… puta merda, caralho… eu transei com Chester dentro daquele carro. POR QUE EU FIZ ISSO? Caralho eu só faço merda.

Entrei no chuveiro cabisbaixa. Eu tenho noção total do que fiz com Chester mesmo estando bêbada, mas ele gosta de mim e eu o usei pela raiva que estava do Mike. Eu agi como Mike faz comigo, me usa e joga fora, que inferno! As lágrimas já se misturavam com o chuveiro e eu estava desapontada comigo mesmo. Calma, ele fode bem e gosta de você… quem sabe né? Minha consciência fazia um carinho na minha cabeça me acalmando. É lógico que eu queria me apaixonar pelo tatuado, quem não gostaria? mas puta que pariu o bloqueio que eu tenho nele por causa do Mike é enorme. PENSA NA FODA, MULHER! ELE É UM DEUS GREGO, olhei com desprezo para a minha consciência que levantou as mãos em paz. Saí do chuveiro e no quarto ao lado ainda rolava uma puta “festa”, o que me fez revirar os olhos e sair dali para parar de sofrer. Era de madrugada e certeza que todos já tinham ido se deitar, então pensei em comer alguma coisa. Coloquei um conjunto de pijama: shorts e blusinha de cetim cor de rosa e fui saí do meu quarto.

Ao descer, percebi a luz da tv ligada com o volume bem alto, Brad e Rob assistiam um documentário sobre videogames e se assustaram ao ver minha presença.

- Hey Amy, você está gata! - Rob sorriu.

- Hey galera! - dei um meio sorriso e Brad levantou-se para me abraçar.  - o que estão fazendo acordados?

- Provavelmente o mesmo que você, até porque, quem consegue dormir com essa putaria lá em cima né? - Brad revirou os olhos e eu assenti. - Os outros ainda não chegaram e Chester está na cozinha e está muito quieto, acho que está doente HAHA. - riu.

- Acho que vou ali comer algo, meu estômago dói, me lembrem de nunca mais beber tanto - eles riram - já volto - assentiram.

De longe observei o tatuado sentado em um dos bancos do balcão da cozinha, com suas costas definidas cheia de tatuagens voltada para a sala, tinha em seu lado um copo de suco e comia alguma coisa. Respirei fundo e segui até lá, eu sei o que fizemos e sei que mais cedo ou mais tarde iria ter que enfrentá-lo quando estivesse sóbria. Cheguei de fininho na cozinha e ele se virou assustado quando tropecei em uma planta que estava ali.

- Desculpa, não quis te assustar. - dei um sorriso sem jeito e dei a volta no balcão, para ficar de frente para ele, que me olhou de cima a baixo.

- Não tem problema hahaha, eu só estava aqui comendo alguma coisa para distrair. - deu de ombros - você está linda.

- Obrigada - sorri - Chaz, seus lábios estão avermelhados, o que aconteceu? - eu perguntei curiosa.

- Caramba isso ainda não saiu? meu deus - ele pegou um guardanapo e limpou a boca. - Como você conseguiu tirar isso? - ele me olhou divertido e eu arqueei a sobrancelha. - Er.. isso aqui é aquele seu batom vermelho, não sai de jeito nenhum hahaha - riu sem jeito.  Meu deus o meu batom…

- Só passar óleo de amêndoas, sai bem fácil. Se quiser, pode pegar no meu quarto um pouco e aliás, sua jaqueta está lá também. - falei sem olhar pra ele e abri a geladeira, pegando uma vasilha com salada de frutas. - Os meninos que fizeram isso? - ele assentiu enquanto bebia seu suco - está lindo! - Coloquei no balcão e peguei uma outra vasilha no armário para me servir.

Comecei a me servir da salada e percebi seus olhares atentos sobre mim. Meu deus o que ele quer? Quando terminei, levantei a cabeça e o olhei, ele me fitava sério.

- O que? - perguntei sorrindo. 

- Me desculpe pela marca no pescoço HAHAH - ele mordeu o lábio de leve, senti meu rosto corar por começar a relembrar a aventura que tive com ele. - olha - apontou para perto da sua garganta - eu também tenho uma HAHAH, acho que estamos estamos quites?

- A sua está só um pouco vermelha e a minha está roxa, além do mais, tenho uma outra pior que essa aqui. - apontei por cima da blusinha fina em direção ao seio esquerdo.  

- HAHA me desculpe. - ele bebeu mais um gole de seu suco.

Resolvi por sentar de frente para ele no balcão enquanto comia minha salada de frutas e claro, o silêncio se instaurou na cozinha. Ele pegou o celular e deslizava os dedos meio que de qualquer jeito só para fingir que não estava incomodado com aquele silêncio, mas estava, eu sei que estava e eu sei que ele também queria comentar sobre o que aconteceu. Ele não ia falar nada, deu pra sentir e eu não queria me fazer de Shinoda e fingir que nada aconteceu.

- Chester… - terminei de comer minha salada de frutas e o fitei, ele fez o mesmo de volta me olhando nos olhos. - tem algo te incomodando? - não consegui ser direta, dammit!

- Tem. - seu olhar era sério. - Você… - fez uma pausa e suspirou - você se lembra o que aconteceu… entre nós? - sua voz era baixa e leve.

- Lembro. - desviei o olhar. - Eu sei que eu bebi, você também, mas eu me lembro perfeitamente do que aconteceu. - eu batia os dedos na mesa, nervosa.

- Olha, me desculpa se eu exagerei é que eu… bom você… nós - ele não sabia nem por onde começar e nem eu.

- Não precisa se desculpar, nós dois queríamos e aconteceu, certo? - ele assentiu dando um sorriso sem humor. - Quem tem que se desculpar sou eu, acho que eu exagerei contigo hahaha - corei novamente e ele riu enquanto passava os dedos de leve pela minha mão.

- Se eu falar que eu não gostei, estaria mentindo - ele sorriu largo e eu quase me derreti ali mesmo - você sabe como me sinto em relação a você, então para mim, foi quase que uma fantasia sexual se tornando realidade.

- Chester… - eu fiquei extremamente envergonhada e ele riu.

- Sorry! - se levantou, pegou minha mão e deu um beijo nas costas dela, me fazendo sorrir. Puta merda que cara maravilhoso porra. - eu queria dormir, estou muito cansado, mas com essa putaria do lado dos nossos quartos, está impossível. - Fechou a mão num punho e bateu no balcão.

Poucos minutos depois, vi de relance uma garota loira descendo as escadas com pressa e saindo pelo pela porta da frente, sem falar com ninguém.  A garota loira que estava com Mike no pub, ele a trouxe aqui, merda. Em seguida da saída da garota, Mike desceu as escadas vindo que nem um furacão até a sala. Ele estava sem camisa e com uma calça fina, seu peito traçava riscos de suor e seu cabelo estava bagunçado, exalava um Mike after sex.

- Abaixem a porra dessa TV, a minha noite de amor já acabou, infelizmente. - Ele ria enquanto Brad e Rob nem olhavam em sua cara por estarem putos.

Ele olhou para dentro da cozinha e seu olhar cruzou com o meu e então começou a vir em minha direção. Quando Mike adentrou a cozinha, Chester se colocou em sua frente, impedindo sua passagem.

- O que quer aqui, Spike? - Chester transparecia irritação em sua voz.

- Beber água, transar dá muita sede! - ele encarou Chester que o deixou passar - espero não estar atrapalhando o casal. - ironizou enquanto foi até a geladeira pegar uma garrafa d’água.

- Não somos um casal, Mike. Pode parar com as gracinhas. - falei irritada e ele deu um meio sorriso, irônico novamente.

- E desde quando amigos se beijam e deixam marcas de dentes um no outro? - ele apontou para o meu pescoço.

- Eu não lembro de ter pedido a sua opinião! - bati a mão com força no balcão.

- HAHAH vou dormir e aconselho vocês fazerem o mesmo, temos coisas importantes para fazer mais tarde. - deu um gole em sua água e foi se retirando.

- Nós não fomos dormir ainda porque você fica dando seus showzinhos no quarto e ninguém consegue pegar no sono. Por que não paga um motel para ir e não incomodar os outros? - Chester disse enfurecido.

- Chester, você já teve a sua foda e eu tive a minha, relaxa. - Chester ia partir para cima de Mike e eu o agarrei pelo braço. - Boa noite amigos! - Mike nos saudou e subiu as escadas.

- Que ódio desse infeliz! - Chester deu um soco na parede despertando a curiosidade dos outros. - eu queria socar a cara dele!

- Eu também queria, mas se acalme. - Peguei em seu braço novamente tentando acalmá-lo, mas ele estava tenso. - Deixa ele falar, foda-se, ele não sabe nada do que aconteceu entre a gente e está jogando verde.

- Não Amy, ele sabe sim, arrisco a dizer que até está com ciúmes hahaha - riu irônico sacudindo a cabeça - ele acha que todas as garotas do mundo são dele, ele que pense!

- O que aconteceu, Chaz? - Brad entrou rapidamente na cozinha e fitou Chester que exalava raiva.

- Nada Delson, Mike é um desgraçado e é isso! - Chester foi se retirando da cozinha sem falar mais nada.

Eu olhei pra Brad que me olhou confuso e eu apenas dei de ombros. Lhe dei boa noite, um beijo e um abraço e segui para a sala, onde fiz a mesma coisa com Rob e me dirigi ao meu quarto. Graças a Deus que o silêncio era grande naquele lugar agora então entrei em meu quarto, e ao entrar, me deparei novamente com a jaqueta verde de Chester e me lembrei sobre ele não conseguir retirar o batom da boca e me veio a mente o tal óleo de amêndoas, resolvi por então levar pra ele. Peguei sua jaqueta, peguei o óleo no banheiro e saí, por sorte, meu quarto como ficava entre o de Chester e Mike, só precisei dar dois passos e já estava na frente da sua porta. Bati de leve na madeira e ao abrir e se deparar comigo, sua expressão raivosa desapareceu.

- Eu trouxe sua jaqueta e o óleo que eu falei. Não quero te incomodar, por isso vim aqui rapidinho e - ele me interrompeu.

- Entra, não quero ficar conversando no corredor. - me olhou sério e pegou na minha mão me puxando para dentro.

O quarto dele, como esperado, era exatamente como o meu, a diferença é que tinha o doce cheiro dele do ar. Ao entrar naquele quarto, ele fechou a porta e se sentou na cama, me olhando fixamente. E que olhar meus amigos.

- Por que está me olhando assim? - Eu disse ao lhe entregar a jaqueta e o óleo.

- Por nada… - pegou a jaqueta, a deixou em cima da cama e olhou curioso para o óleo. - Como uso isso? - perguntou divertido.

- Coloca um pouco no algodão e passa no lábio, o batom vai sair todo - eu sorri para ele.

- Vamos ver - foi ao banheiro e voltou com um pedaço de algodão, sentou-se novamente na cama, derramou um pouco de óleo e passou nos lábios, depois olhou para o algodão novamente. - CARALHO - disse espantado - isso é magia?

- HAHAHA truques de mulheres - eu ri e ele também. - Vou para o meu quarto descansar, te vejo depois?

- Espera - levantou-se e veio ao meu encontro - eu preciso te falar uma coisa. - se aproximou bastante de mim.

- Chester, estamos só eu e você aqui, não sei se é uma boa ideia ficarmos a sós no seu quarto, se me vissem sair daqui, o que iam pensar? - dei um passo para trás em direção à porta, mas ele chegou ainda mais perto.

- Primeiro que eu não devo nada pra ninguém - colocou uma mecha do meu cabelo atrás da minha orelha. - Segundo que não estamos fazendo nada errado, apenas conversando. - Uma de suas mãos seguraram meu queixo, me fazendo olhar para ele - Terceiro que eu não estou bêbado e nem você agora e eu quero te agradecer por tudo que aconteceu hoje.

- Chaz, eu acho melhor… - não deu tempo de terminar a frase.

E bom, é isso mesmo, ele me beijou com vontade e com o mesmo desejo de horas atrás. Seu beijo agora tinha gosto de óleo de amêndoas o que me fez fazer um pouco de careta, mas porra, nada podia estragar aquele beijo. Como ele mesmo disse, nós não estávamos mais bêbados e era nítido tudo aquilo que ele sentia por mim, e eu como sempre, fracassei em resistir. Passei meus braços pelo seu pescoço e ele me levou para trás até me prensar na parede fazendo nossos corpos ficarem muito mais próximos do que já estava. Eu não gostava dele na mesma proporção que ele de mim, mas eu não podia negar, ele era irresistível é extremamente tentador. Ele passou a outra mão pela minha nuca, enterrando-a em meus cabelos e puxando de leve me fazendo soltar um gemido baixo no meio dos beijos e então senti seus lábios darem um pequeno sorriso durante eles. Filho da puta.

Eu não sei bem o que rolou ali, porque quando me dei conta, minhas pernas já estavam em volta da sua cintura e ele nos levava pra cama, onde se sentou na beira dela comigo em seu colo. Nossos corpos se encaixavam muito bem e eu não conseguia desgrudar meus lábios dos dele, era surreal a química que nós tínhamos quando estávamos juntos. Senti suas mãos subirem levemente pelas minhas costas, por baixo do tecido fino da minha roupa, me provocando arrepios enquanto distribuía beijos no meu pescoço. Ele me segurava firme, mas diferente do carro onde estávamos bêbados, ele era mais calmo e realmente estava com muita mais vontade de estar comigo ali. Senti sua ereção crescer por cima da calça que vestia enquanto estava em seu colo o que fez abrir os olhos para a realidade: tinha mais gente naquela casa e se eu deixasse rolar mais um pouco, não ia dar pra parar mais. Ele estava por tirar minha blusa do pijama e eu segurei em seus braços impedindo.

- Para. - eu disse com falta de ar e ele me olhou confuso.

- O que foi? - seu olhar era atento agora.

- A gente não pode fazer isso. - Saí do seu colo cambaleando.

- E por que? - ele me olhava com cara de vai me deixar assim?

- Tem gente demais nessa casa, eu preciso dormir e você também. - sorri sem humor, ajeitando minha roupa.

- Nem vou conseguir mais dormir depois disso hahaha. Olha como eu estou - ele olhou para baixo e eu pude ver sua ereção bem avantajada por baixo da calça. - Vou ter que tomar uma ducha gelada por um tempo para voltar ao normal. - ele riu e eu fiquei vermelha.

- Foi mal - cocei a cabeça e arrumei meus cabelos - mas enfim... - eu não soube terminar o que estava falando e fui me dirigindo até a porta. - Te vejo mais tarde?

- Claro e - ele se levantou com dificuldade da cama - me desculpe ok? Eu sei que tínhamos um acordo e tal - parou e pensou por uns instantes - É que é realmente bem difícil resistir quando se está apaixonado… - sua voz era quase um sussurro triste. APAIXONADO?

- Eu entendo.. - sorri triste de volta para ele. - desculpa por… enfim. Não quis te deixar confuso. Acho que vou me deitar e descansar um pouco, temos um show para fazer a noite. - sorri de lado e ele concordou com a cabeça. - Até mais Chaz, durma bem.

- Até mais sereia, descanse também! - me deu uma piscada.

Eu saí pela porta de Chaz devagar, não queria que ninguém me visse ou acordasse e quando terminei de encostar a porta dele e correr para a minha, Mike acabara por sair de seu quarto. MERDA MERDA MERDA. Quando me viu, arqueou as sobrancelhas ao me olhar de cima a baixo, será que percebeu que eu saí do quarto do Chester?

- O que faz acordada? - me perguntou sério.

- O mesmo que você, estou acordada.- Sorri sarcasticamente e fui abrindo a porta do meu quarto. - Até mais tarde, Shinoda.

- Espera - ele segurou no meu braço e me olhou fixamente. - Você saiu do quarto do Chester ou é impressão minha?

- E o que te importa? - encarei ele de perto.

- Eu quero saber.  - ele estava com o rosto bem perto do meu, quase me beijando.

- Cuida da sua vida! - o empurrei e entrei no meu quarto, quando fui fechar a porta ele a segurou com a mão.

- Garota, você está me irritando demais com essa sua amizade ou sei lá o que com ele. - seu olhar era furioso.

- Cai fora daqui antes que eu faça um escândalo. - ameacei.

- Foda-se também! - ele bateu a porta com força e saiu.

Me deitei na cama irritada, qual era a do Shinoda agora? e Chester… aquele sim era um homem de verdade. Caralho como é ruim não poder mandar no coração! Tomara que quando acordar, o clima melhore nessa casa, ou logo vão começar a desconfiar de tudo. 


Notas Finais


HmmmmMmmMm UYSSFJKKKKK
depois desse quase hot eu aguardo vocês no próximo capítulo para vermos o que vai acontecer😏.
Maico com ciúmes e Chesto apaixonado? SOCORRO!

See you soon!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...