1. Spirit Fanfics >
  2. An evil bitch >
  3. I cannot kill an innocent

História An evil bitch - Capítulo 25


Escrita por:


Notas do Autor


Mais um capítulo para vocês 😍
Espero que gostem 😝
Boa leitura 📖
♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥

Capítulo 25 - I cannot kill an innocent


Fanfic / Fanfiction An evil bitch - Capítulo 25 - I cannot kill an innocent

– Oi mãe, oi pai - eles estavam na sala com outro vampiro, esse eu me lembrava bem – olá Frank - disse séria. 

– Minha querida Amitta - se aproximou – como está linda – sorriu – como vai? 

– Muito bem - disse seca – o que você quer? 

– Calma querida - levantou os braços em em sinal de rendição – eu vim em paz - abaixou – primeiramente, peço desculpas pelo último ocorrido com um dos membros do nosso conselho, o responsável por te ofender foi devidamente punido -  sorriu fraco – ele está muito arrependido, espero que um dia possam se encontrar para que ele possa pedir desculpas pessoalmente. 

– Não pretendo me encontrar com nenhum de vocês pessoalmente. 

– É uma pena... É uma grande pena que você não goste de estar com sua espécie - olhou em meus olhos – parte dessa culpa também é minha...

– A culpa disso é totalmente sua... Foi você quem quis me matar quando eu nasci. 

– Eu sei... Eu só queria proteger o nosso povo... - sorri sem humor – você era uma coisa nova... Não sabia o que você era... Como rei, era meu dever proteger os meus suditos... - segurou a minha mão – hoje vejo que estava errado e que você não oferece risco algum para nos - sorriu ladino. 

– Você ainda não me disse o que quer - soltei a minha mão da sua. 

– O seu... Amigo... O Connor - o olhei – bom... - sorriu – não sei se posso me referir a ele como seu amigo mas... 

– Vá direto ao ponto - disse rude. 

– Eu vim aqui para te dar os parabéns - sorriu.

– Por que? 

– Não sei o que você fez mas... Ele não nos ataca a semanas. 

– Como? - não sabia que o Connor ainda estava atacando os vampiros. 

– Se ele quisesse poderia acabar com todos nós mas... Me parece que ele desistiu... Ou... Deu uma pausa. 

– Na sei o que dizer - olhe para os meus pais de canto de olho – nos não conversamos sobre isso... 

– Uma prova de amor - olhei em seus olhos vermelhos – não quer acabar com a sua espécie porque sabe que isso a deixaria triste. 

– Eu não ligo - disse seca – não ficaria triste se vocês fossem erradicados - me olhou sério – meus pais e eu estariam poupados... Essa era a minha única preocupação. 

– Você o ama... - minha mãe me fuzilou com os olhos – está abandonando a sua espécie por um amor... - respirei fundo – você não se considera uma de nós mas ainda é... Como seu rei, eu poderia te condenar por traição... Mas... - elevou a voz – você está nos salvando... É a nossa heroína. 

– Eu já disse que não ligo, não me importo com vocês... 

– Você pode voltar a ser uma de nós... - rolei os olhos – você é muito poderosa... Se quiser ser uma de nós, pode ser uma das melhores... - disse rouco – híbridos são mais fortes do que os vampiros tradicionais... Só precisa treinar um pouco mais... - sorriu. 

– Vai pro inferno. 

–... - me olhou sério – você me lembra o seu pai - olhou para ele – ele também nos deu muito trabalho - meu pai abaixou a cabeça – ele se apaixonou por uma humana... - sorriu fraco – a lei dos vampiros impede que qualquer imortal se relacione com humanos... - andou pela sala – ele se tornou um criminoso pois ele não só se apaixonou por uma humana como também a engravidou, gerando uma criatura até então desconhecida - meu pai abracou a minha mãe de lado – a nossa lei diz que os dois devem ser punidos - caminhava pela sala e eu não me movia – mas... Logo depois de conceber você, a sua mãe se tornou uma imortal... Salvando assim ela é o seu pai... - se aproximou do meu rosto – vejo essa história se repetir - olhei em seus olhos – está de casamento marcado com Miguel Hanks, um humano... - engoli seco –... a nossa lei não mudou... Te punir seria uma desperdício, mas... Não penso o mesmo dele - me olhou sério.

– Você não vai econstar no Miguel - disse com os dentes trincados. 

– Junte se nós - sorriu – venha conosco... Você pode se tornar membro do conselho... É um cargo importante. 

– Não. 

– Vou te dar um tempo para pensar... - o interrompi. 

– Não preciso de tempo nenhum - me aproximei do seu rosto – eu não vou terminar com o Miguel - puxei o seu colarinho – se tocar nele, arranco a sua cabeça - sussurrei em seu ouvido e o soltei. 

– Ousada - riu e arrumou a postura – não estou brincado... Te darei três meses - fechei o punho – você pode acabar com isso tudo e vir comigo... 

– Que garantia eu tenho de que não vai matar ele mesmo assim? 

– Não tem garantia nenhuma... Apenas a minha palavra... 

– Vai a merda - me virei para sair – eu tenho uma vida - o olhei – eu não sou uma de vocês. - fui para o meu quarto. 


[°°°] 



– Me desculpa por isso... 

– Tudo bem pai - se sentiu de frente para mim – eu... Estou aflita pelo Miguel - o olhei – ele não sabe desse merda toda... Se eu terminar com ele... 

– Ele vai ficar muito triste - segurou a minha mão – é uma decisão difícil mas... Nos vamos te apoiar em qualquer coisa... Em tudo que decidir... 

– É... - sorri sem humor – nem tudo. 

– A sua mãe não apoia a sua relação com o Connor porque você está noiva do Miguel e ele te ama muito... - sorriu – nos sabemos que vocês se dão muito bem, e o Connor... Bem... Você está confusa, é normal... - o interrompi. 

– Você ama a mamãe? - perguntei séria. 

– Muito... Mais do que a mim mesmo - sempre que ele falava da mamãe o seu semblante mudava, seus olhos brilhavam e sua boca emitia um sorriso automático. 

– Você se sentiu confuso em relação a ela? - negou – é disso que eu tô falando, eu não amo o Miguel... 

– ...Eu só quero que você seja feliz minha filha - sorriu ladino – não importa a decisão que você tome, eu sempre vou te apoiar. 

– Obrigada pai - o abracei. 

Eu sempre tive uma melhor relação com o meu pai... Ele me entende melhor do que a minha mãe... 

– Só... Tome cuidado - disse ao interromper o abraço – sua mãe está completamente certa quando diz que escolhas trazem consequências - acariciou a minha bochecha. 

– Tava tudo indo tão bem - disse com os olhos marejados – meu relacionamento, a minha vida... - sequei as lágrimas – tur mudou do dia pra noite.

– A vida é assim, até para nos... Cheia de surpresas... 

– Eu só queria não ser um deles - olhei em seus olhos – eu estava conseguindo... 

– Você não tem culpa - colocou a não na lateral do meu rosto e eu fechei os olhos – não precisa pensar nisso agora - sorriu fraco – descanse, vou pedir para que tragam o seu jantar aqui - beijou o tipo da minha vida cabeça e saiu. 

Ainda era cedo, não iria dormir. Só me restava pensar... Pensar em tudo, pensar no Connor, por que ele não me disse que estava atacando os vampiros? Por que ele parou? Ele continua me escondendo coisas... Ele não sabe que eu não meu importaria com isso? Eu odeio os vampiros e não ligo se nada acontecesse com eles, seria até algo bom... Não me sinto parte deles e nem quero, por mais que eles me chatagiem, eu não posso fazer parte disso... Mas tem o Miguel... O Miguel não sabe de nada, os vampiros podem matar ele a qualquer momento e eu não me perdoaria por isso... Ele morreria sem saber de nada... Continuar com o Miguel é como adiantar a sua morte... Eu me sentiria uma assassina. Eu na posso matar um inocente. 


Notas Finais


Amitta está em uma enrascada... Não queria esta na pele dela 😑
Já odiei este vampiro 😣
Momento fofo entre a Amitta e o pai 😍
Espero que tenha gostado 😘
Deixe o seu feedback nos comentários 👇
Até quarta-feira 😝
❤ ❤ ❤ ❤ ❤ ❤ ❤ ❤ ❤ ❤ ❤ ❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...