1. Spirit Fanfics >
  2. An unexpected love >
  3. Bônus 13

História An unexpected love - Capítulo 105


Escrita por:


Capítulo 105 - Bônus 13


          Julieta narrando:

Suas mãos tocam meu corpo de forma ignorante,ele aperta meus seios enquanto ri de meu desespero,seus olhos escuros me encaram e o sorriso malicioso brinca em seus lábios,ele investe em mim,me arrancando um grito que não sai.

Acordo assustada e com falta de ar,pisco meus olhos pela claridade que o quarto possuí,a luz acabou de ser acesa,sinto mãos acariciando minha costa e me acalmo.

-- Tudo bem,estou aqui -- Viro meu corpo e me jogo em seus braços.

-- A última vez que sonhei com ele foi a mais de três meses atrás-- Respiro fundo e sinto lágrimas descerem pelo meu rosto,Aurélio me abraça mais forte-- Eu nunca vou esquece-lo? Eu só quero poder dormir e não lembrar mais dele.

Depois que tudo aquilo aconteceu,o sequestro a doença de Camilo,enfim... tudo aquilo,eu e toda nossa família passamos pela psicóloga,foi um período tranquilo,ela me ajudou muito,até passei até menos pesadelos com aquele maldito homem.

Aurélio desliga a luz e um terror enorme se instala dentro de mim,imangens me vem a mente e eu começo a chorar mais ainda.

-- Acende,por favor...-- sento em seu colo com as pernas de cada lado e entrelaço elas em suas costas,fecho meus olhos e sinto eles anderem.

-- Abra os os olhos meu amor,eu estou aqui,eu te protejo.

Controlo minha respiração e abro os olhos,encontro seus olhos azuis e sorrio tentando mostrar pra Aurélio que está tudo bem....

Aurélio se vira e meu corpo se choca com a cama,ele me cobre com a coberta e começa a passar sua mão pelo meu cabelo,isso é relaxante.

Fecho os olhos lentamente e a última coisa que escuto é Aurélio dizer que me ama.


                          ♡☆♡☆♡


Acordo e Aurélio não está na cama,me levanto coloco a minha calcinha e minha calça moletom,vou até a janela e vejo o céu nublado.

Vou até o banheiro e faço minha higiene,quando estou penteando meu cabelo escuto batidas na porta do quarto.

-- Julieta-- É minha mãe.

-- Oi,como está?-- a cumprimento assim que saio do banheiro.

-- Estou bem minha filha,você está bem?

-- Sim-- me sento na cama e a convido a se sentar.

-- Será que algum dia você irá me perdoar?

-- Perdoar o que?

-- Eu fui má com você,rejeitei meu neto,você precisava de mim e eu te dei as costas.

-- Eu já perdoei a senhora,não precisa se preocupar.

-- Minha filha eu ficarei aqui apenas duas semanas. Eu tenho que voltar a trabalhar.

-- Ah,tudo bem.... eu queria ficar mais tempo com você,porém eu entendo.

Ficamos conversando ali e logo Aurélio entrou no quarto com uma blusa cinza de manga cumprida,o dia está meio frio mesmo,a camisa fica bem em seu corpo.

-- Bom dia meu amor -- Aurélio me dá um selinho.-- Bom dia sogrinha.

-- Bom dia,bem eu já vou descer,você vem Julieta?

-- Não mamãe,pode descer, daqui a pouco eu vou.

Minha mãe sai do quarto e eu pego o meu sutiã pra coloca-lo.

-- Você está bem?-- Aurélio pega o sutiã de mim e tira minha blusa.

-- Sim,eu estou bem -- Ele passa o sutiã por meus braços e fecho ele,coloco a blusa,eu até fiquei tentada a provoca-lo,mas não estou com muita vontade,acho que tem a ver com meu pesadelo.

-- Vem,vamos descer -- Aurélio me estende a mão e eu seguro.

Nosso dia foi bom,jogamos jogos dentro da casa mesmo,no meio do dia teve uma chuvinha gostosa e aproveitamos pra assistirmos desenhos.


                           ♡☆♡☆♡



Nossos dias foram assim,três dias se passaram,nada de mais aconteceu,eu fiquei sem provocar Aurélio e ele também não me provocava. Ele quase não me tocava,ele está meio afastado por caisa do pesadelo que eu tive.

Entro no escritório e o vejo conversando com Luísa e TJ.

-- Aurélio precisamos conversar -- Luísa e TJ percebem o clima e saem se despedindo.

-- Diga.-- ele olha para o computador.

Me irrito com aquilo. Vou até a porta do escritório e a tranco. Vou até ele,o mesmo me olha e suspira.

-- Faz três dias que você mal fala comigo.

-- Na onde estão as crianças?-- Ele tenta mudar de assunto.

-- Brincando lá no jardim,Clara está com eles,nem tente mudar de assunto,eu quero conversar.

-- Então vamos conversar. -- Ele se levanta e vai até a janela,me sento na cadeira em que ele estava.

-- Eu estou bem,sei que você tem medo de me machucar de alguma forma.

-- Você tem sonhos com ele quando tem algo incomodando,acho que a proposta está lhe fazendo sonhar com ele.

-- O que? Não,claro que não-- giro a cadeira e analiso ele que ainda olha pela janela. -- Eu estava gostando de te provocar,eu não sei porque eu sonhei com ele,nem sempre tem um motivo.

Ele se vira e caminha lentamente até mim.

-- Eu preciso te confessar uma coisa.-- Aurélio diz fazendo meu corpo gelar e meu coração disparar.-- A três dias atrás,eu recebi uma ligação. Era o meu advogado,ele disse que Osório está solto.

Sinto tudo ao meu redor girar e esqueço como se respira.

-- Porque? Ele estava preso e... e...

-- Calma,a mãe dele pagou pra ele ficar só cinco dias solto,como amanhã é natal ele está em casa. Ele está cercado de policiais,isso não é permitido,mas esses malditos delegados corruptos não tem leis.

-- Aurélio eu estou bem... nós vamos ficar bem.-- Aurélio vem até mim se ajoelha e me abraça. -- Acho que quem não está bem é você.

-- A última vez que ele estava solto,eu não consegui te proteger.

-- Mas agora é diferente,ele está com polícias.

-- Quando ele voltar pra cadeia eu vou fazer de tudo pra ele nunca mais sair de lá.

Aurélio me aperta forte,acaricio seu cabelo e beijo sua testa.

Ficamos assim por um bom tempo até que alguém bate na porta. Abro e dou de cara com Dafne.

-- Eu vim me despedir,aconteceu imprevistos,preciso ir embora.

-- Certo, tchau.-- digo sorrindo de alegria, não nego que estou pulando por dentro.

-- Até breve,Aurélio -- Ela nem se despede de mim,apenas sai.

-- Ainda bem que ela foi embora,eu estava quase matando ela.

Escuto a risada de Aurélio e isso me irrita,pelo menos eu o fiz rir.

Camilo aparece no meu campo de visão e vejo seu rosto vermelho e os olhos cheios de lágrimas.

-- O que foi?-- Digo me ajoelhando em sua frente e escuto os passos de Aurélio vindo até nós.

-- Eu não quero que Jane vai embora,fala pra aquela moça ficar.-- Camilo chora mais quando eu e Aurélio ficamos em silêncio.

-- Ei,vem com o papai-- Aurélio pega Camilo no colo e o senta na mesa do escritório.-- Elas vão embora porque elas precisam,quando voltarmos pra cidade eu mando ela levar a Jane lá em casa,tudo bem?

Camilo acente ainda chorando mais vejo que ele se conforma. Aurélio me olha e eu pego meu filho o abraçando. 


Notas Finais


Eu sei que vocês queriam que Dafne fissesse algo com Camilo,mas quando eu criei Dafne era e é apenas pra causar ciúmes em Julieta,ela não é mal ao ponto de machucar uma criança,sem contar que ela e Aurélio irão trabalhar juntos,desculpa se decepcionei vocês,mas não vejo Dafne como uma má pessoa.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...