1. Spirit Fanfics >
  2. Anagapesis >
  3. ÚNICO; Vermelho das Rosas.

História Anagapesis - Capítulo 1


Escrita por:


Notas do Autor


_Repostando_







"Anagapesis": não sentir qualquer afeição por alguém que você amou uma vez.

Capítulo 1 - ÚNICO; Vermelho das Rosas.


Fanfic / Fanfiction Anagapesis - Capítulo 1 - ÚNICO; Vermelho das Rosas.

A vida não foi feita para mim, simplesmente não me encaixo em nenhum lugar dessa sociedade. Eu não quero lembrar que existo, eu não sinto nada, eles dizem que passam, então julgo que está tudo bem. 

Deixe-me cair nos meus fracassos, deixe-me fugir dos meus deveres, deixe-me morrer, porque tudo que eu sentia por você, sumiu, virou merda, escapou das minhas mãos.

Eu poderia fingir que estava bem, passar reto pela aquela ponte e seguir a minha vida. Mas não foi o que fiz, eu pulei, pulei mil vezes daquela ponte na minha imaginação lamentável. Maldito, como pode prender-me no seu olhar, persuadir-me com as suas palavras doces com gotas de limão, ousamos viver num conto de fadas, sendo o lobo mal a sua própria ignorância.

Quando você me ofereceu uma bebida naquele lugar agitado, juro, se soubesse, o quão machucado deixou-me, teria gritado o quanto eu te odeio! É eu sei, sei que eu era uma ovelha, uma presa fácil para um lobo mal. As luzes daquela balada noturna iluminavam a sua face, bonito demais para ser falso, se eu soubesse que a falsificação era fácil, não teria aceitado o seu jogo.

Os meus lábios imundos naquele motel barato, gemendo o seu nome, você sorria, me fudendo com mais força. Aqueles olhos eram obra de Satanás, a sua sádica vontade de acabar com a minha sanidade mental, não tinha noção do quanto havia bebido, talvez uns seis ou nove corpos, por sua conta, você empurrava nos meus lábios, fazia questão que eu experimentasse, gosto amargo queimando a minha garganta, mas nada importava, era tudo um plano maldito para me levar a loucura.

Aquela foi a primeira fez que transei com alguém num motel barato, não posso dizer-lhe que não gostei, ser fodido com toda força, enquanto os meus gemidos saiam da minha garganta esganiçada, era o meu desejo obscuro, se aproveitar de toda a minha dor e alcoolismo é sexualmente extasiante naquele momento. A cama desgastada foi o suficiente para aguentar dois corpos sedentos por prazer durante boa parte da noite, não estava nos meus planos que você tomasse conta da minha vida do jeito que tomou.

Um ano, dois anos, três anos de namoro, e finalmente casamos, preso nas suas mentiras, eu disse “sim” naquele altar com os olhos atentos do público, nossos sorrisos em meio deles um era falso, um grande e ignorante sorriso. Um casamento por pura luxúria pela sua parte, o desejo de sexo de ter-me entre os lençóis era tudo que você almejava, mas, um dia as coisas mudaram, você se tornou violento, as suas carícias de prazer viraram socos no meu rosto, as suas palavras falsas de amor viraram xingamentos.

Como um bom idiota eu aguentava, eu amava-te, eu amava-te ao ponto de virar o seu quadro e deixá-lo colorir de belos tons de roxos.

Estava tão cansado de esconder sentimentos e fraquezas que, pelo menos por um momento, quis aproveitar por aquilo que tanto ansiava. Eu queria que ele me amasse, eu queria ser amado como eu sempre o amei.

Mas, eu não fui o suficiente para essa sua fantasia sexual.

Todo o trabalho que eu me forçava a fazer, todas aquelas horas extras desnecessárias, para no final do meu expediente, encontrar você na nossa cama com outra pessoa, gemendo um nome que não era o meu. 

Congelei, o meu coração bateu tão forte que pude senti-lo e quase ouvi-lo, você não me amava, a verdade bateu na minha cara de uma forma dolorosa, sustentei o olhar até quando pude e tive coragem, uma lágrima escapou e escorreu sem a minha permissão. 

 Meus pés obedeceram o meu comando e buscavam a saída daquele lugar repugnante, estava quase fechando a porta e você virou a cabeça e olhou nos meus olhos, e a única coisa que habitavam neles era ganância, fechei a porta e continuei andando, deixá-lo não foi fácil, eu não podia viver sem você, eu fiz de tudo para que você me amasse, eu amei-te, amei mais do que a mim mesmo, e então você me machucou. O meu coração foi enterrado num jardim de mentiras e regado pelas tuas palavras imundas.

Eu sofri e ainda sofro, sentado nesse sofá empoeirado, observando o seu corpo caído, os seus olhos moldados por Hades agora fechados, você está tão frio, e não há nada que possa fazer contra isso. As luzes do lado de fora daquela casa abandonada, recorda a primeira vez que eu lhe vi, mas, dessa vez as luzes acompanhavam a sirene da polícia.

Foi tudo por amor, esse maldito amor, por amor voltei e por amor eu matei-lhe.

Foi por tanto amar-te que atirei em você, por tanto amar-te que aponto agora a arma na minha cabeça para me juntar ao meu amor, não importa onde seja. Não sei quanto tempo se passou, quantos suspiros deixei escapar, quantas lágrimas rolaram dos meus olhos, olhando o seu corpo morto. 

A vida nunca foi feita para mim, mas você sempre foi, e infelizmente eu não fui feito para você. Não importa, no final das contas, eu sempre amarei você, um maldito lobo mal.


Se você não foi capaz de amar-me, então não será capaz de amar a mais ninguém.








Notas Finais


Fiz essa oneshot há muito tempo, mas apaguei e estou respostando. Não tenho vontade nem disposição para concertar os erros de português e etc. Só vou deixá-la como estar.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...