História Anbu's - Capítulo 11


Escrita por:

Postado
Categorias Naruto
Personagens Hinata Hyuuga, Ino Yamanaka, Naruto Uzumaki, Personagens Originais, Sai, Sakura Haruno, Sasuke Uchiha
Tags Naruhina, Ninjas Anbu
Visualizações 82
Palavras 1.881
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Drama (Tragédia), Famí­lia, Hentai, Mistério, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Suspense
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


O capítulo está em itálico pois seram lembranças de Hiku.

Capítulo 11 - O Sofrimento Revelado


Fanfic / Fanfiction Anbu's - Capítulo 11 - O Sofrimento Revelado

- Vamos logo Hiku_Gritava Emi claramente feliz_mamãe vai se casar sem nós. 

- Emi calma, ela não vai se casar sem nós. 

- Vamos nos atrasar.

- Emi calma, não corra na frente.

Emi adentrou o quarto e terminou de se arrumar, Hiku estava linda com um vestido típico de seu pais vermelho indo até o chão, com pérolas em cima dos desenhos japoneses, Emi trajava um vestido mais comportado, tinha mangas até os pulsos e era curto indo até o joelho, com um lindo laço envolta de sua pequena cintura fina, Ikini trajava um vestido rendado até os joelhos, tinha um pequeno decote que valorizava seus seios e um cinto em sua cintura á deixava ainda mais bela, Hiku olhava suas irmãs se sentia preocupada tinha que cuidar de sua irmã mais nova que com apenas oito anos era muito esperta, sua irmã do meio Ikini tinha quatorze e ela com seus dezessete. 

Eram apenas elas, Hiku, Ikini e Emi á sim, Emi, pobre Emi, Hiku amava sua irmã e sentia que devia protege-lá, mas, nem tudo que queremos conseguimos, Emi teria um destino do qual não conseguiu escapar.

- Hiku ande logo Emi já está impaciente, fica rolando pela cama, parece um homem.

- Ikini!_Repreendeu a irmã mais velha_não fale bobagens. 

- Desculpe. 

- Vamos logo Hiku!

- Vamos Emi. 

Hiku chegou ao local da festa e se sentou com os convidados, não estava feliz mas forçou um pequeno sorriso, Emi entrava no casamento como a pequena daminha de honra, sorria alegremente espalhando as flores enquanto atrás Himari entrava com seu lindo Kimono branco, tinha as flores orquídeas da cor branca em suas mãos assim que chegou ao altar Emi sentou-se junto da irmã, Himari tremia estava se casando novamente, porém sabia que Hiku não gostava daquilo tudo, mas imaginava que aquilo era apenas um ato de rebeldia, não deixou de escutar o pequeno elogio de seu futuro marido. 

- Está linda.

- Arigato. 

Todos olhavam para o padre que falava as coisas da qual Hiku achava totalmente sem sentido, odiava o homem no altar não o considerava nada de si mesma apenas um homem qualquer, assim que o padre terminou, Hiku observou o homem conversar, e dizer o  tão esperado aceito.

- Hai eu aceito. 

Todos olhavam para o padre novamente esperando ele falar novamente. 

- Você Himari aceita Minori como seu legítimo esposo? 

- H-hai e-eu aceito. 

Himari não conteve o choro e quando terminou de falar todos estavam de pé, gritando e aplaudindo os mais novos Rei e Rainha, Hiku não fazia questão de sorrir não gostava de Minori não o considerava um pai, um rei ou um amigo, ela o achava insignificante e o odiava. 

Hiku sabia que Minori tinha uma filha mais nunca conhecerá sua mais nova integrante da família, viu ao longe uma garota de preto, achou estranho já que todos estavam com vestidos convidativos e "felizes" mas, ela não, a garota não continha um sorriso no rosto e seus olhos estavam fixados nos passos de Hamari, o olhar da garota demonstrava ódio, Hiku decidiu falar com a jovem cujo parecia ter sua idade, ao olha-lá bem viu algo brilhar no pescoço da jovem, se interessou, seria uma jóia? Como se Minori não era rico? Por fim decidiu chegar mais perto, ao se aproximar notou que a peça que brilhou não era uma jóia e sim uma.. bandana. 

Travou no mesmo intante então ela era um ninja? Recordou das palavras de seu pai.

" Hiku papai irá viajar e ele deve voltar mas, me prometa uma coisa, se o papai não voltar, cuide de sua mãe e de suas irmãs, pode fazer isso?" 

"Hai eu posso papai."

Dois dias depois veio a notícia de que o rei Yono havia morrido pois ninjas haviam o matado enquanto ele viajava, aquilo atingiu a pequena Hiku como uma facada em seu peito, seu pai havia falecido por descuidos de ninjas incompetentes, chorou por dias mas logo depois se recompôs afinal havia prometido que cuidaria de suas irmãs e iria cumprir com a tal promessa. 

Hiku despertou de seus pensamentos e engoliu o seco a menina estava sozinha então tentaria falar com ela. 

- Hm.. oi? 

- Deixe-me. 

- Hm.. olha entendo que não queira conversar mais sabe, eu me interessei por sua.._Hiku sentiu a garganta travar afinal ainda lhe doía lembrar de seu pai e ainda depois de tudo encarar uma ninja na sua frente_sua.. bandana. 

- Você? Se interessar por minha bandana? Jamais, você é uma princesa e princesas não gostam de ninjas. 

- Ora sua..sua.. besta humana, eu me_Hiku parou de falar e congelou o corpo quando sentiu uma kunai em seu pescoço quase ao ponto de ser morta rápido e simples. 

Todos gritavam horrorizados com suas mãos na boca, gritando que a princesa tinha (para eles) uma faca simples, á alaranjada tinha os braços de Hiku para trás ao ponto de quebra-lo  Akemi tinha o jeito e o instinto de matar sem ao menos hesitar, escutou a voz de seu pai e seu lado bom voltou atona. 

- Akemi pare._disse Minori firmemente. 

Hiku sentiu quando foi jogada para frente com certa força, escutou todos os "oh" e se incomodou, ergueu seu lindo vestido mostrando seu salto da coloração vermelha, começou a correr desesperadamente sentiu seus olhos arderem e suas lágrimas descerem, se senriu humilhada e o pior sabia que todos comentariam sobre aquilo, dizendo o quanto a princesa era frágil e fraca, Hiku correu o suficiente e sentou no banco para recuperar o ar e voltar a correr á fim de ninguém alcança-lá, escutou de longe os saltos e sabia que era sua mãe e rapidamente quando iria correr sentiu as mãos de Himari lhe tocando o ombro delicadamente.  

- Está tudo bem querida. 

Himari puxou novamente Hiku para se sentar quando a mesma se sentou a mãe da menina a puxou para um abraço confortante. 

- Está tudo bem, não vai voltar a acontecer. 

E realmente não voltou a acontecer Himari proibiu a todos de comentar sobre o que havia acontecido ali, Hiku não passava perto de Akemi e não olhava nos olhos da menina, já Emi conversava normalmente com a alaranjada, Ikini não deixava de soltar piadas sobre como os ninjas eram incompetentes, Hiku sabia o quanto aquilo incomodava a alaranjada mas não sentia um pingo de pena ou algo do tipo nem ligava, não ligava até aquele, na opinião dela, ridículo dia. 

- Sabe_Minori começava a falar_eu acho meu amor_á sim ele já chamava Himari assim e pela milésima vez Hiku revirou os olhos_que nossas meninas deveriam fazer as pazes. 

No mesmo instante Hiku e Akemi viraram os rostos para Minori e então Himari tomou a palavra.

- E o que sugere, Minori? 

Hiku conteu a risada, sabia que a mãe só chamava as pessoas pelos nomes se estava nervosa. 

- Que Akemi ensine Hiku a aprender Taijutsu, Ninjutsu e um provável Genjutsu. 

- Não permito._Himari sabia que sua filha nunca aprovaria aquilo e não contrária sua filha afinal sabia que Hiku não á perdoaria se permitisse tal ato.

Hiku não conteve seu riso sarcástico e resolveu se pronunciar

 - Escuta Minori, não gosto da sua filha e não vou aprender nada com ela. 

Minori ficou sem graça com o comentário mais se manteve calado observando "suas" garotas. Hiku e Ikini andavam no castelo indo em direção a salas de banhos reais, enquanto conversavam sobre Emi.

- Ikini não gosto de ver nossa irmã com ela.

- Relaxe Hiku, ela está bem acho que Akemi não faria mal a Emi. 

- Quase fez mal á mim imagina á uma criança. 

- Relaxe. 

De longe Hiku avistou Akemi sentada no banco olhando para as árvores e demonstrando estar chorando.

- Irmã vá na minha frente sim? 

- Hai. 

Hiku começou a se aproximar de Akemi em passos lentos apenas confirmando que a menina realmente estava chorando, se aproximou um pouco mais e sentou-se ao lado da alaranjada que fungou e limpou os olhos fingindo estar bem.

- Está bem? 

- Não.. quer dizer claro.

- Hm.. pode me contar o que te incomoda. 

- Sua mãe_soltou ela_ela me incomoda. 

- E porque?_Hiku até ficaria chateada mas pensou bem, também não gostava de Minori.

- Porque, bom por onde começar, não é que eu não goste dela é que, as vezes penso que ela roubará o lugar que era da minha mãe, só que meu pai não me entende. 

- Eu te compreendo, afinal você já deve ter percebido que não gosto do seu pai.

- Não gosta de mim também e esqueceu de acrescentar isto

- O que, quem disse que não gosto de você? 

- Óbvio que isso ta escrito na sua testa.

- Não gostei da sua atitude aquele dia, mas, acho que merece ser perdoada. 

Silêncio. 

- Sabe, eu me sinto mal por você não gostar de ninjas.

- Não se sinta não é culpa sua, sabe, não é que eu não goste mas, meu pai.. ele.. morreu porque ninjas o mataram.

- Minha mãe também, conseguiram me salvar mais quando eu tinha dois anos ninjas da aldeia da névoa á mataram, não é fácil a dor da perda. 

- Realmente. 

Silêncio constrangedor.

- Veja isto. 

No momento Akemi fez selos de mão e nasceu uma pequena planta perto de Hiku que adorou ver aquilo. 

.

.

.

Passará dois anos e Hiku se tornará mais forte já que aprendeu tudo que Akemi a ensinou, sempre treinavam juntas a amizade sendo sempre fortalecida, porém,  nenhuma nem a outra se consideravam irmãs eram apenas amigas, contavam coisas confidenciais uma para a outra e a confiança era incrível, mas uma noite entraram no castelo Hiku e Ikini qie tinham aprendido muito com Akemi ajudaram e defenderam a todos, á todos exeto a Emi.

Akemi lutava contra um homem que dizia ser da aldeia da névoa sangrenta, lutavam ferozmente, mas Himari e Minori haviam sidos mortos tentando defender a filha mais nova, tudo aconteceu muito rápido, Emi estava na frente do homem que quase a enforcava e quando Akemi acertou o homem, Emi também foi acertada pois a própria garotinha tinha se enfiado na frente. 

- D-diga a-deus por mim para.. Hi..ku.. 

- Não feche o olho Emi por que se enfiou na frente? 

- Está frio aqui.. e-eu fiz por que... 

Hiku chegou bem na hora em que Akemi segurava Emi ensanguentada e com a mão de Akemi mostrando que ela que havia ferido Emi, Hiku sentiu o ódio crescer dentro de si, esqueceu os momentos á só com Akemi, as risadas, as bebidas escondidas, algumas vezes bêbadas e beijos, simplesmente queria mata-lá depois de ver que Emi estava ali fria, gelada e morta sem o sangue fluindo em suas veias.

Tentou atacar Akemi mais a mesma desviava facilmente e quando se deu por si Akemi já havia batido no pescoço de Ikini a desmaiando rapidamente e logo em seguida lhe atingindo,  quando acordou já não encontrou mais Akemi ali e jurou que quando á achasse a mataria com as próprias mãos, á mataria lentamente vendo o sangue deixar suas veias. 

Mas era difícil ver a a alaranjada sofrer já que guardava para si um carinho e talvez um amor. 

...

Hiku despertou de suas lembranças já era tempo de retirar Akemi dp quarto de Hinata e tortura-lá mais um pouco. 

.

.

.

Enquanto tudo iria acontecendo, Naruto,  Sasuke, Kiba, Tsunade e Sai iam chegando cada vez mais perto do castelo.


Notas Finais


Então esse é o motivo de Hiku e siiim ela gostava de Akemi.
Espero que tenham gostado.. ♥ Arigato e até o próximo capítulo.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...