História Angel - Capítulo 13


Escrita por:

Postado
Categorias Histórias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Amor Proibido, Conto, Romance
Visualizações 0
Palavras 2.200
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Famí­lia, Romance e Novela

Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Capítulo 13 - Capítulo 13


Angel

Parte 13

Autora DieneMdicci

Menti que ia a uma entrevista e fui me encontrar com o Augusto , fomos pra casa dele ele me pegou pela mão , me beijou , começamos nos pegar na sala e ficamos , foi rápido eu tava muito excitada muito tempo sem fazer nada , praticamente ataquei ele , que por sinal correspondeu a altura foi uma loucura a gente se beijou todo tempo e ele foi carinhoso atencioso como sempre , depois que acabou eu falei que precisava ir embora , ele me pediu pra ficar mais e disse que estava com sono queria cochilar um pouco , falei que não dava e ele respondeu

- Pooo Angel faz tempo que a gente não sai , tava com saudade fica aí vai ...

Eu respondi

- Se eu pudesse eu ficava Guto , vamos ver qualquer outro dia a gente marca ...

Ele me levou pro terminal a gente conversou sobre como as coisas mudam com o tempo e ele disse que nunca pensou que alguém como eu poderia se dar bem com alguém como ele , a gente se despediu com um beijo nos abraçamos e eu disse

- Queria ter te conhecido em outra época da minha vida ...

Ele perguntou o porquê e eu respondi

- Eu acho que não vamos chegar a lugar algum nunca e me dói perceber que eu vejo as coisas de verdade e saber que é como se eu estivesse quase lá e ver tudo se esvaindo ...

Ele ficou olhando pra mim sem entender nada , eu sorri e disse

- A gente se fala então?

Ele respondeu

- Do que você tava falando Angel eu fiquei confuso ...

Eu respondi

- Nada , depois a gente conversa por mensagem pode ser?

Fui pra casa e inventei uma história da entrevista , eu fiquei pensando no Augusto que apesar de ser muito gostoso estar com ele , eu não queria aquilo pra mim , eu queria mais , muito mais do que Bruno do que Augusto, eu precisava de alguém que se doasse por inteiro pra mim na cama e fora dela, alguém que estivesse disposto a construir uma família comigo futuramente, cheguei continuar conversando com o Augusto mas nada demais , resolvi devolver o celular que ele me deu e ficar com o meu ,fui correr com a Laura e a Fernanda e combinei sem elas saber de encontar o Augusto pra devolver o celular, cheguei na avenida antes dele , me encontrei com elas a gente não tinha dado a primeira volta e ele me ligou ,deixei elas fui até ele , falei que não precisava mais e que eu tava precisando estudar trabalhar e não tinha mais tempo pra ficar dando atenção tal, eu quis dizer que não queria mais tanto papo com ele , eu tava me auto sabotando sem nem perceber fui afastando meus amigos meus boys , com minha família eu já não falava mesmo , ele conversou um pouco numa boa nos abraçamos e eu disse

- Você é uma pessoa muito especial pra mim ,quem sabe um dia ...

Ele respondeu sorrindo

- Você tá terminando comigo?

Eu não tinha nada com ele, eu respondi

- Você não quis ter nada comigo!

Ele respondeu

- Não é bem assim não ,assim você me quebra morena.

Eu respondi segurando na mão dele entrelaçando nossos dedos

- Não fala essas coisas , eu não tô com a cabeça no lugar se caio em tentação não volto pra casa por uma semana só pra ficar com você ...

Ele respondeu

- Vamos viajar? A gente fica o fds fora só nois dois.

Falei que não porque eu tava pra começar trabalhar logo , a gente conversou uns 15 minutos logo já encontrei as meninas e fui embora. Eu tava tentando trabalho igual loca pra não ficar a mercê do meu pai, todas as chances que aparecia eu ia atrás , eu precisava de um emprego para mudar minha vida, dias depois parei de conversar com o Augusto ,falava pouco com a Laura , parei também com o Bruno ,eu tava me isolando cada vez mais ,as vezes eu chorava sozinha trancada no quarto, virava noites e noites em claro , em uma quarta feira eu tinha entrevista em uma loja de celulares as 13:00 , perdi o ônibus e meu pai estava em casa ,eu não pedi pra ele me levar só perguntei onde a minha madrasta tava , ele me perguntou o que eu queria com ela , falei que era carona ele disse que eu iria me arrepender de querer trabalhar e que eu não iria aguentar um mês e ia voltar chorando com o rabo no meio da perna , sai batendo a porta fui chorando o caminho todo a pé , cheguei meia hora atrasada ,por sorte me atenderam mesmo assim, eu tava com a cara toda inchada olhos vermelhos e a dona da loja que fez a entrevista perguntou pra mim se eu podia justificar o atraso , nessa hora eu sabia que ja tinha perdido a chance de conseguir um emprego, eu respondi

- Posso sim , eu perdi a condução voltei pra casa e tive um pequeno atrito com meu pai que não quis me dar carona ...

comecei segurar o choro enquanto falava , ela me perguntou

- Podemos continuar? Você tá bem?

Balancei a cabeça que sim limpando os olhos , ela então perguntou

- Desculpa minha indiscrição mas , seus país não te apoiam em trabalhar?

Eu respondi

- Perdi minha mãe, somos só eu meu pai e minha madrasta , ele acha que eu deveria estar estudando pra seguir a carreira dele , ele chegou dizer que eu vou voltar pra casa arrependida de querer trabalhar fora ...

Ela me respondeu

- Se você quer uma chance posso te dar menina, não me decepcione .

Consegui o emprego eu ia começar na próxima semana na segunda feira, cheguei em casa radiante meu pai ficou com mais raiva ainda , na sexta feira a Laura me chamou pra sair ir no baile funk , eu não pedi permissão para meu pai , comecei me arrumar minha madrasta perguntou se eu ia sair falei que sim , meu pai falou do quarto que eu não podia sair , ignorei fui mesmo assim , coloquei um macacão curto azul curto agarradinho com renda em na parte do peito de costas de fora e um salto nude , sai sem falar tchau ele nem viu eu saindo , a Laura passou me pegar ela estava sozinha , assim que sai meu pai começou ligar eu não respondi desliguei o celular , chegando no baile o Bruno tava lá com a menina que peguei fazendo declarações pra ele, ele ficou sem jeito eu falei oi pra todo mundo e fui beijar o rosto dele , falei " Oi tudo bem? Quanto tempo" ele me abraçou, respondeu eu comprimentei ela normal e perguntei

- Vocês juntos que legal , faz tempo que estão namorando?

Ele olhou pra mim com medo de eu falar algo sobre a gente, ela sorriu abraçou ele , ele respondeu

- Faz pouco tempo a gente tá ficando só ...

Eu sorri e respondi " legal" , Tinha outros amigos nossos junto , eu fui me animando conversando bebendo , um cara chegou em mim e fiquei , a gente se beijou ali perto de todos mesmo, eu vi que o Bruno não tirava o olho de mim , comecei beber demais e dançar com as meninas , fiquei com outro na frente dele de novo , achei que sei lá ia causar algo nele com isso , que ele ia ficar com ciúmes surtar , ele não tirava o olho de mim mas ficou na dele , fui pra casa quase carregada de tão bêbada dormi no sofá da sala de calcinha e sutiã mesmo , acordei com meu pai me chamando me mandando pra cama , ele disse " depois iremos conversar" , dormi o dia inteiro e a noite decidi sair novamente , comi tomei banho e comecei me arrumar , meu pai chegou logo me chamou pra conversar na cozinha, terminei de me arrumar fiz cabelo maquiagem só faltava me vestir, aí desci sentei de frente com ele e falei

- Pode falar sou todo ouvidos senhor .

Ele respondeu

- Angélica já não sei mais o que fazer com você minha filha , você não me respeita você perdeu o juízo ... Porque você tá fazendo isso?

Minha madrasta tava sentada na mesa também e disse

- Angélica fala com a gente se abre a gente só quer o seu bem .

Eu respondi

- sou jovem eu não sou um robô um brinquedo quebrado que vocês vão arrumar ,se eu não puder fazer o que todos da minha idade fazem o que vai ser de mim?

Fui levantar o meu pai gritou

- Não saia Angélica ainda não terminamos .

Eu respondi com muita raiva

- Vai me dizer que sou a vergonha da minha mãe novamente? Olha só pai ela não está mais aqui e parece não poder nos ajudar.

Ele ameaçou levantar pra me pegar , minha madrasta entrou no meio , eu fiquei parada de pé e disse muito afrontosa

- Vai me bater denovo? Tenta encostar um dedo em mim , eu me machuco inteira vou no te denunciar vou arruinar sua carreira não duvide disso .

Ele se pudesse me dava outra surra, me olhou com uma fúria tão grande ,corri pro quarto me tranquei , coloquei uma troca de roupa na bolsa , terminei de me arrumar fui sair tava tudo trancado , não encontrei as minhas chaves em lugar nenhum , revirei tudo e não achei , voltei para o quarto chorei até pegar no sono prometi pra mim mesma que na primeira oportunidade que tivesse iria embora de casa sem olhar para trás, fiquei arrasada o resto do fim de semana o que me consolava era saber que eu ia começar trabalhar e as coisas iriam mudar , na segunda feira levantei disposta adiantada e fui trabalhar , não foi fácil me adaptar durante os primeiros dias , eu tava um pouco abatida me sentindo sozinha carente ,no sábado a Laura me convidou pra sair, depois que sai do trabalho passei na casa dela conversar um pouco, ela me atualizou das fofocas nada muito interessante, disse que o Bruno tinha começado namorar sério , pra evitar conflito optei por não sair no final de semana também tava muito cansada , chateada triste , passei semanas somente do trabalho pra casa , eu não falava nada que não fosse muito necessário com o pessoal de casa , mau olhava na cara do meu pai , a situação em casa tava insustentável cada vez mais , em uma sexta-feira eu tava me arrumando pra ir trabalhar e senti uma coisa uma ansiedade uma angústia não sei explicar eu só senti , minha madrasta ia me dar carona , eu peguei minhas coisas e fomos ,a umas três quadras de casa em um cruzamento um carro fechou a gente levamos um baita susto , desceram 3 caras encapuzados vieram pra cima do carro gritando , eu fiquei paralisada sem reação , minha madrasta disse " faz o que tão falando" , a gente tirou o cinto abriram as portas mandando a gente descer , descemos eles empurraram ela pra calçada um deles me colocou no banco de trás gritando pra mim ficar quieta , eu tava muito assustada chorando , eles corriam muito e falavam que se eu não fizesse o que eles mandassem eu ia me machucar muito , o que estava comigo no banco de trás passava a mão em mim e falava que a gente podia se divertir juntos , eu tava completamente apavorada ,pedia pra Deus me ajudar me salvar me tirar bem dessa , eles cobriram meus olhos trocamos de carro , perguntei porque eu o que queriam , responderam que era meu dia de sorte ,fomos pra muito longe todo tempo sobre ameaças , chegamos a uma casa com portão automático eu pude ouvir , me desceram do carro arrastada , tinha escadas subimos, ouvi eles falando que tinham que tomar cuidado comigo , que eu era bonita gostosa que eles iam fazer a festa comigo, eu chorava todo tempo , me colocaram trancada em um quarto no colchão no chão com as mãos amarradas , pude ouvir vozes mas não conseguia entender nada , pedia todo tempo pra Deus me ajudar , mais de uma hora depois um deles entrou e disse que eu ia poder ir no banheiro , mas que se eu fizesse qualquer coisa ele ia brincar comigo , o banheiro era no quarto mesmo ele soltou as minhas mãos me colocou pra dentro e disse que era pra mim chamar quando fosse sair e cobrir os olhos , eu procurei janelas tentei espiar mas só tinha mato e tudo estava impossível de fugir ou abrir , assim que sai do banheiro ele me amarrou novamente e me jogou no colchão, fiquei horas sozinha trancada naquele quarto , a noite me colocaram um lanche pra dentro do quarto ele disse claramente que se eu visse algo iam me matar , eu seguia tudo o que me diziam , não comi, no dia seguinte....

Continua...



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...