História Angelicalmente demoníaca - Capítulo 5


Escrita por:

Visualizações 19
Palavras 1.025
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Crossover, Drama (Tragédia), Festa, Ficção, Ficção Adolescente, Ficção Científica, Hentai, Lemon, LGBT, Luta, Magia, Romance e Novela, Sobrenatural, Suspense, Terror e Horror, Violência, Yaoi (Gay), Yuri (Lésbica)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Canibalismo, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Pansexualidade, Sadomasoquismo, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Desculpem a demora.

Boa leitura ❤

Capítulo 5 - Meu sequestro


5 dias depois

Estou a cinco longos e fodidos dias procurando tal do armazém e não o encontro. Eu já voei por Lawrence, não, eu voei foi por todo o Kansas diversas e diversas vezes.

Eles com certeza estão usando proteção para deixá-los invisíveis e sem cheiro algum para mim, e também não estão aqui no Kansas. Demônio desgraçado! Mentiu para mim! Quem diria que seria fiel, merda!

Tenho que procurar outros demônios e anjos. Ouço a rádio dos anjos, vozes em minha cabeça. Entre todo o falatório, a única conversa que consigo mais ou menos entender é entre Amenadiel e Dina.

- Graças ao pai, ela não os encontrou.

- O demônio de quinta foi fiel, isso é bom. Ela ainda não sabe que estamos no tennessee.

- Irmão, ela pode nos escutar!

Depois disto a rádio fica em completo silêncio. Já sei! Tennessee é onde estão, irei para lá.

Chego em Tennessee, em milésimos de segundos rodo todo o estado, quando passo em frente um armazém em Nashville uma energia de graça angelical me chama a atenção. Entro cuidadosamente, tentando fazer o mínimo de barulho, como o local não tem nenhuma janela tive que entrar pelo portão, o qual fez um estrondo.

Sinto meus braços serem segurado, me debato mas é em vão, não sou forte o suficiente. Minhas mãos são presas por algemas, que presumo serem feitas por algum arcanjo já que não consigo me soltar. Sou carregada para o meio de uma armadilha do diabo e colocada sentada em uma cadeira.

Os anjos me largam e eu finalmente posso ver suas faces, Dana, Amenadiel e Serafim. Eles tacam fogo na linha da armadilha e um círculo de fogo me cerca. Óleo santo, impossível não reconhecer.

- É sério? Sabem que só basta um deles para me prender, né?- Me refiro as armadilhas.

- Sabemos. Mas, precauções são sempre bem-vindas, irmã.- Dana é a primeira a dizer.

- Pensei que não iríamos te achar mais.- Serafim lamenta.

- Perdendo a fé irmão? Deus não iria gostar nada disto, não é?- Zombo os deixando claramente irritados.

- Chega de papo fútil, híbrida. Diga-nos, o que conseguiu do podre demônio?- Dana exige a resposta. Porém, eu não sei de nadinha.

- Não consegui nada de importante. O babaca me enganou.- Bufo.- Fiquei dias na porra do Kansas para nada.

- Não fale palavrões irmã. Isto é um pecado.- Serafim, sendo Serafim. Desde sempre ele é um dos mais corretos do céu, teve a chance de ir com Lúcifer comandar o inferno, mas recusou prontamente.

- Diga para nós, irmã. Poupe nós todos.

- Espera aí. Vocês também não sabem do plano, estou certa?- Pergunto com um ar vitorioso por não ser a única ignorante sobre o assunto top secret.

Todos os três ficam em silêncio.

- Não! Vocês também não sabe!- Afirmo. Sinto uma alta gargalhada.- Vocês também não sabem, então quer dizer que também estão procurando.

- Sim.- Amenadiel diz derrotado.

- Que tal uma proposta?- Indago.

- E qual seria irmãzinha?- Pergunta Anael surgindo do nada.

- Por que a demora, Anael?- Pergunta Dina desconfiada.

- Problemas no céu, Dina. Mas, então qual seria a proposta?

- Nós trabalharmos juntos. Pensem bem, queremos todos a mesma coisa: descobrir o tal plano top secret.

- Não!

- Sem chances!

- Obviamente, não!

- Por que, não?- Pergunta Serafim.

- É, por que não?- Faço a mesma pergunta.

- Por que, não queremos trabalhar com você. Pois pode muito bem nos trair.

- Assim você me ofende.- Fico com raiva.

- Então, já que ela também não sabe de nada, vamos matá-la e levá-la para o pai?- Amenadiel indaga.

- É. Isso aí.

- Não! Não podemos matá-la! Ela é nossa irmã.- Serafim justifica.

- Serafim meu irmão, pare de ser bobo. Ela matará quantos de nós for preciso.- Anael diz segurando com as mãos o rosto de Serafim.

- Mas...- Ele me olha, e eu balanço a cabeça insinuando que Dina tem razão.- Tá bom.- Ele abaixa a cabeça.

- Vão me matar?

- Positivo.

- Tá, mas cansei de brincar de anjinha.- Recebo olhares e feições curiosas e confusas da parte de meus irmãos.

Faço o chão tremer aparecendo uma rachadura, sendo assim a armadilha foi quebrada, e fiz  o cano em cima do fogo estourar, fazendo o fogo apagar, me libertando da segunda armadilha. Estou livre. Agora eles irão ver!

Dina veio para cima de mim, mas eu sou mais forte que ela e a matei. Amenadiel me dá um soco no rosto, fazendo um filete fino de sangue escorrer, me derrubando. O mesmo sobe em cima de mim e tenta me matar mas uma luz sai de dentro dele indicando sua morte. Ele cai em cima de mim e eu o empurro por não suportar seu peso. Quando procuro meu salvador, não o acho. Simplesmente não há mais ninguém no local além de mim e do corpo de Amenadiel. Dina, Anael e Serafim desapareceram.

Para onde foram? Muito provavelmente, voltaram para o céu. Ótimo agora o exercíto virá atrás de mim! Tenho que sair daqui agora.

Saio voando direto para minha casa, lá eu tenho refúgio e ninguém sabe onde estou. Isso é ótimo!

Reforço as armadilhas denovo, não posso correr o risco de estarem com a tinta fraca demais, não é?

Quero tanto saber quem foi que me salvou, para poder retribuir.

Será que foi outros anjo? Ou quem sabe um demônio?

Ah, que merda! Odeio ficar sem saber das coisas, isso me estressa!

Odeio não estar no controle!

Vou sair, quem sabe um bar? Isso!

E mais tarde, uma balada e vários gatos gostosos! Vai ser maravilhosamente maravilhoso!

Várias rolas... Salivo só de pensar.

Essa noite quero um ménage. Não. Uma suruba....!

Como será que o Josh está? Será que está bem? Que sofre? Que está com outra? Não que eu sinta ciúmes nem nada... Mas... Sei lá. Só queria saber

Não quero ir visitá-lo, mesmo que ele não possa me ver, por que senão não sei se irei resistir a tentação de falar com ele.

Confesso que sinto falta das noites de filme, das transas e dos beijos, mas não é por amar ele. É simplesmente por que ele me dava o carinho que meus pais nunca me... Não!

Não interessa se nunca me deram. Meu pai é um demônio sem sentimentos e minha mãe é uma soldada de Deus que vive fora. Eu supero, sempre superei.


Notas Finais


Deixem suas teorias de quem foi que a salvou, se tiverem❤

Até o próximo capítulo ❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...