1. Spirit Fanfics >
  2. Anjo da Guarda - Kim Woojin >
  3. Capítulo nove - Mesmo que não seja para mim, volte

História Anjo da Guarda - Kim Woojin - Capítulo 9


Escrita por:


Notas do Autor


Hi, eu de novo.
Estou tentando atualizar o mais rápido possível. Agradeço aos favoritos e ao leitores não-fantasmas, é por vocês que eu continuo. E também, por mim, claro.
Confesso que, adiantei algumas coisas, mas tenho certeza que irão gostar.
Aliás, façam suas teorias 😉

Views em God's menu atrasado. Eu amei, de verdade. Mais meninos são muito talentosos.

Let's Go 📚❤

Capítulo 9 - Capítulo nove - Mesmo que não seja para mim, volte


Woojin (Ursinho)

O que nos tínhamos

Só se tem uma vez na vida.

Para o resto da minha

Guardei meu caderno e peguei o violão, fazendo a melodia da música. Enquanto assim fazia, lembranças a tona vieram em minha mente.

Minnie foi a primeira coisa que me veio a cabeça. Fechei os olhos, ainda dedilhando em meu violão, imaginei. Eu e ela, debaixo de uma árvore, sorrindo e se divertindo.

Logo sorri. Era incrível, a melodia melancólica que havia criado parece ter sido feito para esse momento. Mas, a letra... por que a letra tem tudo a vê com ela?

As lembranças de Minnie agora foram substituídas pela dela. A anjinha mais perfeita que já conheci. Tudo quanto tinha planejado com Minnie, imaginei a anjinha em seu lugar.

— O que? — paro de tocar. — Isso... por que?

— Por que, o que? — Chris questiona. — Parou de tocar. Continua, estava perfeita — ele tinha lágrimas em seus olhos.

— Espera, você está chorando? — O olho incrédulo. — Dongsaeng, está tudo bem?

— Nunca viu ele chorar? — Seung pergunta e eu nego. — Tem certeza que são amigos?

— Eu sou homem, não gosto de chorar na frente de outros homens, então... — diz Chris enxugando as lágrimas. — Aliás, sua música está ótima. Eu mesmo posso garantir que que a professora irá amar.

— Essa não é a música que irei cantar no teste — os dois me olharam confusos. — Não acho que essa seja a certa, ainda não sei. Minnie estava me ajudando e a ela escolheu uma que na minha opinião está melhor que essa

A quem eu queria enganar? Essa música estava ótima, diferente das outras, pois nessa depositei todas minhas emoções e sentimentos.

— Espera, Minnie está com suas composições? — A anjinha surge. — Por que deu a ela?

— Ela é minha namorada, tem o direito

Como sempre, Chan se encontrava confuso. Seung levantou e falou algo no ouvido dela que eu não pude ouvi.

— Primeiro, não lembro de você ter a pedido. Segundo, tome cuidado, há certas coisas que eu não posso te proteger. Terceiro, não confie tanto nela — diz e logo some.

Sinceramente, há certas razões para ela ter agido assim. Mas, por ser anjo, ela não pode simplesmente me dizer o que fazer, como ela mesma disse, é apenas minha protetora.

— Eu já estou ficando maluco com isso — Chan resmunga.

Do outro lado, vejo Josh. Ele estava sorrindo com seus amigos, e quando me encarou foi por apenas alguns segundos e logo voltou sua atenção para eles.

Era um tanto estranho ele não ter me enchido o saco durante esses meses. Talvez, Minnie pediu para que ele me deixasse em paz.

— Hyung, deu mesmo suas anotações para... Pra ela?

Ele perguntou meio preocupado. Na verdade, não entendia a preocupação deles em relação a Minnie, ela nunca os tratou mal.

— O que está pensando Chris? — pergunta Seung.

— Já pensou na possibilidade dela tentar roubar uma das suas canções?

Olhei incrédulo para Chris. Como ele pode dizer coisas absurdas como essa? Meu sangue ferveu, e me levantei bruscamente apanhado minha mochila.

— Christophe Bang, agora você foi longe demais. Minnie não seria capaz de coisas absurdas como essa, e tem mais... — apontei o dedo para ele. — Se tivesse namorada, saberia que confiança é a base do relacionamento, mas em vez disso, você fica com um e com outra...

— CALA BOCA — Seungmin grita. — Parece que você não conhece mesmo o amigo que tem, não é?

Olhei para Chris e ele estava com os olhos vermelhos. Lágrimas?

— Não deixarei que fale assim dele. Você sequer conhece ele para falar de tal modo, então vá embora. Vá embora Woojin!

Por que ele parecia furioso?

— Ele quem começou — ditei firme. — Deveria me entender, Seungmin.

— E você, entende o que ele sente jogando isso na cara dele?

— Tudo bem hyung, você está certo — Chan se levanta. — Eu não deveria ter falado aquilo, e você tem razão, é por isso que eu a perdi

Chan pega sua mochila e sai correndo sem dizer mais nada. Seungmin olhou com ódio para mim e logo não tardou em correr atrás de Chris.

Deixei meus ombros relaxarem e suspirei. O que eu fiz? Ele é meu amigo, meu irmão.

— Droga ! — chutei uma lata de refrigerante que ali tinha.

[...]

Dei tudo de mim no trabalho, na esperança de que tudo aquilo passasse. Meu coração doía ao lembrar das coisas horríveis que falei para Chris.

Dou um pulo, tomando susto de como a anjinha havia chegado ali. Seu olhar era de quem iria me dá um belo castigo.

— Eu vou pedi desculpas — disse.

— Como pode dizer aquilo? A quantos anos conhece o Chris?

— Desde o ensino médio — baixo a cabeça. — Mas ele começou insultando Minnie daquele jeito.

— Esquece a Minnie por um momento e foque no seu amigo, por favor. Ele precisa de você

Olhei para ela e seu olhar demonstrava preocupação. Ela estava preocupada com Chan.

— Kim Woojin, hoje mesmo você vai pedi perdão dele

Ela pega minha mão e me teletransporta para frente da casa de Chan. Arregalo meus olhos e as vejo tocando a campainha.

— Não, anjinha. Eu preciso trabalhar — digo

— Tarde demais senhor ursinho

Vejo Chan ficar em frente a porta. Logo ele abre o portão e entra em casa novamente.

Olhei para a anjinha e ela me olhava tipo “se você não entrar, vou te obrigar". Suspirando, entrei.

Ao entrar em sua casa incrivelmente linda. A decoração era extraordinária, pelo menos ele mudou um pouco dos gostos dele.

— O que faz aqui hyung? — Ele pergunta

— Eu... — A anjinha me olhava esperando eu falar algo. — ... Eu fui um idiota com você hoje pela manhã, não deveria ter falado essas coisas para você. Sei que tem coisas as quais eu não sei sobre sua vida, mas eu estou arrependido do que falei. Chris, você sempre me ajuda em tudo e quando vi você saí daquele jeito, meu coração despedaçou. Seu hyung ama você, pode me perdoar?

Chan me encarava com um olhar neutro. Logo substituídas por um belo sorriso vindo de sua parte.

— Hyung, tudo bem. Também te peço perdão — ele me abraça. — Mas tenho que dizer que, estou surpreso pelo tamanho do amor que tem por mim

— Não entendi — ele continuava rindo.

— Saiu do seu trabalho apenas para vir aqui, eu sabia que me amava, mas não a esse ponto

— Ah, sim... Meu Deus, deixei o caixa sem ninguém — dei um abraço em Chan. — Eu volto aqui outro dia para jogarmos vídeo game. (S/N) ! — grito.

Por impulso olho para trás e vejo Chris de olhos arregalados. Não liguei muito e apenas acenei com a mão.

Encontro a anjinha do outro lado do muro.

— Gostei. Agora, de volta ao trabalho!

Agradeço ao tal do supremo Hyunjin por ter colocado essa anjinha no meu caminho. Na minha vida.

O restante do dia foi mais tranquilo que eu pensei. Minha consciência estava mais leve, e pude trabalhar com mais disposição agora.

A anjinha limpava uns enlatados que continham poeiras. Enquanto eu ficava no caixa, e Binnie... bem, ele nem notou que eu havia saído.

O dia passou mais rápido do que esperei. Arrumei minhas coisas enquanto a anjinha esperava por mim fora do estabelecimento.

Peguei minhas coisas e a chave da porta principal. Fechei o local e quando me dei conta, vi que a anjinha não estava sozinha.

Um garoto de cabelos negros, magro e... asas? Espera, resto de asas. Mais um anjo?

Ele falava algo para ela, pela sua expressão parecia até implorando algo para ela.

— Anjinha?

A chamei e ela me encarou.

Voltou sua atenção ao outro anjo, falou algo e logo deu as costas.

— Aquele não era nenhum dos que já conheci, quem era ele?

— Alguém importante na minha vida passada

Ela nem me deixa perguntar novamente e me levou para casa.

Estranhei seu comportamento, mas quando ousei perguntar novamente, ela some.

°•°•♡°•°

As aulas de danças estavam ficando cada vez mais fáceis. Posso dizer que melhorei bastante de um tempo para cá.

Chan estava sentado no fundo da sala de dança esperando por mim, Seung estava ao seu lado conversando com a anjinha. Olhei de canto e vi Josh rindo ou debochando de... mim?

— Até as finais, ursinho — diz ele sai.

Minnie esses dias tem se afastado bastante. Mandei mensagens e ela não me responde, e simplesmente na aula de dança ela me ignorou. Muita coisas estranhas vem acontecendo.

— O que? Por que... aish. Estamos indo — vejo Chan levantar e correr até mim. — Temos que ir agora.

— O que? Mas, onde? — Questiono vestindo minha blusa de manga larga.

— Seu teste, ele foi adiado. Meu tio teve que adiar por conta de umas coisa pessoais, você precisa está lá em pelo menos dez minutos — diz olhando o celular.

— Mas Chris, eu ainda estou me preparando. Não acho que estou bom o suficiente para entrar lá e fazer a audição — digo cabisbaixo.

— Só temo um jeito de saber. E esse jeito é você ir lá e vê no que vai dá — ele me puxou.

Correndo como doido, ele me arrastou até o estacionamento da faculdade onde se encontrava seu carro.

Apenas entrei e deixei ele dirigir.

No caminho até a empresa, meu coração estava acelerado. E se eu não passar? Não estava pronto ainda. Essa é a oportunidade da minha vida, não posso joga-la fora assim, mas o medo estava tomando conta do meu ser.

O medo de não ser o suficiente me consumia por dentro enquanto estava naquele carro.

— Como assim cara você já está na empresa? Como chegou aí? Tudo bem, estou chegando — ele desligou o telefone.

— Seu tio?

— Seungmin. Disse que já está em frente a empresa esperando por nós

Ela. Só tem uma possibilidade dela ter levado Seung para lá.

Ao chegar na frente do prédio, orei aos céus para que ela estivesse ali.

— Seung, aqui — Chan sai do carro junto de mim. — Espera com ele na recepção, tudo bem?

Fui levado até a recepção e fiquei ali até Chan vir. Seungmin falava alegremente com a recepcionista, pareciam bem amigos.

Olhei de um lado para o outro e procurando por ela, mas nem sinal. Queria muito ter perguntado como ele havia chegado ali tão rápido, mas Seung não trocou nenhuma palavra comigo desde a briga que tive com Chris.

— Hey!

Aquela voz. Sim, essa voz.

— Por que está nervoso? — pergunta ela calma.

— Por que? — Ri nervoso. — É a chance da minha vida. Eu ainda estava praticando, tinha o mês inteiro praticamente, mas em menos de três dias aqui estou eu. Meu coração está batendo muito rápido, minhas mãos estão soando. E se eu não passar?

— Você é talentoso. Acredite no seu potencial — ela se abaixa e fica em minha frente. — Eu vou está com você. Vou está ali assistindo você, apoiando você, e se não for para ser agora, aparecerão outras oportunidades

Ela segura minha mão e eu a olho.

Nossos olhares se encontraram e uma energia desconhecida por mim ali surgiu. Sentir sua respiração tocar minha pele.

— Woojin, vamos? — Chris diz chamando minha atenção.

—Oh, claro — levantei-me nervoso.

A olhei pela última vez antes de entrar na sala e ela me lançou um sorriso encorajador.

Me pergunto o porquê tudo se apressou tão de repente. Estou tão nervoso por conta desse acontecimento repentino.

Ao entrar na sala, Chan me pede para senta. Olhei ao redor do pequeno cômodo e, era incrível. A sala de dança era totalmente diferente do da faculdade, os espelhos eram mais grandes e largos, no canto tinha algumas almofadas jogadas, no outro uma mesa com três cadeiras. De cara, percebi que era ali que meu avaliadores sentariam.

Olha para os lados pensando que a anjinha entraria ali, mas me enganei. Nem sinal dela.

— Tio, te garanto que ele é ótimo — ouço a voz de Chan.

Fiquei tão nervoso que nem havia notado que ele tinha sai do novamente. Ele estava acompanhado de um homem que estava em uma cadeira de rodas.

— Olha ele ali — Chan correu até mim. — Vem aqui, quero te apresentar uma pessoa

Levantei-me, e segui em direção onde estava o senhor cadeirante.

— Tio, esse é Kim Woojin. Woojin, esse é Jeong Hyun, meu tio — Chan me apresenta ele.

Jeong. Jeong. Aquele que a empresa é a mais famosa da Coreia inteira, onde seus grupos nunca flopam.

Meu Deus.

— Chan... — O arrastei para longe do senhor Jeong. — Por que não me disse que desde o único era ele quem me avaliaria? Eu estou...

— Relaxa o coração, ele é legal.

— Legal? Ele é Jeong Hyun, e ainda seu tio, por que nunca me contou? — Dei um tapa em seu braço e ele riu. — Christophe, Estou mais nervoso por saber que ele... — apontei para o Jeong. —... vai me avaliar. Eu ainda mato você garoto.

— Vou levar isso como um “obrigado”. Já disse para você relaxar, o tio é bem legal e ele é direito quando gosta de algo ou não. Eu falei muito de você para ele, então foque em fazer uma apresentação perfeita

— Perfeita? Chan! — Comecei a dá tapinhas em sua costa.

— Algum problema? — Questiona o senhor Jeong. — Não quero parecer ser chato, mas tenho coisas a fazer mais tarde.

— Desculpa, desculpa — me curvei.

— Woojin, sei que pareceu repentino te chamarem assim, mas é que erramos a data. Como pode vê, apenas você está aqui, então esse momento é seu — disse ele. — Coloquei bastante expectativas em você, espero não me decepcionar.

— V-Vou da meu melhor — digo.

Chan começa a ri por eu está tão informal na frente do senhor Jeong. O olho com cara de “eu vou te matar" e ele logo corre a uma das cadeiras onde os jurados iriam se sentar.

— Espera, você é um jurado também? — questiono.

— As vezes sim — diz ele. — Vem tio, hora do show ! — Diz num tom divertido.

Vejo o senhor Jeong ir até onde Chan estava. Ele ajeita seus óculos e me encara com um sorriso gentil.

— Pronto?

Quando iria dizer que sim, a porta é aberta brutalmente.

Olho assustado e vejo uma garota muito bonita passar pela porta. Seria mais bonita se não estivesse com essa cara assustadora de quem vai brigar com alguém.

— Pai, não acredito que não me convocou para esse teste. Eu também sou jurada — a garota logo se senta ao lado de Chan. — Amor!

Fico boquiaberto quando ela profere tais palavras. Chan realmente tinha namorada?

— Heyoon, para! — Ele a empurra com gentileza. — Woojin, queira começar por favor. A música você havia escolhido está pronta.

A garota bufa e me encara de cima a baixo.

— Por favor, comece Woojin. Não ligue para minha filha

— O que? Pai...

— Cale a boca Heyoon, por favor — senhor Jeong pede impaciente.

Respiro fundo, e aceno com a cabeça para dizer que estava pronto.

Not by the moon -Got7

Está correto que, você dançar sozinho é uma coisas, agora dançar na frente de pessoas importantes, que podem abrir as portas para você, é algo diferente. Você tem medo de cometer um erro, no qual você não pode consertar, não pode perder o foco.

Apenas me deixei levar pela música, para não acontecer coisa que citei logo acima. Me pergunto por que a primeira apresentação seja de dança.

Isso não é importante, foco Woojin.

Arrisquei-me encarar meu público. Chan estava com um sorriso no rosto, senhor Jeong ainda estava sério, e sua filha... bom, ela estava com cara de “estamos perdendo tempo".

O último passo foi feito, a música havia parado e silêncio tomou de conta. Minha respiração estava descontrolada, era nervosismo misturada com meu cansaço.

Senhor Jeong anotava algo em seu caderno. Sua filha apenas mexia no celular.

Em minha mente estava “eu não fui bem".

— Vejo que BangChan não exagerou quando me disse o quão talentoso é — ele riu com o próprio comentário. — Quando ele me mostrou se eu vídeo cantando, logo fiquei “preciso conhecer esse garoto". Você tem um talento único, é claro que não está a um nível de um idol de verdade, mas você provou ser alguém pronto para o sucesso. Parabéns, você agora é trainee da Jeong Entertainment.

Sorri com o resultado. Me curvei agradecendo a ele.

— Parabéns ! — ouvi a voz da anjinha de longe. — Eu disse que você conseguiria.

— Pai, e minha opinião? Eu preciso falar também, e esse garoto ainda tem muito que trabalhar para ser um idol, começando pelas roupas dele — disse ela com... nojo?

— Heyoon, quem fundou a empresa?

— O senhor pai

— Quem trabalhou duro para grupos de sucesso?

— O... o senhor — diz ela revirando os olhos.

— Então a minha palavra é a palavra final. Ainda quer discutir? — diz ele bravo, batendo na mesa fazendo com que todos se assustassem. — Desculpa por isso, Woojin. Chris, você sabe o que ele tem que fazer agora. Por favor, seja o guia dele, preciso ir visitar alguém — diz

— O guia pode ficar para depois? Eu quero muito ir com senhor, não se preocupe com Woojin, ele vai entender

— Tudo bem, não tem problema — digo tentando acabar com aquele clima tenso.

Chan conversou um pouco comigo e explicou que tudo havia sido planejado. Que meu teste seria realmente hoje, e que meu compromisso de não “importa o que aconteça e vou”, passou uma boa impressão para o senhor Jeong.

Quase matei Chris por causa disso. Ele me levou até Seung e logo foi embora, mas antes disse a ele que queria conversar sobre ele namorar a filha do Jeong.

— Tchau Chris — Seungmin se despediu. — Vamos?

— Err, onde está a anjinha? Ela estava ou não estava comigo quando estava me apresentando?

— Você a ouviu, não ouviu? — Concordo com a cabeça. — Então. Ela não estava presente ali, mas assistiu a tudo. Coisas de anjos, você não entenderia.

— Onde ela está agora?

— Sabe que essa empresa é do pai dela, não é?

Arregalei os olhos, mas na verdade não estava tão surpreso. Meses atrás ela havia me falado sobre isso, mas eu fui idiota demais a ponto de esquecer.

Mil vezes droga.

— Mas, ela está bem? — isso era algo delicado para ela.

— Não sei se ficará. Hyung, seja sincero — ele se virou para mim. — Seus problemas estão acabando, sua vida está se resolvendo e quando tudo estiver em seu devido lugar, ela voltará

A última parte me pegou de surpresa. Nunca, nunca mesmo tinha pensado nisso.

Como será minha vida quando ela se for. E se ela não for, o que acontece? Suas asas voltarão?

— Então hyung, você gosta dela? Tipo, gosta dela como mulher e não como sua protetora. Sabe, os guias dela e o supremo sempre estão se olho em vocês, e se você não souber responder isso, tudo acabará tão rápido que ela se esquecerá de você ou talvez só te veja de longe.

— Eu... Eu não sei. Eu gosto da Minnie, e a (S/N)...

Meus sentimentos estavam tão confusos. Como eu poderia responder isso agora?

— Espero que saiba a resposta antes de tudo ser consumado. E tem mais, não conte nada a ela do que falamos, ou ela me mata

Por que?

O que aconteceu de tão grave que ela pode embora num piscar de olhos?

Quando me dei conta, uma lágrima teimosa caiu. Eu me encontrava aos prantos com o coração apertado e dolorido.


Christophe Bang (Amigo)

Empurrei a cadeira de meu tio para fora do prédio. Meu coração estava acelerado, queria muito chorar ali mesmo.

Meu tio estava sério, ou tentava ficar. Quando ele viu Woojin, o vi sorrindo como nunca. Desde o acidente de (S/N), não via ele animado para mais nada. Igual a mim.

— Vão visitar minha irmã? — Heyoon surgiu atrás de mim. — Pai, você sempre volta pior quando vai visita-la, por que não dá um fim nesse sofrimento logo?

Olhei incrédulo para a menina a minha frente. Avancei para cima dela com raiva, mas fui impedido pela voz de meu tio.

Eu tinha nojo de Heyoon. Ódio.

Como ela poderia falar uma coisas dessas? E de sua irmã que estamos falando.

— Heyoon, ela é sua irmã. Como pode ser tão fria assim?

— É a verdade pai. Eu também sofri — mentira. Heyoon é a pior pessoa que conheci. — Não tem mais jeito. Temos que da um fim nisso, não quero vê meu pai chorando toda vez que volta de lá. Eu também existo... — diz ela querendo chorar. — É sempre ela. Sempre. E eu? Você sequer me deu atenção que dava a ela, nunca me deu presentes como os dela. Ela nem sua filha de verdade é, já eu sou legítima. Sou sua filha de verdade, porque insiste nela?

Como assim? Heyoon sempre foi tratada como princesa, por que reclama desse jeito?

— Você está certa. Mas, eu sempre dei o que você queria. Carros, joias, casas de férias. TUDO ! — gritou meu tio. — Está reclamando de que Jeong Heyoon? Quando eu mais precisa de você, onde estava? Em alguma casa noturna? Com aqueles que você chama de amigos? VOCÊ NÃO TEM O DIREITO DE ME EXIGIR NADA — ele se alterou.

— Tio, calma. Por favor, vamos logo — tentei acalma-lo.

— E você Chan? Também preferiu a órfã. Vocês estão sendo ridículos, totalmente ridículos — ela bate os pés feito uma criança e sai correndo chorando.

O carro finalmente chega.

Ajudo Hyun a entrar no carro e guardo sua cadeira de rodas no porta-malas.

O caminho até o nosso destino foi um total silêncio. Não queria tocar no assunto, meu tio não estava em condições de discutir isso, ainda mais na sua idade.

Aish! Aquela criança mimada.

Heyoon sequer ama o pai, não duvido nada que ela o queria morto.

— Me diz, Chan... — Hyun se pronunciou. — O que eu fiz de errado com Heyoon?

— Não pense nisso, ok? — Ponho a mão em seus ombros. — Ela é uma mal agradecida. Sou prova que o senhor deu do melhor para ela. A mimou demais.

Digo e ele ri.

— Senhor, chegamos.

Ele e eu nos encaramos e por incrível que pareça, suspirando juntos.

O motorista desta vez, pegou a cadeira de meu tio enquanto eu o tirava do carro.

O local branco me fez lembrar de rodas a vezes em que eu vinha e tinha pesadelos. Tinha vezes que preferia dormir ao seu lado, segurando sua mão.

Suspirei fundo e comecei a empurrar a cadeira.

O cheiro era um pouco desagradável, haviam no máximo uns sete cara de jaleco branco andando para lá e para cá.

Chegamos a recepção e como de costume, a mulher já sabia quem queríamos vê. Anotou o que sempre anota quando fazemos visitas e nos fez andar até o quarto da menina.

— Senhor Jeong — Doutor Noah nos recebe. — Chris. Tudo bem com vocês?

— Não está, mas vai ficar — diz meu tio.

— Como ela está? Alguma notícia boa ? — Questionei com um pouco de receio.

— Não tivemos progresso. Juro que estou fazendo tudo que estiver ao meu alcance, mas ela não reage — diz o doutor com uma cara de tristeza. — O caso dela é complicado. Não vou sugerir nada, pois sei que não vão concordar, mas... Não tem mais nada que possamos fazer.

— Só tem cinco meses desde o acidente. Não vamos perder a esperança — Hyun diz. — Por favor, pago o quanto quiserem, mas desliguem as máquinas

— Não farei isso senhor Jeong. Não até que o senhor queria que eu faça — Noah diz. — Vou deixá-los um pouco com ela

Assim que Noah se retira, tio Hyun segura a mão da menina e começa a chorar. Também não controlei e nem me contive, deixei caí várias lágrimas.

Tudo culpa minha. Ela está aqui por minha causa. Eu me odeio.

Me odeio por vê-la nesse estado.

Me odeio por não ter a escutado.

Me odeio por não valorizar sua companhia.

Me odeio por tê-la trocado por uma noite.

Me odeio por ter feito ela sofrer.

Me odeio mais ainda, por ter feito ela chorar.

Por favor, volta. Mesmo que não seja para mim, volte.


Notas Finais


Uaaaaaau. Eu chorei bastante, sério. Porque quando escrevi estava escutando várias músicas do Lauv, e era músicas calmas e com letras profundas.

Agora já sabem a verdade sobre a (S/N)? Ou ainda estão confusos do que aconteceu?
O que vem depois? Já sabem quem é o anjo que falou com (S/N)? É ele quem vai fazer (S/N) saber de toda a verdade.
Estou muito ansiosa para o que há de vir

Perdão ao erros de digitação que passaram despercebido

Beijão, ATÉ A PRÓXIMA

AK.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...