História Anjo de olhos verdes - yaoi - Capítulo 36


Escrita por:

Visualizações 73
Palavras 1.742
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Ficção Adolescente, Hentai, Lemon, LGBT, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Shoujo-Ai, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Léo contra a parede! E agora?

Capítulo 36 - Irmão


Fanfic / Fanfiction Anjo de olhos verdes - yaoi - Capítulo 36 - Irmão

Sua voz acusadora me atingiu em cheio. Sua face inexpressiva não deixava claro o que ele estava pensando, mas com certeza coisa boa não era... ah, droga, por que eu fui dar mole?

 

- Só o teu silêncio já responde a minha pergunta! – falou, incrédulo, ainda imóvel.

 

Eu não sabia o que falar, nem o que fazer, se tinha alguma coisa para fazer... continuei observando sua face e esperando ele lançar as outras acusações, que certamente viriam. 

 

- Eu vi o desenho dentro de uma pasta no teu armário e eu não quis acreditar, mas tava nítido demais! Era você e ele! Foi ele que fez aquele desenho, não foi? – perguntou com uma voz começando a ficar raivosa.

 

- Foi... – sussurrei. Foi o máximo que consegui expressar. 

 

- Ah, Leonardo! Eu sabia que tinha alguma coisa errada! – sua voz se alterou e ele levou as mãos a cabeça, enfiando seus dedos por entre os seus fios de cabelo e se virando de costas pra mim. – Por que você não me contou? - virou-se novamente e me encarou com os olhos em chamas.

 

- Por que eu tinha medo da sua reação... e você reagiu exatamente do jeito que eu temia! – falei, ainda esperando a explosão de fúria que viria, por que viria... eu o conheço o suficiente para saber que viria. 

 

- Ahhhhh, LEONARDO! – gritou, se virando de novo e começando a andar sem rumo pela casa, com as mãos na cabeça. – Eu já imaginava que o Rafael era gay! Ele vinha com esse papo de que tava namorando uma pessoa e nunca dizia o nome e nem quem era! Eu até pensava que fosse um cara mais velho pra ele fazer tanta questão de esconder, por isso nem questionei muito e eu me envolvi tanto com a Amanda, que realmente não me interessava se ele namorava homem ou mulher! E ele sempre desconversava quando eu falava que era uma garota, mas você... – aproximou- se de mim, ficando face a face, segurando em meus ombros, ainda com a voz alterada – VOCÊ ERA MEU AMIGO! – gritou, me olhando raivoso.

 

- Eu... eu não queria perder sua amizade... por isso achei melhor esconder... – sussurrei, com os olhos baixos, fitando o chão... ele soltou meus ombros e começou a andar de um lado pro outro de novo.

 

- Eu até suspeitava de você também, afinal você nunca se interessava por garota nenhuma, mas eu achei que quando você percebesse que era gay, você iria me contar! MAS NÃO! VOCÊ PREFERIU ESCONDER! Pra que? – me encarou novamente, a centímetros da minha face. – Ah, e todas aquelas conversas!? E aquele dia que ele falou que tava pensando em pedir a “pessoa” em namoro!? Era você o tempo todo! VOCÊ!!! Não, pera! Ahhhhh, ele falando que tava tomando banho com a pessoa e ahhhhhhh- bagunçou o cabelo, ficando de costas pra mim – o chupão no ombro dele! E você ainda dando risada!! Ah, eu acho que vou ter pesadelos essa noite! 

 

Confesso que agora eu não sabia se ficava sério ou se ria, por que cada vez que o Murilo surtava, ele ficava muito engraçado, mas eu tinha que me segurar, se não ele ficaria mais bravo ainda. 

 

- Ahhhhhh, e todas as vezes que eu dormi aqui na tua casa?! No teu quarto... SÓ DE CUECA! Eu já dormi junto com você, no mesmo colchão, mas viagens com o time!  Ah, Leonardo, eu não acredito nisso! – voltou a andar pela casa, em círculos. 

 

- Não, eu nunca quis nada com você, nunca pensei... você é como um irmão... – fui interrompido bruscamente.

 

- IRMÃO?? IRMÃO NÃO ESCONDE ISSO! – Gritou tão alto, que acho que toda a vizinhança escutou, mas eu não tirei a razão dele... – e eu confiando em você! – fechou os olhos e balançou a cabeça em negativa, respirando fundo. - Eu não sei se eu vou conseguir dormir aqui, hoje! – fez cara de nojo – a gente tomou banho junto esse ano,  nos jogos... e todos os garotos do time, andando só de toalha pelo vestiário e você... – balançou a cabeça em negativa. Eu sabia que ele iria pensar isso...

 

- Não, eu nunca quis nada com outro cara, nem gosto de ir no vestiário quando ele tá cheio... – desviei o olhar, não conseguia encara-lo mais – Foi só com o Rafael... o que eu sinto, eu só senti por ele e por mais ninguém... – confessei.

 

- Ele te seduziu então? – fez cara de estranhamento.

 

- Não! Eu não sou uma donzela inocente que é seduzida por um malandro qualquer! – falei, revoltado! - O que eu sinto por ele é diferente... – minha voz se acalmou. 

 

A conversa mudou de tom... acho que ele me entendeu. Silêncio... um longo silêncio, que ele quebrou.

 

- E o que você sente por ele? – perguntou, sério.

 

- Eu... eu... – ah, droga! Nunca pensei como iria falar isso pro Murilo - eu amo ele... – falei, baixinho, olhando pro nada, sem ter coragem de olhar em seus olhos.

 

- Como você sabe que ama ele? – perguntou em tom mais brando.

 

- Eu... eu tentei fugir, esquecer, mas foi inútil... – voltei a olhá-lo – as crises de gastrite, a ansiedade, aquela garota que eu pedi para você arranjar pra mim... eu não sabia mais o que fazer pra esquecer ele e então, ele praticamente me obrigou a estudar com ele e... - como eu iria dizer isso? Fiz uma pausa, suspirei fundo – e aconteceu... 

 

- Você e ele transaram na primeira vez? – perguntou assustado, olhos arregalados.

 

- NÃO, SEU PERVERTIDO! – foi minha vez de gritar. Ele se encolheu.

 

- Mas vocês já...? – Ainda perguntou, curioso e medroso.

 

- Você quer mesmo que eu responda? – falei, sarcástico. Ele balançou as mãos e virou a cara.

 

- Não, não, não precisa! Acho que o Rafael já deixou isso bem claro pra todo mundo! – falou, irônico e  se virou pra mim. - Leonardo, desde quando? – ficou sério. Respirei fundo. 

 

- Desde que nós começamos a estudar para as recuperações... – respondi, o fitando.

 

- MAIS DE UM MÊS, LEONARDO! E quando você pretendia contar? Ou não pretendia? – voltou a surtar,  descontrolado. 

 

- Eu não sei... eu não podia... não é um segredo só meu... – falei, esperando ele não insistir nisso. 

 

- Mas eu sou amigo dele também! Não sou? – parecia confuso. 

 

- É que... – droga, como eu iria dizer isso sem revelar demais coisas que não pertenciam a mim? – é que agora que ele está se reerguendo, voltando a conviver bem com o pai dele e começando a confiar em outras pessoas de novo, então, achei melhor esperar! Cada coisa a seu tempo. – conclui.

 

- Então, tem mais coisas aí que eu não sei?! Pode falar! Desembucha! Por que o Rafael não queria que ninguém soubesse? – estava raivoso, tentando tirar a verdade. 

 

- Eu não posso falar... – desviei o olhar, fitando o chão.

 

- Você ainda não confia em mim o suficiente, não é? – essas palavras me cortaram o coração. Eu nem lembrava direito de quando conheci o Murilo! Ele era meu amigo desde que eu me conheço por gente... claro que eu confiava nele, mas como eu iria falar isso? 

 

- É que ano passado, ele tentou... tentou... – ah, eu não conseguiria dizer! Um aperto no peito, uma dor no coração ao lembrar do que ele me contou... – tentou tirar....a própria ... – não consigo... mesmo falando baixo, minha boca se recusava a dizer o que o Rafael tentou fazer.

 

- Chega... eu acho que já entendi... – sua face estava horrorizada, então ele  veio até mim e colocou sua mão no meu ombro, com a voz compreensiva. – ele está bem agora e você também, quer dizer, vocês estão felizes juntos, não estão? – me fitava.

 

Me surpreendi com sua fala. Ele entendeu? Me perdoou por ter escondido isso dele? 

 

- Sim... estamos! – respondi, o observando.

 

- Eu acho que entendo vocês... o que eu sinto pela Amanda, eu nunca imaginei sentir... é uma vontade louca de ficar ao seu lado o tempo todo, de abraçar, de beijar, de cuidar! – falou, todo romântico.

 

- mas você pode fazer isso a hora que quiser e eu não... – desabafei. Ele paralisou.

 

- Verdade... deve ser difícil vocês viverem disfarçando... – falou, me encarando. 

 

- Me desculpa, Murilo... eu não queria deixar você de fora disso, mas foi difícil demais pra eu aceitar e depois que eu comecei a ficar com ele, tudo se acertou e foi acontecendo de um jeito que eu não imaginava ser tão bom, mas ele não queria que ninguém soubesse e eu e ele tínhamos medo da reação de todos os outros, mas acho que, no fundo, nós já estamos nos preparando para encarar isso de frente... – desabafei. 

 

- Você vai querer contar pra Amanda e pra Júlia? – perguntou, apreensivo.

 

- Não sei... acho melhor esperar o Rafael e ver o que ele decide... e acho melhor uma coisa por vez... – o encarava, com olhos suplicantes, para que ele guardasse o maior segredo de nossas vidas. 

 

- O tio  e a tia sabem? – perguntou. Fiz um sinal afirmativo com a cabeça. Ele respirou fundo, de olhos fechados e depois soltou – eu não vou aceitar que você não me conte tudo! Vai, pode começar desde quando você começou a gostar dele! 

 

- Ah, Murilo... – dei risada. Não acreditei... – com detalhes sórdidos? – perguntei, sarcástico. 

 

- Não! Definitivamente, não! – falou emburrado – esse papo me deu fome! – já olhou pro pacote de Doritos.

 

- Vou pedir pizza então! Bacon e cheddar pra você? – perguntei, indo até o telefone pra fazer o pedido. Ele assentiu. 

 

Depois do pedido da pizza, vi o Murilo me olhando, sério.

 

- Que foi? – perguntei, indo sentar ao lado dele, no sofá.

 

- Eu acho que eu ainda estou meio anestesiado com toda essas informações... – parecia confuso. – mas eu acho que já estava meio esperando de tudo, tanto dele, quanto de você, mas não que vocês estivessem namorando... NAMORANDO, CARA!? – se exaltou de novo. – eu preciso de um energético.

 

- Ou de um calmante! Quer que eu faça um chá de camomila pra você? – perguntei, me levantando e indo pra cozinha. Chá de camomila era o único que ele tomava e energético não iria acalmar ele, com certeza! 

 

- Não quero que você faça nada pra mim! Vai que você coloca alguma coisa e eu durmo e você abusa do meu corpinho! – falou, me olhando com os olhos miúdos, como eu sabia que ele fazia ao ser irônico. 

 

Me virei pra ele e deu uma gargalhada.

 

- Palhaço! Até parece...

 

 

 

 

 


Notas Finais


Pessoal, o que acharam do Murilo surtando?
Alguém adivinhou o q ele viu no quarto?
Deram muitas risadas!? Um dos meus capítulos favoritos 🥰❣️


Mas e o Rafa? Como vai encarar isso?


Quero sabe o q vcs acharam! ❣️🥰


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...