1. Spirit Fanfics >
  2. Anjo no Inferno! >
  3. Where are you?

História Anjo no Inferno! - Capítulo 6


Escrita por:


Capítulo 6 - Where are you?


Fanfic / Fanfiction Anjo no Inferno! - Capítulo 6 - Where are you?


Eu não sabia onde o mesmo estava, gritava seu nome e novamente não possuía nenhuma resposta. Aqueles corredores compridos já estavam me tirando do sério. Cada vez que pensava na possibilidade de estar certo e de que encontraria o Park, era quando me dava conta de que estava errado, novamente.

Me jogo no chão totalmente desolado. O desespero de não conseguir encontrá-lo me sufocava.

Lágrimas rolavam por meu rosto e pela primeira vez depois de muitos anos, o medo da perda retornou em meu coração. Não faz muito tempo que este mísero anjo aterrissara em meu reino. Porém, desde que o mesmo pousara meus batimentos entraram em uma disputa contra ele mesmo que era até quanto poderia pulsar dentro de um pequeno corpo.

Sinto algo extremamente familiar quando o vejo.

A forma como me conhece sendo que não faz nem uma semana que conversamos. O fato de suas lembranças serem fielmente parecidas com as minhas.

O jeito calmo e agudamente confortável quando está perto da minha pessoa. A sua delicadeza combinado com o seu lado mais áspero e impetuoso.

Tudo em Park Jimin parecia estar devidamente encaixado em seu lugar, como um quebra-cabeça. No entanto como em todo jogo, sempre há aquela peça onde não sabemos seu lugar, mas ainda assim, continuamos buscando incansavelmente pelo seu lugar.  E por fim quando achamos, vemos que não era necessária toda aquela discussão.

Permanecia sentado no meio daquele passadiço. Minhas pernas encontravam-se juntas e meus braços estavam cruzados sobre elas.

Mirava cada canto daquele espaço. Precisava me recompor, não sou de ficar abalado por coisas do tipo. Verdade seja dita, odeio anjos. Em outras palavras, significa que não há necessidade de me preocupar.

Caso o mesmo tenha morrido será menos um trabalho, certo?

Era isso que eu penso ou é apenas uma forma de me livrar desta sensação dolorosa que ardia em meu peito?

Caminhei até o carro, parando em frente a porta do carro. Olhei em volta. Não sabia se o procurava mais um pouco ou entrava no automóvel e voltava para casa.

A maçaneta gélida entrou em contato com a minha mão que a segurava firmemente. Abro a porta, mas da mesma forma, não conseguia entrar.

O que me custaria procurar um pouco mais? Acredito que nada!

E é com esse pensamento que entro novamente no carro, mas não para voltar ao meu lar e sim para voltar a procurar aquele anjo.

Garoto pertinente. Tantos lugares para ir pedir ajuda e tinha que vir até o meu reino? Okay, era o meu ou Amanoitecer e provavelmente eles não iriam aceitar, mesmo o principe Hoseok sendo amigo deles, duvido que realmente topariam. Mas eu  desacredito que com aquela cara, o mesmo não conseguiria ajuda.

Agora cá estou eu, procurando aquele garoto que poderia ter ficado quieto na dele como mandei.

Circulava pela mansão abandonada e nem um sinal daquele ser repugnante! Ódio poderia ser meu nome no momento, não que já não seja.

Opto ir para casa, mesmo assim, durante o percurso continuei observando para ver se achava algo.

Minha cabeça iniciara à latejar e meus pensamentos estavam em velocidade máxima. Não estava entendendo o que estava acontecendo.

- Argh, para! - grito devido a dor extremamente forte que sentia no momento.

Memórias transitavam pela minha mente e eu já não sabia mais o que deveria ser feito. Minha casa não estava tão distante e eu tentava permanecer consciente.

Piscava freneticamente para conseguir tentar ter mais clareza e assim que cheguei ao estacionamento fechei meus olhos.

Creio que não deveria ter feito isto.

Pois neste exato momento. Já não estava mais em meu lar.

Haviam duas crianças pequenas brincando sob a neve.

- Jungkook-ah, venha e faça um anjo na neve comigo, por favor! - o menor pedia com um bico fofo em seus lábios.

Espera aquele garoto sou eu! Como?!  Então se eu sou aquele menino. O outro menino fofo é o Taehyung?

- Jiminie, eu não sou um anjo! - a minha pequena versão reclamava com um lindo sorriso

Jimin? O garotinho fofo é o Jimin? Como ele poderia ser o Park?

Não estava entendendo o que estava acontecendo, mas permaneci ali apenas observando.

- Ah, é! Você é o mini lúcifer como os humanos dizem! - o Park dizia - Venha, anda!!

Desde pequeno mandão como pode?

- Nem imaginam eles que isso não existe! - gargalho - Okay, eu vou só por amar você!

Essa lembrança. Isso. Eu. Me lembro desse dia. Mas não era com o Jimin, era com o Taehyung!

Isso deve ser apenas algo da minha cabeça. Assumo que estou preocupado com aquele anjo! Deve ser por isso que estou projetando essas imagens dentro da minha cabeça, certo?

Ao pensar essas palavras sou levado para um outro momento.

Ainda era eu e Jimin. Estávamos correndo por um castelo branco, demasiadamente delicado, acredito que seja o Reino da Paz.

- Jiminie, onde estamos indo? - Perguntava em um sussuro quase inaudível

- Para o nosso cantinho - ele para e coloca sua mão sobre o queixo antes de olhar para  o meu eu adolescente com aquele sorriso travesso - Quer dizer, divimos com o Jin hyung, mas continua sendo nosso cantinho.

Dou uma risada e os acompanho para ver onde iríamos.

Adentramos uma sala que era dividida pela cor branca e azul. Havia vários aparelhos eletrônicos espalhados e sofas também das cores azuis e brancas pela sala. Existia também, uma estante cheia de livros e fotos espalhadas pela sala.

E quando voltei a olhar para os sofás, havia um lençol entre de forma que ficasse como uma barraca.

Não sabia se ia até os projetos de adolescentes ou seguia para as fotos. Resolvi que seguiria até o mural.

Haviam várias fotos, contudo, uma me chamou atenção.

Era eu novamente. Jimin estava em minhas costas e estávamos combinando a cor do cabelo e as nossas roupas.

Essa foto também existia em meu quarto. Mas o rosto da pessoa está irreconhecível e eu sempre reclamava dizendo que quem tivesse tirado aquela foto era um péssimo fotógrafo. Toda vez que dizia sobre a péssima qualidade da câmera Taehyung começava a rir dizendo que quem havia tirado era seu pai.

Contudo aqui no Reino da Paz, a foto está nítida e é Jimin quem está nela.

Tranquilamente sigo até a cabana. Os dois se encontravam em um estado de sono profundo, todavia, o que mais me chamava atenção era suas mãos entrelaçadas.

Me sento ali mesmo. Apreciando a cena adorável. E nesse mesmo estado sou levado para outra cena.

Desta vez, estou em minha casa. Dormia docemente.

- Kookie, Kookie, Kookie! - Jimin gritava entrando apressadamente pelo cômodo de meu quarto - Jungkook-ah! - balançava meu corpo na intenção de me acordar

- Jimin, o que você quer? - abria meus olhos ainda sonolento - Deita aqui comigo, hum?

O puxo para o meu lado, fazendo com que me deite.

- Kookie, eu preciso te contar algo importante! - ele insiste - Nossos pais vão para um confronto!

E com essa fala olho assustado para o mini Park que estava com os olhos marejados.

- Estou com medo, Kookie-ah! - dizia baixinho

- Dará tudo certo, meu pequeno! - beijo sua testa - Não tenha medo, okay?

O mais baixo assente e se aconchega em meus braços.

Novamente estou sorrindo com a situação.

- Precisa de mais alguma memória, Jeon para entender o que está acontecendo? - Uma voz surge em meio as minha memórias.

Era familiar, mas não me lembrava de qual lugar conhecia essa voz.

- Deve estar frustrado por não conseguir saber quem eu sou antes de visualizar meu rosto, certo? - A mesma voz dizia - Sou o principe Kim Seokjin, prazer! Irmão do principe Park Jimin!

E com essa apresentação. Um garoto alto de ombros largos aparece.

- O que é isso? Cadê o Jimin? Sabe onde ele está? - Digo apressadamente

Principe Kim Seokjin ria de meu desespero, normalmente ficaria irritado com pessoas rindo de minhas aflições.

- Isso são as suas memórias verdadeiras! - aponta para o lugar onde estávamos - Jimin está um pouco assustado com o que ocorrera agora pouco, todavia, está bem!

O ar pesado que estava sobre meu corpo, esvaziou no momento em que soube o paradeiro de Jimin. Apesar da culpa que preencheu meu corpo ao saber do susto que causei.

- Eu me recordo de muitas delas - digo por fim - Mas são todas com...

- Kim Taehyung, eu sei. - completa e eu confirmo - Isso é uma outra coisa que precisamos conversar, Jungkook!

O encaro confuso

- Sente-se, por favor! - eu me sento no sofá, voltamos para o Reino da Paz. - Ainda estamos dentro de suas memórias, meu bem!

Olho para os lados e me vejo como em todas as outras memórias, ao lado de Jimin que se encontrava sentado sobre minha cintura. Estávamos brincando de lutinha em cima da cama. A risada que soltavamos ecoava por todo o quarto.

- Eu sei que sente raiva de meu pai! - Seokjin diz também olhando para o meu pequeno eu e o pequeno Park brincando - Sei que isso te criou um trauma gigante, mas eu garanto para você que o rei do reino da paz, vulgo, meu pai. Tentou de todas as formas possíveis, salvar o seu pai.

Estava perplexo. Era muita coisa para ser processada.

- Jungkook, eu irei te explicar o motivo de eu ter invadido sua mente e levado você a todos esses lugares - apoia sua mão sobre as minhas e prossegue - Mas eu preciso que cuide do meu irmão!

Eu estava tentando entender e digerir tudo o que Seokjin dizia.

- Terá coisas que não poderei te contar, okay? Precisará descobrir por si! - ele para analisando minha reação - Entretanto, há pessoas ao seu redor que almejam o poder que você tem e por isso te controlaram para poder ficar cada vez mais próximo do trono!

Comecei a pensar nas pessoas que andam comigo e que eu confio. Taehyung,  Yoongi hyung, Jinsil Ajumma, meu pai, minha madrinha Tiffany, Eunwoo, Yugyeom e por incrivel que pareça Jimin, ele exala confiança e é por isso que em tão pouco tempo já confio no mesmo.

E com todas elas, nem chegam a dez pessoas. Meu pai não está mais aqui, podemos tirar ele também, então dão sete no total.

- Jungkook, preste atenção! - Seokjin me chamava - Pessoas mudaram suas memórias para criarem alusão de que todas as suas memórias foram com o Taehyung! Ele já era sim seu amigo desde as épocas que mostrei. Contudo, aquelas que são confidenciais e marcantes, todas foram com apenas uma pessoa, Park Jimin!

Sabe aquela peça do quebra-cabeça que estava faltando para compreender o meu anjo caído? Então, ela acabou de aparecer com o irmão dele. Ainda existiam muitas coisas que não compreendia e como o próprio Seokjin disse, terei que ir atrás sozinho.

Espera, falta uma informação e eu não posso deixa-la ir assim.

- Principe Kim Seokjin, você me disse que preciso cuidar de seu irmão? - Agora aqueles mesmos olhos

reconfortantes estavam marejados

Ele levanta sua cabeça. Puxa o ar e responde.

- Meu irmão veio até aqui para procurar ajuda

Assinto e espero a continuação.

- Então, porém ele veio contra ordem de meu pai que havia dito para ele que você não era mais o Jungkook de meu irmão e sim um rei que odeia todos do Reino da Paz! - encaro sua face que demonstrava completa tristeza e felicidade - Jimin te defendeu e disse que você não odiava e que deveria ser baboseira sua. - abro um sorriso ao ouvir - Ele veio correndo me pedir para que o ajudasse a sair do reino sem meu pai descobrir, pois tinha a plena certeza de que você ajudaria sem problema algum, era o seu melhor amigo não iria rejeitar!

- Então, o Jimin também teve consequências após a primeira guerra entre reinos? - pergunto e Seokjin confirma

- Para ele você apenas tinha mudado sua personalidade por ter se tornado rei. - explica -  Voltando. Minha mãe descobriu a fuga de Jimin antes mesmo dele sair e disse a ele que teria apenas duas semanas para conseguir sua ajuda, caso não conseguisse teria que retornar para o nosso reino.

Agora tudo faz sentido. O jeito como ele agiu quando chegou. A forma como ficou extremamente abalado quando disse que não me lembrava dele e só sabia coisas básicas. Inclusive, o fato de eu me sentir confortável com o mesmo. A pressa para me fazer aceitar a ajudar o seu reino. Me perdoa, Jimin!

- E o que aconteceu após ele ter vindo para cá? - Pergunto com um certo receio

Mais um suspiro profundo vindo do príncipe herdeiro.

- Meu pai descobriu que ele veio até aqui sem sua permissão e ficou uma fera. Mas minha mãe o acalmou contando para ele as condições que ela deu e ele aceitou. - Seokjin volta a olhar para os dois garotos na cama - Porém, fairytale ja estava atacando quando Jimin veio e houve uma prévia da briga e nessa mesma prévia - lágrimas escorriam livremente pelo rosto do príncipe - Meu pai veio a falecer! Jungkook por favor cuide do Jimin, por favor! - suplicava -  Eu o trouxe para a sua casa, ele está aqui! Disse à ele que estava tudo bem no reino e que mamãe e papai estavam ótimos. - O garoto ao meu lado soluçava cada vez mais.

Eu não sabia o que fazer.

Levo minha mão até as costas do mais velho e acaricio.

- Eu irei cuidar do garoto, Seokjin! - afirmo - Obrigado por ter me contado tudo isso e ter esclarecido as coisas.

Ali não havia ódio. Não havia nada além do que uma cumplicidade. Eu sabia como era o sentimento de perder alguém e de querer proteger mas não conseguir. Por isso, me comprometi a cuidar.

- E por favor! - Seokjin diz subitamente - Para de me chamar de Kim Seokjin, inferno! É Jin hyung para você! - aponta seu dedo indicador em meu rosto

Esse foi o auge da noite.

- Okay, mil desculpas! - levanto meus braços em sinal de rendição.

Jin me abraça e passa sua mão em meus cabelos.

- Obrigado, Jungkook-ah! - sorri - te deixarei voltar a realidade, okay?

Assinto.

E foi nesse momento em que me despedi de Seokjin, digo, Jin.

As luzes do estacionamiento estavam apagadas. Me recordo da parede onde estava o interruptor e o mentalizo ligando, acendendo todas.

Me lembro que Jin havia me dito sobre o paradeiro de Jimin e corro até o quarto de hóspedes.

- Jimin! - grito enquanto corro em direção a sua porta.

Abro com medo de por algum motivo não encontrá-lo. Felizmente, lá estava ele. Deitado sobre o colchão e dormindo.

Me aproximo de sua cama delicadamente e me sento.

Sua respiração está suave. Seus lábios carnudos estão abertos e seu cabelo loiro estava cobrindo seus olhos.

Passo meus dedos sobre suas mechas loiras e retiro da frente de seu olho.

- Me perdoa por ter dito que o mataria! - sussuro - Mas por favor não me assuste mais assim! Não sabe como fiquei com medo de terem pego você! - acaricio sua bochecha.

- Eu te perdôo, Kookie-ah! - o mesmo diz sonolento e retiro minha mão rapidamente de sua bochecha! - Ei, o carinho estava tão bom!

Travesso.

- Garoto! - seus olhos encontram o meu - É tão lindo, sabia?

Ele me olha com insegurança

- o que deu em você? - diz sentado na cama - Horas atrás estava comendo o coração do moço - aponta para meu corpo -  E agora está aqui todo estranho!

Dou risada. Está certo. Para ele estou estranho, já que até horas atrás estava com sangue escorrendo sobre minha boca.

- Perdoa por isso também! - digo - Ter feito você me ver matar outras pessoas de uma forma diferenciada.

Ele abre um sorriso.

- Kookie-ah, posso te abraçar? - pergunta e eu assinto.

Park engatinha até meu corpo e se senta sobre minhas pernas. Passa seus braços por meu pescoço e deita sua cabeça em meu ombro.

- Senti falta disso - diz baixinho - De abraçar você dessa forma e de sentir o seu cheirinho tão perto.

Envolvo meus braços em sua cintura o apertando contra meu peito.

Jimin já não estava com sua cabeça em meus ombros, agora me encarava.

Seus olhos estavam azuis e sua respiração estava um pouco mais rápida do que o eventual.

Seus lábios eram convidativos o seu olhar faminto me chamava e eu estava perdendo o único fio da minha sanidade que me lembrava de que agora não era hora de beijar o Jimin.

Mas estava ficando cada vez mais difícil aguentar e segurar esse único fio, já que Jimin estava cada vez mais perto de meu rosto.

- Jungkook-ssi, por qual razão está se segurando? - perguntava com o rosto colado ao meu

Nossas respirações já haviam se misturado e eu não sabia mais distinguir o que era meu ar para o que vinha do Jimin.

Meu fio se quebrou quando o mesmo selou seus lábios contra meu pescoço. Sua língua passava devagar pelo meu pescoço, fazendo com que soltasse um leve arfar.

- Jimin, por favor! - meu pedido saiu mais como um gemido sofrego

Que se foda minha sanidade. O que importa agora é a boca do Park!

Puxo a nuca do loiro fazendo com que os nossas testas se grudem. Meus olhos ligados aos olhos do pequeno anjo. Nossas respirações já estavam totalmente descompassada.

A mão que estava ao redor da cintura do Park apertava cada vez que o mesmo insistia em rebolar sobre meu colo.

Eu ja não aguentava mais segurar a pose de que não queria beija-lo pois era óbvio o meu desejo. Por isso, fiz exatamente o que queria.

Sentir os lábios do Park contra os meus foi como sentir vários choques de apenas uma vez. Nossas línguas dançavam em um ritmo que elas escolheram. O estalo de cada beijo expandia para todos os lados do quarto.

Nunca me senti tão completo e tão satisfeito em um beijo como agora.

Jimin era como a minha música favorita. Como o meu vinho preferido. Ele era a peça que faltava para eu me entender.

Não precisamos de muito para nos sentirmos satisfeito. Precisávamos daquele beijo. Lágrimas marcavam presença em nossos rostos mostrando o quão importante foi esse momento.

Deitamos sobre a cama que proporcionei a ele e ali permanecemos. Eu atrás de Jimin e o meu pequeno deitado em minha frente.

Era ali que estava meu coração, naquele doce e imprevisível anjo!



Notas Finais


⚰️
Eai, meus anjos!!!
Como estão?

Espero que tenham gostado desse capítulo!

Aliás, muita coisa foi esclarecido graças ao nosso worlwide handsome. Obrigada, Principe Jin!

A partir de agora Jungkook ficará mais ligado com as pessoas em que ele confia e pessoas próximas.

Gente, a foto que o jungkook viu em sua memória é a foto do capítulo, okay?



É isso, meus amores!
Um beijo no coração de cada um de vocês
e até o próximo capítulo!!

💜💜💜💜💜


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...