História Anjo ou Demônio? - Capítulo 47


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jeon Jeongguk (Jungkook), Jung Hoseok (J-Hope), Kim Namjoon (RM), Kim Seokjin (Jin), Kim Taehyung (V), Min Yoongi (Suga), Park Jimin (Jimin), Personagens Originais
Tags Bangtan Boys, Bts, Chimchim, Imagine, Imagine Jeon Jungkook, Imagine Jungkook, Jeongguk, Jhope, Jimin, Jin, Jungkook, Kook, Namjoon, Rapmonster, Suga, Tae, Yoongi
Visualizações 299
Palavras 1.877
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Hentai, Luta, Policial, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Suspense, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Linguagem Imprópria, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 47 - Desesperada


Fanfic / Fanfiction Anjo ou Demônio? - Capítulo 47 - Desesperada

Nesse momento, fiquei nervosa, mas tentei manter a calma, não podia deixar muito na cara que eu estava nervosa e consegui aparentar calma.

— Seguranças! — Joseph gritou e três homens vestidos de terno e gravata preta aproximou-se de nós. — Eu vou pedir pela última vez. — Deixou claro. — Devolvam as minhas pedras. Se não, eu vou chamar a polícia. Eu tenho as imagens das câmeras de segurança do circuito interno e se eu mostrar essas imagens para a polícia, você... — Apontou pra mim. — Sua ladrazinha, vai sair daqui direto pra cadeia.

 Bem louco seu amigo, não é, Jungkook? — Fitei Jungkook e voltei a fitar Joseph. — Eu vou ter que ligar pro meu advogado e o senhor vai ter que me pedir desculpas no tribunal! — O encarei.

 Pelo jeito, vocês querem resolver o problema na delegacia, não tem problema! É aqui ao lado! — Sorriu. — Em cinco minutos eles estarão aqui!

 Não precisa, não precisa! — Disse Jungkook. — Devolve as pedras pra ele, Angel. — Disse ele e eu franzi o cenho.

Jungkook pirou?

 Devolve! — Disse Jungkook, totalmente vermelho e eu o fitei com os olhos arregalados. — Devolve as pedras pra ele. — Repetiu firmemente. — Devolve, Angel! — Pegou minha bolsa com força e tirou o saquinho com as pedras, entregando-as para Joseph.

 Revistem eles! — Ordenou Joseph.

Os dois seguranças aproximaram-se de nós, e começou a nos revistar, passando as mãos nas laterais do meu corpo.

 Espera aí, amigo! — Eu disse. — Eita, parceiro! Não tem nada aqui não!

 Estão limpos, senhor! — Disse um dos seguranças.

 Sabe o que é pior, Jungkook? — Joseph fitou Jungkook decepcionado. E lá começaria o sermão. — É que se você tivesse me pedido o dinheiro, eu teria dado ele pra você. Eu já tinha até preparado quase um milhão pra você construir a sua creche. Você já fazia parte da minha família. O cara que eu pensei que fosse um herói, na verdade era um membro da quadrilha que assaltou o restaurante. Você era cúmplice do SiKyung!

 Não, não! Você está confundindo as coisas! — Disse Jungkook. — Eu era vítima que nem você!

 É, eu estou vendo a bela vítima que você é. — Ironizou Joseph.

 Não, seu Joseph! Você está confundindo tudo! — JungKooK tentou argumentar.

 Jungkook, você é a pior pessoa que eu já conheci na vida! — Disse Joseph. — Você se faz de bom, manipula as pessoas para encobrir os seus crimes. Que decepção! — Disse ele, dando o maior sermão em Jungkook e eu revirei os olhos.

Se não vai chamar a polícia, não é mais fácil mandar a gente embora não?

 Joseph, eu não tenho como me defender, eu sei que o senhor está decepcionado comigo e com razão. Eu quero que o senhor saiba que o que houve no restaurante foi real.

 Isso é real! — Se referiu ao saquinho com as pedrinhas de diamante. — As imagens que eu tenho da sua namoradinha me roubando é real! Sumam daqui! E, ah! Nem preciso dizer que o patrocínio da creche já era, né?

 Eu não iria...

 Fora daqui! — Gritou Joseph, interrompendo JungKooK.

Nesse momento os seguranças começaram a empurrar a gente em direção ao fim da calçada.

 Não precisa empurrar a gente não que a gente já está saindo, pô! — Eu disse e eles pararam.

Acompanhei Jungkook até o carro, aliviada por Joseph não ter chamado a polícia.

 Nossa, essa foi por pouco! — Sussurrei pro Jungkook ao meu lado, enquanto andávamos até o carro.

 Por pouco? Pega em flagrante... — Resmungou Jungkook.

 Imagina! O velho liberou a gente, vai pegar nada! A gente nem vai em cana! Que sorte! — Abri a porta do passageiro de seu carro e entrei no veículo, em seguida Jungkook. — Vamos pra casa...

[...]

Entramos no apartamento de pobre de Jungkook, pois não sei o porquê, mas ele preferiu ir pra lá. Abri a porta e entrei junto com ele em seu apartamento. Assim que ele entrou, eu fechei a porta.

 Nossa, Liz e seu Joseph, duas pessoas maravilhosas! — Lamentou, sentando-se no sofá tristemente. E eu sentei na poltrona em sua frente. — Eles gostavam de mim de verdade. Eles não mereciam essa facada nas costas. Eles iriam dar o dinheiro pra fundação, pra creche, cara! — Lamentou de novo.

 Que creche, otário? — Resmunguei. — Se liga, pô! Tu é do movimento, tu é bandido, tu tá assim só porque o seu fã clube descobriu toda a verdade! Que o santo na verdade é bandido. Está na hora de você se lembrar disso e acreditar nisso também! Eu espero que essa roubada toda tenha servido pra você cair na real!

 A real? — Me fitou. — A real é que eu não queria ir e fui obrigado a ir.

 Oi? — Franzi o cenho e me levantei. — Por acaso alguém colocou uma arma na sua cabeça pra tu ir?! — Gritei.

 Não colocou, mas iria colocar! — Gritou, se levantando e ficando cara a cara comigo. — Não era isso que você repetiu mil vezes?!

 Eu só falei pra dar um medinho em você. — Suspirei. — Na verdade, acho que ninguém iria fazer nada contigo lá na facção não... Você já deu tanta mancada com eles. Só falei pra te botar um medinho.

 E depois você diz que me ama. — Disse ele, decepcionado e eu tombei a cabeça pro lado o fitando. — Eu estou de saco cheio, Angel! Estou de saco cheio da facção, de você, do velho, da cobertura... Eu vou virar a mesa e vou dar um strike! Você vai ver!

 E você vai fazer o que? Hein? O que você sempre fez? Nada? — Perguntei. — Você não é homem de meter o pé na porta e é muito bom que não seja!

 Você não me conhece. — Disse ele. — Não me conhece e não sabe do que eu sou capaz.

 Ah, tá bom, Jungkook. — Suspirei irritada, fingindo que acreditava e fui em direção a porta. — Se cansar de ficar sozinho, pode subir! — Esbravejei e sai do apartamento.

[...]

Abri a porta da cobertura e entrei sentindo o maior cheiro de queimado de churrasco de lingüiça de quinta categoria, um cheiro terrível. Era o velho fazendo churrasco queimado na cozinha. 

 Que isso, velho? Que cheiro é esse? — Franzi o cenho. — Que cheiro horroroso! — Andei até onde estava sendo feito o churrasco na cozinha, peguei um copo com água joguei em cima da lingüiça mesmo.

 A lingüiça estava quase pronta! — Disse Jake.

 De quinta deve ser essa porcaria. — Esbravejei, sentando-me no sofá. — Pra ter esse cheiro horroroso.

 Raiva contida! — Disse Jake ao entender. — Mágoa... Já sei! Deu tudo errado lá com a parada de vocês, não foi? — Sentou-se ao meu lado.

 Nossa, babou geral! — Resmunguei. — Os 'velho tinha câmera de segurança pela casa toda, em cada parede, espelho... Me pegaram no flagra e quase que eu e Jungkook paramos na cadeia. 

 A polícia está atrás de vocês? — Perguntou o velho.

 Está tudo certo! Devolvi as pedrinhas pro velho e ele liberou a gente. — Eu disse.

 Menos mal, né? — Riu. — É melhor ficar no zero a zero do que em cana, né?

 Quem disse que eu fiquei no zero a zero? — Sorri, retirando uma das pedrinhas de dentro do meu sutiã. — Salvei uma amiguinha! — Fitei a pedrinha.

 Danadinha, hein! — Riu.

 Agora eu estou preocupada com o Jungkook, hein! Ele ficou bolado de verdade. Sabe o que ele falou pra mim, velho? Que ele vai dar o strike na roleta!

 Vai nada. — Jake riu. — Aquele lá é só: Au, Au, Au, Au; mas não morde não. — Continuou rindo.

 Será? — Perguntei.

Depois de alguns minutos, mandei uma mensagem para o Namjoon pedindo desculpinha por ter falhado na missão, eu espero que ele aceite numa boa, mas ele não tinha visualizado a mensagem ainda.

Fui até o quarto, deitei na cama e comecei a ler revista, já que eu não tinha nada a mais para fazer mesmo. Enquanto eu lia, o velho apareceu no meu quarto com meu creme corporal francês na mão.

 Menina, que cheiro de mofo é esse? — Ficou cheirando meu creme e eu o fitei.

 Pode parar de usar meu creme francês nesse seu couro aí de calango azedo? Obrigada.

 Posso sim! Não vou usar essa porcaria aqui, esse troço de... — Foi interrompido no momento que Jungkook entrou irritado na cobertura e só no momento que ele bateu a porta com força deu pra ouvir o estrondo.

 Cadê?! Acabou! — Jungkook entrou gritando no quarto. — Fora daqui, cambada! — Berrou e eu franzi o cenho.

 O que aconteceu? Pirou? — Me levantei. — Calma!

 Fora daquiiiiiiiiiii! — Berrou. — Os dois! Foraaaaaaa!

 Nossa! O patrãozinho resolveu falar grosso e fingir que é homem, ui! — Ironizou o velho e eu dei risadas.

 Você vai ver quem é homem! — Jungkook aproximou-se velho e apertou o pescoço do coitado, o puxando com ele até a saída do quarto e em seguida a saída da cobertura. Jungkook escorraçou o coitado e eu o segui.

 O que está acontecendo, Jungkook? — Franzi o cenho.

 Baixou lucidez! — Gritou e aproximou-se de mim, segurando meu braço. — Acabou a palhaçada! Sai fora! — Ele iria me expulsar, mas eu me soltei do aperto e corri me distanciando dele.

 E como é que você vai fazer pra pagar as prestações no final do mês?! — Esbravejei.

 Eu vou entregar essa cobertura pro banco! — Gritou. — Eu vou ficar longe de vocês! — Aproximou-se de mim novamente e segurou meus dois braços, ele estava louco.

 Você ficou louco?!

 Você é meu infernoooooooo! Cai fora, Lúcifer! Você é... — Nesse momento, Jungkook ficou tonto e me soltou, começou a cambalear pra trás como se não tivesse força pra ficar em pé.

 Eu sei que eu errei, tá?! — Me afastei, recuando. — Eu sei que eu não devia ter insistido pra gente roubar aquelas pedras de diamantes, mas eu mandei uma mensagem pro Namjoon e pedi desculpinha! Eu disse que a culpa foi toda minha! Inclusive, eu estou negociando a sua promoção lá na facção e...

 Para com esse papinho! — Berrou, completamente tonto.

 As coisas vão melhorar pro seu lado!

 Para! — Gritou. — Para com esse pa... — Antes de Jungkook terminar de falar, ele caiu em cima de uma cadeira e a cadeira se quebrou quando ele caiu desmaiado no chão.

 Jungkook? — Comecei a me desesperar. Me agachei ao seu lado com a respiração acelerada, quando coloquei a mão na parte de trás da sua cabeça, senti sua cabeça úmida com alguma coisa e quando tirei minha mão pra ver o que era, minha mão estava repleta de sangue e eu me desesperei ainda mais. 


Notas Finais


Comentem o que acharam :)


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...