1. Spirit Fanfics >
  2. Anne With an E - Século XXI >
  3. Dezenove

História Anne With an E - Século XXI - Capítulo 21


Escrita por:


Capítulo 21 - Dezenove


Não entendo o que a minha alma diz...


(Narração Gilbert)


Springdale ainda trazia a mesma sensação pela qual eu havia deixado, o vazio incontestável encoberto por dor e sofrimento, e um bônus de uma vida solitária e sem sentido. O aeroporto ainda com sua mesma característica de pequena cidade com poucos habitantes, contudo, ainda sim cheia de segredos e lugares belos.


Chamo o Uber, e rapidamente o carro preto para em minha frente, o motorista desce, coloca minha mala no porta malas, e eu entro no carro, no banco da frente. Coloco o cinto, o aeroporto ficava há alguns minutos apenas de minha casa.


— Turista? — o homem pergunta.


— Não não, eu moro aqui, estava viajando.


— Entendo — ele encara a rua — e como foi a viagem?


— Foi agradável, mas eu precisava voltar pois tinha assuntos inacabados.


— É tão jovem para ter assuntos inacabados — ele arqueia a sobrancelha — você não acha?


— Talvez eu ache, mas isso ainda é real — solto o ar com mais força — e não posso simplesmente ignorar o fato de que assuntos inacabados, rodeiam cada um de nós, de todas as idades.


Ele assente e continua dirigindo.


— Tem razão — sua voz é mais baixa agora, com um sorriso ainda inexpressivo — como é o seu nome?


— Meu nome é Gilbert.


Ele olha para a tela do celular pronúncia meu nome.


— "Gilbert Blythe" — ele para no farol enquanto olha a tela — você estava com uma garota? — ele pensa — há dois dias atrás levei três meninas para uma casa nesse mesmo bairro, e elas falavam de um garoto, tenho certeza de que era você.


Sinto a meu masseter contraindo enquanto semicerro os olhos em sua direção.


— Como elas eram?


— Ah isso é fácil lembrar, uma morena, uma loira, uma ruiva — ele ergueu os ombros — achei engraçado porque, não é sempre que encontramos tantas tonalidades em um círculo de amizade, tenho uma filha dessa idade e ela quase não tem amigas, e as que tem, são de uma cor de cabelo só — ele gargalha assim que para na frente de minha casa.


— Há algo que elas disseram que fosse  importante me dizer?


— Não me lembro, elas estavam ansiosas para uma festa, na verdade, a ruiva não estava muito alegre, víamos no rosto dela a insatisfação.


Sorrio e desço do carro.


— Rapaz — ele chama — é ela seu assunto inacabado não é?


— Digamos que basicamente, sim.


— Boa sorte então!


— Obrigado.


. . .


Era aproximadamente 15h00, e eu estava tão cheio de fome que mal conversei com o Sr. Pires, lhe cumprimentei e entrei às pressas para  pode ver Mary, e para poder me alimentar.


— Ah querido Sr. Blythe — ela me encara e me abraça — está tão magrelo e sem graça! Venha sente-se eu irei alimenta-lo.


Enquanto me sento Mary faz um milhão de perguntas.


— Deixe-me comer — brinco com ela.


— Me desculpe! — ela sorri — é tão estranho não saber de tudo que me sinto vazia de informação.


Assim que conto tudo a ela, sobre os amigos que conheci, sobre o que me fez voltar, eu subo e vou direto para a cama, eu precisava mais do que qualquer coisa, descansar, e provavelmente essa mesma noite, irei na casa de Anne para esclarecer tudo o que não fora esclarecido.


. . . 


(Narração Anne)


Eu não estava acostumada com a rotina da cidade, essa hora se eu estivesse em Green Gables, estaria cuidando de cavalos. Não podia me esquecer que eles eram tão lindos e por incrível que pareça, tinham muita personalidade, inclusive Belle.


— Está pensativa Anne — Matthew diz sentando-se na sala — o que está acontecendo?


— Estou com saudades de Green Gables — falo cabisbaixa — não estou reclamando da cidade, pois ela é tão agitada quanto eu — sorrio enquanto sinto os calcanhares baterem sutilmente no pé do sofá, olho para baixo e controlo as pernas — não seria incrível poder voltar nem que fosse por um dia?


— Seria — ele relaxa e seu corpo fica esparramado no móvel — mas esse sofá nem se compara ao que tínhamos lá — ele brinca enquanto tenta ligar a televisão.


— Realmente — pego o controlo de sua mão — e também não temos uma televisão como essa — aperto o botão e ligo-a — vou subir para me trocar, daqui a pouco irei na casa de Diana.


Ele movimenta a cabeça em um sim. Subo as escadas, sorte que eu já tinha tomado banho, encaro o relógio eram 17h00 em ponto, me troco rapidamente, tínhamos combinado que hoje, compraríamos pizza e assistiríamos um filme. Assim que termino desço as escadas e sou barrada por Jerry que está prestes a sair.


— Programa de garotas?


— Sim — vejo ele com a chave da caminhonete — e você, programa de garotos?


— Sim, vou conhecer um pouco da cidade.


— Ok, boa noite Jerry.


— Boa noite Anne.


. . .


Jogo parte do meu corpo na grande cama de Diana, seu quarto era tão grande que eu podia dizer que era do tamanho da sala de minha casa, pego o celular e começo a mexer nele.


— Você viu? — Diana pula na cama sentando-se.


— O que? — pergunto enquanto vejo o perfil de Benjamin.


— A última postagem do Fofocas do colégio Springdale?


— Não, eu não vi. Depois da postagem de minha foto com Ben — sinto os ar mais carregado — eu não consegui mais encarar esse Instagram inútil. Cheio de informações falsas.


— É a função da página — diz Diana — e eu não sei quem é o dono dela.


— Talvez devêssemos criar uma, desmentindo situações como essa. Sempre com base nas informações corretas.


— Você é tão criativa que me sinto inútil — Diana sorri — mas mesmo assim, não quer saber o que foi postado?


— Não — movimento o cabelo enquanto tiro os nós.


— Nem se for relacionado a Gilbert Blythe?


Entro na página, e vasculho a informação. E lá está Gilbert Blythe, com sua roupa esporte chique, esquentando a palma da mão enquanto a sopra aparentemente.


"Olha só quem voltou de viagem, será que foi por causa da nossa penúltima foto postada?"


A penúltima foto postada, era exatamente a minha foto com Ben.


Subo a página e continuo lendo. Dessa vez os comentários. Uns dizem sim, outros dizem não, e outros dizem "agora vai pegar fogo".


Encaro Diana que me está com os olhos brilhosos fixos em mim.


— E então, o que você acha?


— Acho que isso foi desnecessário e ridículo. Se ele voltou é porque precisa resolver coisas importantes.


— Se ele voltou deve ser porque ficou com um ciúmes imensurável.


— Não seja essa pessoa Diana — desligo a tela do celular — eu não tenho e pretendo não ter nada com um garoto como Gilbert.


— Você já disse isso uma vez.


— Antes de descobrir que ele era como todos os outros.


— Tudo bem. Vamos escolher o filme? — ela desconversa.


— Vamos.


. . .


Diana era romântica demais, já era de se esperar, ela fala francês perfeitamente, a língua mais romântica.


— Apesar de estar assim — encaro seu estilo gótico — você continua com a mesma essência doce.


Ela sorri.


Eu não podia falar do filme, pois ele me fazia lembrar perdidamente de um garoto com o sorriso mais lindo e cheio de ternura que já conheci, apesar de no momento, eu estar odiando-o mais do que qualquer outra coisa.


— Devo ir — olho para o celular que me diz que são oito horas — amanhã temos aula.


— Bom, mas você nem tocou na pizza — ela aponta para o prato.


— Acho que não estou com a fome que imaginei.


— ok Anne — ela diz um tanto brava — eu vou fingir que não sei que você está nesse momento tendo um conflito interno, vou ignorar para que você não se sinta pressionada a me dizer.


— Não sei o que sinto por Gilbert — ergo os ombros — saber que ele está de volta me deixou um tanto desnorteada, imaginar que amanhã terei de encará-lo.


— Lembrando que ele é sua dupla ainda.


— Sim, isso se ele voltar para o colégio. Nesse momento milhões de questionamentos invadem minha mente — desabafo — preciso pensar nisso com calma.


— Certo, então vá e esclareça suas dúvidas. E lembre-se Anne, eu estou bem aqui do outro lado da rua, qualquer coisa venha até mim. — ela me abraça.


— ah Diana, você é a melhor amiga que alguém poderia ter.


— Boa noite Anne.


— Boa noite.


Atravesso a rua e entro em casa. Assim que entro na cozinha para tomar um copo de água, escuto a campainha tocar.


— Marilla — grito.


— Estou no banho Anne, atenda para mim.


Deixo o copo no balcão, e caminho até a porta, um pouco apreensiva, pois sentia que a visita era para mim. Abro a porta, e vejo dois pares de olhos encarando-me, um par de olhos cor de chocolate, e um par de olhos verdes.
No mesmo instante sinto o arrepio percorrer por minha coluna, não sei bem qual é o causador disso, mas tenho certeza que noventa por cento é culpa do que está a esquerda, Gilbert. Perco as palavras por um instante, sem saber se devo questioná-los ou manda-los embora. Mesmo com minha profunda luta interna, não posso deixar de dizer o que se diz quando abre a porta, respiro fundo e digo:


— Olá Ben — digo primeiro — Olá Gilbert — falo depois porque sabia, que seu pronunciasse Gilbert primeiro, mal conseguiria pronunciar Ben — em que posso ajudá-los?






Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...