História Anônima - Segunda Temporada - Capítulo 4


Escrita por:

Postado
Categorias Camila Cabello, Fifth Harmony, Ian Somerhalder, Justin Bieber, Lea Michele, One Direction, Selena Gomez, Shawn Mendes
Personagens Camila Cabello, Ian Somerhalder, Lauren Jauregui, Lea Michele
Tags Amor, Anônima, Camila Cabello, Camren, Cartas, Fifth Harmony, Lauren Jauregui, Laurmila, Love
Visualizações 226
Palavras 1.513
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Ficção Adolescente, LGBT, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência, Yaoi (Gay), Yuri (Lésbica)
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Opaaaaa, por essa não esperavam né? KKKKKK. Espero que gostem.

Não revisei

Boa leitura baby's ♡

Capítulo 4 - Olhos cansados


Fanfic / Fanfiction Anônima - Segunda Temporada - Capítulo 4 - Olhos cansados

POV Lauren 

Merda, eu não sabia como agir.

Levantei e fui pra perto do professor, que havia acabado de terminar de falar os nomes de outras duplas.

-P-Professor, não tem como mudar minha dupla? - Pedi, quase num sussurro, para que ninguém ficasse comentando.

-Não Lauren, se as outras pessoas não podem, você também não. - Ele continuou mexendo em suas coisas.

-Eu não posso fazer dupla com ela, sabe o quanto isso vai ser comentado? - Esbravejei.

-Poupe-me das crises adolescentes de vocês. Agora, vai fazer o trabalho, antes que eu tire ponto de ambas. - Respirei fundo.

Seria uma atitude madura se eu apenas ficasse calada sem falar com o professor e fizesse o trabalho com Camila, mas eu não conseguiria.

Eu simplesmente não podia ficar tão perto dela, era impossível não sentir vontade de a beijar, e acho que ela sabia, pois sempre procurava brechas para se aproximar.

E meus gestos tem sido meio que "Não fica muito perto, você me dá tesão". Desde que terminamos, algumas vontades criaram tamanhos gigantescos. Era inevitável.

Andei até sua mesa, olhei em volta e peguei uma cadeira qualquer sobrando pra colocar perto da sua. Camila tinha um sorriso quase imperceptível, e bem sacana.

Ela sabia que eu ficaria nervosa.

-Certo, vamos começar. - Peguei uma folha do caderno que eu havia pegado no caminho, e comecei a escrever algumas anotações para o trabalho. - Podemos fazer assim. - Mostrei ao terminar a escrita.

Levantei o papel e aproximei de seu rosto para que pudesse ler. 

-Deixa eu ver. - Sua mão tocou a minha para pegar o papel, já que não conseguia ler por eu estar tremendo. Arrepiei automaticamente ao sentir sua pele encostar na minha.

Camila sorriu olhando para o papel. Ela sabia. Ela sabe que me deixa nervosa. 

Respirei fundo e me recompus, me arrumando na cadeira ao seu lado, tentando ao máximo não encostar nela novamente.

Eu parecia uma criança de 12 anos. 

-Pode ser. Quer copiar uma parte, e depois eu copio a outra? - Assenti em concordância, nervosamente. Ela me entregou uma folha sulfite e eu comecei a copiar o texto do livro.

Camila insistiu em chegar perto para ver o que eu estava escrevendo. Desnecessário, já que ela sabia. Seu cheiro invadiu meu olfato, e aquele doce odor de morango veio.

Não me controlei e respirei mais forte, para sentir aquele maravilhoso cheiro.

"Se concentra no trabalho, Lauren"

Fechei os olhos com força - desejando não abri-los mais - e parei de escrever para me recuperar daquele cheiro estonteante.

"Se concentra no trabalho, Lauren" 

Voltei a escrever. Ao menos tentei, era dificil com Camila do lado. Eu parecia uma máquina de barbear de tanto que tremia.

-Façam menos barulho. - O professor pediu alto para alguns alunos.

-Na sua casa ou na minha? - Camila sussurrou bem perto do meu ouvido e eu pulei.

"SE CONCENTRA NO TRABALHO, LAUREN"

-C-como? - Arregalei os olhos.

-O trabalho, na sua casa ou na minha que vamos terminar? - Respondeu com seu sorriso sacana grudado em seu rosto.

-Ah, sim, o trabalho... É, o trabalho. - Me recompus. - Na sua. Pode ser? - Ela assentiu e cruzou os braços. - Passo na sua casa as 15h. 

-Tá. Tenho um convite pra te fazer. - Lhe olhei com curiosidade. - Ian faz aniversário no sábado, e eu queria ver você e seus amigos lá. Estou responsável de entregar convites pra festa, mas você não precisa de um.

Me senti ofendida. Logo um convite pra festa do cara? Que merda. Isso foi golpe baixo. Estou o-f-e-n-d-i-d-a.

-Aceita ir? - Me acordou de meus pensamentos.

Olhando por outro ângulo, isso significava que ela havia lembrado de mim. Certamente queria minha presença.

Para de pensar merda.

(...)

-Eu to dizendo Malik, não vou conseguir ficar perto dela. - Eu andava pra lá e pra cá, na casa de Zayn. 

-Vai sim, pense que não é nada demais. É só a sua ex... que você gosta pra caralho... que você sabe que deveria perdoar... e que... - O interrompi.

-Pode parar com isso Zayn. Sei que estão tentando fazer minha cabeça. - Lhe respondi firme.

-Tá, desculpa. - Sorriu quadrado. - Então resista ao máximo. Vá lá e tente resistir. Quando voltar, pode vir aqui. E eu não estou pedindo, estou mandando.

-Okay, sim senhor. - Ele riu.

-E como tem sido os dias? - Ele perguntou.

-Cheios. Estou tentando me ocupar ao máximo pra não pensar nela. - Suspirei e me joguei na cama de Zayn.

-Não seriam assim se estivessem juntas de novo. Não pode negar que seus dias são completos quando você a beija. - Revirei os olhos.

-Vocês não facilitam, não é? - Olhei em sua direção. - Ela já deve estar se virando sem mim.

-Aquela garota ama você com todas as forças dela. Aquelas cartas são provas disso. Ela não te esqueceria assim. - Disse calmamente.

-Pode ser. - Dei de ombros, fingindo não me importar. - Fizemos um trato na festa passada.

-Como assim? - Franziu o cenho.

-Prometemos não nos envolver com ninguém até ficarmos bem sentimentalmente de novo. - Ele sorriu feito bobo. - O que?

-Essa latina é mesmo esperta. - Me deixou com um ponto de interrogação na testa.

Peguei meu celular que havia acabado de receber alguma notificação e vi a hora. 

14:47 da tarde.

Peguei minha bolsa, me ajeitei no espelho de Zayn e saí correndo sem lhe dar explicação. Porque eu tinha que ser tão pontual com Camila?

Cheguei de carro em menos de 10 minutos. As 14:56 eu estava na frente de sua casa. Sinuhe me atendeu, e olhou surpresa ao me ver do lado de fora.

-Oh, Lauren! Entra! - Sorriu largo e me acomodou no sofá. - Camila já vai descer.

Cruzei os braços e fiquei esperando um pouco. Batia meus dedos na perna como se estivesse tocando uma música. Eu estava claramente nervosa.

Ouvi alguém descendo as escadas e olhei pra ver quem era. Deliciosamente, Camila vinha.

-Quer subir já? - Perguntou em meio as escadas e eu assenti, me levantando.

Subimos para seu quarto e eu deixei minha mochila em cima da poltrona de seu quarto. Fazia tempo que eu não vinha aqui.

(...)

-Pronto. - Falei ao colar a última imagem no pequeno cartaz. 

-Acho que ficou bom. - Encarou o papel, que eu segurava, para ver se havia algum detalhe faltando.

Olhei para dentro seus olhos. Ela estava perto, a cama parecia pequena agora. Camila parecia distraída, então eu continuei a olhar seu rostinho delicado.

Aqueles castanhos, cor de avelã, me faziam muita falta. Desci meu olhar para sua boca entreaberta e arfei. Quantos não desejariam poder beijá-la?

"Beija ela, sua idiota" Minha mente traíra incentivou. 

Fica quietinha aí. 

Eu estava mesmo em conflito com minha própria cabeça? Céus, onde foi que eu cheguei.

Quando percebi, eu ainda olhava para sua boca. Larguei o cartaz e praticamente corri para o banheiro. Eu precisava lavar meu rosto.

Passei água em meus olhos e encarei o espelho após, me apoiando com as mãos na pia e respirando fundo ao ver como meus olhos estavam cansados.

É, eu não dormia direito desde que terminamos.

"Você não vai arrumar alguém melhor que ela, e se arrumar, não vai amar tanto quanto a ama".

Meus olhos fraquejaram e eu lacrimejei. Minha própria mente estava a me trair. Até ela, que eu pensei que fosse a meu favor.

-Você está bem? - Ouvi aquela voz doce, e me lembrei que havia esquecido a porta do banheiro aberta.

Olhei para trás e ela estava encostada na porta, me olhando fixamente. Peguei uma toalha e limpei meu rosto molhado, com gotas misturadas.

-Estou. - Respirei fundo e soltei o ar. Era difícil ficar bem, quando a maior parte do dia eu tinha que lhe ver.

-Não parece. - Se aproximou em passos lentos. Observei suas pernas a mostra e arfei.

Mesmo um pouco frio, ela insistiu em vestir um shorts de lã consideravelmente curto, e uma blusa de moletom. Ela estava demais.

-Lauren, seus olhos estão inchados. - Me encarou no fundo dos olhos. Estávamos a poucos centímetros de distância.

Suspirei pesadamente ao sentir sua mão ir ao meu ombro e apertar levemente. Ela ainda não havia  tirado seus olhos dos meus.

-Seus olhos não podem ficar assim. Eu posso ajudar com isso, e você sabe. - Nossa respiração se misturou. Colei nossas testas.

Resiste Lauren, resiste, resiste...

-Me beija, porque eu não aguento mais Lauren. - Aquele foi o fim.

Agarrei firme sua cintura, com certa força que fez seu corpo chocar contra o meu. Escutei um gemido baixo, certamente de surpresa pela minha atitude. Encostei minha boca levemente na sua, roçando nossos lábios um no outro. Suas mãos foram parar em minha nuca.

-Faz logo isso, pelo amor de Deus. 

Selei nossos lábios intensamente, de início um selinho longo. Apertei sua cintura, em sinal de vontade por aquilo. Sua língua pediu passagem e eu cedi. Logo senti a textura aveludada explorando minha boca. Seus labios macios me causavam uma sensação de paz, aquela que eu havia até me esquecido de sentir.

Separamos nossas bocas lentamente, e eu lhe deixei um selinho. Em alguns segundos percebi o que havia acabado de acontecer.

Aqueles olhos castanhos... Me causavam uma pressão enorme naquele momento.

Sem saber o que dizer, saí correndo, peguei minha bolsa colocando-a nas costas e fui para o meu carro. Logo parti em direção a casa de Zayn. 

Puta merda, eu não vou conseguir esquecê-la.


Notas Finais


O que acharam? Rsrsrs espero que tenham gostado.

Qual é a expectativa de vocês para o próximo capítulo? Quero muito saber.

Aceito sugestões. Até o próximo capítulo amores ♡


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...