1. Spirit Fanfics >
  2. Anos depois... (Josuhan) >
  3. Único...

História Anos depois... (Josuhan) - Capítulo 1


Escrita por:


Notas do Autor


E mais uma história do meu Shipp favorito. Aahh como eu amo Josuhan :3
Me perdoem por qualquer erro :'c
Espero que gostem e boa leitura.

Capítulo 1 - Único...




Kishibe Rohan, agora com 25 anos, finalmente publicou o último capítulo de Pink Dark Boy. A princípio estava muito feliz por encerrar a obra em que se esforçou tanto para fazer, porém tinha algumas dúvidas. O que ele faria agora? Poderia criar um novo mangá e voltar a vida de passar horas fazendo desenhos em uma folha, praticamente sem descanso. Ou poderia procurar outra coisa para fazer. Mas o que?

A única coisa que Kishibe era realmente bom era desenhar, ele também sabia fazer várias outras coisas, mas nada que o fizesse seguir outra profissão.

Bom, Rohan não queria pensar muito naquilo. Por enquanto, poderia viver com o dinheiro que seu mangá lucrou e sem preocupações.

Alguns dias se passaram, Rohan agora ficava praticamente todas as manhãs apenas deitando, olhando fixamente para o teto e pensado em várias coisas. O esverdeado se sentia livre por não ter que ficar horas e horas com a coluna torta e com dedos doloridos, mas ainda sentia um tanto de saudade de sua antiga rotina.

Ao perceber o que estava em mente, Kishibe e levantou em um pulo de sua cama, não estava com vontade de ficar pensando em trabalho ou desenhos. Se dirigiu para seu banheiro e tomou um banho rápido, saiu em seguida e se vestiu apropriadamente para sair.

Ele só queria andar por ai, sem preocupações, sem trabalho e sem qualquer esboço... Porém, era um tanto difícil. Logo quando pôs os pés para fora de casa, se deparou com algumas flores no quintal vizinho, eram belas flores de diversas cores. Deu vontade de entrar e pegar seus materiais de desenho e colocar cada detalhe das flores no papel. Com dificuldade, conseguiu se segurar e passou reto.

Acabou passando por uma praça onde avistava várias crianças e adolescentes correndo até seus amigos para irem até a escola. Logo depois se dirigiu para um café ali próximo, onde poderia ficar relaxando por um tempo.

Quando chegou no local não pôde deixar de notar algo que não via a algum tempo, um penteado que jamais esqueceria e também, algo que representava uma pessoa que odiava,  Higashikata Josuke.

Josuke tinha se tornado um polícial a pouco tempo, e como era novo na profissão, não fazia coisas muito perigosas ainda, apenas cuidava de alguns boletins de ocorrência e passava seu turno rondando algumas ruas de Morioh a procura de algo suspeito.

Jojo estava tomando um café enquanto olhava as passoas passarem por ele, provavelmente ainda não era seu turno para estar tão quieto em um lugar. Não demorou para seus olhos encontrar os de Rohan, fazendo-o tirar a xícara da boca e abrir um sorriso largo.

— Rohan-sensei! — O azulado levantou uma das mãos para chamar o mais velho.

Kishibe estava prestes a se virar e apenas ignorar o mais novo, porém não o fez. Caminhou lentamente até a mesa de Higashikata.

— Pode se sentar comigo se quiser! — O Jojo continuava sorrindo ao ver o esverdeado puxar uma cadeira e sentar a sua frente. — A quanto tempo!

— Sim, já faz alguns meses. — Kishibe concordou e em seguida, chamou um garçom que acabara de limpar uma mesa.

Rohan e Josuke não se viram muito desde que Yoshikage Kira foi morto. As vezes se encontravam por aí quando o mais velho saia para esboçar algo na rua e Josuke aparecia voltando da escola. E quando se encontravam, não passava de apenas um cumprimento amigável do Jojo e um olhar de desdém do mais baixo. Os anos se passaram e nada disso mudava...

A última vez que se viram foi quando o azulado conseguiu seu emprego e quis comemorar, chamando Koichi, Yukako, Okuyasu e Rohan para festejar junto a ele.

— Mais alguma coisa, senhor? — Perguntou o garçom.

— Não, só isso. — Kishibe respondeu vendo o garçom assentir e se distanciar lentamente. Voltou sua atenção a Josuke, que já tinha acabado seu café e o olhava com a esperança de que o mesmo começasse um assunto. E assim foi. — Como está indo no seu trabalho?

— Ah, está muito bom. Eu estou gostando demais. — Respondeu sorridente e ficando quieto por alguns segundos. — Eu vi que Pink Dark Boy acabou.

— Sim, finalmente posso ter um pouco mais de descanço. — Comentou suspirando aliviado.

Josuke não parava de sorrir, era incrível o jeito que ele levava para ser tão carismático.

O silêncio tomou conta do ambiente, eles se encaravam sem dar uma mínima palavra. A quietude foi quebrada pelo garçom que colocou a xícara com o líquido quente de Rohan sobre a mesa.

— Aqui está, senhor.

Rohan agradeceu e levou a porcelana até os lábios e bebericou o café que desceu pela garganta, enquanto Josuke observava a cena.

Kishibe não estava gostando de estar sendo observado pelo maior e quando foi abrir a boca para dizer alguma coisa a respeito foi interrompido.

— Bom, meu turno já vai começar. — Jojo se levantou e pegou seu quepe e nem se atrevia de coloca-lo na cabeça por causa do enorme topete. — Pague o meu café, por favor. — Colocou algumas moedas por cima da mesa.

— Aqui não tem dinheiro demais? — Questiunou o mais velho.

— Tudo bem, pode usar para pagar o seu também. — Sorriu novamente.

Antes que o esverdeado dissesse qualquer outra coisa, Higashikata pegou sua bicicleta e saiu andando em cima da mesma.

— Quem ele acha que é? Acha que eu não posso pagar pelo meu próprio café? — Rohan ficou resmungando por um tempo até parar para pensar em um seguinte assunto.

Antigamente, ele sempre percebia muitas meninas se declarando para Josuke, mas o adolescente nunca aceitou ficar com nenhuma delas. Koichi tinha Yukako, Okuyasu sempre aparecia com várias namoradas e Jojo era o único que nunca viu com ninguém.

Claro, Rohan não sabia de tudo. Josuke poderia ter namorado alguém na na escola ou faculdade sem que ele soubesse. Afinal, não era algo que o mangaka precisava saber.






Depois desse dia, Higashikata e Kishibe viviam se encontrando por aí e se cumprimentavam, as vezes trocavam alguns olhares um tanto estranhos. E durante meses, foi assim que permaneceu.

Já fazia alguns dias em que o esverdeado não desenhava e para não perder a manha decidiu sair e comprar alguns matérias de desenho.

Como esperado, acabou encontrando Josuke em uma das esquinas ajudando algumas crianças e idosos a atravessarem, e o comprimentou como sempre. Com um meio sorriso e assentindo de leve.

Por incrível que pareça, Kishibe não tinha mais tanta raiva de como tinha antigamente do Jojo,  as vezes sentia a furia voltar mas decidia não pensar no que causou tudo aquilo, seria ruim ficar remoendo o passado.

Depois de mais alguns passos, o mangaka chegou a loja de materiais artísticos onde sempre comprava a maioria de suas coisas, até poderia dizer que o dono da loja era seu amigo.

Comprou tudo o que precisava e logo saiu da loja satisfeito por finalmente poder desenhar livremente, sem ser uma obrigação. Caminhou por mais um tempo, voltando para casa até ver um homem de roupa preta e capuz correr em sua direção com uma bolsa em mãos.

O homem passou por Kishibe e se esbarrou no mesmo fazendo o mangaka se desequilibrar e cair no chão. Rohan nem teve tempo de reclamar, pois viu Josuke passando por ele correndo atrás do homem encapuzado. O esverdeado se levantou lentamente e limpando a parte de trás de sua roupa, logo deduziu que o homem que acabara de passar por ele era um ladrão e Jojo estava atrás dele, obviamente.

Não se importou muito com aquilo, sabia que Higashikata daria conta sozinho, pois além de ser forte ainda tinha um stand muito ágil.

 O esverdeado continuou andando até sua casa e praticamente já havia esquecido do ocorrido a alguns minutos, agora pensava no que desenharia e logo se lembrou do jardim de seu vizinho, ele iria desenhar e pintar aquelas flores. Sentiu uma ardência vindo da palma da mão direita e olhou para ela vendo um pequeno corte no meio.

— Ah, em casa eu faço um curativo. — Disse a si mesmo dando de ombros.

Ouviu alguém se aproximar correndo, decidindo olhar para trás e ver a figura do Jojo indo até ele.

— Oi, Rohan. — Higashikata estava ofegante e com as mãos nos joelhos, obviamente cansado.

— Josuke? O que foi? — Indagou o mais velho.

— Vi que o homem que eu estava perseguindo te derrubou e vim até aqui para saber como estava.

— Estou bem. Só fiz um pequeno corte na mão, nada demais. — Disse Rohan.

— Ah, deixe-me te curar. — Josuke estendeu a mão para que Rohan fizesse o mesmo e o deixasse curar.

— Não precisa. Vou colocar um curativo depois.

— Eu insisto. — Jojo olhou bem no fundo dos olhos verdes, estava falando bem sério. Rohan heditou por alguns segundos mas logo cedeu dando a mão machucada ao outro que logo a segurou, a curando. — Obrigada.

O corte sumiu em um instante mas o azulado não largou a mão do mais baixo, ainda encarava o mesmo com uma expressão seria. Já Kishibe, se sentiu um tanto incomodado pelo contato físico, mas também não tinha coragem de tirar sua mão direita de onde estava.

Depois de alguns segundos, Josuke se atreveu a puxar de leve o outro e se aproximar ainda mais, o esverdeado ficou em choque por sentir uma aproximação tão íntima, suas bochechas começaram a ganhar tons de vermelho. Os narizes de ambos se encostaram até sentirem suas respirações. Josuke sentiu seu coração palpitar e pensou em se afastar, mas não o fez quando sentiu que agora era o outro que se aproximava e selando seus lábios com um beijo. No início, Jojo ficou assustado, nunca pensou que Rohan tomaria aquela iniciativa, mas logo parou de pensar e apenas correspondeu o beijo.

Sentiram uma explosão de sentimentos, Rohan acabou se esquecendo do porquê odiava tanto Josuke antigamente, seu corpo se aproximava ainda mais junto ao corpo do outro. A cada segundo, o beijo ficava um pouco mais intenso, não queriam se largar por nada mas tiveram que o fazer, pois precisavam de ar.

Se afastaram lentamente e voltando a se encarar, agora ambos totalmente corados e sentindo que o coração iria pular para fora.

Josuke foi o primeiro a quebrar o silêncio, dizendo:

— Me descu... — Rohan não deixou ele terminar a fala colocando a ponta dos dedos na boca do mais novo e se aproximando mais uma vez, mas não para o beijar.

— Venha até minha casa amanhã... — Kishibe sussurrou no ouvido de Higashikata que sentiu seu corpo inteiro se arrepiar e assentiu, já que não conseguia deixar nenhuma palavra sair.

O mais velho se afastou e continuou caminhando, sentindo seu rosto queimar pelo ocorrido.





Dia seguinte... 


Jojo terminou seu turno e foi para casa se despedindo dos colegas, iria tomar um banho e correr até a casa do mangaka, estava tão ancioso que sentia que iria explodir.

Higashikata respirou fundo antes de tocar na campainha da casa do mais velho, e quando finalmente conseguiu tocar sentiu suas pernas perder a força e quase cair no chão quando viu o mais velho abrir a porta.

— Olá, Higashikata Josuke. — Disse Rohan colocando uma das mãos na cintura.

— Oi, Rohan-sensei. — Respondeu Josuke sentindo as pernas tremerem.

— Não me chame de Sensei... Não hoje... — Falou o mais velho dando espaço para que ele entrasse. — Entre.

Josuke assentiu e entrou na casa lentamente, olhando por todo lado e vendo como não mudou muita coisa desde a última vez que esteve lá.

— Ah... Por que me chamou aqui? — Indagou o de topete vendo o outro fechar a porta e a trancar.

Kishibe franziu a testa e cruzou os braços.

— Você é tão inocente assim?

Obviamente, Josuke não era. Mas perguntou por segurança para não acabar pensando outras coisas e estragando tudo.

— Foi mal... — Foi a única coisa que conseguiu transmitir em meio a tanta vergonha.

Rohan suspirou e descruzou os braços, indo até o outro e lhe puxando para um beijo. Mas não foi um beijo como o do dia anterior, esse já estava mais intenso e cheio de desejos maliciosos.

Josuke deslizou as mãos até os quadris do mais velho e o puxou para mais perto de si, Kishibe interrompeu o beijo.

— Vamos subir. — Sussurou novamente.

Ambos seguiram para o quarto e fecharam a porta. Não demorou muito para que estivessem novamente aos beijos, dessa vez, já na cama.

Rohan ficou por cima do mais novo e puxou a camisa do mesmo, deixando seus músculos e abdômen definido a mostra. Jojo fez o mesmo, puxou a parte de cima da roupa do esverdeado e abocanhou os mamilos do mesmo, fazendo-o soltar algum gemidos baixos.

O baixo já conseguia sentir a ereção alheia se esfregar sobre seu membro de baixo dos panos.

— Parece que já está bastante animado, Higashikata. — Disse em meio a risinhos, voltando a beijar a boca de Josuke e abrir o zíper da calça do mesmo.

Jojo tirou a própria calça e esperou que Kishibe fizesse o mesmo. Agora, Rohan também estava duro e masturbava seu pênis sem parar.

— Eu posso ajudar você com isso... — Comentou o azulado com um sorriso sacana no rosto e se abaixando para começar a chupar o membro do outro.

— Faça isso direito, entendeu? — Mandou vendo o Jojo sorrir novamente e lamber a cabecinha fazendo círculos. Rohan não pôde deixar de gemer novamente.

O mais velho sentiu seu pau entrar por inteiro na boca do outro e segurou a cabeça dele para o guiar do jeito que queria. Acabou desfazendo o penteado enorme e percebendo que nunca tinha visto Josuke com o cabelo solto, que era até mais bonito.

Higashikata segurou as coxas de Rohan e colocou o pênis inteiro na boca, chupando e lambendo sem parar. Chegou a engasgar uma vez, mas abocanhou o membro novamente antes que Kishibe dissesse qualquer coisa. Rohan já estava quase gozando mas tentava segurar para poder sentir mais daquela boca chupando seu membro.

— Ah... Josuke, você faz isso tão bem... — Após dar o elogio, sentiu uma chupada ainda mais forte e chegou ao seu limite. — Ah... Eu vou go...

Mesmo com o aviso, Jojo não parou o que estava sentindo. Continuou chupando até sentir algo quente descer para sua garganta. Continuou chupando e sugando toda a goza sem deixar sobrar nenhuma gota.

— Bom garoto... — Rohan passou sua mão sobre a cabeça do mais novo que agora sorria levemente.

Josuke estava mais duro do que nunca, se levantou e pulou em cima de Rohan.

— Agora terá que me satisfazer também, não é? — Perguntou dando alguns beijos no pescoço do esverdeado.

Rohan sorriu e direcionou sua mão até o membro do policial, mexendo-a devagar. Logo puxou a cueca do azulado e viu o quão grande era, em grossura e principalmente em tamanho, fazendo o mangaka se perguntar se entraria.

— Não vou te machucar. — Jojo o leu facilmente, pareceu até que Heaven's Door tinha trocado de dono.

— Tem lubrificante na caveta. — Rohan apontou para um criado-mudo ao lado da cama.

Josuke assentiu e se esticou para abrir a gaveta e tirar o lubrificante de lá, passou no orifício do mais velho, em seu pau e em seus dedos.

— Vou te preparar primeiro. — O maior deu um risinho e dirigiu o dedo indicador até o ânus de Kishibe, fazendo-o gemer baixo.

Depois de alguns segundos azendo alguns movimentos de vai e volta colocou o dedo médio junto, fazendo os mesmo movimentos só que um pouco mais rápidos.

— Quanto tempo mais vai ficar brincando com meu cu? — Questionou o mais baixo.

Josuke deu uma risada, aquela frase saiu um tanto engraçada para ele. Enfim, ele tirou seus dedos do orifício e se aproximou ainda mais para colocar seu pênis no mesmo local.

— Vou começar a entrar. — Avisou dando um beijo na bochecha de Rohan.

Colocou a cabecinha e se preparou para colocar o resto bem lentamente. Rohan sentia dor mas teria que se acostumar. Enfim, o membro de Josuke estava totalmente dentro de Rohan.

— Posso começar a me mover. — Perguntou o Jojo.

Kishibe respirou fundo e assentiu.

Higashikata segurou a cintura do mais velho e começou a se mover bem lentamente. Rohan estava se sentindo dolorido mas também estava se sentindo muito bem por sentir aquilo dentro de si.

Aos poucos, Josuke ia aumentando a velocidade das estocadas mas sempre de olho na expressão de Rohan para saber se ele estava se sentindo incomodado.

— Pode ir mais rápido... — Disse o mais baixo já se acostumando com os movimentos.

— Tem certeza?

— É claro que tenho, idiota!

Higashikata não se importou em ter sido xingado e enfiou um pouco mais rápido dessa vez, arrancando um gemido alto de Rohan que mordia os lábios. Jojo aproximou seu rosto do outro e o beijou, abafando um pouco o som dos gemidos.

— Mais... — Pediu Kishibe abraçando fortemente o outro.

Atendendo seu pedido, Josuke passou a ir mais rápido e com mais força fazendo os gemidos e o som de pele batendo com pele ecoar pelo quarto inteiro.

— Rohan, estou quase lá... — Falou no ouvido do esverdeado.

— Tu-tudo bem... Pod- Ah! Pode gozar dentro... Ah!

Ao ouvir a permissão, o polícial fez mais alguns movimentos de vai e volta e sentiu chegar ao seu limite, gozando inteiramente no interior de Rohan. Jojo se jogou por cima do outro e ofegava sem descanso sentindo mais alguns beojos no pescoço vindo do mais velho.

— Você... Gostou? — Perguntou o azulado.

— Sim... Você foi ótimo...

Seria possível pessoas que se odiavam, agora terem relações sexuais? Bom, era possível sim.







Meses se passaram. Josuke e Rohan começaram a namorar em segredo, e depois de alguns dias criaram coragem para contar a seus amigos que, obviamente, ficaram desacreditados mas também, felizes pelos dois. 

— Chegou o grande dia, né? — Perguntou Okuyasu sorrindo.

— Sim, chegou. — Disse Higashikata.

— Está nervoso? — Indagou Koichi.

— Muito! — Respondeu Josuke.

— Não se preocupa, logo logo vão estar em casa e transando novamente. — Brincou Tomoko.

— MÃE!

Sim, o dia do casamento de Josuke e Rohan tinha chegado. Apesar de estarem morando juntos só por alguns meses, decidiram deixar tudo oficial logo.

Para festejar junto a eles, estavam Koichi, Yukako, Okuyasu, Tomoko, Jotaro, Joseph, Shizuka e Jolyne. Todos felizes por verem mais alguém da família se casando.




Ambos noivos de terno preto a frente do juiz.

— Higashikata Josuke, você aceita se casar com Kishibe Rohan? — Perguntou o juiz.

— Mas é claro! — Gritou, fazendo a própria mãe sentir vergonha.

— E você, Kishibe Rohan, aceita se casar com Higashikata Josuke? — Perguntou o juiz novamente.

— Eu... Hmmm... — Josuke sentiu o coração disparar ao ver a demora do outro para responder. Na verdade, todos ficaram tensos e aguardando a resposta do esverdeado. — É claro que aceito. Está assustado por quê, Josuke?

Higashikata sentiu-se aliviado e soltou uma risada em seguida.

— Então, eu os declaro marido e marido...






Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...