História Another Side - Capítulo 9


Escrita por: e ThalyArmy

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jeon Jungkook (Jungkook), Jung Hoseok (J-Hope), Kim Namjoon (RM), Kim Seokjin (Jin), Kim Taehyung (V), Min Yoongi (Suga), Park Jimin (Jimin)
Tags Bangtan Boys, Black Pink, Blackpink, Bts, Chimchim, Chimichimi, Elliot, Fin, Hosek, Jenmin, Jennie, Jeon, J-hope, Jimin, Jimin-ah, Jiminie, Jimin-ssi, Jin, Jinsoo, Jisoo, Jungkook, Jungkook-ah, Jungkook-ssi, Kook, Law & Order Svu, Law And Order Svu, Lisa, Melinda, Min Yoongi, Minsuga, Namjoon, Olívia, Park, Park Jimin, Rap Monster, Rose, Suga, Tae, Taehyung, Vi-ssi, Vlisa, Yoongi
Visualizações 49
Palavras 3.878
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Drama (Tragédia), Famí­lia, Fantasia, Luta, Mistério, Policial, Romance e Novela, Suspense, Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Estupro, Linguagem Imprópria, Mutilação, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


@s voltei, desculpe a demora, eu estava doente e tive a correria de ir ao medico, e quando finalmente acabei o capitulo ele apagou do meu celular sozinho, então eu tive que ler o capitulo anterior e refazer o capitulo 9... Então depois de muito tempo eu consegui acabar, peço desculpas mais uma vez.. Peço que não me abandonem porque amo vocês, e vocês são importantes para mim❤ Prometo não demorar tanto para postar o próximo. Boa leitura 😘

Capítulo 9 - Capitulo 9


Fanfic / Fanfiction Another Side - Capítulo 9 - Capitulo 9

Capítulo 9


Meu coração estava acelerado! - Fin me encarava, esperando uma resposta, eu não sabia o que dizer.

Eu tinha apenas 2 opções: 1°, conto a verdade e levo uma bronca dele, e talvez seja afastada do caso.

2°, minto, e tomo uma bronca maior ainda, porque ele iria perceber, não confiaria mais em mim, e sem dúvidas me afastaria do caso. – O que daria quase no mesmo...

Bom, aparentemente a segunda teria uma consequência pior – Porém, ainda tenho uma possibilidade, mesmo que minúscula, dele não descobrir a verdade. – E, tudo continuar como está...


- Estou esperando sua resposta. – Fin chamou minha atenção para ele, me tirando do transe em que estava de pensamentos. – Me encarava.


"Merda! Merda! Merda! – Praguejava mentalmente! – “Respira... Fique calma Jennie" – Com esses pensamentos, retomei minha pose firme – Me sentei ereta na cadeira, o olhando firme.

- Fin e... Eu e Lisa brigamos e eu precisa esfriar minha cabeça, esse caso precisa de toda nossa atenção, e se eu fizesse algo de cabeça quente ou distraída, poderia, fazer algo errado, ou deixar algo passar. Então eu decidi vir andando... Sozinha... Assim teria mais tempo para esfriar minha mente. - Falei calma, medindo cada palavra dita, para não falar nada de errado.

Ele me deixou ansiosa por dentro, permanecendo alguns segundos me encarando da mesma forma em um silencio total.

- Foi só isso que aconteceu? – Perguntou, para a minha alegria.

Pensei por mais uns segundos...


- Foi capitão. – Falei mais firme ainda. - Meu coração estava acelerado, pensava em mil coisas naquele momento. – Mas por fora, não demostrava nada além de certeza no que dizia.

- Jennie você tem certeza? Quer me contar alguma coisa? Ainda está em tempo... – Ele insistiu, ainda não confiando 100% em minhas palavras.

- Não capitão.

- Tem certeza?

- Tenho capitão.


Ele é esperto e me conhece bem, fatos que me deixaram realmente nervosa... – Seu olhar penetrante me analisava por completo... - Provavelmente poderia ter percebido que eu estava escondendo algo dele. - Temia.


- Ok detetive Jennie, pode sair, e assim que tiver algo sobre o caso me avise. – Para meu alívio,  Fin falou as palavras que queria tanto ouvir!

Apenas concordei com a cabeça e logo em seguida me virei saindo o mais rápido possível daquela sala.


Caminhei até minha sala e ao entrar avistei Lisa andando de um lado para o outro. – Ao me ver, parou, caminhando em minha direção. – Visivelmente preocupada.

- O que ele queria? - Perguntou ansiosa, achei fofa sua preocupação.

- Nada demais. - Falei enquanto me sentava a vendo respirar fundo. - Vi que Lisa iria começar uma conversa, mas fomos interrompidas pela voz de minha irmã, Rose.

- Meninas que bom que achei vocês. - Falou entrando na sala, enquanto trocamos olhares uma com a outra.

- Algum problema Rose? - Perguntei preocupada, bom não é sempre que recebemos a visita dela como advogada em nossa delegacia, e muito menos como minha irmã.

- Vim trazer os mandados que Filipe pediu, mas não o acho. Alguma de vocês o viu?  -

- Eu te levo até ele. - Falou Lisa se levantando e saindo com ela, ao encontro dele.


Sozinha outra vez, eu encaro a fixa do caso, as palavras de Jin não saiam de minha cabeça... Tenho que admitir que sua teoria era algo possível.  Seria mais uma coisa a ser analisada... – Mas não poderia contar a ninguém.


O telefone da delegacia tocou, interrompendo meus pensamentos, me fazendo piscar algumas vezes.  Me inclinei um pouco da cadeira para pegar o telefone e o atendendo.

- Unidade de vítimas especiais. - Falei como de costume. Mas franzi as sobrancelhas ao perceber um silêncio, e tudo o que eu conseguia ouvir daquela ligação era uma respiração estranha...

- Alô? - Falei na esperança de ouvir uma resposta.

- Eu vou voltar. - Uma voz estranha, e computadorizada.

- Quem está falando?! – Falei brava!


A ligação desligou antes mesmo de eu poder dizer outra palavra.

Coloquei o telefone no gancho, e respirei fundo. Provavelmente seria uns adolescentes passando trotes. – Não sei porque meu coração ficou acelerado com isso... – Me confortei na cadeira novamente – Voltando a encarar a fixa do caso.

O telefone tocou novamente. – O encarei por alguns segundos... -  Respirei fundo e atendi.

- Unidade de vítimas especiais. - Falei esperando outro silencio, mas dessa vez alguém respondeu de imediato.

- Jennie... - Uma voz de criança me apavorou! – Meu coração disparou novamente com a doce voz de uma menina... - Meus olhos se encherem de lágrimas com um só pensamento! - Eu jamais esqueceria aquela voz...

- Maria? – Perguntei em desespero! – Meu peito doía...  – Sussurrei agarrada ao telefone!

- Maria! Fala comigo! – Insistia ainda nervosa!

- Me ajuda, eu estou com medo, Jennie vem me buscar. Ele vai me machucar de novo. Só você pode me ajudar. – Era percebível que estava chorando e não pude conter minhas lagrimas que também caiam... Não conseguia falar mais nada, apenas chorava.

" Espera... Isso não é real, não pode ser" – Meus pensamentos invadiam minha mente... Tentava conversar comigo mesma e me acordar daquele pesadelo! – Estava sonhando? – Pensei com a mão livre na cabeça... – As lagrimas quentes ainda escorriam em meu rosto... – “O que está acontecendo?”

- Jennie você disse que ia me ajudar, que ia ficar tudo bem... Onde está você agora? Eu preciso de você Jennie! Você não veio me salvar, eu estou morrendo... Jennie! - Ela Gritava desesperada enquanto eu me deixava cair no chão...

“Isso não é real...” – Ainda tentava me convencer apertando os olhos ainda agarrada ao telefone...

- M.. Me perdoe... Me... Perdoe... – Com a voz fraca eu repetia sem parar...


- Jennie?  - Rose gritou correndo em minha direção! – Lisa fechou a porta atrás de nós e entrou também a sala.

- Por que você está chorando? – Minha irmã se agarrou a mim no chão, enquanto Lisa pegou rapidamente o telefone de minhas mãos!

- Quem está falando?! – Ela gritou esperando uma resposta, mas já não havia ligação.


- Ela estava na linha. - Falei em meio às lágrimas.

- Ela quem? - Perguntou Rose, assustada.


Fiquei em silencio, deixando as duas nervosas... - Lisa colocou o telefone no gancho enquanto deduzia em seus pensamentos...

- Eu vou pegar um copo de água. – Falou saindo.


- Jennie quem te ligou? - Rose perguntou preocupada. – Mas eu permaneci em silencio em seus braços... – Encolhida e ainda com lagrimas escorrendo no rosto...

Lisa voltou com o copo e me deu. - Beba.

Não queria, mas bebi um pouco, lhe entregando o copo em seguida.


- Jennie, quem te ligou? – Lisa perguntou ainda aflita. – A olhei por alguns segundos e me lembre de todas as vezes que ela me dizia estar “perturbada” com o “caso Maria” e não queria aquilo novamente. – Não estou incapaz!

“Isso pode ter sido coisa da minha cabeça” – Pensei me levantando.

Caminhei até o banheiro sem dizer nada e ao entrar tranquei a porta, lavei meu rosto e continuei respirando fundo, tentava me acalmar.

" Não foi real! " – Estava segura disso!

Lavei meu rosto mais uma vez, encarando o espelho. - Respirei fundo... depois de alguns minutos consegui me acalmar. Então caminhei até a porta a abrindo, voltei para minha sala. – Encontrando as duas ainda a me esperar... – Ainda assustadas e preocupadas.


- Você está bem? – Lisa falou se aproximando de mim.

- Estou bem. – Disse com um sorriso no rosto, mesmo visivelmente de falso.  

– Eu preciso falar com Melinda e saber se conseguiu alguma coisa para nós. – Iniciei mostrando que voltaria ao trabalho.

- E depois, quero falar com você Rose. Nos atualizar sobre o caso já que você vai ser a advogada de defesa.

Vi que as duas se entreolharam.

- Tudo bem, eu tenho que voltar para o meu escritório, ainda tenho muitas coisas para fazer. – Ela disse se aproximando de mim.

- Está bem mesmo? – Perguntou e confirmei com a cabeça.

- Bom então, se me derem licença irei voltar ao trabalho. – Falou se virando e saindo.


- Jennie já pode me contar o que está acontecendo. – Lisa disse cruzando os braços. Achando que em particular, poderia ficar mais avonde com ela.

- Não aconteceu nada. -  Falei me movendo, pegando minhas pastas e demostrando o quanto já estava bem. – Mas sei que ela não ia deixar aquilo passar.

- Jennie, não minta para mim, me conte o que aconteceu. Sabe que pode confiar em mim. – Lisa disse enquanto se aproximava e depois me deu um sorriso, me fazendo respirar fundo... Não escondemos nada uma da outra.

- Eu não preciso de ajuda, se disse que estou bem e por que estou, acredite em mim. – Falei a encarando, agora eu que estava brava com sua maneira de falar... – Não gosto quando ela se refere a mim como se eu estivesse mau.

- Pode até ter razão. Mais Jennie você está agindo estranho, fica me escondendo as coisas, acorda chorando de madrugada, às vezes não consegue dormir, e agora teve uma crise de choro. Jennie o que está acontecendo? – Disse Lisa em um tom de voz arrogante.

- Não está acontecendo nada e se sabe de tanta coisa é por que não está tomando conta da sua vida. – Falei sendo arrogante, aquilo não era do meu normal, nunca falei assim com ela. – Mas eu estava realmente incomodada com sua atitude. – Então me virei e sai da sala ,sendo encarada por ela que estava incrédula!

Sabia que estava errada ,não podia ter falado assim com ela, mas minha paciência havia acabado.

Respirei fundo, e caminhei até a sala de Melinda.

- Melinda você está aí? – Perguntei enquanto entrava na sala da ala de necropsia.

Ao ver todas as fotos do corpo de Jung Lee- ( A vítima do caso ),  fiquei sem reação. Como de costume quando não tinha o corpo, ela usava as fotos que os outros médicos haviam tirado na época.

- Detetive Jennie está tudo bem? – Perguntou Melinda que saia de um dos cômodos daquela sala.

- Eu só... Ainda não tinha visto essas fotos, sabe com toda clareza. Mas enfim achou algo para mim? – Perguntei enquanto ainda olhava as fotos.

- Bom, não consegui muitas coisas já que tudo que tenho e na base de opiniões, fotos e um relatório. Se eu tivesse o corpo para examinar, seria mais fácil, mas... – Melinda falava respirando fundo.

– E complicado por que os médicos podem ter deixado passar algo, mas tudo o que eu tenho no relatório ainda está sendo estudado.

- Eu intendo. – Falei enquanto sorria para ela, e pelas suas expressões faciais ela estava exausta.

- Você é boa. Vai conseguir. – Foi ela quem sorriu com o que ouviu. – Se recompôs como uma profissional e se aproximou das fotos.

- A vítima teve um hematoma no braço, e cortes nos pulsos, e um buraco circular na cabeça causada pelo tiro. Eu não sei muito de armas, mais,  pela ferimento, posso afirmar que o disparo foi feito de perto. – Disse Melinda me encarando. – Permaneci em silencio ouvindo atenta.

-  É visível por que : se o disparo for feito perto de mais,  a pólvora pode queimar a carne. Ou seja, não é um simples buraquinho que vai resultar do tiro, mas sim possivelmente uma literal explosão da cabeça. – Ela esclareceu enquanto me mostrava as fotos do crânio da vítima.

– A pele da vítima foi queimada por que o assassino atirou perto demais. – Completou.

- Como se estivesse do lado dele, já que a que o tiro veio da lado direito. – Falou Lisa entrando na sala e Melinda concordou com a cabeça.

Mais uma vez me lembrei da teoria do Jin, sobre o suicídio.

– Melinda você achou algo a mais? – Perguntei.

- Não. – Ela disse curiosa com o tamanho do meu interesse. – Não que não fosse assim com os outros casos. – Mas era diferente. – Não acreditavam em mim dessa vez...

- Fomos falar com o doutor que cuidou do acusado, e ele disse que chegou ao hospital com sinais de luta. – Falei respirando fundo.

- Ok... Vou fazer uma análise mais profunda... – Ela disse firme com a nova informação.  

- Eu... Vou aguardar.  – Falei me afastando em direção a porta.

- Se ele for realmente o culpado, será muito triste... Por que, eles eram melhores amigos. – Ela falou olhando as fotos...

Olhei o chão naquele instante... Sendo educada em esperar uns segundos antes de me retirar. – Então sai com suas palavras em minha mente. – “Seria muito triste mesmo.” – Pensei.


                                                 “””””§§§”””””’


Jin estava sentado no sofá de sua casa, pensando sobre a conversa que havia tido mais cedo com Jennie.  

- Amor?  Você está bem? - Perguntou Jisoo se sentando ao seu lado.

- Está amor.  - Falou Jin com um sorriso forçado.

- Não minta para mim, você não me engana... O que aconteceu?  - Ela perguntou o encarando. – O vendo respirar fundo.

- Eu conversei com a detetive Jennie e ela não pode me dizer muita coisa, mas... Me disse que a situação do meu irmão não está muito boa. Eu disse a ela que ele é inocente, eu acredito nisso... Independente de ser meu irmão... Eu sei que ele nunca faria nenhum mal a ninguém, Jimin e uma boa pessoa, eu sei disso! – Jin falava sem parar, demonstrando seu nervosismo... – Recebia caricias de sua esposa que tentava acalmá-lo.

- Mas... Não posso esconder que estou com medo. – Ele falou por entre outro suspiro, pondo as mãos no rosto.

- Amor... Eu acho que deveria conversar com ele.  – Jisoo falou com toda razão. – Ele a olhou analisando o que ouviu.  

- Eu sempre o vi sofrer tanto com esse assunto... Não o quero ver mau novamente... Tendo que, conversar sobre isso.

Jisoo com toda delicadeza tirou as mãos de seu rosto, o olhando nos olhos...

- Tenta... – Sua voz suave o fez sorrir de canto.  

- Uma hora vocês vão ter que conversar, ele confia em você... Quem sabe ele se abriria...  – Ela falou enquanto passava as mãos no cabelo de Jin. – Ele pensou mais um pouco.

- Você tem razão, eu vou conversar com ele. – Disse se levantado. -  Obrigado amor. – Sorrindo, agradeceu a beijando.

- Não precisa agradecer.  - Falou o vendo sair rumo ao quarto do irmão. – Subindo as escadas.


- Jin! – A voz de Suga invadiu a sala, o fazendo parar nos degraus.

- Posso falar com você? – O chamou, e sem pensar, desceu novamente, indo ao seu encontro.

- Claro. – Falou indo com ele para o escritório.

A sala continha alguns livros e uma janela grande. – No canto uma mesa e algumas cadeiras - As paredes brancas, davam um ar de paz naquele cômodo.

Mas o grande destaque, era avisão do jardim de fora... - A bela vista das diversas flores.

Ao entrar, logo Jin se sentou, mas Suga, foi em direção a janela. – Respirou fundo olhando aquela bela vista, como se buscasse paz...

- O que aconteceu?  - Jin o olhava e analisava o menor que ainda admirava o pequeno jardim.

- Tive a impressão de ver você conversando com a detetive Jennie. – Sua voz saiu... Triste. – O que impressionou mais ainda Jin.

- Achei que vi errado, porque, você não me contou nada... – Jin baixou os olhos ao ouvi-lo...

- Não foi impressão sua, eu estava realmente falando com ela. – Ao ouvir, o menor virou levemente o rosto, o olhando de lado. – Permaneceu em silencio para ouvi-lo.

- Ela disse que a situação do Jimin não está muito boa. – Continuou, respirando fundo em seguida.

- Sei que ela quer ajudar, acho que ela também sente que nosso irmão é inocente. Por isso me procurou. – Jin afirmou.

- Não confio nela... Ninguém nunca quis nos ajudar. - Suga agora encarava o maior que respirou fundo mais uma vez.

- Suga..  Sabe que apenas acreditar na inocência dele não é suficiente para livra-lo do pior. E se tem alguém que pode realmente ajudar, é ela. E eu sei que ela está fazendo isso.  – Jin o calou com suas palavras, mas ele ainda o encarava desconfiado.

Suga gostava de manter suas opiniões próprias e tinha as dele formada quanto a ela.

Jin era o irmão mais velho e conhecia cada um de seus irmãos ele sabia que Suga era um pouco mais complicado de se lidar, e quando todo esse pesadelo com Jimin começou, ele foi o que mais se afetou.

Sua esperança de que a polícia faria justiça provando a inocência do seu irmão havia se acabado até se dar conta que os detetives não se importavam! – Viu que não faria diferença para eles se prendessem um inocente ou um culpado, tudo que importava era se sua carteira cheia de dinheiro no final do mês.

No fundo, ele só estava cansado de tantos detetives a todo momento interrogando seu irmão e trazendo tudo de volta, todo sofrimento, toda dor e no final, iam embora e o deixavam assim... – Tinha medo que o irmão não aguentasse e fizesse o pior a si mesmo...


- Por que acha que ela vai nos ajudar? - Suga perguntou ainda o encarando.

- Por que ela tem um bom coração. Eu sei disso... – Falou vendo Suga girar os olhos.

- Não tenho essa esperança, sabe disso. - Falou vendo agora maior girar os olhos respirando fundo, passando as mãos no rosto.


- Não sei o que Suga disse mais pela sua cara não foi algo legal. -  A voz de Jimin ecoou na sala, à medida que adentrava aquele cômodo. – Jin se assustou!

- Quer me matar do coração?! - Perguntou rindo, enquanto um rápido sorriso se fez no rosto do menor, sumindo em seguida.

Mesmo que rápido, ficaram feliz com o sorriso do irmão, a quanto tempo não o viam sorrir, aquilo os traziam paz.

- Desculpe mas não quis te assustar.  - Disse Jimin sorrindo, e se sentou na cadeira ao lado do mais velho.

- Jimin...  Eu quero falar com você.  – Jin iniciou, ele estava um pouco nervoso não sabia por onde começar.

- O que aconteceu Hyung? – Jimin perguntou, com seu olhar inocente e assustado deixava Jin mais nervoso. Pensou em deixar isso para lá,  mas.. Aquilo seria necessário.

- Eu não queria ter que falar disso com você, mas, acho que não posso mais me negar a conversar... Mesmo que te doa... Que nos, doa. – Ele falava cautelosamente, vendo o menor baixar os olhos identificando o assunto. – Já Suga, virou o rosto, voltando a encarar as flores... – Não era fácil para nenhum deles.


- Não quero que pense que não acredito em você... – Jin agora pegou em suas pequenas mãos o forçando a o olhar nos olhos.

- Eu sei que você é inocente meu irmão...  – Firme, viu Jimin fechar os olhos forte... Sentia seu peito doer... – Mordeu os lábios até que ficassem sem cor... – Ao abrir os olhos, estavam cheios de lagrimas presas, se mantendo em silencio para ouvi-lo. – Jin respirou fundo...

- O que aconteceu naquele dia?  - Perguntou vendo os olhos do menor se desviarem para qualquer ponto daquela sala que não fossem os olhos dele.  

- Eu... – Iniciou com a voz fraca. – Suga o olhou aflito.- Não sabia que Jin iria iniciar aquela conversa...

- Não me lembro. – Baixou os olhos triste...

- Eu já tentei tantas vezes me lembrar... – Falou agora com as mãos no rosto...

- Toda noite eu tento voltar aquele dia... Mas... Eu não consigo... Eu... Não consigo... – Lagrimas começaram a cair em seu rosto...

- Eu me odeio por isso... Eu tenho que lembrar! – Sua voz se exaltou nervoso, fazendo os olhos dos dois se dilatarem o ouvindo.

- Jimin se acalme... Preciso que você se lembre, mas, com calma... Tem que ter algo Jimin... Mas... Procure pensar com calma. – O maior falou segurando suas mãos novamente o transmitindo tranquilidade.

- Porque está fazendo isso Jin?! Sabe que machuca ele! – Suga falou bravo! O repreendendo.

- Não... Ele está certo... Prefiro ter essa... Conversa com vocês. – Jimin o calou com essas palavras...  


- A última coisa que consigo me lembrar, é de ter ido à casa dele, e depois... Ashh... – Exclamou com as mãos no rosto novamente... Era visível que estava doendo...

- Jimin... – Suga falou se aproximando.

- Não... – O menor disse o parando. – Suga respirou fundo.

- Me lembro das luzes do hospital... Eu, deitado e... Sangue em minhas mãos...  – Voltou em esforço a tentar lembrar... – A dor em suas palavras... Fechou forte os olhos novamente...

Um choro baixo e abafado pelas pequenas mãos foi ouvido...

- Jimin... – Jin iniciou... – Estava em desespero, precisava ouvi-lo...

- Não Jin! Chega! Não vê que machuca ele com essa conversa?! – Suga gritou o calando! – O choro do menor aumentou ao ouvir o grito do irmão em desespero por ver que sofria...

- Suga! Nós precisamos ouvi-lo! Precisamos que ele se lembre e nos ajude a ajuda-lo! – Jin falava mais alto que o choro do menor, o deixando confuso ao que faria... – Ele estava certo, mas doía vê-lo chorar...

Jimin deixou-se cair sobre os joelhos no chão, ainda aos prantos... – Suga se lançou o abraçando... – Jin virou o rosto secando algumas lagrimas que caiam...

- Eu não matei meu amigo... Eu juro que não fiz nada com ele... Eu o amava... Acredite em mim... – Em meio ao choro, Jimin dizia sem parar com as mãos no rosto, agarrado aos braços do irmão...

- Eu acredito em você... – Suga falou tirando a mão de seu rosto o obrigando a olhá-lo nos olhos, mesmo cheio de lagrimas...

- Jimin... Eu acredito em você Jimin... – Repetiu firme o vendo chorar mais ainda, se lançando em seu peito, escondendo o rosto ali... – Suga o abraçou forte, olhando nos olhos de Jin, que entendeu que a conversa tinha que ser encerrada...

Sem saber o que fazer, Jin encontrou os olhos de Jissoo na porta, aflita, olhando aquela repetida cena de desespero do cunhado... – Era um sofrimento que toda a família já vinha enfrentando a anos... – E mesmo com o tempo, a dor não diminuía, era tão intensa quanto a primeira vez...

Viu o desespero nos olhos do esposo e sabia que era necessário aquela conversa. – Como já havia relatado para si minutos atrás.  – Mas Suga não deixaria que isso acontecesse, se fosse custar lagrimas do irmão.

- Min Yoongi. – Ela o chamou, fazendo com que ele a olhasse, ainda com o menor em seus braços.

- Poderia me ajudar com a Lily um minuto? – Sabia que a sobrinha o amava e que possivelmente, poderia ser verdade, mas Suga era esperto o bastante para notar que, ela talvez só quisesse o tirar daquela sala.

Jin baixou os olhos, como se dissesse que não tinha nada haver com aquele pedido, e, no fundo, Yoongi até entendia que era para o bem do irmão. – Então, se soltou do menor com delicadeza, pegando em seu rosto e o olhando nos olhos.

- Fighting... – Em um incentivo de força, disse firme aquelas palavras, se levantando em seguida. – Saindo com Jisoo porta a fora.


Jimin já não chorava mais... – Estava sério e com um olhar vazio no rosto... – Jin o observava, procurando pensar por onde recomeçava aquela conversa complicada sem iniciar outro choro...

Ficou alguns segundos em silencio... E pensou em pedir ajuda a esposa, ela sempre sabe o que dizer... – Talvez, com as apalavras certas, ele finalmente conseguisse algo.

- Eu... Vou pegar um pouco de agua para você. – Falou se levantando rapidamente, virando de costas para o menor que permanecia imóvel no chão...

- Já volto. – Completou abrindo a porta. – Mas, parou no mesmo instante em que ouviu uma risada baixa e estranha atrás de si.

Com as sobrancelhas juntas, virou o rosto lentamente para o irmão que estava ainda de costas – Cabeça baixa e imóvel.

- Jimin? – O chamou fechando a porta e virando lentamente em sua direção...

- Estava rindo?


Notas Finais


@s o que acharam do capitulo? Espero que tenham gostado, se achou legal comente 📜 se gostou da história Favorite 👍👍👍👍.. @s da minha vida eu estou muito feliz e grata a vocês, eu cheguei a 235 visualizações e tenho que admitir que não imaginava chegar a isso tudo, obrigado, obrigado, muito obrigado.. Amo vocês , Bjs e até o próximo. 👋💙💛


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...