1. Spirit Fanfics >
  2. Anteros >
  3. Tudo Parece Certo

História Anteros - Capítulo 6


Escrita por:


Notas do Autor


Notas do Autor

Esta é uma sequência da fic Você é meu Amor Doce ao mesmo tempo que é um reboot!

Exatamente como o jogo Amor Doce – University Life.

Você leu a temporada anterior? Legal! Você estará bem mais inteirado dos acontecimentos da história!
Você não leu? Beleza também! Não será uma sequência direta e imediata dos acontecimentos anteriores, nem amarrado com eles e tudo que for necessário será explicado de forma rápida.

Exatamente como no jogo. Quem jogou o HSL sabe tudo o que acontece no UL, mas quem não jogou pode aproveitar a história do mesmo jeito!

Vai ser legal pra todo mundo, prometo!!

Capítulo 6 - Tudo Parece Certo


– Are you sure?


– Quê?

– Hum… você ter certeza do que estar fazendo?

– Ahh… claro! Já fiz isso aqui várias vezes!!

– Isso não significar você saber o que fazer!

– Sua boba! – Iris passava o pente no cabelo de Dee enquanto olhava para medir o comprimento. Ela pegava uma mecha e passava a tesoura. Olhava, media e tesourava. – Isso aqui é rotina. Muitas vezes os pacientes não estão podendo mexer muito a mão, então, eu ajudo com as barbas ou cabelos.

– Hum… Ok. – Dee continuava sentada e sem mexer-se muito. Os braços doíam bem menos, mas ainda tinha ordens de evitar esforços. – Did you said…

– Na minha língua, pelo amor de Deus!

– Ohh… – Dee respirou fundo e concentrou-se. – Você dizer que eu perder lots of blood… muito sangue…

– Pra caramba! – Iris continuava olhando e cortando. – Quase precisou de uma transfusão!

– But… as balas me atingiram… ehh… scrape me… pegar de… “res-pón”…. “rás-pon”…

– Raspão! – Iris riu da amiga. Estava engraçado ver alguém com tanta dificuldade com o inglês. Parecia ela na escola tentando pronunciar alguma coisa. – Elas te atingiram superficialmente…

– So… how? Como eu perder tanto sangue?

– Ahh… é… bom… – Iris ficou um pouco sem jeito. – A ambulância demorou para chegar até você. Ou… nada esquece!

– Esquecer? – Dee virou a cabeça rapidamente para trás para olhar para Iris. – What? Você me dizer esquecer, but… now i… agora que eu não vai esquecer… Tell me!!

– Dee… Sério! Deixa isso para lá! – Iris pegou a cabeça da garota e voltou ela pra frente. – Não se preocupe com isso… A ambulância pegou um pouco de trânsito, só isso!

– Iris… I know when you lying… – Didra fez um esforço para olhar para trás, mas Iris manteve a cabeça dela no lugar. – Eu saber quando você mentir and você mentir agora! Traffic? Quase duas da madrugada?

– Era… um… acidente? Na estrada! Muitas pessoas machucadas! Foi horrível!

– Iriiissss…. – Dee revirou os olhos.

– Tá legal… Eu acho que… E dessa vez é a verdade… Eu acho que o Nathaniel demorou para chamar o socorro. Não sei o motivo, mas…

– Nath let me bleed? – Dee sacudiu a cabeça e respirou fundo. – Nath me deixar sangrar? Ele me deixar no chão? Why?

– Eu já disse que não sei! Eu disse que “acho”. – Iris forçou novamente a cabeça de Dee para que ela olhasse para frente. – Eu não sei o que aconteceu, mas quando você chegou, estava mal e atendemos na emergência!

– Eu não poder acreditar. Nath save me! From that two… Argh… Aqueles caras… Nath me salvar e aí, ele me deixar caída no chão?

– E se ele teve que, sei lá… brigar com os caras? Ele é bom de briga… – Iris voltou a atenção para o cabelo de Dee. – Passa o dia todo na academia da Kim treinando boxe!

– E eles não atirar em Nath? Why?

– Eu não sei. – Iris respondeu. – Mas, eu não acredito que ele faria algo que… *Téc* ops…

– What? – Dee endireitou a coluna no susto e tentou virar para olhar para Iris. – What you mean with “ops”?

– Nada! Nada! – Iris correu para o lado dela e mudou a posição do espelho que estava em frente a Dee. – Olha, eu só tô aparando um pouco aqui. Fica quietinha, viu? Vai ficar tudo bem.

***
Dee estava chocada. Sem reação enquanto olhava para o espelho com a boca aperta, tentando entender o que aconteceu com ela e com o cabelo, enquanto Iris esperava que Didra fizesse qualquer coisa. Ela estava com vontade de cutucar ela, bater, sacudir a mão em frente ao nariz dela, mas, ficou com medo de fazer qualquer movimento que a impedisse de correr se fosse necessário.

– Então… fala algo… – Iris virou o espelho mais uma vez, para que Dee pudesse ver todo o “trabalho” dela. – Não é o fim do mundo, sabe… Cabelo cresce outra vez.

– Three years… Três anos para deixar o cabelo crescer e… – Dee passava a mão perto dos ombros e pescoço, onde antes havia seu cabelo agora tinha apenas ar.  – You… você… me deixar careca em um “ops”…

– Você não tá careca, vai… Só tá curtinho, vai. Tá lindo. Mais prático pra lavar e seca muito mais rápido! – Iris passou a mão pelo cabelo cortado bem curto, quase como um corte masculino, com algumas mechinhas sobre a testa. – Tá parecendo a “Cat Girl”… E olha, tirei aquela tinta desbotada.

– Run…

– O que?

– Run.

– Na minha língua, por…

– Correr.

– Ah… isso eu entendi! – Iris colocou o espelho sobre a cama e foi em direção a porta. – Tchau!

***
– O que aconteceu com o seu cabelo? – Dean levantou-se da cadeira na Sala de Espera e colocou no ombro a mochila com algumas roupas sujas de Dee, enquanto ela saiu do elevador em direção a saída. – Outro dia estava…

– Don’t… – Dee falou bem baixinho olhando ameaçadoramente pro irmão. – …ask.

Dean deu um passo para trás e deixou a irmã passar. Pouco depois, Iris, também com medo de atrair a atenção de Dee para ela, aproximou-se devagar de Dean e colocou na mão dele alguns papéis. Ele fez menção de perguntar alguma coisa sobre o cabelo, mas Iris apenas cortou o assunto rapidamente e voltou sua atenção aos papéis.

– A doutora Socorro passou algumas indicações aqui… – Iris colocou um potinho laranja com tampa branca na mão de Dean. – Isso é pro caso dela sentir dor. E ela também falou que seria bom se ela fortalecesse os músculos dos braços e pernas, então, manda ela pra BeeFit! A Kim vai saber o que fazer.

– Iris, o que aconteceu de verdade? – Dean pegou a prescrição médica e colocou no bolso.

– Cortei o cabelo dela mais do que deveria…

– Não era disso que eu estava falando, mas também já me respondeu outra dúvida! – Dean cruzou os braços e respirou fundo antes de encarar a amiga. – Estou falando da situação naquele beco. Não me force a ter que te chamar para um depoimento.

– Dean, se quiser, pode chamar, mas eu não tenho mais nada pra falar…

– Achei que vocês duas já tinham cansado de irem parar em delegacias… – um pouco decepcionado, Dean virou-se em direção a saída. – Mas, vamos fazer do seu jeito então. Nós falamos depois…

Dean passou por Dee, que esperava na porta do hospital, ele saiu em direção ao carro, enquanto ela caminhou novamente até Iris. Ela abriu um sorriso tímido enquanto aproximava-se da ruiva e estendeu a mão para segurar com delicadeza os dedos da sua ex. Iris ficou um pouco corada com a ação.

– Ei… apesar de tudo… – Dee ficou um pouco sem jeito de encarar Iris. – …foi muito bom te ver outra vez. Senti sua falta.

– A gente se vê na Anteros agora. Já sei que você estuda lá. – Iris respondeu. – Está morando no campus?

– Sim. Sétimo andar… quarto 706. Aparece lá… tem… água!

– Vou lá quando eu quiser tomar um copo de água. – Iris riu. – Ficou três anos sem arrumar confusão e em uma semana já foi parar no hospital. Fica longe das balas, por favor.

– Posso te beijar?

– Quer me beijar no meu trabalho?

– Quero beijar na sua boca, não no seu trabalho. – Dee riu. – Mas, por enquanto, me contento apenas com um abraço e um beijo no rosto.

Então Iris abraçou Dee e recebeu seu beijo. Aquilo tinha um sabor de saudades. Não era romântico ou sedutor. Apenas um beijo de carinho. Era o momento em que as amigas Didra e Iris se reencontravam. Não as amantes. Não as ex-namoradas. Só as amigas que se gostavam tanto e que passaram por tantas coisas juntas. As aulas de biologia da professora Delanay, as provas do professor Faraize em que uma passava discretamente cola para outra, os exercícios de ginástica nas aulas do Bóris. Naquele momento, tudo parecia de volta ao lugar.

Com um pouco de dificuldade, uma deixou a outra ir. Elas ainda seguraram os dedos uma da outra, até o último segundo, antes de finalmente se separarem e irem cada um para suas próprias vidas.

– Espera… – Iris virou-se com as mãos no bolso do jaleco branco. – …você ainda tem que levar isso. Pros seus documentos.

E então ela tirou do bolso e colocou na mão de Dee um clipe de papel. Dee sorriu ao ver aquilo. Era um sinal. Algo que as uniu uma vez e, ao que parecia, estava unindo elas novamente. Didra apertou aquele clipe na mão e Iris ficou um pouco corada.

– Obrigada… – ela pegou o clipe e colocou em uma das folhas do prontuário. – Não precisei procurar dessa vez.

– Agora eu tenho um monte. – Iris mostrou uma mão cheia de clipes que tirou do bolso. – Nunca se sabe quando vamos precisar, não é?

Iris deu um sorriso e virou-se indo em direção ao elevador do hospital, Dee deu um aceno curto para a garota e ficou ali, parada e observando, até que o elevador chegou e levou à garota ruiva embora, então, foi em direção ao carro do irmão que já estava muito impaciente com a demora. Didra jogou os documentos para o banco de trás junto com a mochila.

– Precisava disso só pra vir visitar a Iris? – Dean ligou o carro e partiu. – Poderia só ter pedido para que alguém lhe trouxesse aqui.

– Há há! Very funny! – Didra respondeu rindo. – Eu não vir aqui por propósito! Bullets is not funny! Doer pra ka-rem-ba!

– E eu não sei? – Dean riu.

– Leave in Anteros… – Didra falou olhando para os prontuários médicos. – Eu precisar me preparar para os aulas tomorrow!

– Pensei que você quereria ficar em casa? – ele ficou um pouco surpreso quando respondeu, mas, sabia que não teria muita opção. – Mas, a Lety está bem preocupada com você!

– Você contar pra ela??

– Eu precisei! – Dean respondeu. – Existe um processo de chamar um policial no meio da madrugada por que alguém foi baleado e aí, quando isso acontece, eu tenho que explicar pras pessoas o motivo de eu ter de sair no meio da madrugada!!

– Whatever… – Didra fechou o rosto. – Eu ligar pra ela quando chegar em Anteros, but, eu precisar ir lá or my roommate pegará todo o meu espaço no armário!

– Você quem sabe, mas enquanto isso, uma mulher chamada Clemence te ligou e pediu para que você fosse até o Cozy Bear lá a tarde, para uma entrevista.

– Oh… My new job… Waitress… – Didra suspirou e afundou na cadeira. – Garçonete… but… pagando meus contas is fine…

Em poucos minutos, o carro preto da polícia chegou em frente a Anteros e Didra desceu dele, carregando sua mochila. Aquilo chamou a atenção de alguns alunos que ficaram olhando para eles. Um pouco nervosa, Didra pegou o batom e uma das folhas de seus exames e escreveu em letras grandes “My brother” e olhou feio para os curiosos. Eles apenas fingiram que não estavam fazendo nada e seguiram suas vidas.

– Tem certeza? – Dean colocou a mochila de roupas no chão. – Dá pra passar a noite lá, pelo menos.

– Falar Lety eu bem! – ela pegou a mochila e aproximou-se do irmão para lhe dar um beijo. – Don’t worry. Eu ficar dentro da Campus este noite.

Dean então acenou com a cabeça e voltou para o carro. – Vai ter uma patrulha rondando esses dias. Não se preocupe. – E foi embora.

Didra pegou seu caminho em direção aos dormitórios. Parecia que não via o campus a semanas. O refeitório estava aberto, mas o cansaço era maior do que a fome, então, decidiu que se viraria com o que achasse no frigobar do quarto (mesmo correndo o risco de arrumar mais uma desavença com Yeleen, pegaria o que estivesse lá e depois reporia). O elevador, como de costume, demorou para chegar o que deu tempo de ela viajar naqueles momentos sob o chuveiro do quarto do hospital e sorrir sozinha, correndo o risco de parecer idiota para quem quer que a visse parada em frente aquele elevador. Então, como se ela não tivesse problemas suficientes…

– Você não tem responsabilidade? – a voz masculina atrás dela chamou a atenção de Dee e a trouxe de volta ao mundo real. – Você aí, do quarto 706!

– E-excuse me?

– Eu vi! Durante a minha ronda na madrugada… Você esqueceu a luz do quarto acessa!

– What?

– Você deixou a luz do quarto a noite toda ligada! – O Responsável Administrativo, visivelmente com sono e irritado, colou ao lado de Dee e segurou a porta do elevador, ficando entre ela e a entrada. – É muita irresponsabilidade desperdiçar energia. Sabe quanto a faculdade paga nisso?

– Você estar enganado. – ela pegou os papéis do hospital e mostrou para o rapaz. – Eu não estar aqui este noite. See?

Ele pegou os papéis e começo a ler. De fato, ela não havia dormido lá. Não dava pra negar que os papéis eram reais e que ele estava errado. Ele pegou os papéis e analisou mais um pouco, buscando qualquer brecha para voltar a sua bronca, mas, não encontrou nada. Esfregou a testa. Coçou a bochecha e, por fim, entregou os papéis para Dee.

– Bom, então… é sua responsabilidade lembrar a sua colega de quarto que ela deve apagar a luz do quarto durante a noite!

– Ok. – Dee pegou seus papéis e entrou no elevador. – Eu vou falar com ela. Don’t worry.

Então, o rapaz saiu andando pelo corredor e Dee ficou em dúvida se deveria avisá-lo que o rosto estava manchado com o batom dos papéis dela ou se o deixaria descobrir sozinho. Segurando a risada, ela decidiu que uma hora ele perceberia. A porta começou a fechar, mas uma mão pequena e enluvada segurou ela, antes que fechasse, dando espaço para Chani que carregava alguns potes de isopor cobertos.

– Ah… oi Didra! – Chani sorriu ao ver a colega. – Por que o representante está todo sujo na cara, parecendo um palhaço?

– Eu não ter ideia! – Dee deu de ombros e colocou os papéis para trás do corpo.

– Olha, eu trouxe isso para você. – Chani pegou o pote e ofereceu para Dee, sem saber exatamente se ela conseguiria ou não pegar. – Peguei na cantina e… nossa, seu cabelo está incrível!!

– Thanks! – ela pegou os potes e viu que tinha comida o bastante para um almoço e um jantar. – Você ser uma angel!

– Amanhã temos a primeira aula do professor Zaidi. – Chani falou. – Como está indo o seu TCC?

– Ainda nem começar os aulas e você pensar na TCC? – Didra segurou a porta do elevador para que Chani saísse e depois ela mesmo saiu. – Eu ainda não ter ideia do que eu fará!

– Bom, quer fazer uma sessão de estudos? Podemos sentar e pensar em algumas coisas? – Chani parou em frente a Dee. – Tenho a tarde de hoje livre e a note, claro.

– Is nice… Eu poder chamar Rosa and… What that?

Ela reparou que porta do quarto dela estava entreaberta. Pensou que poderia ser Yeleen, mas, era estranho a porta aberta daquele jeito. Ela cutucou Chani e apontou para a porta.

– Você saber se my roommate estar lá?

– Tenho quase certeza que a vi saindo do Campus há uns 30 minutos atrás.

Com cautela, Dee e Chani foram em direção a porta do quarto 706. Elas ouviram passos lá dentro e alguns resmungos. Era só o que faltava, alguém vir tentar “finalizar” o serviço dentro do campus. Aquele Representante conseguiu ver uma luz ligada no meio da madrugada, mas não conseguiu ver alguém estranho entrando na facul.

Contrariando todo o bom senso do mundo, Dee e Chani chutaram a porta e pularam para dentro aos berros.

– DON’T MOVE!! DON’T MOVE!! POLICE HERE!!

– Perdeuperdeuperdeuperdeuplayboy!!

Dee olhou para Chani.

– Quem gritar “perdeu, playboy” ser as bandidas! We are cops here!

– Ah… desculpa. O que os policiais gritam quando entram?

– Coisas como ”man-ous no cabeça” or “put your hands down”… Esses coisas…

– Com licença… – Uma voz masculina chamou a atenção delas. – …vocês podem me dar uma informação…

– Kentin? – Dee ajeitou os óculos no rosto. – Is you?

Dee olhou para o rapaz no quarto dela e ficou em dúvidas. A aparência era bem familiar, exceto pelos lábios mais carnudos e o estilo do cabelo, porém, o resto era igual… A mesma pose, cabelos castanhos, olhos verdes. Ele usava uma jaqueta de couro marrom sobre uma camiseta preta e calças meio surradas, além de luvas sem dedo e uma corrente com “dog tags”, além de botas estilo soldado. Talvez, apenas o ar de menino perdido no mundo é que fosse diferente, mas, o resto, era quase como se alguém tivesse feito uma cópia intencional do seu amigo.

– Kentin? Não. Meu nome é Morgan. E… vocês… sabem me dizer se esse é o meu quarto?

– Eu acho que no… This is my room. – ela colocou o pote com comida sobre uma bancada, mas manteve-se próximo da saída. – O que você fazer aqui, Morgan?

– Estou procurando o meu quarto. Tenho quase certeza que era nessa faculdade…

– Você está perdido por aqui? – Chani não conseguiu deixar de dar um sorrisinho irônico. – Sabe se, pelo menos, você estuda na Anteros?

– Com licença! Com licença… – Outra voz, agora vindo do corredor, chamou a atenção de todos. – Morgan? Morgan? Você tá aqui…

A porta abriu mais uma vez e deu passagem para o garoto de olhos puxados e cabelo preto do familiar. Aquele rosto que Dee havia conhecido na manhã anterior.

– Ah… achei você! Como você veio parar aqui? Oh… Didra? Didra O’Connel, não é?

– Hyun? From Cozy Bear? – Didra olhou alternadamente entre ele e Morgan. – Você [/i]conhecer[/i] ele?

– Meu colega de quarto. Ele tem um pouco de dificuldade com orientação! – Hyun entrou no quarto e foi até Morgan. O rapaz com cara de perdido abriu um sorriso amistoso. – Vamos, cara… seu quarto é no térreo!

– Seu quarto ser na té-rri-ou e você chegar aqui?

– Eu disse que ele tem um problema com orientação. – Hyun respondeu rindo. – A propósito, eu sou Hyun. Do curso de Comunicação.

– Chani… História da Arte. Com a Dee aqui.

– Didra O’Connel… – Ela estendeu a mão para Morgan. – Welcome to my room! – ela abriu os braços para enfatizar o espaço. Aquilo doeu um pouco, mas foi “suportável”. – Eu ter água… and… just água!

– Morgan Maurice. – Morgan sorriu. – Não se preocupe. Eu já tomei…

– Poxa, que triste… estava começando a gostar daqui! – Morgan olhou em volta do quarto uma última vez. – A vista é mais bonita e o quarto é tão arrumado.

– Se arrumarmos, o nosso também fica arrumado! – Hyun foi até ele e deu dois tapinhas no ombro. – Desculpem incomodar meninas. A propósito, recebeu o recado da Clemence?

– Yep! Eu vai no segunda falar com ela. Thanks again!

– Bom, é isso. Vamos, Morgan!

– Desculpe atrapalhar, meninas. Até mais.

Didra e Chani ficaram olhando para os dois rapazes e então, Dee fechou a porta do quarto. Ela olhou para Chani, com cara de quem não estava entendendo nada e recebeu um levantar de ombros como resposta.

– Bonitinho… pena que é gay!

– Hyun?

– Não! O Hyun é hétero. Estou falando do Morgan!

– Você o conhecer?

– Nunca tinha visto antes.

– So… how?

– Um cara com duas garotas em um quarto e ele não disse nenhuma bobagem? Nenhuma cantada? Nenhuma gracinha? Ele nem olhou.

– But, is… Isso não indicar nada.

– Seu amigo… Alexy… Lembra que ele estava a fim de um carinha daqui?

Didra parou, pensou, olhou de um lado para outro, como se procurasse alguma coisa na mente., e, no fim, fez cara de quem tinha entendido tudo.

– Alexy… and… this Morgan… que parece muito com o… Oh… Isso explica muitas coisas… – Dee riu. – But, Hyun também não dizer nenhum “gra-ssi-in-nhá”.

– Não. Ele é outro caso. Ele está apaixonado… – Chani abanou a mão no ar. – …por você.

– WHAT?

Continua…


Notas Finais


Se você quiser conhecer toda a história da Dee, você pode ler direto no fórum oficial do AD clicando no link:
https://www.amordoce.com/s2/forum/t31179,1-gl-iris-você-é-meu-amor-doce-parte-2-por-realdoido.htm#p6591739

Deixa um comentário. Diga o que achou. Gostou? Não gostou? ficou em dúvida de algo? Adoro saber o que você está achando da história. Faz muito bem pra mim. Não demora nem um minutinho!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...