História Antes que eu me esqueça - jikook - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), Black Pink, Girl's Day, Got7, Pristin, Red Velvet, TWICE
Personagens BamBam, Chaeyoung, Dahyun, Eunwoo, Hyeri, Irene, Jackson, JB, Jennie, J-hope, Jihyo, Jimin, Jin, Jinyoung, Jisoo, Joy, Jungkook, Jungyeon, Kyla, Kyungwon, Lisa, Mark, Mina, Minah, Mingyeong, Momo, Nayeon, Nayoung, Personagens Originais, Pinky, Rap Monster, Rosé, Sana, Seulgi, Siyeon, Sojin, Suga, Sungyeon, Tzuyu, V, Wendy, Yebin, Yeri, Yewon, Youngjae, Yugyeom, Yura
Visualizações 2
Palavras 1.251
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Comédia, Escolar, Festa, Fluffy, Lemon, Yaoi, Yuri
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Gravidez Masculina (MPreg), Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Olá meus amores, é minha primeiro fanfic publicada aqui. Espero que gostem e que dêem suporte á fanfic 💕

Capítulo 1 - Capítulo 1 - É preciso comer pra ficar fortinho, Jimin.


Fanfic / Fanfiction Antes que eu me esqueça - jikook - Capítulo 1 - Capítulo 1 - É preciso comer pra ficar fortinho, Jimin.


cinco de outubro, segunda-feira, 07:56am.


Antes que eu me esqueça, preciso ir até a loja da esquina de baixo comprar uns earphones novos, pois euzinho aqui já estou farto de aguentar esse garoto falando sem parar, de algo que eu nem quero saber tão cedo.


Amor.


Sério, mesmo? Alguém devolve o meu melhor amigo, por favor? Ele só pode estar de brincadeira com a minha face!


— Respira, Hoseok - eu disse, claro, me contento pra não soltar uns belos duns palavrões bem ali, na cara dele. — Tá parecendo um adolescente apaixonado.


Por que talvez ele fosse mesmo um adolescente apaixonado?! Tá, eu não funciono às oito da manhã, relevem.


— É que... Sei lá, Jimin...  - seu bico grande e vermelho me fez quase rir, parecia um bebê birrento.

— Você não entenderia.


O que o leva a pensar que eu entenderia algo assim? É óbvio que eu seria um inútil.


Passamos pelo bebedouro logo após eu insistir muito para que ele ocupasse aquela boca bebendo algo e gastasse menos tempo surtando e criando paranóias.


Não demorou muito e o sinal para a primeira aula tocar, indicando que a aula mais temida por mim estava prestes a começar.


— Um ótimo dia para se odiar física - murmurei assim que botamos o pé naquele cubículo, que nem era pequeno, mas eu me sentia tão sufocado tentando absorver aquela matéria, que não me restava outra alternativa a não ser deitar a cabeça na carteira e dormir.


Claro que Namjoon, um dos meus melhores amigos e meu irmão mais velho, não gostava nadinha da ideia, e é sério, os seus sermões pós-prova-de-fisica-que-eu-me-dei-mal doíam bem mais que os beliscões por baixo da camisa sempre que Taehyung, como a cobra que é, ia correndo lhe contar sobre o quanto eu durmo nas aulas.


Graças aos astros, a aula passou voando, e todas as outras seguintes também, partindo logo para o intervalo que sem dúvidas era a melhor parte do dia.


Se fosse há uns anos atrás, quando eu tinha os meus dez aninhos, eu poderia sim dizer que era a melhor hora do dia pois eu estaria comendo. E eu amava comer, não que agora seja diferente.


Mas eu mudei, claro, fiz acadêmia e tento ao máximo manter o meu porte atlético razoável. Só que eu sou um desastre na arte de platicar qualquer coisa que não seja o levantamento de colher – e dançar qualquer estilo de música.


— Vai ter uma festa, 'tá sabendo, Park? - Jungkook disse, arqueando as duas sombrancelhas enquanto comia seu kimchi.

— Dia trinta e um, você sabe, halloween e tal.


Neguei com a cabeça, com a boca ocupada demais para querer falar algo.

Hora de comer é sagrado! - podia ouvir minha avozinha dizendo.


— Eu queria ir, só que vocês sabem, né? - bufou.


Jeon sempre foi meio estranho– não anti social, jamais, ele só nunca fez questão de muitas pessoas ao seu redor –,  foi um porre pra virar amigo nosso, e só se referiu a mim como seu amigo muito tempo depois da amizade ter começado.


— Bsbshsnananakakzkzllala - foi o que ouvi Taehyung dizer.


Céus, se minha avó estivesse aqui, iria bater tanto nesse garoto, onde já se viu? Falar com a boca cheia é pecado, gente! Sem contar na chuva de arroz que, puta que pariu!


— Hm? - murmurei ainda masticando aquele pedaço de pedra, digo, carne da cantina da escola.


Tive que beber um super gole do meu suco, claro.


— Eu disse que a gente pode ir, é só marcar direito - ele falou, recebendo um tapa do docinho do rolê.


— Pensei que era importante, da próxima fica calado - Yoongi revirou os olhos e cruzou os braços, nos fazendo rir baixinho, ah, e tinha o Jin rindo também.


Por Deus, como alguém consegue rir daquele jeito? Deus me livre!


— A gente só vai se o Jimin for bem no teste de quarta. - ouvi Namjoon dizer, meus olhos correram até o corpo mais morto que vivo na cadeira e ele já me encarava, com aquela cara de "eu sou seu irmão mais velho,  bitch".


— Perdi até a fome. - e era verdade, acabei por suspirar derrotado e abandonar os hashis no prato, que ainda estava cheinho de ramen.


Isso de provas e testes estavam me abalando muito, tenho certeza que na oitava série eu não me preocupava, não tinha um Taehyung vinte e quatro horas de olho em mim pra depois ir correndo contar pro meu irmão.

Pois sim, os professores nos separavam de sala pois éramos tipo Batman e Robin, sabe?

Mas agora mudou, ele vive mais com Yoongi do que eu com Hoseok, afinal.


Há dias eu não conseguia me alimentar direito, perdi a conta de quantas vezes discuti com Yoongi que insistia em pensar que a justificativa pras noites em que eu não dormia, ou até quando não fazia questão de comer, eram pra manter o meu corpo.


Certo, experiências ruins do passado – no qual eu era um idiota que buscava consolo em remédios e coisas erradas para tentar se lamentar de toda merda que eu mesmo fazia – o ajudara a chegar a esse raciocínio, mas eu mudei, poxa. Era tão difícil notar que eu, dessa vez, estava me esforçando?


Há muito pouco tempo notei que sim, era extremamente difícil perceber e se contentar com o novo eu que há nas pessoas, e que muitas vezes, nem se damos o trabalho de enxergar.


— Você tem que comer. - o esverdeado disse entre dentes, inclinado para frente e com um olhar matador que fez todos à mesa perderem a fome e as calças também, se é que me entendem.


— Eu tenho é que passar de ano, rezar para que eu seja aceito em alguma faculdade boa e que minha mãe tenha orgulho de mim, não de comer - falei, simplesmente.


Aquilo não foi premeditado, apenas abri minha boca e as palavras saíram, simples.


Minha boca as vezes tinha vida própria, ah, isso será um perigo daqui uns anos.


Não sei o que aconteceu, mas naquele momento tudo pareceu voltar ao normal.


Em questão de um milésimo, que foi o tempo que levei para piscar, Yoongi já não estava bravo, Namjoon mantinha uma postura ereta sobre a cadeira e Jungkook não comia mais kimchi, e sim lasanha, algo que eu nem lembrava de o ter visto comer alguma vez.


— Me dão licença? Eu tô meio enjoado - não menti, isso vinha acontecendo há dias e eu nem sabia o que era, toda essa mudança repentina, parecia ser coisa de magia e eu odiava tudo relacionado a isso.


— Jiminnie tá grávido, uma pena - pude ouvir Yoongi dizendo antes de me levantar e apontar o dedo do meio para ele, que sorria minimamente enquanto se levantava junto ao restante para jogar os descartáveis no lixo.


Reservei o caminho do refeitório até o banheiro para pensar; será que realmente valia a pena? Tipo, esse estresse todo, pelo meu futuro... Eu sempre tive total consciência de que era o meu futuro em jogo ali, mas mesmo assim, eu sabia também que metade de minhas escolhas não eram minhas, de fato, mas sim dos meus pais.

Não que eles tenham exigido muito se mim – quando minha mãe ainda morava no mesmo país que eu e meu pai ainda se importava –, é que eu sempre quis me mostrar forte, aquele que conseguiu ir além até de suas próprias expectativas, mas eu não era forte, nunca fui. Agora, eu me via ajoelhado de frente à uma privada, pondo pra fora toda aquela insegurança que havia dentro de mim, junto com alguns pedaços de legumes cozidos também.


Eu era um fraco, sempre fui. Por que é que eu não notei isso antes?




Notas Finais


"Antes que eu me esqueça," está também no wattpad, pelo mesmo user daqui. Acabei de postar lá e já corri pra cá sbsnsb
Deixem seu voto aqui por favorzinho, sim? <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...