História Anti Social Social Club - Capítulo 17


Escrita por:

Postado
Categorias EXO
Personagens Baekhyun, Chanyeol, Chen, D.O, Kai, Kris Wu, Lay, Lu Han, Sehun, Suho, Tao, Xiumin
Tags Anti Social Social Club, Chanbaek, Colegial, Comedia, Fluffy, Kaisoo, Minseok!fem, Não É Sebaek, Ot12, Sulay, Xiuchen
Visualizações 470
Palavras 4.164
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Ficção Adolescente, Fluffy, LGBT, Romance e Novela, Universo Alternativo, Yaoi (Gay)
Avisos: Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Linguagem Imprópria
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


olá meus amoressssss ☆ω☆
tudo bom com vocês? voltei até rápido dessa vez, não foi? <3
Vamos finalmente descobrir como kaisoo vai ficar, recebi até pergutinha no gato curioso sobre "kaisoo vai ser o novo hunhan?" e as respostas, estão nesse capitulo! Amém
Ah, outra coisa: esse cap tá betado até certo ponto, porque a minha beta lindissíma, HannahHell está nesse momento no trabalho e eu sou assim, fico nervosa pra postar logo, então qualquer erro deve ser corrigido pela noite, relevem rsrs.

Capítulo 17 - Anti Kim JongIn


Fanfic / Fanfiction Anti Social Social Club - Capítulo 17 - Anti Kim JongIn

Foi uma tarefa no mínimo cansativa convencer a senhora Byun de que ChanYeol não era namorado do seu filho. Ainda mais com SeHun suspirando fundo no sofá toda vez que pegava os dois se olhando. Foram necessárias boas horas até que BaekHyun a explicasse que ChanYeol era “só membro do clube”, e que “nem se davam tão bem assim”, mas até que isso acontecesse,  a mãe já estava idealizando o Park como genro.

Não se pode culpar também a pobre mãe. Qualquer um ficaria apaixonado por ChanYeol depois dele lavar todos os pratos do café da manhã, elogiar a comida, se oferecer pra ajudar em casa, e ainda ter adorado escutar as músicas da banda do senhor Byun na época da faculdade. Bom, por essa, BaekHyun não esperava, e por isso ficou emburrado o final de semana inteiro, que o melhor amigo e o “alguma-coisa” ficaram em sua casa.

Quando a semana de aula voltou, as coisas estavam no mínimo diferentes.

A sala onde o Anti Social Social Club se reunia estava estranhamente calada. MinHee encarava os próprios pés enquanto mordiscava os lábios, KyungSoo encarava BaekHyun como quem diz: “O que é que você tá fazendo?”, YiXing inflava as bochechas, ChanYeol suspirava alto tentando quebrar o silêncio, BaekHyun os encarava como se estivesse os desafiando a falar alguma coisa e SeHun – sim, SeHun – mordiscava as bochechas encarando o teto.

Ninguém estava entendendo o que o garoto Oh fazia ali. Se bem se lembravam, o objetivo do clube era justamente evitar o SeHun, e então ele se juntou a eles?

— Quê que o SeHun tá fazendo aqui? – YiXing que quebrou o silêncio com um sorrisinho nos lábios tirando a embalagem de batatinhas da mochila.

— O clube ganhou mais um membro. – BaekHyun deu de ombros, mas ninguém comprou aquela resposta e ele suspirou fundo – Qual o problema, hein? Me digam qual o problema!

— É só que você disse que o clube era para mostrar ao SeHun que não precisava dele no Ensino Médio e...

— Passado, KyungSoo, passado. – rolou os olhos e bateu o pé no chão nervoso. – As coisas mudam, sabiam?

— O Baek tá certo, o Hunnie – KyungSoo rolou os olhos com a intimidade ganha em alguns dias, conhecia muito que bem Park ChanYeol, e sabia que há uma semana ficava sendo consumido por ciúmes da simples existência de SeHun – precisa da gente, e o clube está sempre aberto para novos e bons membros.

BaekHyun concordou todo orgulhoso. Até esqueceu que queria dar um pisão forte no pé de ChanYeol para se vingar do final de semana.

— E sobre as regras? – KyungSoo cruzou os braços.

Claro que ele não se importava nem um pouquinho com a entrada de SeHun no clube, só achava engraçado ver BaekHyun se virar nos trinta para se contradizer o tempo inteiro. Ninguém ali seguia de verdade as regras além de MinHee, e às vezes nem ela, já que JongDae existia e de vez em quando ficava no pé da menina.

— Bom... – BaekHyun tossiu nervoso e arrumou o cabelo – Vamos colocar o SeHun num período de adaptação, ele não vai precisar seguir as regras por um tempo, porque é tudo muito novo para ele.

KyungSoo segurou o riso assentindo.

— Então, seja bem-vindo ao clube, Oh. – KyungSoo sorriu estendendo a mão para o garoto alto e magrelo.

***

O pátio do colégio era consideravelmente grande. Uma parte plana de concreto com alguns bancos cercada por montes e árvores. Era bonito e confortável em dias em que a chuva não ameaça o azul do céu.

KyungSoo estava sentado com as costas apoiadas numa das árvores de maneira que não conseguisse ver o refeitório do colégio, afinal, evitar confusão com BaekHyun era sempre uma prioridade, e ele sabia muito bem que deveria estar sentado na mesa do lado da lixeira durante o almoço com o clube, mas não pode evitar quando recebeu uma mensagem de JongIn mais cedo o chamando para passar o almoço no pátio.

— Oi, Kyungie. – JongIn sorriu ao chegar, sentou-se ao lado do garoto e o puxou para dar um beijo na testa.

KyungSoo desviou o olhar. JongIn estava com o habitual uniforme do time de basquete por baixo da jaqueta jeans. Os óculos escuros presos no topo da cabeça empurravam para trás os fios castanhos e, se possível, faziam parecer que o garoto estava pronto para um desfile de moda, mesmo com a regata vermelha e branca por baixo.

— Como foi seu dia? – JongIn perguntou estendendo um suco de caixinha enquanto abaixava os óculos escuros e apoiava a cabeça em seu colo.

KyungSoo riu soprado com a atitude. Parecia que JongIn esquecia que estavam no colégio, e se lembrava, não se importava. Perdeu uma das mãos nos fios castanhos do garoto e suspirou.

— Acho que normal, e o seu?

— Eu quero morrer. – bocejou.

— O que?! – quase gritou arregalando os olhos e deixando o suco de lado.

— Temporariamente – JongIn se apressou para acrescentar, KyungSoo franziu o cenho  – Quer dizer, eu quero dormir, entendeu?

KyungSoo riu dando um beijinho na testa do capitão do time de basquete. Suspirou fazendo cafuné no garoto deitado em seu colo.

— Sabe quem é o SeHun? – JongIn assentiu – Ele entrou para meu clube ontem. É engraçado que o Baek só criou o ASSC pra se vingar dele, não é? Mas eles voltaram a se falar e agora ele fica todo protetor para o lado do SeHun, mas acho que ele está certo, quer dizer, coitado do SeHun, eu já sabia o que estava acontecendo, mas nunca tinha me colocado no lugar dele. – suspirou olhando para a copa da árvore – Ah, a gente arrecadou um bom dinheiro na Feira, o Baek disse que não sabe o que vamos fazer, então vou conversar com ele pra gente doar lá para o Asilo Girassol, seria legal, não é?

Olhou para JongIn deitado em seu colo com óculos escuros. Os lábios entreabertos e a respiração levinha. O Kim havia dormido. KyungSoo mordiscou os lábios e suspirou, passando a mão pelo cabelo do garoto.

Os dois haviam se divertido no final de semana. A família Do foi jantar na casa dos Kim no sábado, comida que os dois haviam preparados juntos com ajuda do Food Network, até o irmão mais velho de KyungSoo, as duas irmãs e sobrinhos de JongIn deram o ar da graça. No domingo JongIn o obrigou a acordar cedinho, horário que só anciões acordavam e que os jovens voltavam das baladas, e o fez dar uma volta no quarteirão e brincar de basquete, porque KyungSoo se recusava a dizer que o que fez foi jogar, já que não conseguiu acertar nenhumazinha bola da cesta.

KyungSoo nunca imaginou que aquilo aconteceria. JongIn sempre foi Kai, o do time de basquete, o que aparece no outdoor do colégio, que tem um fã-clube e pescoços quebrados no corredor quando passa. E ele, bom, ele sempre foi só KyungSoo, que ninguém conhecia e que escutava tudo da vida dos outros no banheiro, nos corredores, e na sala de aula. Mas estava ali, com JongIn em seu colo, e tudo estava bem.

— JongIn-ah! – A voz de JongDae prolongando a última sílaba não demorou de ser escutada – Ah, oi KyungSoo – sorriu ajoelhando-se na frente do casal.

KyungSoo abriu a boca, mas não falou nada enquanto JongDae dava batidinhas no rosto do garoto dormindo a fim de acordá-lo.

— Hm... – JongIn murmurou quando seus óculos escuros foram retirados do rosto e a claridade tocou seus olhos.

— Preciso que você jogue sem camisa no treino de hoje.

— Uhum, tá bem. – JongIn assentiu sonolento e sentou-se bocejando.

— Você é o melhor. – JongDae passou a mão pelo cabelo do melhor amigo.

— Isso é sobre o fã-clube? – KyungSoo perguntou quando JongIn deitou a cabeça em seu ombro.

— Nossa, como você sabe? – JongDae perguntou surpreso – Mas sim, é. Como assessor do Kai – KyungSoo ficou calado, afinal não queria falar que aquilo era muito sem noção, já que não tinha o direito de definir o conceito de senso, uma vez que participava do ASSC – eu faço algumas coisas para o fã-clube.

— Isso inclui fazer ele jogar sem camisa?

— Bom, nem sempre o auxílio financeiro do colégio é justo para todos os clubes. Então se algumas pessoas oferecem uma doação generosa em troca de alguns suspiros pela tarde, por que não, né?

— Se é em troca de alguma coisa, não é exatamente uma doação, você sabe, né?

JongDae riu apertando a bochecha de KyungSoo, que se perguntou de verdade quando foi que deu essa intimidade ao garoto.

— Acho que entendo porque o JongIn gosta tanto de você. – sorriu levantando-se e limpando as mãos no jeans.

***

Na reunião do clube, SeHun já não sentia-se tão intruso. Afinal, Zhang YiXing era um doce, ChanYeol estava sempre do seu lado e MinHee apesar de não falar muito deixava claro que era muito preciosa para o mundo.

Desde a festa e do seu tempo com LuHan, estava difícil frequentar o colégio normalmente. Quando começou a namorar o chinês, o colocou no centro de tudo. LuHan era o ar que respirava. SeHun mudou tudo que podia mudar para que ficassem mais tempo juntos, sentou com o que ele e BaekHyun chamavam de “chineses descolados” todos os dias no almoço, o que o fez conhecer melhor ZiTao, que agora com certeza era um dos seus melhores amigos, aprender mandarim para entrar num clube que só tinha chineses e afins. Mas talvez aquilo não fosse suficiente para LuHan.

BaekHyun, apesar de ainda não gostar de ZiTao – afinal, ranço não é uma coisa que se perde em uma semana – concordou que SeHun deveria continuar frequentando o clube de mandarim se quisesse, afinal ele já havia assumido o compromisso. E no clube nem era tão difícil fingir que estava tudo bem, porque tinha Tao e YiFan do seu lado durante toda a reunião, fazendo piadas e o ensinando. Mas sempre que via LuHan, o encarava e via o chinês abaixar a cabeça coçando a nuca, o coração apertava.

E no Anti Social Social Club não corria o perigo de alguém falar algo em mandarim que o lembrasse LuHan – como havia acontecido no dia anterior que Jia, uma das garotas do clube, soltou um “xiao” no meio da reunião e ele corou violentamente – afinal YiXing evitava falar sua língua materna quando estava com os meninos, dizendo que assim aprendia mais e mais.

BaekHyun bateu o pé no chão nervoso encarando KyungSoo entrando na sala. Não era a primeira vez que o Do chegava atrasado naquela semana. Ele estava estranho. Muito, estranho. Sumia no almoço e tudo.

— Posso saber por que chegou só agora?

KyungSoo deu de ombros sentando-se na cadeira, ajeitou os óculos e bocejou.

— Então, sobre o dinheiro que a gente conseguiu na feira. Você sabe que eu ajudo um asilo, não é? Pensei que a gente poderia fazer alguma coisa por lá.

— Ah, é o asilo que você levou o Kai? – ChanYeol perguntou animado.

BaekHyun, KyungSoo e MinHee ficaram pálidos. MinHee já estava vendo a morte do melhor amigo acontecer num piscar de olhos, pobre KyungSoo. Byun arregalou os olhos e ChanYeol percebeu que havia dito mais do que deveria.

— Você tá levando quem pro asilo, KyungSoo? – perguntou se tremendo com um olho só piscando.

— Ninguém.

— Você tá saindo com o Kai? – deu um passo na direção do menino que desviou o olhar.

— Quem é esse? – perguntou nervoso, nem sabia porque estava fazendo isso, era o efeito de BaekHyun.

— Você não sabe quem é Kim JongIn, Do KyungSoo?! – berrou dramático do jeito que era – Eu não acredito que está fazendo isso com a gente! Você não era assim quando nos conhecemos.

A confusão estava armada. KyungSoo ficou calado vendo ChanYeol e YiXing o defender, MinHee miar baixinho perguntando se ele não queria sair dali e SeHun ficar mais perdido que qualquer coisa.

— Você não entende o que ele representa nessa escola?

— Baek... – ChanYeol o puxou para pertinho.

— Não, ChanYeol, o KyungSoo não entende o que a ditadura popular faz nesse colégio. JongIn é o principal ator nisso tudo, você acha que ele não se aproveita de tudo que tem? Isso aqui é uma monarquia, ele é o Rei que come enquanto o povo passa fome, entendeu? É exatamente isso. Eu não sei o que ele quer contigo, mas coisa boa não é, KyungSoo, e eu só estou falando isso porque quero seu bem. Ele não é seu amigo, vai por mim.

Se KyungSoo já não conhecesse a peça que era Byun BaekHyun, poderia até ficar ofendido. E para falar a verdade, ele mesmo pensava assim de JongIn até pouco tempo atrás, então, BaekHyun tinha um ponto.

Então, o inimaginável aconteceu.

Se alguém falasse para os membros do Anti Social Social Club que aterrissou no telhado do colégio uma nave espacial com homens bonitos de um planeta distante com super poderes, seria mais fácil de acreditar que Kim JongIn abriu a porta da sala com um sorriso bonito, corpo suado e olhar de cachorrinho sem dono.

Todo o grupo se calou. KyungSoo balançou a cabeça em negativa, implorando para aquele ser um dos muitos sonhos que tem com JongIn, mas a reação de BaekHyun deixava claro que não. O baixinho parecia que cairia duro no chão a qualquer momento.

— Oi... – JongIn sorriu – Eu soube que vocês estão começando a aceitar novos membros e queria entrar.

O silêncio permaneceu por alguns segundos. Todos se entreolharam nervosos.

— Bem-vindo! – YiXing sorriu levantando-se e correndo para dar um abraço em JongIn, que respirou fundo aliviado.

— É o que, Zhang YiXing?!

YiXing coçou a cabeça confuso enquanto BaekHyun dava pulinhos no mesmo lugar muito irritado.

— Não é assim que funciona!

— Mas o SeHun... – YiXing tombou a cabeça franzindo o cenho.

— O SeHun é o SeHun, o Kai é o Kai!

— Baek, vai com calma. – ChanYeol suspirou.

— Eu não posso aceitar que a escória popular venha para o nosso clube, ChanYeol. Não posso!

— BaekHyun. – KyungSoo suspirou levantando-se e caminhando até JongIn, Byun o acompanhou com o olhar, mas foi surpreendido quando o Do entrelaçou as mãos com o jogador de basquete, assim como o resto do clube – Quando você me perguntou se eu queria entrar no seu clube eu te disse que você não era o que consideram antissocial. A sua resposta foi que nós somos muito mais do que as pessoas enxergam nos corredores, lembra? Por que isso pode se aplicar pra você, para o ChanYeol e afins, mas não para o JongIn?

— P-p-por que você tá de mãos dadas com ele, hein?

KyungSoo e JongIn se entreolharam.

— Acho que porque estamos juntos. – KyungSoo respondeu antes de BaekHyun cair de joelhos no chão.

***

Foi um desastre. BaekHyun fez um escândalo depois de minutos em choque, YiXing os parabenizou, MinHee questionou depois porque KyungSoo não a contou, ChanYeol foi todo contente os abraçar (e depois voltou correndo para cuidar do Byun em estado de estátua), SeHun ficou surpreso.

Mas, com o argumento de KyungSoo, BaekHyun só pode aceitar a chegada de JongIn no grupo.  Ficou acordado que ninguém mais poderia entrar no ASSC durante um bom tempo, ou BaekHyun teria mais um dos seus acessos de tremelique e um olho só piscando, e também que ninguém além dos membros do clube deveria saber sobre o relacionamento novo do capitão, porque KyungSoo disse que não sabia como a escola iria reagir e não queria deixar as coisas complicadas para JongIn.

Obviamente nem tudo ocorreu como eles planejaram.

Por isso enquanto ChanYeol, KyungSoo, BaekHyun e SeHun caminhavam juntos segurando suas bandejas rumo a mesa que sentavam durante o almoço sentiam todos os olhares em si. O refeitório estava mais silencioso que o normal já que toda mesa se limitava a cochichos e olhares confusos. Kim JongIn estava sentado perto da lixeira conversando com MinHee e YiXing. Kai estava no Anti Social Social Club.

— Isso tá parecendo High School Musical. – ChanYeol comentou rindo.

— É, e o KyungSoo tá achando que é a Gabriella Maltez. – BaekHyun bufou, e então parou virando-se para o amigo – Você não é a Gabriella Maltez.

— É Montez, Baek. – SeHun disse e BaekHyun o olhou boquiaberto – Você acaba de perder um ponto comigo, é inadmissível errar nome de personagem de High School Musical.

— Ah, você vai tirar minha carterinha gay também? – bufou dramático voltando a caminhar.

Sentaram-se na mesa e ficaram calados observando a interação entre JongIn e MinHee. A garota passava constantemente as mãos no cabelo e olhava muito para a refeição na sua frente para não ter contato visual, mas BaekHyun não poderia ficar mais orgulhoso ao escutá-la respondendo tudo e até fazendo perguntas. Era como ver uma filha crescer, infelizmente ao lado de Kai, mas ao menos MinHee estava se saindo bem.

— Quando você pretendia me contar que gostava de garotos também? – BaekHyun perguntou baixinho para KyungSoo, sem atrapalhar a conversa sobre fotografia que MinHee e YiXing tinham com JongIn.

— Não sei, quando eu estivesse saindo com algum garoto que você conhecesse, provavelmente. – deu de ombros.

— Todo mundo nessa mesa gosta de garotos então? – SeHun perguntou boquiaberto.

— É, acho que sim. – ChanYeol respondeu pensativo dando uma olhada na mesa e levando o macarrão até a boca.

BaekHyun pigarreou chamando atenção do resto do clube

— Então, Kim JongIn – apoiou os cotovelos na mesa – O que te fez querer entrar para nosso clube além de sua suspeita queda pelo KyungSoo? Você não está só brincando com ele, está? Se você só pensar em machucar meu amigo, - KyungSoo o olhou de soslaio surpreso – eu faço questão de furar todas as bolas daquela quadra, e não estou falando só das de basquete.

JongIn sentiu aquele leve arrepio correndo sua espinha enquanto se submetia a sorrir amarelo. ChanYeol gargalhou dando um beijinho no canto da boca de BaekHyun, que naquele momento, nem protestou, afinal, ChanYeol passou o final de semana inteiro o roubando beijinhos aqui e acolá.

— Eu quis entrar no clube porque queria uma oportunidade de ser eu mesmo. Já falei isso com o Soo hyung antes, acho que estava cansado de tantos holofotes sendo que eu nem sou o que as pessoas acham e esperam. – MinHee concordou cabisbaixa com o jogador – E sobre o Soo... – JongIn sorriu olhando para o garoto sentado na sua frente – Minha queda por ele veio antes dele ter uma queda por mim, eu não estou brincando com isso.

KyungSoo sorriu concordando.

— Olha se não é meu clube preferido sentados todos juntos – JongDae chegou animado puxando uma cadeira e colocando na mesa.

— Quem foi que te deu o direito de sentar aqui, hein? – BaekHyun perguntou fuzilando o garoto enquanto ChanYeol passava o braço ao redor de seu corpo.

— Eu só vim falar que vocês são o assunto do momento. – defendeu-se levantando as mãos – Nunca na minha vida iria imaginar que meus dois melhores amigos encontrariam um clube que pudessem ficar juntos. – disse olhando para JongIn e ChanYeol.

— Somos mesmo o assunto do momento? – SeHun perguntou boquiaberto.

— Juju disse que todo mundo no ano dele falou da gente.

— É, claro que estão falando. A dupla dinâmica está de volta – sorriu para SeHun e BaekHyun – e Kim Kai está no clube. Sabe o que isso significa? Acabaram-se todas as piadas com vocês. Ninguém tem mais coragem de falar um “a” sobre o ASSC. Era desse tipo de coisa que vocês precisavam para se estabelecer de verdade, aposto que com a entrada do Kai até verba da direção vão receber.

Todo mundo esperou os olhos de BaekHyun começarem a brilhar, mas invés disso, ele fechou a cara e perguntou muito sério:

— Faziam piada da gente?

E todo mundo começou a gaguejar um pouco, coçar a nuca demais, e desviar o olhar pra esquerda tentando desconversar. Até mesmo YiXing, que normalmente só falava a primeira coisa que vinha na cabeça.

— É que... Bom... – ChanYeol coçou a garganta – As pessoas não estavam preparadas para a genialidade que o ASSC é, então faziam piadas para disfarçar a ignorância.

MinHee começou a bater palmas e concordar com a cabeça de tão nervosa que estava, e logo todos fizeram o mesmo soltando uns “É isso mesmo!” e “Tirou as palavras da minha boca!”, até que BaekHyun assentiu suspirando mais tranquilo.

— Enfim, agora eu tenho que fazer uns relatórios, mas vocês são meu clube preferido, gente, sério – JongDae disse levantando – E MinHee, - olhou para a garota que arregalou os olhos ao ouvir seu nome saindo dos lábios dele – qualquer coisa que precisar, sabe que pode contar comigo, não é? – sorriu doce tirando a cadeira que havia levado.

MinHee abaixou a cabeça e ficou com as bochechas coradas enquanto JunMyeon se aproximava da mesa fazendo uma de suas muitas piadas sem graça.

— Uh, - Byun bufou – por que a Min precisaria de ajuda dele?

***

O armário de BaekHyun estava repleto de bilhetes. Quem dera ele que todos fossem de Park ChanYeol com sua caligrafia torta dizendo “Me leva de bicicleta hoje de novo? <3”, mas eram apenas quatro com esse conteúdo. O resto dos bilhetes eram do fã-clube de JongIn e de pessoas desesperadas por algumas horas com o astro de basquete, todos pedindo para entrar no clube.

E BaekHyun, do jeito que era, fazia questão de negar um por um. Rasgando o bilhete quando sabia que o redator estava olhando.

ChanYeol, como um bom “alguma-coisa” que era, logo se materializou na frente do garoto com seu melhor sorriso.

— Depois da reunião, o que você acha da gente sair pra tomar sorvete?

— Você acha que eu gosto de sorvete? – Byun levantou a sobrancelha e o sorriso de ChanYeol quase se perdeu, mas então, BaekHyun sorriu – Eu amo sorvete, a gente vai tomar tanto sorvete que nossa língua vai ficar dormente.

ChanYeol sorriu mais largo ainda puxando o cadarço do capuz de BaekHyun e com isso, trazendo o garoto mais para perto de forma que só precisasse se inclinar para selar seus lábios.

O beijo não durou mais do que dez segundos, mas dessa vez não acabou com BaekHyun virando a cara ou o dando soquinhos. Byun só sorriu sem mostrar os dentes e suspirou, como se estivesse se controlando para não gritar. ChanYeol achou aquilo tão fofo quanto os ataques que o garoto tinha, por isso tratou de o roubar mais um selinho.

Foi depois do segundo selinho que BaekHyun percebeu que tinha alguma coisa errada.

MinHee estava parada em frente ao armário dela. Os olhos felinos cheios de lágrimas. A boca entreaberta. Os dois nem pensaram em nada antes de correr até a amiga, que paralisada, aceitou o abraço.

— Min, o que aconteceu?

E se o armário de BaekHyun estava cheio, o da MinHee estava mais. E nenhum dos bilhetes era sobre querer entrar no clube, eram ofensas, xingamentos e ameaças.

A reação imediata dos dois garotos foi ferver de raiva. ChanYeol abraçou mais apertado MinHee enquanto Byun se controlava para não pegar todos os papeis e os picar com os dentes, já estava sendo movido pela força do ódio. Viu um grupo de meninas no cantinho do corredor em risinhos enquanto apontavam o celular na direção deles, e aquilo foi o suficiente para que BaekHyun começasse a gritar e falar palavras tão feias que ChanYeol nunca imaginou que poderiam sair de uma pessoa tão pequena.

***

BaekHyun foi levado a diretoria. Claro que ele juntou todos os papeis deixados no armário da amiga antes e levou consigo, mas a reação do diretor o deixou ainda mais irritado.

— Como é que ele diz que “essas coisas acontecem no ensino médio”? – perguntou indignado sugando até a última gota do achocolatado de caixinha.

— Ele é um merda. – YiXing falou com raiva, e se todos não estivessem tão chateados, teriam ficado surpresos com Zhang YiXing, o pequeno orgulho de Changsa, xingando.

MinHee se encolheu mais nos braços de KyungSoo enquanto bebia a sua terceira caixa de achocolatado, sempre que ela terminava uma, alguém colocava outra em sua boca.

— Nada disso está certo. – JunMyeon, que estava ali de intruso junto de JongDae disse muito chateado.

— O que aconteceu, afinal de contas? – SeHun perguntou cabisbaixo.

JongDae segurou a mão de MinHee forte e suspirou. A menina estava tão atônita que nem se importou.

— É minha culpa. – Ele disse triste – Ano passado eu peguei algumas meninas falando coisas dela e não levei na direção. Elas estavam todas com inveja de que a MinHee é querida entre os professores e começaram a levantar boatos em cima dela, tudo uma grande mentira, mas muito cruel.

BaekHyun esticou a mão pegando outra caixinha de achocolatado dentro do saco.

— É, mas não adiantaria nada levar na direção já que esse diretor não fez nada.

— E agora o bullying não é só sobre os professores. As meninas acham que porque a Min é a única menina do clube, o JongIn entrou no clube por conta dela. – KyungSoo bufou irritado.

JongIn suspirou triste.

— Eu só... Eu... – MinHee gaguejou – Eu fico muito feliz por ter vocês como amigos. – sorriu fraco – Mas às vezes... Às vezes queria que existisse alguma menina que fosse legal comigo também. Mas... Tá tudo bem, - sorriu levantando a cabeça e olhando os amigos – Eu tenho vocês, não é? Vocês são os melhores... Isso tudo vai se resolver.


Notas Finais


uma coisinha gente: vocês tem twitter? se sim, por favorzinho, me contem o usuário de vocês que quero seguir <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...