1. Spirit Fanfics >
  2. Antologia Star Wars - A Saga do Escolhido >
  3. Falhas

História Antologia Star Wars - A Saga do Escolhido - Capítulo 47


Escrita por:


Notas do Autor


Saudações jovens jedi e Sith!!!

Demorou, mais chegou!!!!

No último capítulo vimos que um ataque foi perpetrado à residência dos Skywalker
Agora veremos o que aconteceu depois da tragédia


Boa leitura!!!

Capítulo 47 - Falhas


Fanfic / Fanfiction Antologia Star Wars - A Saga do Escolhido - Capítulo 47 - Falhas


As naves de segurança cortavam os céus de Naboo na direção do palácio enquanto o grupamento de incêndios tentava combater as chamas. O Veículo que transportava Anakin e sua família pousou na plataforma de desembarque, onde havia uma aglomeração de soldados correndo em todas as direções. O comandante de segurança desceu de seu transporte rapidamente e caminhou na direção deles dizendo:
—General Skywalker! Foi um ataque coordenado, o inimigo disparou torpedos terra-ar nas alas norte e oeste, o fogo foi ocasionado pela explosão dos geradores de plasma. 
—Baixas?
—Ainda não catalogadas, senhor! Eles nos atacaram durante a troca da guarda. Isso não foi um simples atentado.
Padmé interveio na conversa, visivelmente abalada e apreensiva, falando com a voz embargada:
—Meus pais! Onde eles estão!?
—O transporte os deixou próximos da ala sul – respondeu o comandante –, não obtivemos contato desde então. 
—A explosão só aconteceu depois que os geradores superaqueceram – completou um soldado –, eles podem ter saído antes. 
—Isso não pode ser – dizia Padmé extremamente nervosa – NÃO PODE SER! 
Num impulso ela saltou em disparada na direção das chamas, mas foi contida por Anakin.
—Me larga! – Dizia ela se debatendo e tentando sair dos braços dele – Eu preciso encontra-los! Eu preciso...
Nesse momento uma nova explosão no térreo fez com que parte da estrutura desabasse em uma gigantesca pilha de escombros incandescentes. Anakin abraçou sua esposa, que finalmente não conteve as lágrimas e se desmanchou em seus ombros. Apoiando a cabeça dela em seu peito, ele então disse:
—Siga com os guardas para o palácio real, eu vou procura-los.
—Não, eu não quero ir – respondeu ela em tom insistente – eu preciso ficar.
—Meu amor, precisamos pensar em nossos filhos agora, eles precisam estar seguros. Quem quer que esteja por trás disso ainda pode estar por perto. Confie em mim.
Abalada, Padmé assentiu. O droide C3PO foi localizado por uma equipe de buscas que estava no piso inferior da ala oeste, ele foi levado para assistir Amidala no caminho até Theed. 
Anakin retirou seu manto negro, repousando-o sobre uma das plataformas enquanto a equipe de contenção de incêndios finalmente chegou. O tenente responsável era um gungan com porte atlético e uma grande tatuagem tribal no braço. Aproximando-se de Skywalker ele prestou continência e disse:
—General, nossas tropas apagaram grande fogo, mas prédio ainda abalado para entrar. Quais as ordens?
Anakin ponderou por alguns instantes enquanto revisava a planta do palácio, analisando os danos às estruturas, depois acessou o plano espiritual da força, a fim de detectar formas de vida ainda presas nos escombros através dos midi-chlorians. Através da força, teve uma visão do local, que estava repleto de pontos de incêndio, pois a maioria dos móveis havia sido convertida em brasas e uma espeça cortina de fumaça preenchia o local. Anakin se inteirou da força para ampliar ainda mais sua percepção e encontrou alguns soldados no segundo e terceiro pavimentos, já asfixiados pela fumaça tóxica. 
No andar térreo um soldado esmagado pelos escombros e outros dois completamente carbonizados, até que finalmente ele sentiu um sopro de vida, próximo à sala de conferências. Um homem que se arrastava com dificuldade, tentando encontrar um meio de sair dali. 
—Equipe de buscas ao meu comando, há sobreviventes no andar térreo. 
—Sim senhor! – Respondeu o tenente. 
Uma equipe acompanhou Anakin até o local indicado e ele sentiu a energia vital mais forte naquele ponto. Usando a força ele moveu as pesadas placas dos pisos superiores abrindo uma fenda por onde a equipe de combate pudesse conter as chamas internas e em seguida entrou juntamente com a equipe de resgate. Skywalker instruiu os homens sobre como deveriam proceder:
—Este lugar está prestes a desmoronar, recolham todos os corpos dos pisos superiores e busquem por sobreviventes.
—Positivo!
Os homens seguiram as ordens, passando pelo que restou da sala de jantar e subindo as escadas com cautela e Anakin foi pelo lado oposto, onde havia uma concentração maior de chamas. Usando os treinamentos que recebera de Sidious em Serenno, ele controlou o fogo elemental usando a força e empurrou os objetos que obstruíam o caminho para a sala de conferência.
A Fumaça ali era espessa e a visibilidade baixa, mas Anakin ouviu um chamado baixo vindo do canto da sala.
—Ajude-me!
Tateando as paredes ele se aproximou conforme o som ficava mais alto até finalmente chegar perto da pilastra deparando-se com Ruwee Naberrie envolto em uma poça de sangue. 
Seu peito estava crivado com estilhaços do que parecia ser uma granada rudimentar, feita com pregos e gás tibanna. 
—Anakin... – dizia ele entre algumas tosses e golfadas de sangue – você tinha razão... filho... eles... atacaram...
—Não fale, Ruwee – interrompeu Anakin segurando sua mão – vamos tirar você daqui.
—J-Jobal! – Exclamou levantando o braço trêmulo.
Em meio à fumaça, que já começava a comprometer a respiração de Anakin, ele ampliou sua percepção com a força e encontrou a mãe de Padmé caída ao solo, a perna estava presa por uma parte da mesa de pedra, que partiu-se em duas com a força da explosão. 
Balançando as mãos em um gesto único, ele conseguiu soltar a perna de Jobal, que já estava inconsciente e com a pulsação quase nula. 
—Soldados! – Acionou ele pelo rádio – Preciso de resgate aqui.
Infelizmente por conta da agitação nos pisos superiores, uma parte do pavimento cedeu, bloqueando a passagem criada por ele e também obstruindo a saída da fumaça. Tomando Jobal nos braços, Anakin usou a força para saltar até o segundo piso, onde um grupo de soldados recolhia os corpos das vítimas.
—Chamem uma equipe médica imediatamente, eu vou buscar Ruwee. 
Novamente ele mergulhou na direção do local onde estava o homem convalescido e o amparou em seus ombros dizendo:
—Este não é um lugar para morrer, aguente firme!
Mas para piorar a situação, uma gigantesca pilha de escombros rolou na direção deles, forçando Anakin a usar a força para contê-la. 
Apesar de seus esforços, a quantidade de pedras era maior do que aparentemente ele poderia suportar, visto que o peso de três andares de rocha, metal, madeira e outros materiais estava sobre eles. Os músculos de Skywalker estavam extremamente tensos e o desgaste começou a tomar conta de seus movimentos. 
Parecia que Anakin sucumbiria, quando ouviu a voz de Darth Sidious em sua mente dizendo:
“Se você falhar, eles morrerão”. 
Neste momento, Darth Vader controlou o desgaste através da força e passou a segurar a colossal pilha de pedras com uma intensidade sobre-humana até que finalmente o grupamento de resgate pesado usou um aríete para abrir uma fenda na espessa parede do palácio e conseguiu chegar até eles. 
—General – gritou o tenente gungan – nós pegar o Naboo! Você precisar sair daqui.
Anakin nada respondia e o gungan insistiu:
—Vamos, general!
Novamente Anakin estava emudecido, então o gungan correu para tirá-lo de lá, mas quando estava na metade do caminho, Darth Vader o empurrou com a força, saltou para frente e a imensa pilha de escombros desceu em velocidade vertiginosa, levantando uma espessa coluna de poeira. 
—G-general? – Perguntou o gungan apreensivo.  
Os soldados observavam com certa aflição: teria mesmo o segundo homem mais poderoso do império sucumbido nos escombros?
—General Skywalker, responda! – Exclamou o comandante de segurança. 
—O que é aquilo? – Perguntou um soldado apontando para um vulto que emergiu por entre nuvem de poeira. 
De repente, Darth Vader revelou-se diante deles, com um semblante intimidador e os olhos convertidos em um amarelo vivo, ele caminhou lentamente entre os soldados sem esboçar uma palavra e foi direto ao encontro do comandante de segurança. 
Aliviado com a aparição de Skywalker, o comandante o reverenciou dizendo:
—Milorde! Graças aos céus! Estávamos temendo pelo pior. Alegro-me em vê-lo a salvo
Pela primeira vez, Darth Vader o olhava com desprezo e raiva:
—Meus filhos poderiam estar aqui.
—Foi uma falha grave, meu senhor, conduzirei uma investigação pessoal para encontrar os culpados e...
Vader começou a enforcar o homem usando a força, de uma maneira tão bruta e cruel que assustou a todos os homens próximos. Em tom baixo e moderado ele então respondeu:
—Só há um culpado. 
—Por... favor... tenha... misericórdia...
—Misericórdia? – Disse ele com um sarcástico sorriso no rosto – Sem misericórdia. 
Ativando seu sabre de luz com a guarda em forma de cruz, Anakin retalhou ao meio o homem com um balançar de mãos e tomou seu manto negro cobrindo o rosto com o capuz, falando para o segundo em comando:
—Recolha esse lixo, quero um relatório de danos imediatamente, todo o material do sistema de segurança deve ser enviado aos peritos da casa real.
—Como desejar, milorde. 
—Senhor – interrompeu um soldado receoso com a situação que presenciara – A equipe médica está a postos. 
—Leve-me até eles – ordenou Anakin.
O soldado o conduziu até uma tenda médica improvisada no pátio logo abaixo das árvores do jardim, onde Ruwee e Jobal eram mantidos em leitos improvisados. Anakin retirou seu capuz e os olhos dele retornaram ao brilho natural. O droide médico informou o boletim:
—Conseguimos estabilizar os ferimentos dela, mas a quantidade de fumaça inalada comprometeu seus pulmões.
—Soldado, traga o transporte rápido e levem-na para o hospital real.
—Agora mesmo, senhor!
—E quanto a Ruwee? – Perguntou Anakin ao droide médico. 
—Múltiplas perfurações detectadas, pelo menos três órgãos vitais foram atingidos, recomenda-se procedimento cirúrgico imediato. 
De repente Anakin ouviu a trêmula voz de Ruwee de forma surpreendente.
—A-Anakin... – falou ele tentando erguer a mão.
—Ruwee! – Exclamou ele abaixando-se e segurando seu braço – Aguente firme! Os médicos estão vindo
—É tarde... filho – murmurou ele em resposta – é tarde... demais.
—Não diga isso! Juntos podemos conseguir. 
—Você... estava certo... Anakin... me... perdoe! – Ruwee fez uma pausa tentando respirar e então uma tosse profunda seguida de uma golfada de sangue fez com que ele reclinasse sobre a maca. 
Anakin inclinou sua cabeça, mas sentiu sua mão sendo apertada por ele com força e uma voz tão baixa quanto um sussurro:
—Precisa... protege-los... da... ameaça...
—O que? O que está dizendo – perguntou ele surpreso. 
—Eles... levaram... Sola... encontre-a. – Ruwee segurou firme com as duas mãos sobre o braço de Anakin e suplicou – Encontre minha... filha.
—Eu prometo que vou encontrá-la – respondeu Anakin enquanto lágrimas caíam de seus olhos – quem fez isso vai pagar caro.
—Encontre... Darkwalkers...
Ao dizer essas palavras, Ruwee expirou. Suas mãos desceram lentamente e repousaram junto ao corpo e seu rosto pendeu lentamente para o lado, manchando com sangue o encosto da maca. Anakin tentou invocar a força para um processo de cura, mas sua concentração parecia afetada pelo ímpeto do lado sombrio e limitada pela exaustão física. A equipe médica chegou e tentou usar algumas técnicas de reanimação também sem sucesso e se sentiu ainda mais atordoado com toda a situação, pois apesar de todo o poder acumulado, não conseguira salvar da morte uma pessoa que lhe era próxima. 
Não havia mais nada que pudesse ser feito. 
Anakin cobriu-se com o capuz de seu manto e caminhou na direção do que havia restado do Palácio. Ele olhou fixamente para os escombros e lembrou da primeira imagem ao ver Padmé após um longo tempo e imaginou que seus pequenos filhos poderiam ser vítimas deste atentado. Também se lembrou da visão que teve no dia anterior, sobre como a ânsia por poder atrapalhava seu julgamento. Teria sido sobre isso que Logos alertara? Evidente que a resposta não seria tão fácil de encontrar, e enquanto os homens trabalhavam para eliminar os últimos focos de incêndio, ele desceu pela rampa de acesso e embarcou em sua nave rumo ao Palácio Real, onde Padmé aguardava nos aposentos especiais do porto de desembarque.
A notícia da morte do pai caiu com profundo pesar sobre ela, de modo que precisou ser atendida pela equipe médica do rei por conta de uma crise nervosa. O Boletim do hospital real informara ainda que Jobal Naberrie teve ferimentos leves e passara por cirurgia de correção dos ossos quebrados, além de um procedimento para drenar os resíduos alojados nos pulmões. 
Os níveis de segurança foram elevados ao grau máximo e o governador de Theed decretou autoridade marcial, o que aumentou o controle dos oficiais do império na região. 
No gabinete real, estavam o Rei de Naboo ao lado de Anakin além de projeções holográficas do Grande Chefe Rugor Nass e do recém-promovido Moff Quarsh Panás, ex-membro do corpo de guarda real de Naboo. 
—Quem ousaria atacar o alto escalão do império assim? – Perguntou o rei acariciando sua espessa barba com uma das mãos.
—O serviço de inteligência de Naboo está trabalhando nas investigações. – Respondeu Panás –Até agora pouca coisa se sabe. Esperamos ter mais informações recuperando os dados do sistema de segurança.
—Mim acredita que ataque ao palácio Naboo ser provocação, insurgentes entre vocês existem – completou Rugor Nass. 
—Nass pode estar certo. Um ataque à residência de Anakin foi um ataque direto ao Império Galáctico. Devemos considerar a situação como um ato terrorista qualificado e...
—Não foi um ato terrorista – interrompeu Anakin, falando pela primeira vez.
—O que disse, meu jovem? – Perguntou o rei surpreso. 
Anakin desativou o sistema de áudio da mesa de comunicação e então respondeu:
—Um ato terrorista é premeditado, feito para pôr medo numa determinada população. Se fossem terroristas insurgentes, teriam atacado a casa real, a academia... teriam até mesmo atacado o meu palácio comigo dentro. No entanto eles sabiam que eu não estava lá e atacaram mesmo assim. Agora lhe pergunto: por quê?
—Então você supõe que sejam...
—Conspiradores – Disse Anakin enquanto entrelaçava os braços dentro das mangas de seu manto – a irmã mais nova de Padmé estava no palácio, porém não estava entre os sobreviventes e nem entre os mortos. 
—Então ela foi sequestrada? Por quem?
—Isso é o que pretendo descobrir – respondeu Anakin – as últimas palavras de Ruwee foram “encontre darkwalkers”. Tem alguma ideia do que significa?
A expressão no rosto do rei era de espanto ao ouvir as palavras de Anakin e subitamente ele se levantou de sua cadeira, ativando o sistema de áudio dirigindo-se a Rugor Nass e ao Moff Imperial:
—Mantenha seu foco nos níveis de segurança e nas investigações e retorne assim que tiver novidades, Panás. 
—Entendido, Majestade. 
—Grande Chefe Nass, quero que você e seus homens vasculhem os pântanos e as fronteiras marítimas. Contate-me se encontrar algo suspeito.
—Como desejar, Grande Naboo. 
Os hologramas desapareceram e o Rei então voltou-se para Anakin dizendo:
—Darkwalkers... eu não ouço este nome desde a queda de Veruna – o homem ajeitou os cabelos grisalhos e mostrou um olhar preocupado.
—O que significa? – Perguntou Anakin olhando fixamente para ele.
—Foi um grupo criminoso que se infiltrou na guarda real de Naboo há vários anos. Pouco sabemos sobre eles. Há quem diga que eram influenciados pelo Clã Bancário para desestabilizar a monarquia e instaurar o sistema republicano à força, porém a versão oficial é de que eram fanáticos radicais inspirados nos guerreiros mandalorianos. Embora nunca tenha sido comprovado, é provável que eles gerenciaram o submundo criminoso de Naboo por pelo menos meio século antes de se infiltrarem na corte. 
Anakin observou atentamente cada palavra, levantou-se e caminhou observando os livros nas prateleiras do gabinete e o rei prosseguiu:
—Sei que você busca por respostas, meu jovem, mas isso é tudo o que temos sobre eles. 
—Eu entendo – assentiu ele desapontado – receio que terei que pesquisar sobre isso mais  
—Se obtiver alguma informação, me avise. Vocês são como filhos para mim. Ruwee foi um grande amigo da casa real, sua perda é irreparável.
—Farei isso, Alteza – respondeu Anakin levantando-se e prestando as reverências a ele –, agora, se me der licença. Devo acompanhar Padmé durante a noite. 
—Como ela está?
—Ainda muito abalada. Os médicos deram um calmante a ela para que pudesse dormir um pouco.
—Pobre menina – lamentou o rei – perdeu o pai, a mãe está gravemente ferida e a irmã desaparecida. Ela precisará de todo o apoio possível. Diga a ela que poderá ficar no palácio todo o tempo que julgar necessário.
—Obrigado pelo apoio, Alteza.
Terminada a reunião, Skywalker dirigiu-se à porta do gabinete, mas antes de sair, o rei lhe chamou pela última vez:
—Anakin.
—Sim, Alteza.
—Eu posso não ser mais um veloz combatente dos meus anos juvenis, mas consigo notar o semblante de um homem sedento por vingança. Eu não o impedirei, mas peço que seja cauteloso em suas investigações.
—Minha prioridade agora é encontrar Sola, mas quando encontrar quem está por trás disso – Anakin fez uma pequena pausa, levantou seu capuz e ativou seu sabre de lâmina vermelha – ele sentirá o peso da minha vingança. 
Após dizer isso, ele saiu pela porta, escoltado por dois guardas até a ala médica onde acompanharia Padmé durante a noite. Luke e Leia estavam sob os cuidados das amas reais. O rei assistiu àquela declaração fria e impiedosa com apreensão, pois jamais ouvira Skywalker falar daquela maneira.
Ele reclinou sobre sua poltrona e imaginou qual era a possibilidade dos darkwalkers terem aparecido novamente e quem seria o mandante do ataque. A situação era extremamente delicada.


Notas Finais


O misterioso ataque vitimou Ruwee Naberrie e feriu gravemente sua esposa Jobal.
A jovem Sola foi levada pelos agressores como reféns e a única pista do ataque foram as últimas palavras do Pai de Padmé, sobre um extinto grupo criminoso que operava no submundo de Naboo.
O que aconteceu no palácio?
Quem está por trás do ataque?
Para onde levaram Sola?

Essas e outras perguntas, serão respondidas nos próximos capítulos.

Espero que tenham gostado da leitura.
Não deixem de acompanhar as outras histórias também.
Tem muita coisa vindo por aqui.
Essa semana vai ter "What if" de volta, os vingadores se perparando para o confronto em "Star Wars vs Marvel" e uma fic nova estreando por aqui.
Por hoje é só...
Até a próxima, meus nacarados leitores
E que a força esteja com vocês.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...