História Antonia (O Intruso) - Capítulo 8


Escrita por:

Postado
Categorias Star Trek (Jornada nas Estrelas)
Personagens Dr. Leonard "Magro" McCoy, James T. Kirk, Personagens Originais
Tags Antônia, Estelar, Frota, Kirk, Mccoy, Star, Trek
Visualizações 4
Palavras 2.669
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Aventura, Ficção Científica, Romance e Novela
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 8 - V'Ger


 

“Diário de Bordo. Data Estelar 7414.1”

“Nossas melhores estimativas nos colocam a umas quatro horas da Terra. A boa notícia é que a medida que nos aproximávamos do sistema solar a nuvem de energia foi se dispersando e revelando uma espaçonave. Porém é preocupante que ela seja pelo menos quinhentas vezes maior que a Enterprise. Nós a estamos acompanhando e monitorando cuidadosamente.”

“Por enquanto não fizemos nenhum progresso significativo em conseguir que a sonda-andróide acesse os padrões de memória de Ilia armazenados no seu banco de dados para obtermos respostas mais claras. Porém ela permanece como nosso único meio de contato com o Intruso. Ela está percorrendo a nave e examinando minuciosamente todos os sistemas, acompanhada de perto pelo comandante Decker. Por enquanto nós não tivemos problemas e a rotina das operações ocorre normalmente. Mas o nosso tempo está se acabando e precisamos resolver este impasse, descobrindo quem é este “criador” do qual a sonda fala.”

 

- Capitão, estamos recebendo um sinal fraco do comando da Frota Estelar – disse Uhura do seu posto de comunicações – a nave alienígena apareceu no monitor deles a vinte e sete minutos, se aproximando da Terra em baixa velocidade. Chegaremos a órbita do planeta em três minutos.

- Coloque nossa posição relativa à Terra no tela, Sr. Checov – ordenou Kirk.

No grande monitor da ponte de comando surgiu um esquema estilizado, mostrando o quarto superior esquerdo do planeta Terra e dois pontos luminosos que se aproximavam, representando a nave do Intruso e a Enterprise próximo a ela.

- Senhor, V’Ger está transmitindo um sinal para a Terra – informou Uhura a Kirk.

Neste momento, a andróide-sonda entrou na ponte da nave, acompanhada pelo comandante Decker.

- V’Ger está transmitindo um sinal para o criador – disse a andróide com sua voz mecanizada.

A tenente Uhura consultor seu painel.

- Capitão, a mensagem é um simples código binário – disse ela – transmitido por um sinal portador. Rádio.

- Rádio? – perguntou Kirk, olhando intrigado para a tela.

- Jim – disse o comandante Decker – V’Ger espera uma resposta.

- Uma resposta? – perguntou o capitão – mas qual é a pergunta?

- O criador não respondeu – disse a andróide.

- Todos os sistemas de defesa planetária foram desativados - disse Spock, consultando o monitor da sua estação de trabalho.

Repentinamente um raio de energia foi disparado da nave alienígena em direção à Terra. Ao atingir a atmosfera, ela se espalhou, envolvendo todo o planeta.

- Capitão! – disse Checov – esta energia é do mesmo tipo usado para desintegrar a Estação Epsilon IX, porém com potência e alcance infinitamente maiores.

- Por quê? – perguntou Kirk, olhando para a andróide-sonda.

- O Criador não respondeu – disse ela – a infestação de unidades-carbono deve ser eliminada.

- Mas Por quê? – tornou a perguntar o capitão.

- Vocês infestaram a Enterprise – foi a resposta – e interferem com o Criador da mesma forma.

- Unidades-carbono não são um vírus! – disse Kirk irritado – eles são como uma função natural do planeta do Criador. São entidades vivas.

- Vocês não são formas de vida verdadeiras – respondeu friamente a andróide – só o Criador e formas semelhantes a ele são verdadeiras.

- Formas de vida semelhante... – ponderou o Dr. McCoy, que também estava na ponte – Jim, V’Ger está dizendo que o Criador é uma máquina.

- Uma maquina?... – disse Kirk, surpreso.

- Capitão – chamou Spock.

Quando Kirk se aproximou da estação de trabalho do vulcano, o comandante Decker e o Dr. MCCoy o acompanharam.

- Capitão – disse Spock, em tom baixo – V’Ger é uma criança. Sugiro que a trate como tal.

- Uma criança? – perguntou James Kirk, intrigado.

- Sim, capitão. Uma criança – respondeu o vulcano – evoluindo, aprendendo, buscando. Instintivamente carente.

- Carente do quê? – perguntou Decker.

- Spock, essa criança está prestes a aniquilar toda a vida da Terra! – disse McCoy ironicamente – o que sugere? Uma surra?

O vulcano levantou a sobrancelha de modo característico.

- Ela só sabe das suas necessidades, Doutor – disse ele – mas, como muitos de nós, não sabe quais são elas.

O capitão pensou por alguns instantes. Então se voltou para a andróide, que permanecia parada no centro da ponte de comando.

- As unidades-carbono sabem por que o Criador não respondeu – disse ele.

A andróide olhou para ele.

- Forneça a informação – disse ela, mecanicamente.

- Não enquanto V’Ger continuar a ameaçar o terceiro planeta – respondeu Kirk.

- Capitão! – disse Uhura – estou perdendo o contato com a Frota Estelar. Interferência de V’Ger.

- Unidade Kirk, forneça a informação – repetiu a sonda-andróide – porque o Criador não respondeu.

- Não – disse Kirk.

- Capitão! – disse Checov do seu posto – estou captando um aumento da energia que envolve o planeta. Está causando sérios abalos sísmicos na superfície e diminuindo a taxa de oxigênio na atmosfera.

A Enterprise começou também a ser violentamente sacudida.

- Ponte – disse a voz preocupada do engenheiro Scott no intercom – o que está acontecendo aí? A pressão sobre o casco externo da nave subiu a quinhentas toneladas por milímetro quadrado e todos os sistemas estão começando a falhar... o núcleo de dobra está começando a entrar em colapso!

- A criança está dando um chilique, Sr. Spock – comentou McCoy.

- V’Ger quer a informação – repetiu a andróide.

- Oficiais, saiam dos seus postos – ordenou o capitão – vamos deixar a ponte.

- Jim, que droga de estratégia é essa? – perguntou McCoy exasperado.

A nave foi sacudida novamente.

- Se V’Ger destruir a Enterprise – disse Kirk para a andróide, indo em direção ao elevador, junto com os outros oficiais – destruirá também as informações.

- É ilógico reter as informações perdidas – disse a sonda-andróde – porque a unidade Kirk não fornece a informação?

- V’Ger destruirá as unidades-carbono do terceiro planeta? perguntou o capitão.

- Elas reprimiram o Criador – respondeu o autômato.

- Então a informação não será dada! – disse Kirk com firmeza.

- V’Ger precisa da informação! – falou a andróide.

- Então V’Ger terá de parar de atacar o planeta e a Enterprise – disse o capitão.

- V’Ger fará isso se as unidades-carbono ofereceram a informação.

Spock se aproximou de Kirk.

- Capitão, a nave, V’Ger, é comandada por uma complexa inteligência central – disse o vulcano, quase sussurrando – nós teremos mais chances se interagirmos diretamente com ela.

O capitão voltou até onde estava a andróide.

- A informação não pode ser dada à sonda de V’Ger – disse Kirk – apenas a ele somente diretamente.

A sonda-andróide olhou silenciosamente para oficiais da ponte que estavam mais próximos dela, Kirk, Decker, McCoy e Spock.  E repentinamente seus olhos foram se iluminando, até que uma luz branca tomou conta da ponte, cegando a todos. Quando a luminosidade voltou ao normal, os cinco haviam desaparecido.

*  *  *

Logo que o capitão se recuperou da cegueira momentânea causada pelo inesperado transporte, viu que se encontrava em uma plataforma plana, no centro de uma grande sala. E sobre ela estava colocado um grande aparelho, com algumas de suas partes mecânicas expostas e com uma grande parabólica iluminada se destacando na parte de cima, lembrando um satélite. Vários cabos e dutos luminosos o ligavam diretamente à estrutura da nave.

- V’Ger – disse a sonda-andróide, apontando para ele.

Os oficiais da Frota foram se aproximando cautelosamente, acompanhados pela andróide.  Quando chegaram perto, Kirk notou que o aparelho possuía uma placa na sua lateral, onde se destacavam algumas letras.

- V, G, E, R ... V’Ger – disse Kirk,

Mas ele notou que também haviam algumas letras que estavam cobertas por uma grossa camada de fuligem, entre a letra “V” e as últimas três. Com as pontas dos dedos, ele raspou com dificuldade, até surgir a palavra inteira: “VOYAGER”. Ao continuar a raspar, foram surgindo mais algumas letras e símbolos.

- VOYAGER VI, NASA.

- NASA (1)? – estranhou Decker –  a agência espacial americana? Jim, isto foi lançado a mais de trezentos anos.

- Programa Voyager (2) – disse Kirk, impressionado – sondas projetadas para colher dados e transmiti-los para a Terra.

- Capitão – disse Will Decker – a Voyager VI desapareceu em um buraco negro. Deve ter saído do outro lado da galáxia...

-... e caído no campo gravitacional do planeta das máquinas – completou Spock – as máquinas devem ter achado que a Voyager era como elas. Primitiva, mas semelhante. Descobriram o programa do computador escrito no século XX, para coletar todo e qualquer dado...

- ... aprender o que há para se aprender – continuou o comandante Decker – e enviar toda a informação de volta para o seu criador.

- Isso mesmo, Sr. Decker – disse Spock – e elas levaram isso ao pé da letra. Construíram essa nave para a Voyager executar seu programa.

- E, na volta – disse James Kirk, fascinado – ela acumulou tanto conhecimento que desenvolveu uma consciência. Tornou-se um ser vivo.

Ao redor dos oficiais da Frota começaram a soar vários sons profundos e melodiosos e a partir da plataforma onde estava a Voyager vários corredores de luz começaram a brilhar.

- Unidade Kirk – disse a andróide – V’Ger aguarda a informação.

O capitão pegou seu comunicador, tentando abrir comunicação com a Enterprise. Depois de alguns segundos, o canal foi aberto.

- Uhura, envie os registros de dados e históricos referentes à sonda da NASA do século XX, Voyager VI – ordenou o capitão – queremos do velho código da agência espacial que faz a sonda transmitir informações. Precisamos com urgência.

- Entendido, capitão – respondeu a oficial de comunicações.

- É isso que significam estes sinais de rádio – disse Decker – a sonda está pronta para transmitir as informações.

- Mas ninguém na Terra reconheceu o velho sinal – completou Kirk – e não respondeu a ele.

- “O Criador não respondeu...” – murmurou McCoy.

Kirk reaproximou-se da sonda, tocando-a.

- V’Ger – disse ele o mais calmamente possível – nós somos o Criador.

- Isso é ilógico – disse a sonda-andróide – unidades-carbono não são formas de vida.

- Provaremos isso a você – respondeu o capitão – vamos possibilitar que complete a sua programação.  Só o criador seria capaz disso.

O comunicador de Kirk apitou suavemente. Ele abriu o canal.

- Capitão, localizamos o código – disse Uhura.

- Transmita para a minha posição agora – disse ele.

À medida que o código era transmitido, ele ia aparecendo na pequena tela do comunicador do capitão, que automaticamente o repetia em voz alta.

- Cinco, zero, quatro... três, dois, nove... três, um , sete... cinco, um, zero... e a seqüência final que deverá ativar o transmissor da Voyager...

De repente, um dos painéis laterais da Voyager entrou em curto e os sons melodiosos que vinham da sonda cessaram.

- A Voyager não está transmitindo, capitão – disse Spock, consultando seu tricorder.

- O Criador deve se unir a V’Ger – disse a sonda-andróide.

Spock conseguiu abrir o painel que entrara em curto na sonda, examinando os circuitos.

- A Voyager não está transmitindo – disse o vulcano – porque não recebeu a freqüência final.

Quando Kirk se aproximou, viu que os cabos da antena estavam queimados e olhou para Spock intrigado.

- Eles se derreteram neste instante, Jim – disse o Vulcano - foi V’Ger.

- Por quê? – perguntou Kirk.

- Para evitar a recepção – disse o comandante Decker, aproximando-se também – e atrair o Criador para que ele possa transmitir o código pessoalmente. Para tocar o Criador.

- Capturar Deus? – disse McCoy – neste caso V’Ger vai ficar muito desapontado.

Spock sinalizou para que os oficiais para que se juntassem a ele

- V’Ger precisa evoluir – disse ele, em voz baixa - seu conhecimento chegou ao limite do universo. Quer uma resposta para sua pergunta: “Não existe nada mais?”. Mas como a simples lógica não pode responder, ele não é capaz de aceitar.

- O que ele almeja para evoluir é uma qualidade humana – disse Kirk – nossa capacidade de ver além da lógica.

O comandante Decker olhou para a andróide que estava parada perto da sonda, esperando.

- Talvez deixá-lo unir-se ao criador seja a solução para o problema – disse ele.

- Esta máquina quer se unir a um ser humano? – questionou McCoy, abismado – será possível?

- Vamos descobrir – disse Decker, caminhando em direção à sonda.

Quando Kirk tentou impedi-lo, foi empurrando para o chão pela andróide, e caiu aos pés de McCoy.

- Vou digitar a seqüência diretamente no computador da sonda – disse Will Decker já emendando os cabos partidos no painel aberto.

- Decker! Você não saber o que vai acontecer – disse McCoy, preocupado.

- Sim Doutor, eu faço uma idéia – respondeu ele – mas precisa ser feito.

Assim que Decker terminou de digitar a seqüência, a andróide caminhou até ele e colocou a mão direita sobre o seu peito e imediatamente eles começaram a brilhar. A luz foi cercando os dois, pulsando e ficando cada vez mais brilhante, até que Kirk, Spock e McCoy ficaram completamente ofuscados por ela.  E no momento seguinte eles já não estavam mais na nave de V’Ger.

*  *  *

James Kirk, Spock e o Dr. McCoy se materializaram na ponte de comando da Enterprise, sob o olhar assustado dos oficiais que lá estavam.

- Capitão, vocês estão bem? – perguntou Sulu, aflito.

- Estamos – respondeu Kirk.

O capitão olhou ansioso para a tela da ponte.

– E qual é a situação da nave de V’Ger? – perguntou ele.

- Parece que está se preparando para deixar o sistema – respondeu Checov.

- A Frota Estelar informa que o cerco energético a Terra se dissipou e todas as condições atmosféricas e sísmicas voltaram ao normal  - disse Uhura - o perigo passou, senhor.

Quando olharam novamente para a grande tela eles ainda puderam ver a imensa nave desaparecer em uma grande explosão de luz.

Silenciosamente,  Kirk caminhou até a cadeira de comando e sentou-se, com Spock e McCoy colocando-se em pé ao seu lado.

- Spock, acabamos de testemunhar o nascimento de uma nova forma de vida? – perguntou Kirk.

- Sim, capitão, nós vimos nascer – respondeu o vulcano – provavelmente nossa próxima etapa evolutiva.

- Será? – perguntou Kirk, ainda olhando para a tela, pensativo.

- Há muito tempo eu não punha uma criança no mundo – disse McCoy sorrindo – espero que tenha trabalhado bem.

- Eu também – disse James Kirk, sorrindo também – acho que demos a ela a chance de construir seu próprio destino a partir de nossas próprias fraquezas... e da nossa vontade de vencê-las.

- São muitas emoções tolas, não é Spock? – perguntou McCoy, provocando o vulcano.

- É verdade – disse o vulcano, suspirando – infelizmente vou ter que voltar lidar com elas também.

- A Frota estelar pede um relatório de avarias e baixas, capitão – informou Uhura.

- Informe duas baixas – disse Kirk – tenente Ilia, capitão Deker.

- Sim capitão – disse ela.

- Correção – disse Kirk, depois de pensar um pouco – não os registre como baixas, mas como desaparecidos.

Kirk tocou o intercom no braço da cadeira. 

- Sr. Scott, status da nave – pediu.

- Cem por cento operacional, capitão – respondeu o engenheiro.

O capitão olhou para Spock.

- Em quatro dias estará em Vulcando – disse Kirk.

- Não será necessário, capitão – respondeu o Spock – minha missão em Vulcano terminou.

- Muito bem – disse James Kirk – Uhura, sinalize para a Frota Estrelar. Diga que estamos voltando para casa.  

*   *   *

 

Referências do Capítulo:

(1) NASA (sigla em inglês de National Aeronautics and Space Administration – Administração Nacional da Aeronáutica e Espaço) é uma agência do Governo Federal dos Estados Unidos responsável pela pesquisa e desenvolvimento de tecnologias e programas de exploração espacial. Foi responsável pelo envio do homem à Lua e por diversos outros programas de pesquisa no espaço.  Ela também tem desenvolvido vários programas com satélites e sondas de pesquisa espacial que viajaram até outros planetas fora do nosso sistema solar. Sua próxima grande meta é uma viagem tripulada até o planeta Marte, nosso vizinho.

(2) O programa Voyager consistiu no lançamento de várias sondas, à partir de 1977. Muitas continuam operacionais, reunindo grandes quantidades de dados sobre os planetas do nosso sistema que ainda são pouco conhecidos. Em 13 de dezembro de 2010, a NASA anunciou que a Voyager 1, viajando a uma velocidade de 17 km/s, havia alcançado a zona de heliopausa, tornando-se o primeiro artefato humano a chegar à fronteira do Sistema Solar e em setembro de 2013 confirmou-se que ela o havia deixado.

 

 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...