História Ao som do coração - Capítulo 12


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Bts, Colegial, Drama, J-hope, Romance, Suga
Visualizações 15
Palavras 1.659
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Drama (Tragédia), Escolar, Famí­lia, Ficção, Hentai, Luta, Romance e Novela, Violência
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Amores da minha vida, voltei!

Esse capitulo era pra ter vindo ao ar semana passada, mas sofri um bloqueio e só consegui escreve-lo hoje na aula.
Espero que gostem, mesmo ele estando curtinho.

XOXO

Capítulo 12 - Décimo Primeiro


Fanfic / Fanfiction Ao som do coração - Capítulo 12 - Décimo Primeiro

My castle crumbled overnight
I brought a knife to a gunfight
They took the crown, but it's alright
All the liars are calling me one

 

 

Hoseok's POV

 

O final do ano chegou mais rápido do que previa. A previsão era de um inverno muito rigoroso, toda vez que saia na rua desejava voltar pra dentro de onde estava. A academia se esvaziava com as férias chegando, poucos alunos continuavam ali e quem podia culpa-los, se pudesse teria ido pra casa, mas se quisesse ser um grande dançarino tinha que continuar aqui. 

Sai da minha sala, apagando as luzes, podia ouvir o vento lá fora, me arrepiei só de pensar na temperatura do lado de fora. Prestava tanta atenção nos meus pés que não vi quando fui atingido por alguém.

- Mas que ... - comecei a xingar, empurrando a pessoa pra longe de mim. Min-ah me olhava com olhos incrivelmente grandes, eles eram puxados e ainda sim grandes - O que está fazendo aqui?

- Omo! Ensaiando! - ela falou se levantando, me arrependi de ser grosso com ela. Min-ah era um ser espirituoso e alegre, combinava comigo, mas meu estado de espírito estava mais sombrio esses dias - Educado você, hein!

- Você me atropelou! - reclamei ficando de pé, ela me olhava cerrando os olhos, pra depois sair me deixando sozinho no meio do corredor - Aiishh!

Ainda fiquei um bom tempo fechando a escola, responsabilidade que eu peguei ao falar pro zelador ir embora, ele não precisava ficar aqui até tarde apenas porque eu decidira ensaiar. Tranquei a última porta, vestindo meu grosso casaco ainda no batente. Min-ah andava de um lado pro outro, xingando baixinho. A observei, ela era diferente, tinha uma aura boa, esbocei um sorriso, ela era nova em nosso grupo, na verdade, era nova na escola e vivia pendura em mim por causa da academia, por vezes a ignorava ou a deixava falando, me repreendi por isso. Não era assim.

- Kim Min-ah - a cutuquei para que me ouvisse, o vento soprava auto.

- Não me cutuca que não sou touchscreen! - ri daquela frase, ela ainda tinha os olhos cerrados - O que quer?

- Omo! - falei encarando meus pés, talvez eu merecesse aquele tratamento - como vai embora?

- Com os pés, ora! - revirei os olhos com a resposta.

- Ta passando muito tempo com o Yoongi hyung, não acha? - ela sorriu pra mim, me perguntei se seria aquele o sorriso que poderia iluminar uma cidade.

- Ele andou me ensinando algumas coisa - as palavras saíram em meio ao riso - Vou a pé mesmo, por que quer saber?

- Quer companhia? - perguntei a fitando, ela sorriu aceitando a proposta. A segui, as ruas de Gangnam era, relativamente, calmas e vazias a essa hora - Onde mora?

- Na mansão dos Lee - ela deu ombros falando, seus passos eram lentos, ela observava as coisas em sua volta - Meu pai é motorista lá.

- O Sr. Im? - ela acenou positivamente 

- Minha mãe me mandou pra morar com ele! - seu sorriso deu uma diminuída

- De onde você é?

- Indonésia - ela fitava o chão ao caminhar, brincando com os dedos - Lá não tava um bom lugar pra morar e eu não sou mulçumana ai é pior!

- Entendo - concordei, não sabia o que falar. Caminhamos em silencio, me peguei observando-a de novo, gostava dos seus olhos grandes de jabuticaba, a pele morena e do jeito que ela arrumava a franja que estava cumprida de mais - Faz pouco tempo que está aqui?

- Quase 10 anos -  estávamos bem próximos da mansão, as casas eram muito grandes aqui, respirávamos riqueza, aquilo me deixava ansioso.

- Como assim? - segurei-a pelo braço, tínhamos parado sobre uma cerejeira, ela estava de frente pra mim - Min-ah... - ela não me olhava, se ela estava aqui a quase 10 anos, ela sempre estudou na Império, como eu nunca a tinha visto? - Kim Min-ah?

- Oi? - ela tinha um sorriso diplomático no rosto, havia algo errado ali.

- A quanto tempo você estuda na Império? - perguntei e ela se desfez do meu aperto.

- Desde sempre - o mesmo sorriso diplomático, mas sem emoção alguma.

- Como nunca te vi lá? - ela deu ombros, aquilo me irritou de alguma forma.

- Sou boa em ser invisível - ela não tinha emoção no rosto, ia falar alguma coisa, mas um voz de trovão nos interrompeu.

- Cami! - Sr.Im, o motorista, era um homem de constituição forte e olhar bondoso, a filha tinha alguns de seus traços.

-Appa, Hoseok me acompanhou até em casa - ela se curvou sorrindo, copiei o ato, cumprimentando - o.

- Entre, está frio - Min-ah obedeceu o pai saindo sem se despedir - Obrigada, Sr. Jung!

- Sem problemas, Sr. Im - o motorista fechou a porta lateral sem se despedir, pude ouvir algumas vozes enquanto eles se afastavam.

 

Suspirei ao entrar em casa, deixando os casacos jogados de qualquer forma na entrada do minúsculo apartamento, me joguei na cama sem me importar em trocar de roupa, estava exausto pelo ensaio e pela caminhada.

 

Min-ah (11:52 pm): Desculpe meu pai, ele é meio sem jeito com pessoas.

Hobi (11:52 pm): Só desculpo se aceitar que te pague o almoço amanhã!

Min-ah (11:53 pm): Amanhã é sábado, não temos aula!

Hobi (11:53 pm): Vamos sair então ! Ir a um parque, o que acha?

Min-ah (11:54 pm): Tudo bem. Onde?

Hobi (11:54 pm): Te mando a localização, ok?

Min-ah (11:56 pm): Ok. Boa noite e até amanhã . ;*

Hobi (11:57pm): Ate. XOXO

 

Estava atrasado, muito, me xingava mentalmente por isso. Min-ah tinham me mandado algumas mensagens, mas não conseguia responder, torci para que ela não tivesse desistido e ido embora. Corri como se não houvesse amanhã, consegui ver minha respiração condensar na minha frente, meus pulmões doíam. Só parei quando cheguei na ponte onde tínhamos combinado de nos encontrarmos, ela não estava ali, bufei frustrado, amaldiçoando o transito e o clima por terem me feito atrasar.

- Acho que vi seus pulmões pularem no rio – a voz dela era baixa e risonha, me virei pra ver uma Min-ah enrolada num cachecol vermelho que escondia parte de seu rosto e num sobretudo branco com dois copos de chocolate quente nas mão, podia ver que ela sorria, mesmo sem ver seu rosto por completo, os olhinhos a denunciavam – Toma!

- Obrigada – me curvei a agradecendo, sorrindo pra ela, ainda me recuperando de toda a correria – Desculpe me atrasar.

- Não tem problema – ela parou ao meu lado, pude sentir o perfume doce e delicado dela misturado com o cheiro da canela e do chocolate – Vamos?

- Vamos... onde? – tinha certeza que meu cérebro não estava sendo oxigenado direito naquele momento, minha mente era uma confusão de pensamentos – Onde mesmo?

- Pro café onde estava antes de ter ver incorporando o Flash – ela deu uma risada gostosa, a acompanhei tanto na risada quando até o café, que era simples e acolhedor, agradeci pela temperatura de dentro, sentia minha extremidades prestes a congelar – Você falou que queria me perguntar uma coisa?

- Sim... – terminei de tomar o chocolate quente, ainda meio perdido em pensamentos, Min-ah me olhava com olhos curiosos, me perdi ao perceber que sua boca estava pintada da mesma cor do cachecol.

- Fale – ela mordeu os lábios me encarando, balancei a cabeça focando minha atenção.

- Precisava saber quando a Mi-cha volta e se ela vai poder dançar logo em seguida, ela não me disse nada, foi pra Inglaterra sem nem se despedir e... – cortei minha frase no meio, Min-ah digitava algo no celular dela, sem me olhar, podia ver que sua expressão tinha mudado completamente.

- Ahh... isso... – a boca dela forma um leve biquinho, seria fofo se não achasse que ela estava incomodada com alguma coisa – Não sei, mas acho que ela deve poder sim, devia ter mandado mensagem, não precisava sair nesse frio.

- Min... – minhas palavras sumiram na minha boca, ela não me olhava, apenas observava as pessoas do lado de fora do café, aquele silencio me incomodou muito, algo nela me fazia querer fazê-la sorrir.

- Bom, ser era só isso, vou indo antes de fique tarde – ela disse depois de um tempo, tínhamos ficado quietos, ela olhando pela vitrine e eu a observando – Até mais, Jung Hoseok – ela saiu antes que eu reagisse, pulei da cadeira assim que consegui, saindo do café, agradecendo pelo frio ter tirado as pessoas das ruas. Min-ah e seu cachecol vermelho estavam no meio da praça, ela caminhava olhando pro chão, corri até ela, puxando-a pelo braço, fazendo com se virasse pra mim – O que foi? Precisa saber mais alguma coisa dos Lee?

- Nã... não – meus olhos se arregalaram, balbucie algumas palavras em seguida, a expressão dela era triste, me senti confuso com aquilo – O que houve? O que eu fiz?

- Nada... talvez eu só esteja cansada de ser a menina de recados invisível – a foz dela era calma, mas sabia que havia algo errado ali.

- Você não é invisível! – queria abraça-la, mas não tive coragem de fazer aqui, mesmo me sentindo um tolo.

- Não? Em dez anos estudando juntos, você só me viu agora – ela falou se soltando do mim, não queria soltá-la, mas não sabia bem como faze-la ficar ali – Tem certeza que não sou invisível?

- Tenho – voltei a segura-la, não a deixaria sair dali assim – Cami... – a chamei da mesma forma que seu pai a havia chamado ontem, ela levantou o olhar, me fitado com os enormes olhos de jabuticaba – Eu fui cego pro não te ver, não você que é invisível!

- Boa tentativa, Hobi, mas eu sou invisível, sei muito bem disso – ela me deixou ali, com as palavras ecoando em minha mente, senti o mundo muito mais frio e sem cor. 


Notas Finais


Enquanto esperam a continuação, deem um olhada nas minhas outras histórias:

Minha long fic com o BTS:
https://spiritfanfics.com/historia/lost-in-your-light-9173504

Oneshot
https://spiritfanfics.com/historia/inocence-lost-9264770

Minha história original
https://spiritfanfics.com/historia/depois-da-fumaca-9180757

Minha historia original + fic (isso existe gente)?
https://spiritfanfics.com/historia/dark-angel-9580786

Se curtiram compartilhem com xs amiginhxs, favoritem, comentem, falem o que tem achado dela!!
Beijos de luz
;**


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...