História Ao uivar do lobo. (HunHan) - Capítulo 1


Postado
Categorias EXO
Personagens Kris Wu, Lu Han, Sehun, Tao
Tags Hanhun, Hunhan
Visualizações 115
Palavras 1.719
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Famí­lia, Festa, Ficção Adolescente, Fluffy, Lemon, Literatura Feminina, Mistério, Romance e Novela, Sobrenatural, Suspense, Universo Alternativo, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Gravidez Masculina (MPreg), Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Self Inserction, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Volteiiiiii!!!!!

Ps: eu não me orgulho dessa capa.

Capítulo 1 - Pesadelos


Fanfic / Fanfiction Ao uivar do lobo. (HunHan) - Capítulo 1 - Pesadelos

--AHHHHH.-Um grito estridente esfaqueou os tímpanos da pequena criança que lia seu livro  de baixo de uma árvore que tinha suas folhas agitadas pela forte ventania,enquanto portadores de infância normais brincavam de pegar.

Um grupo de crianças correndo foi avistado pelo pequenino Lu,que por ser uma criança,era de fato,muito curioso.

--O que houve?-o leitor mirim perguntou visivelmente preocupado,pensando que alguém estava gravemente ferido,mesmo não sendo amigo das crianças que o excluíam das brincadeiras por o julgarem esquisito demais para se enturmar.

As pequenas crianças apenas o ignoraram e saíram correndo para a saída mais próxima da floresta.

Mas faltava uma criança ainda, faltava um garoto chinês, semelhante a si, de cabelos negros, estrutura magra e provavelmente flexível,já que vira várias vezes o mesmo se contorcer enquanto subia em uma das árvores da floresta numa brincadeira infantil.

LuHan escutou alguns gritos e foi em rumo aquele lugar,a parte escura da floresta,onde sua mãe o alertava sempre para não passar do lago que dividia a parte clara e bonita,da parte obscura e amedrontadora. Viver num chalé na floresta precisava de todos os cuidados para não se machucar,ainda mais com as crianças.

Era claro que estava em uma região da floresta desconhecida por ti,e o baixinho chinês odiava descobrir as coisas sozinho,o que resultava em  nunca aprender nada,pois o pequenino não continha amigos.

Quando pôde chegar a um lugar onde se julgava ser o certo pelos ruídos, observou entre as árvores,uma enorme criatura desumana,onde havia pelos platinados por todo o corpo,essa criatura estava cercando o garotinho chinês, aquele que sempre fora simpático consigo, aquele que era sempre o mais pacífico quando as crianças da sua idade o pegavam de surpresa para ofende-lô.

O espectador da fera platinada estava assustado ou admirado,
não conseguia pensar direito nessa situação,jamais vira um animal deste porte,obviamente iria ajudar o menino cercado, mas essa opção foi logo deixada de lado quando o caçula dos Lu pisou acidentalmente em um galho seco,que aparentemente foi quebrado por algo, provavelmente pelo enorme animal a sua frente,mas nem teve a decência de se distrair com algo tão banal.

O animal com dentes caninos se virou rapidamente para o intruso que estava o encarando com os olhos arregalados e rosnou para si,quando voltou a atenção para a presa anterior,sua caça havia sumido,e o lobo  estava estupidamente culpando o garoto de pele pálida que havia atrapalhado sua caçada,e em sua cabeça,nada mais justo que usar o moreno de olhos grandes em compensação.

Mas o animal de estatura monstruosa não saiu do lugar,muito menos LuHan,muito pelo contrário,o baixinho estava se aproximando,não se importando com os audíveis rosnados que eram direcionados para o mesmo,ele simplesmente não conseguia,estava hipnotizado com a beleza que poucos entenderiam e a pouco julgava estar sentindo medo,bobagem! Quem o conhecia sabia que a frase "tamanho não é documento" se aplicava direitinho para LuHan,poderia ser pequeno e miúdo,mas jamais sentia medo de algo que não conhecia,nunca foi de julgar um livro pela capa,o que foi uma lição muito valiosa que admirava,lição ensinada por sua doce mãe, mas também nunca entendeu sua decisão de se casar com seu pai,um homem tão machista e agressivo,sua mãe sempre o protegia quando o patriarca chegava bêbado e queria agredir o pequeno,que parecia uma garota,por ter seus sedosos cabelos longos.

Quando os dois seres estavam frente-a-frente se encarando, a criança de estatura baixinha guiou sua mão até o focinho do animal,o mesmo recuou um pouco,mas a mão da criança foi mais rápida e acariciou a criatura,que não estava acostumada com tal contato, nunca nem passou por sua cabeça ter algum contato com uma raça tão inferior. O canino estava vidrado nos olhos daquela criaturinha ingênua,que era bem corajosa ao seu ver, ele conseguia ler os humanos pelos olhos,afinal, o ditado "os olhos são a janela da alma" não era nenhuma calúnia.Ele podia ler nos olhos da silhueta à frente de si,ele via med...Admiração?

De qualquer forma,os olhos do ser demoníaco também transmitiam algo,e o garoto pensou ser...Confusão.

Segundos depois LuHan estava abraçado ao Lobo,estava enterrando sua cabeça no pescoço peludo e quentinho, já o canino não poderia reclamar,já que estava se entregando ao garoto que o fez perder a caça,e junto também levou sua fome,estava se entregando ao carinho gostoso que  nunca recebera em toda sua triste vida.

            [...]

LuHan desperta assustado,já era a terceira noite que sonhava com aquela porcaria de sonho.Se virou para o relógio digital ao lado de sua cama sobre o criado-mudo e viu que eram apenas 03h44 da manhã.

O chinês dos cabelos cor-de-mel passou sua palma pela face, tentando melhorar a própria visão, semicerrou os olhos com a expectativa de enxergar bem no escuro de seu quarto, onde a única luminosidade vinha da janela aberta com o brilho de uma enorme lua cheia, aquela por qual LuHan era apaixonado desde que nascera.

--Que droga!Já é a terceira vez que eu sonho com o que aconteceu quando tinha cinco anos, já estou com dezenove.- murmurou suspirando cansado em seguida.

Desceu de sua cama quentinha na ponta dos pés (a última coisa que queria era alguém reclamando de barulho a essa hora),que sofreram um choque térmico ao pisar no assoalho gélido, calçou suas pantufas de um animal não identificado ao certo e foi em rumo á cozinha, afinal, nunca era tarde demais para fazer um lanche da madrugada (segundo o pequeno de na verdade  1,78 cm de altura), o mesmo notou que estava sozinho e agradeceu mentalmente, seu pai ainda deve estar bebendo a essa hora da madrugada,ou apenas traindo sua falecida mãe com alguma prostituta barata, de qualquer modo, ele não se importava com a vida medíocre que seu pai levava, se é que pode chamá-lo assim.Han não sentia raiva dele, até o entendia às vezes, ele simplesmente não superou a falecida esposa.

Desde que tinha apenas oito anos, quando sua amada mãe morreu de uma doença ainda não desenvolvida, seu pai não aceitou muito bem e começou a sair para beber pela tarde e voltar somente depois de uma,ou duas, semanas depois,então o filho único aprendeu a ser independente desde pequeno, fazendo sua própria comida, caminhando até a escola sozinho pela floresta, afinal, não tinha amigos na época, seu pai ao menos olhava em sua face, o que o filho também não entendia.

Mas não pense que a personalidade do baixinho era depressiva, rude, isolada ou algo do tipo, muito pelo contrário,ele era o ser mais alegre da escola,era divertido, gentil, inteligente e acima de tudo, ingênuo.

O mais novo abriu a geladeira e suspirou longamente por não ter nada, sua única alternativa seria ir a uma loja de conveniência (muito longe de sua casa, na floresta) comprar ao menos um Lamén.

--Por que eu não estou surpreso?

Rapidamente se vestiu com uma calça cinza moletom e uma grande blusa também de moletom que acabava na parte um pouco acima de suas coxas fartas e grossas.Afim de não arrumar seu cabelo,colocou somente uma touca e decidiu ir de pantufas mesmo (nunca ligou muito para estilo e não seria ás exatas 04h00 que o faria mudar de ideia).

Foi caminhando pela floresta com uma única luz, seu celular.Ele estava se sentindo diferente, por mas que tenha morado na floresta desde que nasceu, se sentia como se alguém ou algo estivesse o seguindo, apressou seus passos para sair logo do ambiente escuro...

[...]  

Ao voltar e refazer o grande caminho, com uma sacola com seu Lamén, uma lata de refrigerante e um saco de salgadinhos sabor mel -sim, o mesmo também sabia que a   Coréia Do Sul era um tanto quanto estranha- apressou seus passos para chegar em casa,a essa hora seu pai já deveria estar em casa,bêbado e provavelmente teria problemas se o mesmo visse o filho chegar agora, tiraria suas próprias conclusões -como se o LuHan fosse voltar a essa hora de uma noitada qualquer e com essa vestimenta- se seu pensamento estivesse certo- rezava o contrário- teria de esperar seu pai dormir para entrar em sua própria residência, o que lhe renderia belas picadas de mosquito por ficar ao lado de fora, o bom, é que seu pai nunca fora um cara "sono leve", portanto todo cuidado era pouco.

Após se sentir estranho novamente, aquela sensação que sentira enquanto ia até a loja de conveniência, se apressou em entrar em casa pela porta da frente mesmo, notou que estava quieto demais para ter alguém além dele, foi direto rumando até a cozinha, notou que através da janela em frente à pia haviam escondidos em meio aos arbustos dois pontinhos vermelhos, como a floresta era popular, era mais do que provável que ali haviam turistas, preocupado, pegou seu kit de primeiros socorros e saiu porta a fora em direção aos pontinhos que achava pequeno demais para serem apenas lanterninhas...

Ao chegar ao local, sai procurando o sujeito que vigiava sua casa de madrugada, após abrir os arbustos com os braços, o loiro paralisa, acontece que aquele vermelho eram os olhos nada pacíficos de uma fera platinada, logo se lembrou em um momento de pânico:

"O lobo"

Ficaram se encarando por longos minutos que pareciam não acabar mais...E bem, podemos dizer que os olhares trocados tinham uma áurea diferente, enquanto o lobo farejava o ambiente para conferir se o humano a sua frente era uma boa caça, LuHan esperava a fera platinada dar um passo à frente, para correr feito um louco para seu lar, aquele que jamais deveria ter deixado para ajudar "alguém" perdido na floresta.

Às vezes LuHan lamentava ser uma boa pessoa.

E quando a fera platinada fitou a lua, o coração do Lu falhou uma, até duas batidas, e enquanto o loiro fitava o animal concentrado, o lobo uivou, e céus, ninguém sabe o quão admirado LuHan estava, mas logo caiu sua ficha.

"Ele pode me atacar a qualquer momento" 

E com esse pensamento, o chinês foi em disparada até sua casa, trancando-a sete chaves, não importava se seu pai ficaria para fora, na manhã seguinte iria se acertar com o mais velho, agora só se preocupava com sua segurança.

Sim, certamente LuHan mudou bastante desde a infância.

--Isso é tão estranho.-o loirinho suspirou ofegante ainda com as costas apoiadas na porta que acabara de fechar.-Preciso dormir, se eu faltar novamente ZTao me mata.

Foi andando até a cozinha para finalmente fazer seu tão esperado lanche da madrugada.


Notas Finais


Agora que eu voltei ninguém me segura!!!!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...