História Aos meus olhos você é... - Capítulo 14


Escrita por:

Postado
Categorias Boku no Hero Academia (My Hero Academia)
Personagens Denki Kaminari, Eijirou Kirishima, Hitoshi Shinsou, Hizashi Yamada (Present Mic), Iida Tenya, Katsuki Bakugou, Kyoka Jiro, Midoriya Izuku (Deku), Momo Yaoyorozu, Personagens Originais, Shouta Aizawa (Eraserhead), Shouto Todoroki, Uraraka Ochako (Uravity), Yagi Toshinori (All Might)
Visualizações 14
Palavras 2.809
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Hentai, Luta, Magia, Romance e Novela, Universo Alternativo
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Spoilers, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 14 - Entretenimento no refeitório!


Depois daquela tarde, as notas dela melhoraram ainda mais deixando os professores surpreendidos, Toshinori se sentiu um pouco orgulhoso por saber que tinha dado resultado seus auxílios e os encontros na casa dela se tornaram um ponto de encontro para manter o relacionamento longe de olhares curiosos. Durante duas semanas as aulas estavam monótonas na faculdade, parecia que nada de diferente aconteceria. Diferente para Toshinori, naquele dia ele resolveu 3 incidentes a caminho da faculdade, mas isso custou o tempo que ele podia permanecer como herói. Uma rotina monótona para os alunos parecia não ter fim durante aquela semana e foi neste tempo que K.J resolveu fazer algo inusitado na hora do intervalo. Ao termino da 3 aula, uma ideia tinha em mente, mas precisava conversar com alguém. Saiu da sala junto de seus amigos intitulado antes como Esquadrão Izuku, agora o grupo se intitulou como The Dangerous sugerido por K.J com o lema: “Perigosos para os vilões e qualquer um que perturbe a paz!”. Uraraka sugeriu de terem uma jaqueta própria quando o grupo se reunisse para sair, Tenko disse em brincadeira que quando se formassem poderiam formar uma agencia única, mas cada um com seu setor e aderiram a ideia do rapaz com o nome do grupo.

– Gente, eu vou ate a diretoria e logo me encontro com vocês no Lunch Rush.

Eles não compreenderam e assentiram concordando. Seguiram caminhos opostos.

 

***

 

Na sala dos professores, Toshinori tinha terminado de corrigir algumas provas, olhou no calendário vendo que faltava alguns dias para o festival esportivo.

Tenho que começar a pensar caso as agências não chamarem o jovem Midoriya dependendo de como ele se apresentar no local.

Levantou da cadeira, pegou a caixinha de bentô em cima da mesa e foi para a sala de descanso, no caminho recebeu uma mensagem de Izuku chamando para ir ao refeitório.

Será que aconteceu algo?

Assumiu sua forma de herói e a passos largos foi ate o local, chegando a porta ouviu uma música conhecida e quando olhou para dentro se surpreendeu com a cena que via.

 

***

 

Momentos antes…

 

“ – K.J, tem mesmo certeza disso?”

Mas é claro! Vai ser divertido.

“ – Tenho minhas dúvidas!”

Deixa de ser medroso, vai dar tudo certo, confie em mim!

“ – Você quem diz.”

Ela bateu na porta e ouviu que era permitido a entrada.

– Olá Nedzu.

– K.J, o que trazes aqui?

Minhas pernas.

– Eu vim pedir algo, sei que poderá soar estranho, mas quero uma permissão.

– Para que?

– Gostaria de entreter o pessoal no refeitório, acredito que gostaria de ver também.

O rato ficou pensativo e logo sorriu.

– Desde que não ponha ninguém em risco.

– Obrigada.

Ela saiu às pressas indo ao local. Nedzu riu baixo do entusiasmo de sua amiga.

“ – Você e suas ideias malucas.”

Sou conhecida por isso mesmo.

Adentrou no refeitório não dando nenhum alarde do que iria fazer, olhou para Izuku e o chamou discretamente. O menino foi de encontro e ela explicou o plano.

– Sério mesmo?

– Sim, posso contar com isso?

– Ah, okay.

Ele estava receoso. K.J afagou os cabelos e foi para a perto das janelas. Subiu numa mesa vazia e conjurou caixas de som diferenciadas que fizesse sincronia com os da faculdade, levou as mãos em Blackie transformando numa jaqueta amarela. Pigarreou levemente chamando a atenção de todos.

– Bom dia! Eu vou contar uma história para vocês. Antes de vim estudar aqui, onde eu morava antes, Estados Unidos para ser mais especifica. Tinha vilões de todos os jeitos e tamanhos.

Eles estavam sem entender nada, mas ainda olhavam para ela.

Funcionou!

“ – Você por si só chama atenção”

Fica quieto!

– E lá tínhamos uma regra de conduta, eu, por exemplo, já enfrentei muitos e não estou me gabando por tais coisas.

K.J olhou para Izuku e o grupo The Dangerous começou a bater na mesa.

– E lá temos uma música que define isso.

As caixas de som começaram a ecoar a música. Izuku correu para a porta com o celular na mão e um grande sorriso. K.J sorriu e continuou a falar.

– Vamos lá, todos conhecem, só o refrão!

O grupo deu início ao coro que logo o refeitório estava cantando também.

– We Will Rock You! Isso ai! Mais uma vez!

Ela estava se divertindo e recebeu uma mensagem, era de Nedzu.

#Então era isso! Nunca pensei que poderia fazer um show no refeitório!#

K.J guardou o celular no bolso e viu Toshinori na porta rindo junto de Izuku. A música parou e ela prosseguiu.

– Okay, vamos acalmar um pouco. Eu ainda não acabei, vamos prosseguir.

Todos ficaram em silêncio.

– Então… Hã, não sou norte americana, mas sim inglesa de nascimento, direto de Londres, e quando retornei ao Japão percebei que eu precisava fazer algo diferente.

K.J viu a curiosidade nos olhos dos alunos.

– I Want to Break Free! – Ela fez uma pausa dramática. – Daquele pensamento.

Blackie riu não acreditando no que ela iria fazer. K.J ouviu duas gargalhadas altas ecoando no local.

Kacchan e Izuku. Ah eles sabem!

– Antes de prosseguir, posso contar com a ajuda de vocês novamente?

Um grande coro dizendo “Sim” foi ouvido.

 

***

 

Na entrada do Lunch Rush, Toshinori não acreditava que ela estava fazendo aquilo, as revelações que ouviu deixou surpreendido.

Ela esteve aqui antes, mas para qual propósito?

Ouviu passos se aproximando, olhou de soslaio vendo Ectoplasma, Present Mic se aproximando.

– De onde esta vindo esse som maravilhoso? – Perguntou Mic.

– Do refeitório. – Respondeu Toshinori.

K.J estalou os dedos e outra música começou, pode ver outros dois professores na porta vendo o suposto show dela.

– Conto com vocês, vamos lá.

Todos os alunos começaram a cantar enquanto ela gesticulava com as mãos.

Brincar com a plateia é ótimo.

“ – Bem que seu tio disse a respeito.”

Tio Michael sabe mesmo como entreter as pessoas!

– Eu me apaixonei…

Os olhos dela foram diretos para Toshinori.

– Sim, eu me apaixonei… E foi para valer.

Ela continuou cantando junto dos alunos, aproveitou para fazer algumas poses engraçadas como o Freddie Mercury fazia e ouvia as gargalhadas de grande parte dos alunos. Olhou para Izuku e o chamou. O menino foi ate ela com tamanha vergonha.

– Vamos passar vergonha juntos.

– Eu não sei K.J…

Ela estendeu a mão puxando-o. Começaram a cantar juntos e se olhando como se fossem namorados.

– Eu não consigo viver sem você ao meu lado, mas meu amor, eu preciso fazer isso sozinho… Eu preciso me libertar!

A multidão foi ao delírio quando a apresentação acabou. Os dois em meio a risadas se curvaram como no teatro e desceram da mesa sendo aplaudidos. K.J desfez as caixas e logo voltou ao normal, aproximaram da mesa do grupo vendo as expressões de “Não acredito que fizemos isso!”.

– Vocês foram incríveis. – Disse Kirishima.

– Nunca pensei em fazer algo assim. – Disse Tenko.

– O que o diretor vai dizer sobre isso? – Perguntou Iida.

– Eu conversei com ele.

Todos na mesa ficar surpresos.

– Vou contar algo e que fique somente entre nós.

Os demais assentiram.

– Nedzu e eu somos melhores amigos desde da Inglaterra.

– Sério? – Perguntou Izuku por todos.

Ela assentiu. K.J viu Toshinori junto a porta aguardando com um bentô em mãos. Ela cutucou Izuku e ele entendeu.

– Gente, nós precisamos sair por agora. – Disse ele.

O grupo olhou para porta vendo o loiro.

– Ah, okay, nos encontramos na sala então. – Disse Shinsou.

Eles se levantaram e se despediram do grupo. Os demais acenaram alegremente para Toshinori que retribuiu.

– Gostaria de algo? – Perguntou ela.

– Vamos comer juntos?

– Claro!

Seguiram o loiro para a sala de descanso.

– Me surpreendi com o que fez no refeitório.

K.J riu alto despreocupada.

– Eu estava planejando fazer isso um tempo.

Toshinori olhou para ela com admiração.

– Ela faz isso desde…

K.J foi rápida em tampar a boca do menino evitando que continuasse.

– Não é nada. Não é Izuku.

A expressão dela era um sorriso forçado e os olhos bem abertos e ameaçadores. Toshinori percebeu e levou a mão no ombro dela.

– Por que não deixa o menino concluir a frase?

– Hã, porque… Porque, não é nada demais.

– Quem não deve não teme.

“ – Touche! Ele conseguiu tirar as palavras de meus pensamentos!”

Fica quieto Blackie!

O sobretudo percebendo que K.J não diria nada, encostou o cinto sutilmente na calça do loiro.

“ – Sou eu, finja que nada esta acontecendo.”

Como queira, mas por que ela…?

“ – No ensino médio, K.J fazia isso quando era o intervalo, sempre gostou de entreter o público devido a monotonia, algumas vezes fazia isso em sala de aula quando o professor não chegava. Fazia posses piores que você viu no Lunch Rush.”

Blackie passou a imagem para Toshinori e ele fez o maior esforço para não rir alto.

Isso realmente é engraçado!

O sobretudo voltou com o cinto discretamente, K.J liberou o rapaz que correu para o lado esquerdo do loiro segurando firme no braço.

– Eu vou contar! – Disse Izuku.

– Não.

– É que no ensino médio, K.J sentava na mesa do…

– Izuku não.

Ela foi para segurar o menino, e ele agarrou ainda mais em Toshinori.

– All Might me ajude!

O loiro se segurava para não rir da situação.

Parecem duas crianças.

– Na mesa do professor e começava a cantar…

– Não termina de falar.

K.J quase conseguiu segurar o braço de seu melhor amigo, mas Toshinori pegou o rapaz elevando do chão pondo sobre os ombros.

– Isso não é justo. Você é maior do que eu!

K.J pulava tentando evitar que ele continuasse a contar. Toshinori a pegou suspendendo do a envolvendo a cintura dela.

Hã?! O que?!

– Vamos para um lugar mais reservado, assim poderemos conversar melhor.

K.J cruzou os braços e soltou uma longa respiração em contentamento, sua expressão se transformou numa carranca.

– Eu não sou criança! – Disseram os menores em unisonio.

Toshinori riu alto achando graça da situação.

– Eu gostaria muito de ouvir melhor sobre as aventuras de vocês dois no ensino médio.

Ambos menores ficaram corados por ouvir aquilo. Não demorou muito em chegarem a sala de descanso, Toshinori deixou K.J ficar em pé e colocou Izuku no chão.

– Eu gostaria de falar algo com vocês.

O vapor tomou conta da sala e ele voltou a forma normal.

– Sente-se no sofá, por favor.

Obedeceram sem questionar.

Ele esta sério, algo aconteceu.

“ – Para ele estar assim, é porque é de extrema importância.”

Concordo.

– All Might, aconteceu algo? – Perguntou Izuku.

– Eu tenho algo a dizer, dentro de 2 semanas vai começar algo importante nesta faculdade.

“ – Eventos?”

Possivelmente, e se tratando de uma faculdade de heróis, é provável que seja sobre nossas habilidades.

Os dois estavam atentamente olhando para o loiro aguardando ele prosseguir.

– Acredito que tenha ouvido falar sobre os festivais esportivos.

– Sim, é como se fosse as olimpíadas. É um evento importante para a U.A. – Disse Izuku.

– Exato. Eu os trouxe aqui para falarmos sobre isso.

“ – Holmes, você não falha nunca.”

Obrigada.

– É um evento onde todo o Japão estará de olhos para os novos aspirantes a heróis. Meu objetivo é treinar vocês tanto fisicamente quanto mentalmente para aquele dia.

– Treino intensivo? – Questionou Izuku.

– Sim, pois eu quero que vocês mostrem a eles e digam ao mundo: “Eu estou aqui!”, principalmente você jovem Midoriya, como meu sucessor legitimo e futuro símbolo da paz.

K.J sentiu a pressão na voz de Toshinori.

“ – Izuku esta tremendo, devo fazer algo?”

Não, é apenas a pressão psicológica que todo herói inexperiente sente. Ele vai ficar bem.

– Mudando um pouco o assunto, gostei de ver aquele show no refeitório, me pergunto o que o diretor diria disso. K.J de imediato pegou o celular e mostrou a mensagem.

– Ah, então ele sabia, o que é menos preocupante.

– Foi por isso que você não foi de imediato para o Lunch Rush! – Disse Izuku.

– Exato. Mas acredito que Nedzu, tenha achado engraçado também.

“ – Podemos perguntar depois.”

Não é uma má ideia.

– All Might, sobre o treinamento, podemos começar hoje? - Questionou Izuku.

O loiro ponderou a pergunta do menino e assentiu com um sorriso.

– Sempre em antecipação.

Ele afagou os cabelos do rapaz. K.J sorriu com a cena afetiva e logo manteve a expressão neutra. Toshinori se levantou indo a bancada pegando uma caixa de bentô envolta num pano azul com coelhos.

– Bom, vamos comer.

K.J se perguntava o motivo da caixa tão grande.

“ – Talvez seja somente volume do pano.”

Pode ser verdade.

O mais alto desempacotou mostrando uma pequena caixa, K.J disse alguns palavreados pejorativos para o sobretudo mentalmente por ele ter a razão. Blackie achou graça e satisfeito por ter deduzido. Izuku pegou um bolinho de arroz e agradeceu. Toshinori olhou para ela esperando pegar um também.

– Agradeço a generosidade sensei, mas obrigada.

Ela balançou a cabeça rejeitando. Ele ficou levemente entristecido.

Fiz pensando nela, mas acho que não posso agradar a todos.

K.J olhou para Izuku e ele entendeu.

Infelizmente para K.J é difícil comer algumas coisas.

– Isso esta muito bom. – Disse o menino desviando o foco.

Os dois rapazes começaram a conversar sobre assunto em comum. Ela se levantou e foi ate a janela, colocou a mão dentro de Blackie e retirou um pequeno pacote de barra de proteína. Suspirou baixo e abriu a embalagem sem fazer barulho. Levou a boca retirando um pedaço.

Isso não é agradável.

“ – Melhor do que passar fome.”

Um ponto bem feito.

Toshinori olhou de soslaio vendo ela e notou a bochecha direita se mexendo para o lado.

Ela deve ter trago algo de casa.

“ – Jackson, ele esta olhando para você, acredito que ele ficou chateado por não ter aceito o bolinho.”

Queria muito, mas não posso.

“ – Ele definitivamente esta olhando para você.”

Vai ficar narrando tudo o que esta acontecendo?

“ – Okay, parei. Mas poxa, por que você não assume logo o namoro com o loiro?! Ele é do modo como deseja e ele sente o mesmo a ponto de querer fazer...”

Ela acabou engolindo um pedaço grande que desceu machucando seu esôfago ate o estômago. Levou a mão sobre o local dolorido trincando os dentes.

Não devia me falar dessas coisas enquanto eu estou tomando minha refeição.

- Senhorita Jackson, esta tudo bem?

A pergunta a deixou surpresa a ponto de esguichar sangue na janela. Blackie não tinha conseguido dar o lenço a tempo para ela. K.J levou as mãos sobre os lábios não acreditando. Os dois rapazes ficaram preocupados.

– K.J, eu... Eu vou chamar a...

– Não! – Ela corrigiu o tom de voz. – Quero dizer, não precisa. Eu só tenho de tomar as pílulas.

– Eu vou buscar!

Antes que ela pudesse impedir, Izuku já tinha saído da sala. Blackie levou o cinto e absorveu o sangue evitando do Toshinori ver. Limpou os lábios e guardou o lenço. O loiro se levantou indo de encontro a ela.

– K.J, esta tudo bem?

Ela virou o rosto e sorriu.

– S-sim, somente um comichão na garganta.

Ele franziu o cenho levemente.

Pelo modo como tossiu não parece.

– É verdade sensei, foi apenas uma pequena coceira.

Ela leu meu pensamento?!

– Não que seja de meus negócios, mas não sabia que estava numa dieta, agora entendo por ter rejeitado. Desculpe por não ter perguntado antes, que grosseria a minha.

Toshinori curvou levemente em desculpas.

Isso é tão errado.

“ – Acredito que você gostaria da submissão dele na cama.”

Não diga uma coisa dessas!

K.J se sentiu incomodada e levou as mãos nos ombros do rapaz elevando.

– Não precisa disso sensei, não sou alguém de respeito para me tratar assim, por favor, não se curve para mim, eu quem deva fazer isso, afinal o senhor é autoridade.

Não consigo, é mais forte do que penso e quando percebo, já fiz. Eu definitivamente amo essa menina.

Izuku adentrou no local com um pote branco  em forma de cilindro com duas listas na horizontal nas extremidades de cor azul.

– Aqui esta, peguei da sua mochila.

Eles retornaram para o sofá. K.J pegou o frasco, abriu a tampa retirando duas pílulas e ingeriu.

– Obrigada.

Izuku sorriu. Toshinori respirou um pouco aliviado por ver ela melhor.

Estou preocupado com o heat, tenho que comprar mais inibidores, caso contrário...

 Toshinori olhou para ela.

Eu não poderei me controlar, ainda mais ao lado dela.

Izuku viu um outro pacote fechado da barra no bolso e olhou para ela. K.J percebeu de imediato, retirou e estendeu ao rapaz.

– Você aceita?

Ele sorriu.

– Muito obrigado por oferecer, mas não quero.

– Sensei?!

– Oh não, obrigado.

Toshinori sorriu gentilmente. Ela guardou de volta ao bolso.

Isso é um pouco estranho. Não me aparenta estar fazendo alguma coisa que envolva tal alimentação, espero eu que esteja errado.

O sino soou rapidamente, assim como todas as vezes repetiram os mesmos gestos. Mas K.J não levou Izuku nos ombros, mantiveram lado a lado. Toshinori saiu do local também, mas observou os dois no corredor de costas e pode ter um deslumbre quase futurístico: Ambos com os trajes de heróis seguindo para um futuro incerto.

Eles serão incríveis juntos.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...