História Apaixonada Pelo Meu Vizinho - Capítulo 20


Escrita por:

Postado
Categorias Histórias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Carrossel, Léother
Visualizações 12
Palavras 1.285
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Comédia, Famí­lia, Festa, Ficção, Ficção Adolescente, Musical (Songfic), Romance e Novela
Avisos: Álcool, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Oiii meu amores! Tudo bem?
Espero que vocês me perdoem pelo que vai acontecer daqui pra frente.
Boa leitura! ;))
Beijos

OBS: Não me matem!

Capítulo 20 - Ela não é ninguém, filha


Fanfic / Fanfiction Apaixonada Pelo Meu Vizinho - Capítulo 20 - Ela não é ninguém, filha

Apartamento 122

 Choque. Foi isso que senti antes de abrir meus olhos. Um clarão me cegou brevemente, me vi cercado por médicos e uma mãe assustada.
 - Faremos alguns exames nele, Sra. Belmonte. Podemos descartar perda de visão. – Disse uma voz masculina enquanto examinava meus olhos com uma lanterna de luz forte.
 Uma enfermeira ficou para preencher um papel após o médico deixar o quarto.
 Minha mãe se aproximou de mim tocando em minhas mãos. Tudo ainda estava confuso. O que eu fazia no hospital?
 - Como você está se sentindo, meu amor?
 - Sinto que colocaram algo pesado em meus ombros. Como cheguei aqui? – perguntei tentando me lembrar do que havia feito naquele dia.
 - Eu esperava que você pudesse me contar. Você saiu da escola sem a minha autorização. Ficou horas sem dar notícias, deixando todos muito preocupados; inclusive sua namorada que ficou 3 meses esperando você sair do coma.
 Coma? 3 meses? Olhei por todo o quarto procurando a minha Estrela e não a vi em nenhum lugar.
 - Cadê a Esther, mãe? – Tentei me sentar e senti uma dor no peito, me fazendo deitar novamente.
 - Leonardo, você só falará com a sua namorada quando me explicar o motivo de ter ido ver a Luísa.
 Minha mãe nunca entenderia esse trato que eu havia feito com minha ex-namorada anos antes.

Flashback on

 - Você promete nunca me deixar? – perguntei acariciando seus cabelos. – Vamos nos casar, ter filhos e envelhecer juntos.
 - Você sabe que não posso prometer isso. Meu pai sempre é transferido e nós nos mudamos toda vez. É inevitável, Léo. – disse Luísa. – Se eu precisar me mudar, nós terminamos e quando eu voltar, prometo ligar na escola pra falar com você.
 - E eu prometo atender e se for preciso, te encontro onde for. Eu te amo, minha princesa.
 Não obtive respostas da parte de Luísa.

Flashback off

 - Vocês eram muito crianças para fazerem promessas tão sérias. E você sabe que promessas precisam ser cumpridas. – disse minha mãe quando terminei de contar o que havia acontecido naquela noite de promessas.
 - Mas nós cumprimos o que prometemos um ao outro. Ela ligou e eu atendi e me encontrei com ela.
 - Você disse para ela que iria se casar e envelhecer ao lado dela. Vai mesmo magoar a Esther por isso?
 - A única pessoa com quem tenho interesse em passar o resto da minha vida, é com a minha Estrela.
 - E a sua filha? – ouvir aquela pergunta me fez refletir no tempo que podia ter aproveitado ao lado de Giovanna.
 - É Leonardo, e a sua filha? – Luísa adentrou o quarto com os braços cruzados e com a expressão indecifrável.
 Fechei os olhos por um momento e soltei a respiração que nem reparei que estava segurando. A Esther aceitaria uma criança minha com outra mulher? Entenderia meus motivos para manter contato com a Luísa? Ou simplesmente me deixaria?
 Coloquei em minha cabeça que minha Estrela toparia tudo comigo, que nada atrapalharia o nosso relacionamento. Mas não parei para pensar em perguntar o que ela acharia disso tudo.
 - Mesmo me casando com a Esther, não deixaria minha filha desamparada. Serei um pai presente daqui pra frente.
 - E quem me garante que ela será bem tratada pela sua Futura esposa? E os 3 anos que passei cuidando dela sozinha? Vai me devolver como? Eu troquei fralda, amamentei, cuidei de todas as dores e febres. Dei tudo que ela queria e precisava, para tentar suprir a falta do pai.
 - Vamos com calma, Luísa. Você nunca ligou para contar pro meu filho que estava grávida e nem que a menina havia nascido. Foram 3 anos sem saber da existência dela.
 - Ele nunca me ligou pra saber como eu estava. Por achar que ele não havia se importado de eu ter ido embora, por que eu contaria sobre a minha filha?
 - Ele é o pai, Luísa! Tinha o direito de saber, mesmo sem estar com você.
 - Adriana, a Sra. me desculpa. O assunto é entre mim e ele.
 - E “ele” resolve pensar no assunto. – eu disse apontando para mim mesmo.
 - E o que eu penso? Não vai ser levado em consideração? Quero o que é melhor para a minha filha.
 - Mal acordou e já está fazendo festa, Leonardo? Infelizmente o horário de visitas acabou, vou pedir para que a Srta. se retire. – disse o médico entrando no quarto. Apesar dos protestos de Luísa, ele conseguiu que ela fosse embora. – Sra. Belmonte, levarei seu filho para fazer alguns exames.
 - Sem problemas, Dr. Belchior. Farei algumas ligações enquanto isso. – disse minha mãe saindo do quarto.
 - Essa garota é diferente daquela que sempre está aqui chorando enquanto segura sua mão. Se me permite dizer, a morena é insistente e tem uma linda voz. – olhei confuso para o Dr. em minha frente. Ele retirava alguns equipamentos ligados ao meu peito e me preparava para o exame. – Ela insistiu em entrar com o violão e cantar uma música. Confesso que foi a mais linda que já ouvi.
 Abri um sorriso ao lembrar da voz da mulher que eu amo.
 - Dr., quando poderei sair? Preciso voltar para o colégio e para a minha Estrela.
 - Terminando todos os exames que precisamos fazer até a próxima semana, dependendo do resultado de todos eles e do seu
comportamento poderemos conversar sobre a alta.
 - É realmente necessário ficar as duas semanas completas?
 - Claro! Só posso te liberar quando eu tiver certeza de que está tudo bem com você.
 

Duas semanas depois... – Apartamento 124

 Finalmente minhas provas acabaram. Não fiquei de recuperação em nenhuma matéria, afinal quero passar mais tempo com o Léo até ele acordar.
 - Mãe, posso ir no hospital ver o Léo? – perguntei.
 - Pode sim, mas não demora para voltar.
 Dei um beijo na bochecha de minha mãe e fui colocar o tênis. Peguei minha bolsa e celular e saí.
 O elevador abriu em meu andar e vi Léo acompanhado de sua mãe e uma moça com uma menininha no colo.
 - Meu amor! – o abracei fortemente e não senti aquele abraço de sempre. – Senti tanto a sua falta...
 - Papai, quem é ela? – perguntou a criança se jogando nos braços de Léo.
 - Ela não é ninguém, filha. – diz pegando a menina no colo.
 - Eu não sou ninguém pra você, Leonardo? – perguntei tentando controlar a voz trêmula.
 - Eu nunca te vi na minha vida. – diz entrando com a moça ruiva no apartamento.
 Senti uma dor muito forte em meu peito. Algo estava sendo destruído naquele momento e infelizmente era dentro de mim. Olhei para dona Adriana com lágrimas nos olhos, sem entender o que acabara de acontecer.
 - Filha, não é um bom momento. Ele não disse isso pra te magoar, é só pra Giovanna não ficar confusa e fazer várias perguntas. – ela me abraçou ternamente e lágrimas teimosas rolaram pelo meu rosto. – Vou pedir pra ele conversar com você e explicar tudo.
 - Ela é mesmo filha dele? – perguntei.
 - Ele vai te contar. – disse entrando em seu apartamento e me deixando sozinha chorando.
 Entrei em casa novamente e corri para o meu quarto.
 - Esther? – ouvi meu pai me chamando, mas não parei para responder. Minha mãe veio atrás de mim, adentrando em meu quarto.
 - Filha, o que houve?
 - O Léo acordou e a gente se estranhou.
 - Mas você nem chegou a sair do prédio...
 - Não quero falar disso agora, posso ficar um pouco sozinha?
 Minha mãe entendeu e saiu do meu quarto pedindo para que meu pai desse um tempo para mim.
 Eu não sou ninguém para ele? Por que ele falou isso?


Notas Finais


Me perdoeeeeem!!!
Até o próximo capítulo.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...