1. Spirit Fanfics >
  2. Apaixonada por Jung Hoseok! >
  3. Coragem

História Apaixonada por Jung Hoseok! - Capítulo 6


Escrita por: e BrubsHatakee


Notas do Autor


Sentiram saudades? Espero que sim kkkkk

Gente, que loucura é essa que ta o mundo? Hoje minha mãe foi atrás de álcool e não tinha uma farmácia que tinha porque o povo daqui ta fazendo estoque de álcool. Rodamos quase a cidade inteira e quando encontramos estava um absurdo de caro, pqp.

Como estão passando essa quarentena? Porque minha vida agora é lavar louça e escrever att kkkkkkkk

Bom, esse na mídia é o Ross Butler, mas conhecido por nós como Mark, vulgo, amigo da Nari hihi.

Desejo desde já uma ótima leitura a todos❤

Capítulo 6 - Coragem


Fanfic / Fanfiction Apaixonada por Jung Hoseok! - Capítulo 6 - Coragem

 Assim que entro dentro de casa sentindo-me extremamente estranha, vejo Yoongi jogado no sofá de frente para a televisão.

Seus olhos caem sobre mim e uma sobrancelha se acentua.

- É pra mim? – Questiona convencido e isso me faz revirar os olhos.

- Se estava no meu nome é óbvio que não. – Respondo – Acha que só porque é Idol, todas as flores serão para você? – Seus ombros se balançam.

Me sento no sofá desocupado e cruzo minhas pernas afim de me acalmar um pouco. Ainda me sinto desconcertada e totalmente curiosa afim de descobrir quem havia me enviado aquilo.

- E quem foi o louco que te enviou isso? – Meu irmão pergunta implicante a mesma questão que eu me fazia.

- Também queria saber. – Digo encarando as pétalas – O entregador disse que o remetente não quis se identificar, deixou apenas um bilhete. – Mostro o pequeno papel.

- Ya, você tem um admirador secreto. – Yoongi diz o óbvio se animando – O que está escrito?

- Eu não vou ler pra você.

Por mais que não fosse algo tão elevado assim, eu ainda não me sentia confortável o suficiente para ler uma declaração para Yoongi, convenhamos, ele é meu irmão mais velho.

- Para de ser tonta e me deixa ler. – Se levanta vindo em minha direção.

- Nem vêm não, você não vai ler. – Persisto – Yoongi, na... – Sem tempo para que eu me afaste, o mais velho toma o papel de minhas mãos e passa seus olhos por ali – Ninguém me respeita nessa casa!

Ele lê atentamente o que estava escrito ali e suas sobrancelhas se acentuam.

- Mas que porra! – Solta – Alguém esta te cantando com as minhas músicas?

- O quê?

- Você não reconheceu isso aqui? – Aponta o papel para mim e nego com a cabeça – Oh Deus, olha a irmã que o senhor me deu! – Faz drama – Isso aqui é a letra de Boy In Luv – Diz indignado – Kkwak jaba nal deopchigi jeone, Nae mami neol nochigi jeone. – Cantarola a parte que originalmente pertence a Jimin e Jin e então meus olhos se arregalam.

- Não acredito!

- Você não reconhece as músicas do grupo do seu próprio irmão? – Acusa com falsa mágoa – Eu guardo todos aqueles desenhos que você me fez no primário, pra isso? – Apoia suas mãos na cintura.

- Desculpa? – Pergunto me sentindo um pouco culpada.

Ok, isso realmente foi um grande vacilo, mas não foi propositalmente.

- É isso que você tem a me dizer?

- Aish, Yoongi oppa, pare com isso. Você sabe que sou avoada. – Me defendo enquanto me levanto e tomo o cartão de sua mão – Esqueça isso.

Vou até a cozinha pegando um jarro qualquer de vidro para colocar aquelas flores.

- “Esqueça isso” puft. – Resmunga se escorando na ilha que divide o cômodo – Você é uma péssima irmã. – Reviro meus olhos diante de tamanho drama e me escoro no balcão ali.

Quem será que havia me enviado esse buquê? Sinto como se devesse ir atrás disso, mas ao mesmo tempo me parece algo bobo.

Talvez tenham  se enganado e enviado para a pessoa errada, afinal quantas Min Nari não existem por ai?

- Você pelo menos consegue cogitar alguém? – A pergunta de Yoongi me interrompe os pensamentos.

- Não. – Respondo num resmungo indo até a geladeira pegar um pouco de suco – Talvez tenha sido engano. – Balanço meus ombros sem querer demonstrar que me importo com aquilo. O que é uma grande mentira.

- Não existe chances de ser um engano. – Ele me rebate firme, me causando estranheza – Quer dizer... quantas Min Nari existem por ai? Com certeza isso está certo. – Ele parece tentar se concertar, usando o mesmo argumento que o meu, mas de forma diferente.

- Exatamente, deve existir muitas, justamente por isso pode ser um engano. – Minha teoria faz meu irmão revirar os olhos.

- Por que você não consegue aceitar que te enviaram flores? – Pergunta um pouco irritado.

- Yoongi, fala sério, quem me enviaria flores?

- Quem não enviaria?

- Tenho uma lista enorme.

- Caralho, você me estressa. – Ele diz emburrado virando as costas.

- Onde vai?

- Terminar minha série, estou com preguiça de discutir. – Diz simples abandonando o lugar me deixando surpresa pela mudança de humor.

Aigoo, será que esse garoto sabe de algo?

❁❀❁

- Foi o Mark! – Jane concluí em plena empolgação fazendo com que o grupinho sentado a mesa próxima nos encare torto.

Respiro fundo tentado não cavar um buraco até o outro lado do mundo.

- Da pra falar baixo?

- Da pra parar de ser sonsa? – Rebate – Está mais do que na cara que foi Mark que enviou.

- Como você pode ter tanta certeza? – Questiono enquanto beberico um pouco mais de meu achocolatado.

- Veja bem, não precisa ser nenhum Sherlock Holmes para constatar o óbvio. – Joga seus cabelos avermelhados para trás – Olha só a maneira com que ele te trata, qual cara prefere sair da sua própria festa de aniversário para levar uma garota totalmente bêbada para casa?

- Um bom amigo?

- Um bom amigo apaixonado? – Levanta suas sobrancelhas de forma zombeteira – Você pode não querer abrir esse seus olhinhos, mas eu tenho para mim que Mark está apaixonado por você!

Entorto meus lábios de forma descontente enquanto assimilo suas palavras.

Seria possível Mark estar apaixonado por mim?

Ele é um cara muito bonito, tem uma pele amendoada, cabelos negros como a noite e um corpo de tirar o fôlego. Admito que o sorriso dele me cativa bastante, mas nunca cogitei dar um passo a mais com o garoto.

- E se não for ele? – Indago encarando  minha amiga.

A garota suspira e um sorrisinho aparece no canto esquerdo de seus lábios róseos.

- Quer que seja o Hoseok, não é? – Sua pergunta se assemelha mais a uma afirmação e meus olhos se arregalam.

- O-o q-que? C-claro que não. – Solto uma risada um pouco forçada – Não, não, jamais... e-ele, ele jamais me mandaria algo assim. – Coloco meu cabelo para trás da orelha nervosamente – Jamais.

A risada de Jane se propaga.

- Você é tão apaixonadinha, meu deus. – Ela permanece rindo me deixando irritada – Para ser sincera, também acho que ele pode ser uma opção, contudo, acredito também que ele deixaria uma assinatura como fez com o bilhetinho super fofinho. – Afina a voz de forma ridícula me fazendo resmungar.

- Você é patética.

- Posso ser prática, mas não perco tempo e isso é o que você mais vêm fazendo. – Alfineta.

- Vocês dizem como se fosse fácil chegar na pessoa que você gosta e dizer “Oi meu anjo, sabia que sou terrivelmente, loucamente, perdidamente apaixonada por você?” – Digo ironicamente.

- Oh sério, fico muito grato por isso. – A voz grossa ressoa por de trás de mim fazendo-me se assustar.

- Mark, estávamos falando de você agora pouco. – Jane diz como uma grande intrometida que é.

- Eu percebi. – Diz brincando entrando em meu campo de visão.

Ele estava muito bonito – como sempre. Sua camisa branca dava destaque a sua jaqueta preta enquanto seu jeans escuro se harmonizava perfeitamente com as peças. Seu cabelo estava genuinamente penteado para o lado com alguns fios teimosos pulando na frente de seu rosto.

Ok, por que ele me parece muito mais atraente agora?

- Metido. – Jane alfineta me fazendo finalmente me tocar sobre o que estava acontecendo.

Oh merda, o quanto ele ouviu?

- E então, falaram muito mal de mim? – Se senta na cadeira vazia ao nosso lado.

Sua pergunta é feita para nós duas, contudo seus olhos se prendem de forma firme em meus rosto me deixando um pouco desconcertada.

- E tem alguma coisa boa para falar? – É minha amiga que fala mais uma vez o fazendo rir.

- Você está melhor? – Me questiona – Fiquei preocupado ontem quando vi que você havia faltado.

Suas palavras me parecem sinceras e isso me deixa terrivelmente envergonhada. Tenho ciência que essa cena está sendo minuciosamente assistida pela ruiva a nossa frente.

- S-sim...hum... eu só fiquei com um pouco de dor de cabeça. – Admito bebendo um pouco mais da minha bebida – Aliás, obrigada por cuidar de mim e também pelas flores que enviou. – Eu não faço a mínima ideia do porquê a última parte saiu, mas quando percebi já não tinha como voltar atrás.

Seus olhos foram tomados por confusão quando suas sobrancelhas se uniram e ele deitou um pouco a cabeça para o lado.

- Flores? – Quando essa pergunta foi feita eu então notei a merda que havia feito.

Lancei um olhar rápido para Jane como um pedido de socorro, mas essa havia sido a segunda merda feita no dia e ainda eram dez da manhã.

- Ela esta falando das flores que você mandou. – Disse óbvia – Foi você, não foi?

O olhar do rapaz intercala entre nós duas, mas logo ele trata de se pronunciar.

- Não, não fui eu. Aliás, depois da madrugada de ontem eu não me atreveria. – Soa com humor, mas eu não entendo o porquê e ele parece perceber – Você não se lembra?

- Não. – Respondo receosa.

- Oh, está explicado. Bom, você deixou bem claro para mim que eu jamais teria a chave do seu coração.

- Ai meu...

- E que teria um filho chamado Harry Styles.

- ...deus.

- E que o pai seria o Jung Hoseok.

- Que morte...

- E ficou preocupada caso ele tivesse ciúmes.

- ...horrível.

Meu rosto arde tanto que parece que joguei um litro de álcool no mesmo.

- Eu não fiz isso. – Tento me convencer.

- Fez. – Mas Mark não deixa – Mas também não é como se você tivesse me amedrontado sozinha. O tal do Hoseok fez questão de me botar pra correr.

- Como assim? – Jane, que já estava se divertindo com tudo aquilo, parece se interessar mais.

- Eu não sei se ele estava em um dia ruim, mas ele me encarou como se fosse me esquartejar e servir para os cachorros.

- O quê? – Questiono incrédula.

- Eu estou falando – Garante - Eu achei que iria morrer com um raio laser somente pelo olhar dele.

- Impossível. – Contesto – Hoseok não olharia assim para ninguém.

- Nari, eu estava sobreo. – Joga na minha cara me deixando totalmente indignada.

- Ora, seu...

- Bom, mentindo ele não está. – Jane se junta a ele afim de acabar ainda mais com a minha dignidade – Mas você sabe o que isso significa, né? – Me olha sugestiva.

O que isso significa? Absolutamente nada. Essa garota é doida!

- Nada. – Respondo curta.

- Ya, não se faça de sonsa. E se Hoseok ficou com ciúmes de Mark? – Questionou sem ao menos se importar com o garoto ao nosso lado.

- Ele não tem motivos para isso, logo sua tese não tem fundamentos.

- Mark, diga-me, você e Hoseok chegaram a conversar sobre algo?

O garoto parece pensar por um tempo e então suspira.

- Ele só disse que eu poderia ficar tranquilo que iria cuidar dela. – Responde.

- Viu? – Jane parece concluir algo – Ele estava com ciúmes!

- Não estava nada. – Rebato.

- Na verdade, parecia estar sim. – Mark se junta então, mas meu olhar de desconfiança sobre ele o faz revirar os olhos – Olha, não é tão difícil saber quando um homem está com ciúmes quando se é homem também.

- Nem faz sentindo isso ai, mas vou acatar porque sei que é verdade. – Jane completa e volta a me encarar – Você vai falar com o Jung.

- O que? – Minha voz saí aguda.

- Não é tão complicado, Nari.

- Não vou falar com ele assim do nada. – Digo convicta.

- Não será do nada. – Rola os olhos – Ele vive na casa do seu irmão, certo? Então use isso ao seu favor.

- Não.

- Sim.

- Não vou.

- Vai sim.

- Não mesmo.

- Olha vocês duas querem parar? – Mark nos interrompe – Jane, se Nari não se sente bem fazendo isso, você não deveria forçar. – Diz sensato me fazendo sorrir – Mas Nari, eu também acho que você deveria falar com o Hoseok. – Meu sorriso se fecha de imediato – Qual é, talvez ele goste de você também.

- Isso é impossível de acontecer.

- Tudo para você é impossível. – Jane zomba.

- Eu sou realista!

- Tão realista que não vê o óbvio. – Ataca – Você precisa pelo menos perguntar o que aconteceu na madrugada de ontem.

- Aish, está bom. – Digo vencida – Eu pergunto.

❁❀❁

- Ah mas eu não vou perguntar merda nenhuma. – Digo a mim mesma enquanto ando de um lado para o outro dentro do meu quarto – O que ela pensa, que iriei chegar nele e dizer “Eai Hoseok, poderia me dizer todas as bobagens que eu disse enquanto estava mais louca que o padre do balão?” Jamais!

- Você tem sérios problemas. – A voz característica invade meu quarto fazendo com que eu dê um pequeno pulo pelo susto.

- Caralho Yoongi, já falei pra bater antes de entrar! – Xingo tendo o coração acelerado.

- Fala palavrão mais uma vez que eu vou ligar para a mãe. – Ameaça.

- O que você quer? – Pergunto ignorando a ameaça tosca.

- Chegou mais uma encomenda para você e acho que é do seu admiradorzinho secreto. – Um sorriso bobo surge no canto de sua boca.

Ora, mas de novo?

- Tem certeza que é para mim?

- Por acaso tem mais alguma Nari nessa casa? – Acentua a sobrancelha – E vai logo porque eu não vou descer. – Avisa saindo do quarto, mas antes de fechar a porta volta a dizer – Ah, se tiver chocolates eu vou querer um.

- Abusado. – O xingo mas o mesmo não ouve pois sai antes.

Ok, lá vamos nós mais uma vez.

Vestindo meus chinelos, já vou trabalhando meu psicológico para entender que aquilo de fato é para mim, até porque, é muito difícil acreditar nisso quando se é alguém como eu.

O elevador demora poucos minutos para chegar, mas assim que chega, entro nele rapidamente e pouco tempo se passa até que eu esteja no hall.

O porteiro me cumprimenta simpático como de costume e dessa vez não há flores, mas sim uma garota trajando um uniforme em tons escuros com uma caixa em mãos.

- Senhorita Min Nari? – Ela pergunta conferindo no papel.

- Eu mesma. – Respondo um pouco ansiosa para saber o que há ali.

- Essa entrega é para você. – Me estende a caixa avermelhada que contém um laço dourado por cima – Poderia assinar? – Assim como da outra vez, assino o recibo de entrega, contudo não me preocupo em saber quem enviou.

- Parece que tem alguém que gosta muito de você. – O porteiro comenta me deixando envergonhada.

- Deve ser algum amigo meu. – Respondo sem jeito e logo me despeço dele sem muita intenção de prolongar a conversa.

Dentro do elevador, chacoalho um pouco a caixa afim de ver se tem alguma pista do que teria ali. Mas o barulho mínimo só me deixa mais nervosa e meu alívio é quando a porta metálica se abre.

Aproveitando que havia deixado a porta do apartamento aberta – coisa que Yoongi odeia – entro rapidamente para dentro de casa e logo sigo para meu quarto me jogando na cama.

- Ah eu quero ver o que você ganhou. – Enxerido como só ele, meu irmão invade meu quarto e se senta em minha frente.

- Você não tem música para escrever? Coreografia para ensaiar? Sei lá, algo que não seja me encher?

- Eu estou de folga ou seja, tudo que tenho para fazer é te encher. – Rebate como se fosse óbvio – Anda, abre logo.

- Você precisa de alguém urgente. – Murmuro, mas então começo a desfazer o laço delicado que envolvia a caixa.

O sentimento que me toma é de uma ansiedade avassaladora, mesmo que não fosse algo tão grande que estivesse ali, ainda sim era algo muito bem embrulhado e claramente havia um certo cuidado.

Tirando a tampa superior, dou-me de cara com diversos bombons sorteados. Por cima destes há um pequeno cartão e meus olhos se encontram diretamente aos de Yoongi que não tarda em dizer:

- Lê.

Ainda nervosa, pensando em inúmeras coisas que poderiam estar ali, pego o cartão e o abro. Ali há um pequeno papel e assim como da outra vez, digitalizado.

Seus favoritos, para deixar seu dia um pouco mais doce.

Espero que goste.

:)”

- Muito gay. – Obviamente quem diz é Yoongi – Primeiro usa minha música e agora isso?

- Eu achei fofo. – Respondo não conseguindo conter o sorriso que começa a tomar meu rosto.

- Se achou mesmo, me da um como prova.

- Não! Arrume um admirador para você.

- Aigoo, mas pare de ser ruim. Olha o tanto de bombom que tem ai! – Aponta para a caixa.

- Compre os seus.

- Min. Nari. – Diz meu nome pausadamente – Me dê.

Bufo descontente e então lhe estico a caixa.

- Pega.

O rapaz sorri presunçoso e saca três bombons como uma criança levada.

- Espero que engasgue com o resto. – Diz traiçoeiramente enquanto se levanta.

- Depois que eu te dei fica fácil me amaldiçoar. – Zombo o vendo dar de ombros.

Mas então, antes mesmo de ele sair uma questão me vêm a mente, me deixando realmente intrigada.

- Yoongi – O chamo quando o mesmo já está prestes a cruzar a porta – Como sabia que eram chocolates?

Ainda de costas, ele não me encara, mas quando o faz noto que suas sobrancelhas estão franzidas.

- Eu não sabia. – Responde, mas meu olhar o faz revirar os olhos – Como eu iria saber?

- Oras, eu que te pergunto. Antes de eu descer você disse “se for chocolates eu vou querer”.

- Coincidência do destino.

- Coincidência?

- Total.

- Sei... – O olho desconfiada mas o mesmo não se importa e logo me deixa sozinha.

Aproveitando de minha própria companhia, analiso se Yoongi poderia ter algo a ver com isso ou se até mesmo sabe quem é, mas ele não teria motivos para me esconder... certo?

É, acho que não.

❁❀❁

Os dias que se transcorrem são resumidos em um Yoongi quieto e uma Jane extremamente barulhenta.

Eu não faço ideia de como encontrei paciência para lidar a semana inteirinha com esse dois, mas sei o alívio que senti quando a manhã de sábado chegou.

Eu particularmente amo manhãs de sábado, já que na maioria das vezes elas são silenciosas e repletas de calmaria...

- Acorda, acorda, acorda, o sol já raiou e os pássaros estão cantando lá fora. – O ser maldito simplesmente berra no exato momento que entra no meu quarto.

- Jungkook, eu juro que se você não calar essa maldita boca eu vou levantar e eu mesma vou ir ai calar. – Minha voz segue sendo um pouco abafada pelo travesseiro que uso para tampar o rosto, mas mesmo assim a ameaça sai perigosa.

- Eu não sei você, mas eu gostei da ideia. – Agora é a voz de Taehyung que se propaga me fazendo resmungar.

Ignoro os dois e cubro ainda mais meu corpo com o cobertor esperando que eles se toquem. Mas infelizmente esses garotos não tem semancol.

- Acorda! – Jungkook simplesmente pula em cima de mim, nem mesmo me dando tempo para raciocinar e logo em seguida sua ação é copiada por Taehyung.

- Acorda!

- Meu deus, como vocês são insuportáveis, inferno! – Tento empurrar ambos, mas é óbvio que minha força é mínima ali.

- E você é mais preguiçosa que o hyung. – Jungkook rebate como uma criança arteira.

- Ah não me compare com aquele lá. – Digo emburrada – Ta, ta olha só estou levantando. – Tento os empurrar mais uma vez, mas eles só saem por boa vontade, porque se fosse depender da minha força...

- Você está horrível, vai se arrumar pra ver seu príncipe encantado. – Jeon diz de forma abusada me obrigando a mostrar- lhe o dedo médio.

Escuto Taehyung murmurar algo, mas por não estar prestando atenção o suficiente, acabo não o ouvindo.

- O que disse? – Pergunto ao moreno, que agora contém uma cara um pouco fechada que muda rapidamente quando lhe faço a pergunta.

- O que?

- O que você disse?

- Eu não disse nada.

- Disse sim, eu ouvi mas não entendi. – Digo convicta.

- Nari, você já acordou? – Pergunta zombeteiro estalando os dedos na frente de meu rosto.

- Eu não estou ficando louca. – Me levanto indo em direção ao banheiro para escovar os dentes.

- Não mesmo, até porque isso você já é. – Jungkook se intromete.

- Ah cala a boca e saiam do meu quarto.

Com um pouco de relutância, logo aqueles dois estão fora do meu quarto após deixarem decretado que estariam esperando por mim junto com os outros – vulgo Jin e Hoseok – que vieram como de costume jogar conversa fora com Yoongi.

Às vezes eu me esqueço que eles são idols, talvez seja por eu ter uma visão diferente deles ou por ter certa intimidade. Só sei que quando estão reunidos não se parecem nada com os rostinhos bonitos da tv e sim... garotos. Apenas garotos.

- Ya finalmente saiu daquele quarto. – Jin é o primeiro a se pronunciar quando entro na cozinha onde eles estão.

Ele bate algo em uma tigela e cogito ser algum bolo ou massa de biscoito.

- Nem demorei tanto assim. – Me defendo.

Então meus olhos recaem sobre ele e como se fosse programado, eu sinto meu coração acelerar e provavelmente minhas mãos já estão começando a ficar geladas.

- Oi Nari. – Ele diz todo simpático balançando suas mãos – Está melhor?

Estou melhor?

Se estou melhor?

Eu poderia ter um infarto agora mesmo!

- E-estou sim. – Respondo meio sem jeito me aproximando com cautela – O remédio me ajudou, muito obrigada.

- Não precisa agradecer, eu faço qualquer coisa pela irmãzinha do Yoongi. – Diz animado e instantaneamente eu murcho.

- A-ah obrigada. – Sorrio amarelo, mas logo tenho os braços de JK rodeando meu pescoço e o mesmo me sorri de forma reconfortante.

Mas mesmo assim, não impeço que o suspiro escape por meus lábios.

“Irmãzinha do Yoongi”? Fala sério, isso é tudo que ele vê em mim?

- Fiquei sabendo que você tem admirador secreto. – Minha atenção se volta para Jin mais uma vez.

- Um admirador secreto? – Jeon se pronuncia surpreso – Como você não me contou isso? – Pergunta indignado.

- Eu não contei para ninguém. – Digo e em seguida lanço um olhar de censura para o linguarudo do meu irmão que apenas finge não ver.

- O que ele te enviou? – Hoseok é quem pergunta agora, parecendo bem curioso.

- Flores e chocolate.

- Flores? – Taehyung pergunta confuso.

- Chocolates? – Hoseok faz a pergunta ao mesmo tempo e por algum motivo isso me soa estranho.

- Sim. – Confirmo.

- Ah e você gostou? – Seokjin me pergunta parecendo realmente interessado naquilo, depois de lançar um olhar rápido entre aqueles dois.

- Eu achei fofo. – Respondo não contendo o sorriso – Mas também acho que pode ser engano. – Dou ombros e me sento em uma das cadeiras vazias.

- Por que engano? – O mais velho me contesta.

- Porque ela é tonta e não aceita que tem alguém gostando dela. – Yoongi me atropela antes mesmo de eu dizer algo me fazendo olha-lo indignada – E não é?

- Não. – Respondo – Mas pode ser que tenha sido um engano...

- Ya, não seja assim florzinha. – Jungkook diz.

- Quem envia flores por engano? – Hoseok pergunta parecendo indignado.

- E chocolates? – Taehyung completa.

- Nunca se sabe. – Dou ombros não estando muito afim se falar daquilo – O que você está fazendo ai? – Pergunto a Jin, mudando rapidamente de assunto.

- Cookie.

- Eu. – Jeon responde.

- Você não, o biscoito.

- Ah.

E então não demora muito para que entremos em uma conversa paralela da qual eu não me importava em participar já que as palavras de Jane passam a rondar minha mente.

Eu deveria conversar com Hoseok?

Deveria perguntar a ele o que disse naquela noite?

E se sim, eu estaria preparada para aguentar as consequências?

Seria realmente possível ele sentir o mínimo de ciúmes por mim quando ele me vê apenas como "irmãzinha do Yoongi"?

As respostas são tão óbvias que me parece claro que devo deixar isso de lado.

- Vamos jogar cartas. – Jeon da a ideia assim que Jin coloca os biscoitos para assar.

- Vamos. – O mais velho concorda.

- Gostam de perder para mim, né. – Meu irmão diz presunçoso.

- Aquilo foi pura sorte. – Jin rebate.

- Veremos então.

Ok, agora seria o momento...

 Mas eu deveria? 

Droga e se ele estiver com uma visão errada de mim? 

Devo deixar isso quieto.

Quando todos estão seguindo para fora do cômodo, aproveito de cinco segundos de coragem que me vêm e seguro o pulso de Jung Hoseok e ele para no mesmo instante.

  - Podemos conversar?


Notas Finais


O QUE TEMOS A DIZER SOBRE ESSE CAPÍTULO?

É COM VOCÊS


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...