1. Spirit Fanfics >
  2. Apaixonados >
  3. Apaixonados - Pombinhos descobertos

História Apaixonados - Capítulo 23


Escrita por:


Notas do Autor


Hellooo, tb com vcs? Espero que sim, bom perdão pela demora, acabei ficando bem mal e tive que fazer uma cirurgia nesses últimos meses, perdão pela demora. Enfim, não tenho muito o que falar... Aproveitem S2

Capítulo 23 - Apaixonados - Pombinhos descobertos


Fanfic / Fanfiction Apaixonados - Capítulo 23 - Apaixonados - Pombinhos descobertos

~ Pombinhos descobertos ~

Miku chegou animada em casa, seu rosto estava brilhando feito uma estrela nova, que sorria todo os segundos sem parar.

- Posso saber que alegria é essa? - Perguntou sua mãe.

Mas a garota não respondeu, apenas começou a cantarolar pela casa tirando uma flor de seus cabelos que Alexandre havia te dado. Ela rega todas as plantas de casa, na alegria do momento se esquece que seu celular estava sem bateria e que seu mais novo namorado iria ligar em alguns minutos.

Preocupada, a garota pega sua mochila e seu celular em busca do carregador, mas era tarde demais, o celular estava desligando em suas mãos. Porém, o telefone fixo da casa começa a tocar e Miku decide atender.

- Eu atendo! - Gritou para a mãe, para que ela não precisasse ir até lá. - Alô?

- Boa tarde, gostaria de falar com Senhorita Miku. - Diz uma voz familiar.

- Sobre o que gostaria de falar com ela? - Disse a garota, engrossando a voz, pois sabia exatamente quem era.

- Um assunto peculiar eu diria, acho que você nem saberia do que se trata. - Diz.

- É mesmo? E o que é então? - Perguntou mais uma vez.

- Sobre o quanto eu a amo. - Disse Alexandre do outro lado da linha.

- Como você conseguiu meu número!? - Perguntou curiosa.

- Um mágico nunca revela seus segredos! - Diz ele.

- Foi minha mãe, não é? Ela disse que deixou o nosso número aí... Eu conheço suas cartas, mágico. - Miku ri do garoto.

- Hm, minha mágicas precisam de um toque para se tornarem perfeitas... - Ele da uma pausa. - Não consegui ligar para o seu celular.

- Ah, é... Meu telefone morreu agora pouco, não consegui lembrar que a bateria estava acabando.

- Eu queria só avisar que cheguei e uma última coisa... - Alexandre da novamente uma pausa.

- E isso seria...? - Perguntou Miku curiosa.

- Eu te amo, Miku. - Ele diz, direto e sem nenhuma hesitação.

- Eu também te amo, Ale... Te vejo amanhã?

- Sim, boa noite, minha princesa! - Disse ele desligando o telefone.

~

- Miku, é? - Diz a mãe de Alexandre. - Pensei que ia usar o telefone para ligar para um "amigo". - Provocou.

- Mãe! Quantas vezes eu já disse para não se intrometer nas minhas conversas!

- Eu acho que alguém está amando! - Provocou ela, mais uma vez. - Como vão as coisas?! Vocês já são... - Hana junta os dois dedos, sinalizando o sinal de namorados, Alexandre apenas acena com a cabeça vermelho da cabeça aos pés. - Eu sabia!!! Eu gostei dela desde a primeira vez que eu vi. - A mãe sai saltitante para a cozinha da confeitaria

O garoto volta para o quarto todo vermelho, e só pensava na promessa que fez para Miku de não contar a ninguém sobre "eles".

~ Terça-feira, 06:12 ~

Miku jurava que estava atrasada, corria de um lado para outro para se arrumar. Sua mochila não estava pronta, pois na noite anterior teve que estudar para o dia seguinte. Ficou perdida em suas anotações e acabou dormindo em sua mesa.

Ela correu até a escola com sua comida em uma mão e sua mochila em outra. Era a primeira vez que não tinha tomado seu café direito que levou em um copo, estava tão cansada que se parasse em algum lugar para encostar a cabeça iria dormir ali mesmo.

- Ei, ei, ei! Que pressa é essa, garota!? - Perguntou Lê parada no portão da escola esperando as amigas.

- Estou atrasada!! Preciso correr! A gente conversa depois! - Miku não parava de correr até sua sala.

Todos que ela esbarrava pedia desculpas, estava tão apressada que não tinha visto o horário certo. Alguém a puxou rapidamente para um canto do colégio.

- Calma aí! Bom dia, não é? - Alexandre colocou Miku em sua frente.

- Eu estou atrasada! Não vou conseguir fazer a prova...! - Disse ela desesperada tentando correr novamente.

- Ainda faltam catorze minutos para aula, até o começo da aula tem muito tempo. - Diz ele, segurando suas mãos com delicadeza enquanto a garota suspirava aliviada. - Então... Vamos embora junto hoje? Não se esqueça que tem aula de basquete hoje!

- Não vou conseguir... A Lê quer ter uma "conversa" comigo sobre ontem, eu creio. Provável que vou ir junto com a Aline

- Podemos comer juntos hoje? Como eu não contei para o André não podemos comer juntos com todo mundo "assim"...

- Sim, claro! - Disse ela animada dando um selinho no garoto.

- Aliás, eu quer-! - O garoto foi interrompido por Miku que falava por cima dele.

- Eu vou estudar para a prova, nós vemos mais tarde! - Ela disse lançando um beijo de longe para ele.

- Está bem...

Alexandre não tinha contando sobre sua mãe, era bem provável que a garota não tinha contado para a mãe como o combinado e não queria chateá-la novamente.

~

As primeiras provas do dia tinham acabado, o que deixou os estudantes um pouco mais relaxados porém ainda viria outras provas na semana e finalmente o verão para que pudessem descansar. E, obviamente, Miku e Alexandre iriam aproveitar juntos.

A garota deu uma desculpa besta para Lê e Aline sobre fazer uma lição que ficou atrasada de uma aula e saiu para almoçar com Alexandre. O garoto fez a mesma coisa com seu melhor amigo, André, que achou estranho como as amigas de Miku.

~

- A cara delas, foi o melhor... Elas não souberam reagir! - Miku disse rindo e mordendo o seu sanduíche.

- O André também reagiu assim! Ainda bem que eu dei a ideia para que ele fosse almoçar com a Lê... - Diz Alexandre, também comendo.

- Ele chegou a te perguntar alguma coisa sobre ontem? - Disse a garota se aproximando mais.

- Não exatamente... Claro, perguntou se você estava bem e se meu olho tinha melhorado.

- Eu nem consegui fazer o curativo, sinto muito. - Ela abaixou a cabeça aflita.

- Não sinta, não foi por sua causa. - Alexandre levantou a cabeça de Miku com suas mãos delicadas e segurou as mãos da garota. - Aliás, quando eu cheguei em casa acabei fazendo por conta própria. Nem foi tão ruim assim.

Miku sorri, feliz de estar ao seu lado naquele momento. Ela sente a mão do garoto quente tocando na dela sentindo a o calor de Alexandre e aos pouco sua cabeça foi caindo no ombro do garoto. E os dois esquecendo tudo a sua volta, principalmente o segredo do jovem.

~ Quinta-feira, 10:40 ~

A jovem não podia estar mais feliz naquela semana, era seu primeiro romance da vida e queria aproveitar. Mesmo sendo gentil normalmente ela fazia todo tipo de favor para todos, com a melhor alegria, sonhando com seu romance e sorrindo para todos.

- Vocês não acham que a Miku está meio... Estranha? - Perguntou Lê para André e Aline que estavam sentados a sua frente. - Sei lá, parece que ela está muito alegre... Não que isso não seja bom, mas ela está mais alegre do que o normal, se é que me entendem.

- Além de no primeiro almoços de hoje e de terça, ela sumiu dizendo que tinha que fazer um tal de "trabalho". - Acrescentou Aline fechando seu livro e o guardando em sua bolsa.

- Alexandre também está estranho, dando as mesmas desculpas que a Miku. Não estou vendo eles juntos, mas tem algo que estão escondendo de nós. - Diz André, remexendo seus cadarços.

- Nós precisamos descobrir esse segredo logo, desculpas não são mais válidas... Vou descobrir o que eles estão escondendo, nem que seja sozinha! - Lê levantou rapidamente irritada.

~ 15:04 ~

Novamente Alexandre e Miku estavam sozinhos, um do lado do outro, aproveitando o pôr do sol no terraço da escola, esperando a hora de irem para casa. Deitado no colo da garota, Alexandre pegava algumas balas que tinha trazido.

- Por que tão boas! - Miku reclamava e enchia sua boca com os doces enquanto Alexandre pegava o caderno de desenho da garota.

- É isso que você fica desenhando na aula? - Disse ele tentando não rir, mostrando para ela desenhos de si mesmo cheio de corações.

- Ei! Onde você pegou isso!? - Respondeu a jovem, tentando pegar o caderno de volta mas não podia e Alexandre levantou.

- Não sabia que você me desenhava todo esse tempo, e estes corações?! - Provocou ele enquanto Miku estava com o rosto vermelho. - Hey, não precisa ficar desse jeito. Eu adorei!

- É sério? - Ela se vira para o garoto.

- Sim! - O garoto continuava a virar as páginas do caderno e parou em uma. - Será que eu posso ficar com esse?

- Haa, sim, claro... Fico feliz que gostou e não achou estranho. - Miku deitou sua cabeça no ombro de Alexandre. - Ah é...! - A jovem se levanta rapidamente.

- O que foi? - Perguntou ele.

- Minha mãe está esperando em casa, tenho que ir...! Até amanhã. - Miku lhe dá um beijo e sai com sua mochila, vai até a porta do terraço e não vê que havia um pessoa ali.

- Trabalho, hum? Será mesmo... No primeiro almoço de terça você tinha que fazer um trabalho, hoje também no almoço e agora a tarde. Que trabalho demorado é esse, senhorita Miku? - Perguntou Lê encurralando a garota.

- A-ah, oi Lê! Como vai você? Faz tempo que a gente não se vê não? - Disse ela tentando disfarçar enquanto olhava para trás vendo se Alexandre ainda estava lá.

- Nossa última aula foi juntas... Me diz o que você está fazendo esse tempo todo? - A amiga se aproximou, a deixando enurralada.

- Haa, eu? Eu mesma? E-eu só queria dar uma olhada, sabe, uma olhada por aí... Talvez. - Disse a garota perdida nas palavras. - Eu tenho que ir, sabe como é minha mãe! Até amanhã, Lê! - Ela sai correndo escadas abaixo.

- Uma olhada? - Lê pensou em voz alta enquanto ia embora do terraço e Alexandre saia do seu esconderijo. - Mas, era para irmos juntas...

~

Era uma caminhada meio longa para a casa de Miku, por isso ela viaja em sua mente com pensamentos que quase voavam de sua cabeça por causa de falta espaço. Agora com esse relacionamento, sua cabeça explodia de sonhos, talvez os dois viagem juntos, se casem ou até mesmo terem um filho, ou quem sabe filhos! Muita coisa para o futuro poderia vir, ela estava com a cabeça nas nuvens, mas de um jeito ou de outro ela teria que colocar o pé no chão de novo.

A garota chega em casa, deixa sua mochila na frente da porta e vai direito passando por sua mãe, ela a cumprimenta e volta para a cozinha, porém sua mãe a chama de novo para conversar.

- O que foi, mamãe? - Perguntou ela se sentando na sua frente no sofá.

- Miku, você está escondendo alguma coisa de mim? - Perguntou a mãe, porém a filha não respondeu. - Por que não me contou antes?

- S-sobre o que? - Tentou disfarçar.

- Ainda tentando fugir do assunto, escondeu de mim, todo esse tempo? Sabe de quem eu soube sobre esse relacionamento. Filha, isso não se pode fazer, e se fosse seu pai que iria na padaria e descobrisse que sua filha estava namorando... - Disse Cristina decepcionada.

- Mãe... Eu juro que não proposital, eu e Alexandre apenas estávamos tentando deixar nosso relacionamento secreto por enquanto. - Justificou ela, chegando mais perto da mãe e pegando a mão dela.

- Mas, meu amor, não se pode fazer isso com os pais! Eles são os primeiros a saber de tudo... - Cristina se aproxima para se abraçar junto de Miku.

- Eu... Eu sinto muito, mamãe. Eu prometo que não vou esconder mais nada de vocês! - Disse ela se apertando junto a mãe.

- Está tudo bem, mas não faça isso novamente! E como vão as coisas entre vocês? - Perguntou, curiosa.

- Bem, está tudo indo muito bem. Até já marcamos um encontro sábado.

Cristina ficou meio inquieta, também parecendo saber de alguma coisa. E então disse:

- Meio que eu já sei de tudo isso. - A mãe riu descaradamente, enquanto Miku a olhava surpresa. - Quando eu soube que vocês estavam namorando, o Alexandre tinha acabado de chegar na padaria, assim que a mãe dele contou, o que deixou ele bastante constrangido... - Ela fez uma pausa e foi interrompida pela a filha.

- Não foi nem ele que contou que estávamos namorando! - Disse Miku, com uma pulga atrás da orelha.

- Hahaha, acho que vocês não se saíram bem em esconder este "grande segredo". Enfim, ele finalmente me perguntou onde poderia levar você, e disse que tinha que ser especial.

- E você disse...? - Perguntou a jovem curiosa.

- Sábado as sete, você irá saber! - A mãe levantou do sofá e foi até a cozinha enquanto a garota ficou lá, ainda inquieta.

Alexandre não tinha contado a ela sobre sua mãe ter ouvido a conversa no telefone e estava bem preocupado como a namorada deveria agir.

~ Sexta, 06:10 ~

Miku já estava na escola, estudando para a prova que iria ser aplicada na primeira aula. Ela estava sentada de baixo de uma árvore junto com as folhas caídas no chão, até que alguém chega mais perto e a abraça por trás, era Alexandre.

- Bom dia! - Disse o garoto alegre, porém a garota fica de cara fechada e cruza os braços. - Ei, o que foi?

- Você não me contou! Sua mãe sabia de tudo, e não me contou. - Diz ela, olhando diretamente para ele.

- Oh, me desculpe, não foi minha intenção. Era para ter te contado. - Alexandre dá uma pausa e olha para a garota e depois sussurra. - E não é culpa minha se minha mãe é fofoqueira.

Miku tenta segurar a risada mas não consegue e o garoto eu junto a ela. O jovem a olha com uma delicadeza.

- Eu te perdôo, só se você me dizer onde iremos amanhã! - Disse ela cruzando os braços e com um sorriso leve no rosto.

- Ahh, na na ni na não! É uma surpresa, sua mãe não contou pra você, não é? - Perguntou.

- Não. - Respondeu ela com a cara emburrada. - Coração... Gosta que eu te chame assim? - Perguntou ela, cruzando os dedos de sua mão nas mãos do garoto.

- Claro, coração. - Ele deu um grande sorriso e Miku retribuiu. - Estava pensando agora... Que tal contarmos para o André, a Lê e a Aline sobre-...

- Sim! Uma ótima ideia!! - Interrompeu ela. - Vai ser ótimo contar para os dois. - E de repente o sinal toca para a primeira aula. - Te vejo mais tarde, coração.

A garota dei-lhe um selinho e foi para sua aula começar as provas. Os dois estavam muito empolgados com tudo aquilo e estavam ansiosos para contar a todos. Era um sonho realizado dos dois, que talvez teria um felizes para sempre, eles não sabiam.

No primeiro intervalo, Miku e Alexandre combinaram de terminar o trabalho de português e depois iriam contar a notícia para todos. Eles começaram a se arrumar, pegando cadernos, canetas e lápis.

- Já terminei o rascunho com os detalhes! - Disse a garota, com a voz empolgada.

- Já terminei o texto, falta apenas passar a limpo. Vai ficar tão legal! - Diz ele, arrumando os papéis e finalmente pegando seu lanche.

- Eu termino em casa de fazer tudo, fica mais fácil e também vou ter mais tempo! - Dizia Miku com o sanduíche na boca. - Eu só vou terminar o sanduíche e aí a gente vai contar para os outros, coração. Como nós combinamos!

- Sim, vou terminar o meu lanche também! - Disse o garoto.

Os dois ficam ali por um tempinho, comendo, conversando e vendo o céu. Estava azul feio o mar, com poucas nuvens que pareciam algodão doce feito com muito açúcar. E meio a todo esse algodão doce, Alexandre começou a falar novamente.

- Miku, eu reparei em uma coisa. - Ele dá uma pausa e volta - Como nós mudamos, por exemplo, você, olhava como você conversa comigo. Lembro-me muito bem que toda vez que me interrompia pedia desculpas sem parar, e olha pra você agora. Apenas me interrompe.

- Isso é uma coisa ruim? - Questionou.

- Não! De jeito algum. É muito bom, também significa que você me completa. - O garoto respondeu olhando profundamente nos olhos de Miku. - Eu sinto isso, meu amor, mais do que nunca. - E novamente ele da uma pausa e olha em volta, novamente para o céu azul - Temos que ir, vamos contar a notícia logo!

- Vamos, mas sabe... Vamos contar separados. Eu conto para a Aline e a Lê e você conta para o André. Que tal? - Sugeriu. - Me parece divertido.

- Claro, depois nos reunimos, tudo bem?

- Sim! - Os dois se abraçam e vão em direções opostas.

Perdida em pensamentos, Miku vai até a porta da escadaria para o andar inferior. Talvez as duas garotas estivessem no jardim ou nos armários, ela não esperava a hora de contar para elas. E de repente, duas pessoas entram na sua frente.

- O que você está fazendo aqui, Miku? - Perguntou, Lê com a voz furiosa.

- Eu? E-eu estava procurando você e a Aline... Eu preciso falar muito com vocês. - Disse Miku, sendo cercada novamente pela garota.

- Sobre o que quer falar com nós? - Perguntou Aline, que apareceu de trás de Lê.

- Aline! Ah, ainda bem que você está aqui. - Disse Miku, com as duas se aproximando e fazendo com que ela fosse para trás.

~

Na porta, Alexandre a vista André, entrando de cara emburrada no terraço, com os braços cruzados, vindo em sua direção.

- Ah, André! Eu estava indo até você. - Disse o garoto, animando.

- Olha que coincidência, eu achei você. - Diz o jovem, ironicamente, se aproximando, fazendo o amigo ir para trás. - Queria muito falar com você também, que tal falarmos agora?

- Hã...? Vamos? - Perguntou ele sendo encurralado. - Acho que esse não é um lugar bom assim para conver-! - André o deu um pequeno empurrão.

E alguém tinha batido em suas costas, ele se vira lentamente, era Miku, e os dois estavam rodeados e sem saída para se explicarem. Ambos estavam paralisados, mas com a mesma vontade de rir de tudo. Um e outro se seguraram e começaram a falar qualquer coisa que vinha na cabeça.

- A-ah, oi, Ale? Quanto tempo, não é? - Tentou.

- V-verdade! Nossa, por "acaso" todos estão aqui. Tudo bom?

- Chutou longe. Bem pra fora do gol, Ale. - Disse André, enquanto Aline e Lê os empurraram de leve para um dos bancos.

- O que estão escondendo? - Perguntou Lê, olhando brava para os dois.

- Não é na-! - Alexandre foi interrompido por Miku.

- Dissemos que iríamos contar, coração. Não tem o que esconder mais... - A garota disse e todos ficaram surpresos e confusos.

- Coração? - Questionou André.

Os dois explicaram tudo, desde a briga entre Miku e Miguel até naquele momento. Foi um choque para todos, e não sabiam como reagir.

- Eu ainda não estou acreditando que vocês não contaram para seus pais na hora. - Disse Lê, surpresa, porém um grande sorriso saiu da boca dela. - Aaaa! Eu estou tão feliz!!! Isso é tão legal. Agora só falta a Aline, para ela não ficar de vela! - Lê zombou e deu uma cotovelada de leve na amiga.

- Já tem alguma coisa planejada para o final de semana? - Perguntou André, se sentando no banco.

- Sim, já temos. Foi na verdade a mãe da Miku que sugeriu para irmos lá. - Diz Alexandre, com a garoto apenas acenando com a cabeça.

- Por que não conta a eles?! - Disse Miku, tentando ser esperta para descobrir o segredo.

- Não, senhora. Não vou contar. - Respondeu ele.

- Mas por que não pode nos contar? - Perguntou Aline.

- Não, pra vocês eu posso contar. Mas para a Miku não posso, é uma surpresa! - Disse, fazendo com que a garota ficasse com cara emburrada.

~

Todos foram para casa juntos, como nós "velhos" tempos. Miku e Alexandre estavam ansiosos pelo dia seguinte que mal conseguiram dormir. A garota andava pelo seu quarto, se deitava, se sentava e ficava em pé novamente. Até sua mãe perguntou se estava tudo bem, mesmo sabendo que era a emoção do momento.

~ Sábado, 18:50 ~

A garota já havia se arrumado inteira, mas tinha uma dúvidas enormes, perguntava-se se seu cabelo estava de acordo, sua roupa era o suficiente, ela não passaria bem frio nem calor, se ela não estava simples demais ou muito arrumado. A única coisa que tinha certeza era que iria colocar suas presilhas favoritas, aquelas que Miguel a jugou por ser "infantil" demais e que os amigos dele não iriam gostar, porém, Alexandre era diferente, ela havia amado e também as elogiados. Era um ponto certeiro.

- "Ponto"? - Ela se questionou. - Será que existe isso? É bem parecido com aqueles jogos de namoro, que se você fizer alguma coisa errada você perde pontos. - Ela fez uma pausa e prosseguiu. - Espero que não seja assim...

Subitamente, a campainha tocou, informando que Alexandre estava lá. A garota desceu as escadas, com seus sapatos em suas mãos, e iria abrir a porta, porém sua mãe já tinha a aberto.

- Boa noite, Alexandre. - Disse Cristina.

- Boa noite, Sra. Ogawa! - Diz ele a entregando um lindo buquê de orquídeas

- Não é preciso me chamar de Ogawa, apenas Dona Cristina, ou até mesmo Cris. E que lindas orquídeas! - Disse ela, olhando para as flores. - Vamos, Miku!

- Estou indo, mamãe! - Respondeu a garota, já com seus sapatos em seus pés e indo até a porta.

- Se divirtam, crianças! - Cristina gritou e depois acrescentou - Mas não demais!

Os dois saíram e aos poucos se relaxando do momento tenso, foram dando as mãos, olhando a rua e finalmente conversando.

- Está nervosa? - Perguntou Alexandre.

- Eu? Não estou não, antes estava. Mas com você tudo fica mais tranquilo, sabia? - Respondeu ela, que agora, em vez de mãos dadas com o garoto, o puxou para ficarem abraçados enquanto caminhavam.

- Uau, isso que eu chamo de resposta completa! - Ambos riram. - Confesso que também estava nervoso, mas me sinto mais relaxado.

- E agora você vai me contar onde nos iremos? - Perguntou a garota, olhando carinhosamente para ele.

- Ainda não. Nem chegamos ainda, Miku! - Respondeu, fazendo com que ela ficasse emburrada.

Os dois acabaram andando um bocado, mas chegaram onde Alexandre queria. Um restaurante chamado "Sunday's 60's", que, realmente, foi dos anos 60. Todos os posters até toca disco eram daquela época.

- Eu não acredito!! - Disse Miku, totalmente animada. - Eu não creio que você me trouxe aqui!!!

- Sua mãe disse que você queria muito vir aqui, por que não? - Diz ele, que já quase havia sido puxado para entrar.

Os dois sentam em um dos sofás que eram encostados na parede onde tinham enormes janelas que davam para a rua escura, iluminada por apenas um poste.

- Sabe que isso é demais, não? - Disse ela, olhando envolta enquanto os dois se sentavam.

- Não sabia que gostava dos anos 60. - Diz Alexandre, enquanto pegava o cardápio.

- Sim, eu amo e faz tempo que não vou em um! - Miku pega o cardápio e passa o olho rapidamente.

- E qual foi a última vez? - Perguntou.

- Olha, faz uns bons anos. Na cidade onde meus avós moram, que é onde eu morava quando tinha uns seis até dez anos, tinha um restaurante dos anos 60 e meu avô me levava. Toda vez que ele tinha algumas moedas me levava, já te tinha um enorme caixa de música, e colocavamos música. Uma vez quase fomos expulsos porquê não deixamos ninguém colocar as músicas. - Ela soltou uma risada e depois o olhou. - Meu avô vai adorar te conhecer! Ele queria muito que um dia eu encontrasse um menino que me entendesse e me fizesse feliz...

Alexandre a olhava diretamente observando sua expressão de alívio, como se o sonho do avô da garota fosse finalmente concedido. Então a garçonete chega, perguntando seus pedidos.

- O que gostariam de pedir? - Perguntou ela.

- Hmm, que tal um milk-shake? - Miku também perguntou. - Eu quero um de morango e talvez aquelas batatinhas fritas.

- Bela escolha! - Disse a garçonete e continuou - E o jovem? O que vai querer?

- Acho que um mik-shake também, só que de chocolate! Tem como trazer uma porção para dois de batatas?

- Sim, claro. Daqui alguns minutos já estará pronto. - E ela sai da mesa e vai até a cozinha.

- Devo admitir, milk-shake com batatinhas... Que combinação! - Brincou Alexandre.

- Tenho certeza que você vai gostar. Foi assim que meu avô conquistou minha avó! - Os dois riram.

- Aliás, voltando nesse assunto de família, vamos fazer um jantar na semana que vem. E claro, você tem que ir! - Disse o garoto segurando na mãos da garota.

- Uau! Isso é... Incrível! Sim, eu vou com certeza.

- Considerando que meus pais já te conhecem e gostam muito de você, será tranquilo.

A garçonete voltou da cozinha com os dois copos e a porção de fritas que o casal tinha pedido. Os dois agradecem e começam a comer.

- Miku, você tinha razão... Isso é muito bom! - Disse Alexandre colocando mais batatinhas na boca e depois bebendo um gole do milk-shake.

- Eu disse, a combinação pode ser meio estranha, porém é uma delícia!

- Parando pra pensar, coração, nós nunca conversamos do que gostamos de fazer... Me diga... O que você faz no seu tempo livre. - Diz o jovem.

- É meio óbvio isso, eu desenho! - Os dois riram. - É minha paixão desde pequena.

- Sim, mas... Algo secreto, não sei, que você não tenha contado pra ninguém.

- Hm... Então eu tenho que revelar meu maior segredo? - Perguntou ela.

- S-se não quiser tudo bem! Eu apenas..- Ele foi interrompido pela garota.

- Eu amo dançar. Ninguém sabe disso, nem minha mãe. Escondo pois tenho vergonha, eu não sei, é esquisito... Mas... - Ela parou.

- Mas...?

- Agora que eu coloquei meus sentimentos para fora, falando tudo o que eu sinto, eu me sinto livre pra dançar. - Ela disse. - Pelo menos nas sua frente. - Miku corou as bochechas.

Por um momento, Alexandre não parecia ter se emocionado ou algo do tipo, apenas colocou as mãos do bolso, pegou sua carteira e dentro dela pegou algumas moedas. Logo em seguida colocou na jukebox ao lado da mesa e escolheu a música mais popular, estendeu a mão para a Miku e falou:

- Gostaria de dançar? - Perguntou enquanto os olhos da garota brilhavam e rapidamente ela levantou.

Miku parecia estar nos céus, dançando no meio do restaurante, sem nem ao menos ligar para o resto. Apenas curtindo o momento e dançando. E num instante Alexandre se sentou novamente, deixando apenas a garota em pé dançando, ainda nós céus e quando finalmente percebeu que estava dançando sozinha a música já havia acabado e ela se sentou rapidamente.

- Percebeu? - Ele perguntou.

- Que eu passei a maior vergonha no mundo. - Respondeu, se escondendo atrás de suas mãos.

- Não, ninguém viu. - Ela olha para todo o restaurante e todos estavam conversando naturalmente como se ninguém a visse de verdade. - Contando que você se divirta ninguém precisa ver.

Continua...


Notas Finais


Espero q tenham gostado, esse demorou, foi feito com muito carinho e com meu sonho de um dia isso se tornar alguma coisa ksksks
Boa semana a todos!!!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...