História Apego - Capítulo 9


Escrita por:

Postado
Categorias Shawn Mendes
Personagens Shawn Mendes
Tags Colegial, Gay, Romance, Shawn Mendes
Visualizações 39
Palavras 2.453
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Famí­lia, Ficção Adolescente, Fluffy, LGBT, Romance e Novela, Yaoi (Gay)
Avisos: Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Aeeeeeeeeeeee!
Mais um capítulo procês, mores sszsz
No começo, achei esse capítulo meio irrelevante, mas deixei de pensar assim logo em seguida.
Ele é até que fofo.
Bem, como sempre, agradecimentos à Lene pela betagem, meu nenis szsz
Boa leitura, galerous szsz

Capítulo 9 - Amigos


Fanfic / Fanfiction Apego - Capítulo 9 - Amigos

Havia sido um pouco vergonhoso descer as escadas depois de ter tido minha primeira vez com Shawn, pois eu além de estar andando um pouco manco por causa disso, não iria querer ouvir os comentários dos seus amigos. Enquanto o próprio Shawn agia como se nada tivesse acontecido, queria eu ter esse dom. Dependendo do que está acontecendo, não consigo disfarçar, mas algumas vezes falo tudo no deboche, o que acho um belo disfarce até certo ponto.

Mas, graças a Deus, ninguém falou nada sobre o barulho que Shawn e fizemos no cômodo lá em cima, entretanto tenho certeza de que vão dizer algo quando eu não estiver por perto. Não sei se isso é bom ou se é triste.

Shawn se deita no colchão mais uma vez e depois sou eu quem me deito, sendo puxado para ficar mais próximo dele. Jamais pensei que alguém gostava tanto da minha companhia como ele. Minha cabeça se escora em seu peito, enquanto meu braço o abraça. Meus olhos encaram a tela da televisão grande de Mendes, que infelizmente ainda passa aquele filme no qual me causa ânsia de tão entediante, mas espero que o filme já esteja no final. O canadense puxa a coberta mais para cima, cobrindo-nos o suficiente.

Toda aquela agitação com Shawn me deixou cansado e está me dando sono, ainda mais junto com as carícias que ele mesmo faz em meu cabelo e no meu braço. Não sei se durmo agora ou se aguento mais alguns minutos até que todos estejam também se sentindo muito sonolentos e dizerem que precisam mesmo dormir. Nunca pensei que queria tanto ouvir a voz dessas pessoas para fazerem algo que até eu quero. Meus olhos estão muito pesados, sei que não vou aguentar ficar com eles abertos por muito tempo.

Shawn permanece me acariciando, depois de me dá um beijo na testa, seguindo pela ponta do nariz e por último depositando um também nos meus lábios. Esboço um sorriso, mas sem mostrando os dentes, como resposta.

— Você é adorável quando está com carinha de sono.

— E você deixa um pato se escorar em ti.

— Não aja como se eu também não gostasse daquilo.

— Eu ajo pensando em como ela e o resto da galera a acha linda.

— O que importa é não ser uma pessoa horrível.

— Realmente. Não é nada bom ser feia e ainda por cima antipática, porque assim fica difícil para tentar ter uma amizade.

— Isso significa que você vai tentar ser amigo dela?

Olho para Shawn, incrédulo, logo o respondendo:

— Eu prefiro endeusar a Stacey e/ou ser fã das Kardashians e dizer que elas trabalham muito para terem esse requisito todo. Ou talvez seja melhor a morte mesmo.

— Não sei porquê me surpreendo com você dizendo que preferia morrer do que escolher entre duas determinadas coisas.

— Você me ama tanto que o medo de me perder lhe consome todinho. Relaxa, também sinto isso.

Shawn também sorri, logo me puxando um pouco mais para cima e me beijando. Sua mão fica em minha nuca, enquanto a outra está entrelaçando com a minha. Que logo recebe carícias, trazendo um tsunami de tranquilidade e afeto. Mendes também começa a acariciar na região da nuca, algo que acarretou em eu ficando arrepiado. Espero que Shawn não se excite, pois acho que ele está mais cansado do que eu, já que ele que mais se movimentou intensamente antes.

— Eu não sei vocês, mas eu estou ficando com muito sono. — anuncia Jordan.

— Eu também estou. — afirmo, depois de ter separado meus lábios dos de Shawn.

— Vamos dormir, gente. — propõe Tyler.

Michael desliga a televisão, deixando tudo escuro. Há o barulho da movimentação dos amigos de Shawn nos colchões, todos querendo encontrar uma boa posição para dormir. Shawn faz o mesmo, o que afeta na antiga maneira que eu estava antes. Fico de costas para o canadense e logo sinto que suas mãos percorrem pelas laterais do meu corpo, trazendo-me para mais perto dele e envolvendo seus braços em mim. Ele está me abraçando. Nós vamos dormir de conchinha. Segundos depois, eu fecho os meus olhos, entregando-me direto para o sono.

•••

Abro meus olhos e os coço, percebendo que o dia ainda não amanheceu. Olho para trás e vejo Shawn ainda dormindo tão serenamente. Ele consegue ser uma obra de arte até dormindo de tão encantador que é.

Sinto a minha boca um pouco seca, então resolvo me levantar, com muito cuidado para não acordar Shawn, e ir até a cozinha. Já há alguém no cômodo, pois a luz está acesa. Dou mais alguns passos e finalmente chego na cozinha, encontrando quem eu queria, Stacey. Ela também está se deliciando com um copo d'água, enquanto mexe no seu celular. Assim como eu, sua reação não foi muito adorável.

— Não estou a fim de discutir com você, ainda mais em plena madrugada. — começa ela — Então vamos ignorar a presença um do outro.

Mas vai ser difícil. Há algo de estranho nela. Sua voz parece estar trêmula, ou melhor, ela está trêmula. De onde estou e da onde ela tem uma certa dificuldade em ter certeza, mas seus olhos parecem estar um pouco vermelhos. Jamais pensei que a veria assim, pois na escola ela é sempre muito feliz — por mais que eu não a suporte.

— Não vou ignorar a presença de alguém que parece estar triste, mesmo que seja alguém que eu não tenha nenhuma afinidade e que o desprezo seja recíproco. — falo, indo para mais perto dela — Pode desabafar se quiser.

— E por que eu iria desabafar logo com você?

— Há vários motivos. Um porque não tem outra pessoa por aqui. Outro porque ou você conta tudo logo para tirar essa tonelada que lhe pressiona ou você permanece a carregando. — respondo — Claro que é estranho estar para nós estarmos tendo essa conversa, até porque nos odiamos, mas talvez essa seja uma hora boa para colocarmos as indiferenças de lado.

— Está bem. — a loira suspira e deixa o celular de lado, virando-se para mim e olhando para mim.

Jamais pensei que conseguiria ficar no mesmo lugar que Stacey por mais de um minuto, ainda mais para escutá-la.

— Não vou saber como começar a falar sobre isso, mas vamos lá. — diz, enquanto pego um copo e o encho de água, levando-o até minha boca e engolindo cada gotícula.

— Perdão por isso, mas precisava me hidratar. — falo — Enfim, prossiga.

— Bem, eu acho que qualquer pessoa, pelo menos as que sofrem disso, sabe como é ruim isso. Como você sabe, Luke, sou a garota mais popular da escola, a mais rica e entre outros rótulos que me colocam, sejam eles para me elogiar ou me denegrir. Já fui chamada de coisa pior além de puta e claro, por fora fingi não ter escutado, mas por dentro eu estava me acabando. No começo disso tudo, eu pensava que não deveria me importar, porque eu sou rica e linda, não há razões para que eu ficasse com isso na cabeça. No entanto, é aquela coisa, Luke; tenho dinheiro, tenho um namorado incrível, tenho o que muita gente deseja, mas isso não me impede de continuar sentindo um vazio.

“Talvez você esteja se questionando em seu pensamento, coisas do tipo: ‘Porra, é podre de rica e ainda fala que sente um vácuo dentro de si?’. Sim, eu sinto. Eu fico muito triste quando vejo Michael triste, pois ele sabe disso tudo e faz o seu melhor para reverter isso tudo, mas infelizmente ele não consegue sucesso. Talvez o problema esteja no fato de que não tenho o amor dos meus pais, já que eles passam mais tempo cuidando do dinheiro do que me dando a atenção que um filho merece. Eles nem me criaram, Luke, pois já que cagam dinheiro, contrataram uma mulher para fazer isso. Ou seja, na cabeça deles, eu sou um nada.”

“Minhas amigas também não facilitam a situação nem um pouco. Ontem você disse uma verdade sobre uma delas, ela nega sempre que é abordada com esse tipo de opinião, mas eu vejo que é mentira. Ela, assim como as outras, aproveita de mim e da minha bondade como amiga. Estou completa e absurdamente farta dessa mentira toda.”

“Eu me sinto tão inútil, tão vazia. Perdi as contas de quantas vezes optei por suicídio e também das vezes em que ingeri bebidas alcoólicas e transei com alguns caras, antes de namorar com Michael, é claro, para tentar me esquecer dessa aflição. Sim, Luke, pode-se dizer que a Stacey que você e o restante da escola vêem o tempo todo é uma personagem que é parecida com as patricinhas de Beverly Hills. Sou rica, sim, mas o que eu tenho de dinheiro não ultrapassa a minha tristeza.”

“Tudo que eu mais quero é o amor dos meus pais, sabe? Eu queria poder contar com eles, mas para ambos contar só se for dinheiro. O restante o que eles têm a ver?”

“É isso.”

Meus olhos ficam arregalados. Nunca pensei que Stacey tinha um lado sensível, um lado que gritasse por ajuda. Temos até coisas em comum, eu não pude desconsiderar isso. Sempre pensei que ela já tinha tudo e que não precisava de mais nada. Eu me precipitei muito quanto às opiniões sobre a Stacey.

— Não pude ignorar o fato de que temos problemas semelhantes. Eu não tenho mais amor de ninguém da minha casa, mas isso porque meu pai influenciou. Depois que explanei aos meus pais sobre minha homossexualidade, tudo mudou, mas não foi uma mudança boa, entende? Têm vezes que sou agredido injustamente, sou excluído de muitos programas que envolvem a família toda. Walter, o meu pai, encheu a cabeça da minha mãe e dos meus irmãos, ou seja, eles me difamam também, mas isso somente quando meu pai está por perto, pois quando estão longe, eles pedem perdão e etc. Então, Stacey, nossas semelhanças estão na questão de não termos o amor que nós, como filhos, merecemos.

“Bem, agora falando somente sobre você, eu quero, primeiramente, pedir perdão por ter lhe julgado várias vezes. Eu digo isso, porque não te conhecia e eu não queria que conhecer também, então foi um pouco difícil, sim.”

“Em segundo lugar, eu já sabia que suas amigas estavam se aproveitando de sua pessoa, já que eu mesmo já as ouvi dizendo isso. Não lhe fofoquei sobre isso, até porque nós não nos suportávamos na época e se eu contasse, você não acreditaria em mim e/ou deixaria mais intensa a nossa intriga, então eu já quis evitar essa merda toda logo de cara.”

“Acho que como qualquer pessoa, eu aconselho a cortar essa amizade em primeiro lugar. Reúna-se com elas e conte tudo aquilo que lhe destrói. Depois converse com seus pais seriamente, não importa se estão trabalhando ou dormindo, faça-os pararem imediatamente o que estão fazendo e também os faça te escutar. Dando certo ou não, o que importa é você se livrar desse peso nas costas que te machuca muito.”

— Obrigada, Luke, por ter me escutado. — agradece Stacey, secando suas lágrimas e fungando.

Sorrio como resposta, recebendo um abraço caloroso de Stacey. Nunca pensei também receberia abraço dela.

•••

Como pensei que seria, todos nós acordamos bem tarde. Eu havia sido o último a despertar, sendo chamado de fofo pela minha maneira de dormir por Shawn e ele sabe que não gosto que me chamem de fofo. Não faço nada voltado a ele porque o amo demais e é isso que me impede, sempre surge um arrependimento por ter um coração tão frágil quanto um fio de cabelo.

Depois de ter feito minhas higienes, novamente volto para a sala, encontrando Shawn e Michael sentados no sofá com seus violões, enquanto Stacey e Tyler cantam juntos e Jordan apenas mexe no seu celular. Eu não sabia que eles faziam algo a mais além de serem populares.

Michael me avista e pede que eu me junte a eles, só espero que não me peçam para cantar, já que minha voz já não é uma beleza, cantando então é um desastre, pois ao ouvir, é como se a pessoa estivesse disposta a realizar uma cirurgia rápida para perder a audição. Caminho até eles e me sento entre Shawn e Tyler, que havia dado espaço para que eu me encaixasse para ficar perto de Mendes. Que ser humano dócil. Talvez eu tenha julgado todos eles muito precipitadamente mesmo. Espero que todos me perdoem, é péssimo carregar a desculpa e não ter coragem para dizer nada.

Shawn, depois de ter parado de tocar, envolve seu braço em meu pescoço, trazendo-me para mais perto dele e logo nossos lábios se encontram, iniciando um beijo cheio de ternura. Uma mão minha fica apoiada no sofá, enquanto a outra está parada em sua nuca e meu dedão solitário na sua mandíbula. Muito bom começar o dia com um beijo de Mendes.

— Você quer cantar alguma música com a gente? — pergunta Shawn depois de ter me beijado.

— Depende do cantor. — falo.

— Eles também gostam da Lana e do Sam Smith, Lu. — revela meu melhor amigo, deixando-me mais feliz e também mais arrependido de ter tido pensamentos maldosos sobre eles.

— Então eu canto. — sorrio — Mas antes, quero explanar meu arrependimento.

Todos me olham, curiosos e atenciosos. Stacey quebra o silêncio perguntando para mim o que aconteceu para eu estar com remorso, em seguida eu suspiro, fechando os olhos e no mesmo instante os abrindo, encontrando com os de Shawn e logo abrindo um pequeno sorriso.

— Shawn, que me conhece há mais tempo, sabe que raramente eu reconheço um erro e hoje mesmo acabei de reconhecer um. — olho para eles, não mostrando tensão alguma — Cada um de vocês, com exceção de Shawnty, sabe que nunca simpatizei muito com vocês. Sempre os respondia com certa arrogância e os aturavam por estar ao lado do meu melhor amigo. Isso acontecia porque eu era leigo sobre cada um de vocês e essa noite, quando tive momentos as sós com vocês, principalmente a Stacey, eu vi que não são nada do que eu costumava pensar. Então, bem, quero pedir desculpas por terem sido julgados por mim injustamente. Talvez seja a oportunidade de recomeçarmos e quem sabe sermos amigos. Vocês me perdoam?

Stacey, Michael — embora não precise muito, pois era o único que eu aturava —, Tyler e Jordan se entreolharam e sorriram, direcionando-os para mim no mesmo segundo.

— Sim, Luke, nós te perdoamos. — Tyler responde por todos eles, fazendo Shawn e eu sorrirmos também — Assim como também aceitamos recomeçar do zero e sermos amigos.

— Muito obrigado, muito obrigado mesmo. — agradeço — Mas, Stacey, isso não vale para suas amigas, elas com certeza não suporto de jeito nenhum.

— E eu não te culpo por isso, Luke. — ela fala, dando de ombros.

É, agora sim posso dizer que tenho amigos.


Notas Finais


Luke virando friend dos friends do Shawn, clindo!!!
Gostaram, gente?
Não deixem de opinar, por favorzinho szsz
Até semana que vem szsz


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...