1. Spirit Fanfics >
  2. Apenas Aprenda a Me Amar-Bughead >
  3. Eleven: Pizza night

História Apenas Aprenda a Me Amar-Bughead - Capítulo 11


Escrita por:


Notas do Autor


Oi meus bens, tudo bem?
Gente, sumi por um tempinho a mais porquê tava planejando os próximos capítulos e como quero que toda essa história se desenrole. Já tenho até o último capítulo preparado agora🤭🤭🤭
Bom, espero que tenham gostado das novas capas; de capítulo e de história.
Aproveitem💕💕

Capítulo 11 - Eleven: Pizza night


Fanfic / Fanfiction Apenas Aprenda a Me Amar-Bughead - Capítulo 11 - Eleven: Pizza night

•••••••••••••••••••••• Betty's P.O.V. ••••••••••••••••••••••

-Quebra de tempo: Quinta-feira; 5:48 A.m.

         

          Meu corpo sereno e um pouco dolorido pelo sono que repousei no sofá começa a despertar lentamente. O relógio robusto de madeira clássica que estava pendurado na parede revelava para mim quase seis da manhã. Uma corrente fria percorre meu corpo coberto com o pijaminha de seda e arrepia os pelos de toda a extensão descoberta. Olho para o lado tentando descobrir de onde vem, então vejo a janela ao lado da escada aberta. Calço as pantufas com as quais vim para cá e ando até a janela, vendo o sol que já começa a se mostrar e o horizonte banhado unicamente pelo imenso mar azul.

          Respiro bem fundo aquele ar fresco da manhã e olho na direção do sofá depois de perceber um movimento e confesso que levei um micro sustinho antes de lembrar que Jughead também tinha provavelmente dormido ali. Olho na direção da televisão que tenho certeza que passou a noite inteira ligada, pois só mostrava a logo da Netflix. Ando na direção do controle que estava sob a mesinha de centro e a desligo.

           Assim que me viro para trás, minha visão é dominada por uma cena pura, calma e serena. Chego um pouco mais perto olhando fixamente para ele com um sorriso besta no rosto que nem percebi que estava lá. Ele estava completamente estirado no sofá, com apenas uma almofada apoiando sua cabeça. De barriga para cima, uma de suas mãos estava apoiada sob sua barriga e a outra pertinho de sua face, que estava voltada para as costas do sofá. Famoso ditado; Quem te viu quem te vê, Jones. Se não soubesse o demônio que ele é acordado, teria convicta certeza de que é um anjo. Respirava bem calmamente e mal se mexia, mas aparentemente estava com frio. Então pego o cobertor que tinha trazido para cá ontem a noite e jogo delicadamente por cima dele.

         - O que é isso que você tá fazendo revirar aqui dentro de mim, Jones?- Sussurro para mim mesma em forma retórica, mas ele se mexe virando o rosto para mim fazendo com que eu dê um pequeno pulo para trás. Ele ainda está com os olho fechados então eu decido parar de conferir se ele não morreu e ir terminar o restinho do tempo que eu ainda teria de sono na minha cama.

             Saio bem devagar de perto do Jug, com passos leves para não acordá-lo. Quando piso no primeiro degrau, fecho os olhos com força e paro de andar rapidamente, pois escuto:

             - Bee..- Era o Jug. Droga, acordei ele.

             - Oi Jug, fala- Digo baixinho, mas ele continua.

             - Loirinha, peraí..- Como é?- Cooper!- Ele fala a última parte com maior impacto e dou passos apressados até ele.

            Está dormindo? Como assim? Ele está.. Não. O Jones tá sonhando comigo?

            - Betty..- O que deu nele?! Não, eu estou maluca. Corro pelas escadas até chegar ao meu quarto, onde encosto na porta ofegante e me jogo no carpete em seguida.

            Ele só pode estar querendo me deixar maluca. Uma hora consigo ter a certeza que ele me odeia. Em outra, que quer ser meu melhor amigo e me proteger de tudo. E em outra penso que ele poderia sim me.. Não, não! Nem pensar Elizabeth, combinamos que qualquer mínima ideia de sentimento que esteja nascendo aqui deve morrer. É isso, deve sim.

            Checo meu celular e começo a achar estranho o fato de Verônica não ter me mandado nenhuma mensagem desde que cheguei na praia. Falei com ela nos dois primeiros dias que faltei na escola, mas ontem e hoje ela não mandou mais mensagem, não postou seus tiros de amor diários com o Red-haired dela.. Que estranho. Decido mandar mensagem para ela, mas a mesma nem é recebida, apenas enviada. Suspiro fundo, de todos os homens nesse mundo eu teria que começar a sentir algo justo pelo que fui obrigada a me casar? Que irônia. Sei que não posso, não preciso me machucar de novo, não posso deixar que tentem fazer tudo aquilo comigo de novo.

           Já passam das seis, então me levanto e decido tomar um banho. O chão gelado do banheiro acompanha meus passos enquanto me livro daquele pijama. Entro na cabine de vidro e fecho a mesma em seguida, ajustando a água para gelada, no plano de despertar melhor o corpo. Saio enrolada em uma toalha branca e bem fofa, pegando a mala que estava ainda aberta sob a cama e tirando de lá uma calça de moletom cinza e uma blusinha regata de alcinhas rosa claro. Coloquei meu chinelos e amarrei meu cabelo em um coque mais bagunçado. Depois de escovar os dentes, desço e vejo que Jughead segue dormindo, então me vem a ideia de cozinhar algo para o café da manhã. Não pode ser tão difícil assim né? Eu meio que sei cozinhar, mas acho que nem sempre fica tão gostoso..

           Desço as escadas devagar e vejo que Jug ainda dorme agarrado ao meu cobertor. Quando chego a cozinha, olho ao meu redor e tenho uma ideia perfeita do que fazer; Panquecas com calda de frutas vermelhas (Acho que já deu pra perceber que amo qualquer coisa que envolva um morango ou uma amora, né?) e pra acompanhar, Smoothies. Acho que o preferido de Jug ainda é o de Manga, e pra minha sorte, tinham algumas perfeitamente geladas dentro do refrigerador.

           Pego os materiais da panqueca e coloco na bancada da cozinha, mas antes de começar a preparar a massa, ligo o fogo para que a calda fique pronta antes, pra dar tempo de ficar gelada. Corto a manga e coloco junto ao leite, ao iogurte e alguns cubos de gelo no liquidificador, pois eu precisava ser prática pra que tudo ficasse pronto antes da bela adormecida ali acordar. Enquanto o smoothie de Jughead batia, termino de cortar os morangos para fazer o meu e adiciono o açúcar as frutas que já começavam a ferver. Enquanto começo a preparar a massa da panqueca, ouço alguns resmungos vindo da sala e me pergunto se o Jug acordou, mas esqueço isso quando não escuto mais nada. Cantarolo uma música na minha cabeça e adiciono mais um pouco de farinha de trigo, quando sem aviso prévio

             -COOPER!- A farinha que estava dentro da xícara voa direto no meu rosto, criando uma máscara para mim e causando uma crise de riso em Jughead que ria desenfreadamente

             - Puta merda, Jughead!- Falo com raiva olhando em direção a ele que sessava sua crise e sentia mais apuradamente o cheiro de algo. Ele recosta na porta e faz uma cara convencida

             -Ham, Betty... Acho que tem algo cozinhando demais aí- Eita porra

             - Droga Jughead!- Me viro apressada e desligo o fogo, retirando a panela logo em seguida. Percebo que também esqueci o Smoothie, então direciono rapidamente minha mão livre e desligo o liquidificador

             - Manhã agitada Cooper?- Ele fala com a maior cara de cínico do mundo

             -Você me atrapalhou!- Digo para ele e volto o olhar para a panela- Ao menos não perdi toda a calda.

             - Olha só, toda prendada senhorita Smith- Era raro ele me chamar assim- Bom, deixa eu provar seu café da manhã.- Puxo a panela para longe dele, para que não coloque o dedo ali

             - Primeiro, não vai provar nada aqui. Segundo, não é só meu- Ele me olha um pouco desconcertado e eu reviro os olhos, fazendo uma cara frustrada em seguida- Tentei retribuir o café da manhã do outro dia; e o jantar de ontem. Acho que me embaralhei um pouco, nem pra cozinha tô servindo.

            - Ei Bee, para com isso.-Ele anda até mim e me olha sorrindo. Lentamente, coloca o dedo dentro da panela e leva até a boca- Bom, a calda ao menos ficou uma delícia- Olho para ele incrédula e começamos a rir em seguida- Adorei sua máscara inclusive.-Olho para ele meio envergonhada e ele limpa toda a farinha que há em meu rosto- Olha, o que acha de eu te ajudar?

            - Bom, meu plano de parecer boa cozinheira já se foi mesmo, então me ajuda sim- Falo e ele ri, andando na direção do liquidificador depois de colocar a panela com a calda de frutas na geladeira.- A propósito, ainda gosta de Smoothie de Manga não é?

           - Ainda são meus favoritos. Vindo de você ainda por cima, acho que deve ter ficado mil vezes melhor- Ele fala e dou um sorriso bobo.

           Termino as panquecas e depois de assar, coloco todas em um prato e vou para a mesa onde Jug já estava sentado. Jughead devorou sem muita demora quatro panquecas, acho que não cozinho tão mal assim afinal. Depois de um café bem humorado, subimos para nossos respectivos quartos e eu decidi ler, não tinha muita coisa mais para fazer. Deu certo na primeira hora, mas já eram quase  nove da manhã e eu estava entediada.

          - Loirinhaaa, abre a porta aqui- Levanto da cama e corro até a porta, vendo um Jughead que já estava tomado banho e usava um calção preto leve e uma regata vermelha que deixava seus braços completamente a mostra- Ótimo, você tá viva. Achei que já tava morta pelo tédio que tá dentro dessa casa... Vamo pra praia?

         - Ahh Jug, mas agora?- Faço uma expressão de preguiça e ele revira o olhos

         - É Cooper, claro que é agora. O sol tá lindo e a praia não tá tão cheia.- Ele fala até que bem empolgado- A gente pode almoçar em algum quiosque na orla mesmo e voltar pra casa mais tarde.

          - Não tô muito afim, tá tão cedo e..- Ele me interrompe

          - Betty, já são quase nove da manhã, é óbvio que não tá cedo. Deixa de ser preguiçosa, vamo logo pra aproveitar o quanto antes- Sigo com minha expressão  manhosa de preguiça e ele respira fundo- Loirinhaaa, já estamos aqui mesmo, vamos aproveitaaaar. Tô sentindo que fui obrigado a casar com uma senhora de idade- Eu começo a rir nessa parte- Você quer ficar o tempo inteiro trancada aqui?

          -Você é muuuito irritante quando quer Jones!- Ele começa a rir e faz uma expressão debochada como quem diz "obrigado"- Me dê quinze minutos, está bem? Preciso colocar um biquíni e pegar algumas coisas.

          - Aí sim.- Ele sorri e antes de sair e fechar a porta ele fala- Vou te esperar no sofá.

          - Quero meu cobertor de volta, A propósito- Grito na esperança que ele traga, mas o que recebo de volta é, por algum motivo:

          - Gostei dele, vou ficar pra mim. É aconchegante- Ouço sua risada e em seguida os passos pesados na escada.

           Me apresso até a mala e coloco um biquíni simples. Era um top faixa com listras verticais brancas e amarelas. A parte de baixo tinha a mesma estampa, mas era cintura alta e tinha um laço delicado na parte da frente. Por cima, coloquei um shortinho jeans também cintura alta por conta do biquíni e uma blusa largadona cinza com um nozinho na frente , e a mesma deixava as laterais do meu corpo a mostra. Olho meu reflexo no espelho e coloco um par de chinelos simples, e complemento meu cabelo solto com uma bandana amarela. Pego uma bolsa de praia que minha mãe me obrigou a comprar em alguma das nossas viagens e coloco dentro uma canga, dinheiro, meu livro, Celular, fone e um protetor solar, porquê minha pele tem sérios problemas com o sol.

          Desço as escadas e vejo Jug sentado no sofá com uma das pernas apoiadas na mesinha de centro. Tinha um guarda sol com duas cadeiras de praia apoiadas na porta da saída, além de um culler que eu confesso que me preocupa. Ele nota minha presença e se levanta.

           - Achei lá no quintal, perto da casa de bombas da piscina-Ele fala apontando para as cadeiras e o guarda sol- Acho que são novas, tão bem preservadas.

           - Tudo bem, mas e o culler?- Falo

           - Ham, tava na cozinha.- Arqueio a sobrancelha porquê ele fingiu não entender minha pergunta. Ele suspira e fala: - É só água gelada, alguns sucos e um pouco dos Smoothies que fizemos mais cedo.-Confesso que tô bem aliviada- Olha Bee, foi só daquela vez.. Não tô mais bebendo daquele jeito, você já percebeu, É que..

          - Tudo bem Jug, não precisa se explicar.- Ele faz uma expressão aliviada- E então, vamos?

          -Claro, vamos sim.- Jug fala e pega o culler e as cadeiras, deixando o guarda sol para que eu levasse.

          Atravessamos a estrada e já estávamos na areia. Procuramos um lugar mais perto da água e que tivesse o mínimo de pessoas possível, apesar de não terem nem vinte pessoas na praia. Organizamos as coisas e Jug se sentou na cadeira, então eu tiro a canga da minha bolsa e forro na areia, sentando-me em cima dela em seguida. Decido tirar a blusa, talvez um pouco de sol não me faça tão mal assim. Pego o protetor solar da bolsa e passo nos braços, busto, barriga, rosto... droga! Minhas costas...

          - Jug..- Falo reunindo toda coragem que tenho e me perguntando o que tenho na cabeça.

          - Oi loirinha, fal.. Uau- Ele tira os óculos da cabeça e eu rio um pouco envergonhada

          - O que foi?- Falo e baixo o olhar, ele sempre fica olhando diretamente pra mim. Indecifrável IdiotaHead..

          -Você tá tão linda nesse biquíni..- Ele parece voltar a si quando olho para ele incrédula- Quero dizer, você poderia ter menos vergonha de usar biquínis, É..- Olho para ele ainda mais incrédula- Argh, fala logo o que ia me dizer loirinha..- Dou uma risada um pouco alta mas lembro do meu pedido

         - P-pode passar protetor nas minhas costas?- Peço e sinto minhas bochechas esquentarem

          - Ham, claro, passo sim- Ele fala e se levanta, pegando o protetor das minhas mãos e se ajoelhando na areia ao meu lado.

          Me sento na canga e meu corpo arrepia quando ele toca em meu ombro, ele apenas da uma risadinha e segue com a "massagem". Depois de alguns segundos, ele termina de passar mas não se levanta. Ele começa a aproximar o corpo e fica com o rosto a centímetros do meu, pois eu conseguia sentir sua respiração branda enquanto ele alternava os olhares entre meus olhos e minha boca. Meu coração acelera e Por algum motivo desejo que ele termine com essa distância.. ELIZABETH!

           Por fim, ele dá um sorrisinho de canto para mim e se levanta.

          - O que foi seu bobo?- Falo e ele sorri um pouco mais

         - Nada.. Vou entrar no mar um pouco- Ele deixa os óculos sobre seus chinelos ao lado da cadeira. Vai se dirigindo na direção da água até que para e se vira para mim- Você não vem?

          - Acho que não, confesso que coloquei esse biquíni só por colocar mesmo.- Ele se prepara para falar algo mas acho que acabo interrompendo ele- Você não vai tirar sua camisa?- Ele da aquele famoso sorriso de luxúria e fala

         - Tá querendo me ver sem camisa, Cooper?- Ele diz e da um sorriso ainda maior em seguida

          - Você sabe muito bem que não foi isso que eu quis dizer- Ele ri mais alto e Põe a mão sob a barriga- IdiotaHead.- Ele faz carinha de deboche, como quem está machucado com o último comentário. Ele se vira devagar conforme me levanto pra pegar um suco no culler-Bom que se afogue!- Falo brincando e começo a rir em seguida

           - Brincadeiras fofas essas que você tem né dona Betty? Tá muito saidinha pro meu gosto..- Ele anda até mim devagar- Acho que vou finalmente fazer O que você não me deixou fazer lá na piscina, Vem aqui!- Ele me agarra correndo para a água comigo nos braços. Grito e dou pequenos socos em suas costas até que sinto a água gelada se chocar contra minhas costas e encharcar pouco a pouco o Jeans com o qual eu estava.

           -Você é muito besta!- Falo me livrando de seus braços e jogando algumas rajadas de água nele.

            -Ta precisando esfriar a cabeça Bee.- Fico com uma cara emburrada olhando para ele- Olha só, estamos com um super feriadão aqui e nada vai ser afetado no nosso currículo escolar. Vamos aproveitar!- Ele fala e chega mais perto de mim- Afinal de contas, é nossa lua de mel, Senhorita Cooper.

            Sorrio nessa hora e começamos a fazer bagunça com a água. Conversamos, nadamos um pouco e trocamos uma manhã inteira de muitos sorrisos. A camiseta que ele usava estava colada ao seu corpo, o que valorizava muito ele e não nego que crescia em mim uma ridícula vontade de descobrir o que havia por baixo do tecido.

            Depois de um booom tempo dentro da água, Jug e eu saímos devagar da água. Ficamos mais um bom tempo sentados na areia falando sobre bobagens, até que olhei o relógio e já estava na hora do almoço.

            - Sabe algum quiosque aqui perto para nós almoçarmos?- Pergunto a ele, já que já tinha vindo muito mais aqui do que eu

           - Sei sim, vamos?- Ele fala e não explica muito, Eu apenas me levanto e assinto com a cabeça. Ele assovia para o guarda costas em pé na frente da nossa casa, para que ele venha e recolha as coisas e leve para casa.

          Após alguns minutos de caminhada, chegamos a um restaurante pequeno e até que bastante sofisticado. O cheiro da comida estava ótimo e ele tinha bem um visual litorâneo. Jug e eu sentamos em uma das mesas

da varanda térrea do local, que tinha uma linda vista para a praia. Eu seguia olhando o horizonte, não me cansava.

          - Que olhos brilhantes Cooper!- Olho para ele, que sorri para mim- Da pra perceber o quanto você amou o lugar né?

           - Acho que hoje em dia eu só tento aproveitar todo o tempo que perdi na minha infância e adolescência- Ele me observa com um olhar que revela curiosidade e preocupação

           - É muito bizarro tudo isso acontecendo.. Estamos casados, com dezessete anos. Mas por mais incrível que a ficha pareça, é como se nada tivesse mudado- Ele fala e eu levanto minha mão olhando para a mesma

          - É realmente como se nada tivesse mudado, como se nada tivesse de fato acontecido na Segunda- Eu suspiro e observo a aliança em meu dedo

           -Me fala de você loirinha- Olho para ele com uma expressão de interrogação e ele prossegue: -Já que vamos ficar juntos os próximos cinco anos, é legal saber a vida um do outro. Faremos assim: Eu te pergunto uma coisa e se você quiser; me pergunta outra logo em seguida.

           - Tá bom, o que quer saber?-Pergunto a ele

           - O que você quiser me contar, fala sobre sua vida- Ele diz e eu procuro por onde começar

            - Bom, eu sempre fui uma criança de saúde  extremamente frágil- Ele apoia o rosto sobre as duas mãos na mesa e fica me olhando- Passei boa parte da infância e adolescência em hospitais. Eu tinha constantes crises de pneumonia, crises de ansiedade, fui diagnosticada com anorexia a um bom tempo e por isso me negava a comer, fazendo com que muitas vezes até hoje eu vá parar no hospital, fraca. Sem contar o que você descobriu, eu tenho depressão e já tentei tirar minha vida algumas vezes...-Ele me olha um pouco assustado e eu acabo sorrindo um pouco- Olha, eu sei que sou beeem problemática tá? A maioria dos meus amigos foram embora quando descobriram o que acontecia comigo, só a Vee ficou. Mas eu acho que você já devia saber de tudo isso, nos conhecemos a um bom tempo... Desculpa por não ser bem uma história de vida boa- Eu sorrio para ele e o mesmo se enpertiga e olha para mim

            -Você não é chata Cooper, muito menos uma completa problemática. Você é fascinante, incrivelmente forte. Muito marmanjo por aí não aguentaria nem metade de tudo que você aguentou..- Ele pega minhas mãos nessa hora e ficamos nos olhando, enquanto um sorriso besta brotava nos lábios  de Jug. Nossa comida chega e acabamos nos separando.

            O almoço foi super bem humorado, sorrimos e conversamos bastante. Ele tirou algumas fotos minhas distraída, mas pedi que ele tirasse uma melhor. Sentei então no parapeito da varanda, que era feito com troncos de madeira. Ele colocou uma flor em meu cabelo bagunçado e tirou algumas fotos com o mar ao fundo, sendo testemunha de uma tarde com um Jug fofo.

           O Jones deixou o dinheiro com o senhor do caixa, a quem ele já parecia conhecer.

           - Bonita namorada menino Jones- O moço fala e eu sorrio

           -Não somos, eh.. não somos namorados-Eu falo meio envergonhada e o moço sorri como quem diz "eu sei"

           Caminhamos pela areia da orla até chegarmos em casa. Eu estava bem cansada, não minto.

           - E então loirinha? Nos empolgamos mesmo lá no restaurante, ja são três da tarde. Em pouco tempo temos que fazer O jantar já...-Jug fala e boceja em seguida

           - Olha, eu acho que nem você nem eu estamos muito no pique de fazer jantar. Como você mesmo disse, não estamos pagando.. peça alguma coisa.- Digo e ele sorri para mim

           - Tá ficando malandra, Cooper- Ele sorri malicioso e eu reviro os olhos- Que tal uma pizza night? Roteiro de sempre, alguns filmes, a pizza, posso pedir sorvetes e a gente acaba dormindo no sofá de novo.-Eu sorrio com a última parte

           -Não vou negar, gostei muito- Rimos juntos- Eu vou subir e hidratar o cabelo, água do mar e cabelos nunca são uma boa. Você pede as coisas?

           - Claro, vai lá- Ele fala e vai em direção ao telefone, então eu subo as escadas e entro no meu quarto.

           Jogo as coisas sobre a cama que eu praticamente não usei desde que cheguei aqui, então decido me apressar até o banheiro, porque no estado que meu cabelo tá eu vou passar um bom tempo lá dentro.

- Quebra de tempo, 5:18 P.m.

           Achem maluco como for, mas praticamente duas horas depois é quando consigo hidratar bem o meu cabelo é me livrar de todo o sal e cheiro de vida marinha misturada com areia que habitava meu corpo. Pego um pijama mais quente na mala, porquê o banho de agora a pouco foi bem gelado. Passo uma colônia leve e pego meu celular, me arrastando pela escada com um edredom envolvendo meu corpo.

            Chego no andar de baixo e Jug estava lá sentado no sofá. A pizza estava na mesinha de centro junto a dois milkshakes.

            -Vejo que se apegou ao meu cobertor mesmo né?- Digo ao perceber que ele estava com meu cobertor envolvendo seu corpo

            - Ele é mais fofo que o que tem no meu quarto, senta aí porquê esse aqui você nunca vai ter de volta- Não entendi, mas acabei rindo mesmo assim.

             Deito no sofá e olho através da janela, pois já começava  escurecer. Depois de uma fatia de pizza minha e oito de Jughead, tomamos sorvete e em algum momento do terceiro filme que estávamos vendo naquela noite, eu acabei adormecendo depois de um dia incrivelmente cansativo.

Aí gentxiiin, não sei o que falar do capítulo de hoje. Achei fofo e tem muita coisa pros próximos episódios que depende desse aquii, então espero de todo meu coração que estejam gostando.

O que acharam da nossa nova capa da história? Gostaram? Eu confesso que não sou tão boa com isso, mas dei o meu melhor para que capturasse um pouco do que a trama quer passar, com NY ao fundo e tudo mais... e a capa de capítulo? Gostaram? Digam pra mim só pra eu sentir que não ficou tão ruim assim hihihi☺

Fiz essas mudanças, pra ficar mais com a minha cara e o que quero passar pra vocês.



Notas Finais


Até mais, drammers♡


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...