História Apenas colegas? --- fack - Capítulo 2


Escrita por:

Postado
Categorias It: A Coisa
Personagens Edward "Eddie" Kaspbrak, Richard "Richie" Tozier
Tags Abo, Fack, Finn Wolfhard, Jack Grazer
Visualizações 16
Palavras 1.783
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Famí­lia, Festa, Ficção, Hentai, Lemon, LGBT, Romance e Novela, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Gravidez Masculina (MPreg), Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Obg por me darem uma chance 😙😙. Prometo ñ errar tanto dessa vez, ou pelo menos tentar.

Capítulo 2 - Não é surpresa


Pov jack

Não quero me atrasar pare o café de comemoração da minha mãe, então me apresso a terminar esse maravilhoso banho o mais rápido que posso, mesmo querendo continua-lo por horas. Desligo o chuveiro com muito receio.

Saio do box ja começando a me secar, pego a roupa que escolhi meio que nas pressas e percebo ao desdobra-la, que aquela não era a minha roupa, e sim a do meu irmão.  Eu odeio divider o quarto com ele, essas merdas sempre acontecem .

 Mas o fato de confundirmos nossas roupas as vezes não é o pior, uma vez, quando ele trouxe sua atual ex namorada para conhecer nossa mãe, o imbecil do Jae decidiu que para aliviar a tensão, a melhor coisa a se fazer era transar com a filha da puta no nosso quarto, no NOSSO quarto. Eu estava no banheiro cagando, bem de boa, quando ouço a namorada dele gemendo igual uma atriz pornô. 

Eu tive que ficar no banheiro até eles terminarem. Nunca chegei tão perto de cometer um homicídio ,ouvir os gemidos do meu irmão mais novo me dava ânsia de vômito, credo, fico arrepiado só de lembrar.  O pior é que a garota era legal, e depois disso não consegui mais olhar para ela sem ficar todo corado.

Decidi voltar ao meu quarto e pegar uma roupa que seja de fato minha. Não vou usar as roupas do meu irmão, elas fedem aos feromônios do Jae. Saí do banheiro, fechando a porta e tirando minha toalha, só não tinha percebido que o jaeden ainda continuava no quarto, só fui percebe-ló quando esse decidiu se pronunciar .

- meu pequeno irmãozinho esta virando um ômega crescido ,que orgulho. Você vai acabar se dando bem na Universidade com esse corpo, mas cuide-sê, não quero ser titio tão cedo.

-PORRA JAEDEN, VOCÊ ME ASSUNTOU. E cala a boca, não pretende ficar com ninguém de lá. - falei abrindo uma das gavetas do guarda roupa, pegando uma roupa leve e casual, um short jeans um pouco curto e uma blusa longa branca com estampa de panda ,um tanto infantil, mas muito fofo.

- vocês diz isso agora ,mas quero ver depois ,o mesmo cara que fala que não quer ninguém, chegar aqui em casa marcado.

- credo, deus me livre, não vou me prender assim nunca ,NUNCA.

- hahaha. Esse é o famoso "deus me livre mas quem me dera" .

- vai cagar Jae.  Agora vamos descer, estou com fome.

Pov narradora 

Jack mal sabia que o amor que tanto negava aceitar ,o encontraria em apenas alguns dias, em um encontro um tanto quanto imprevisto e que o deixaria tão furioso 

Do outro lado do país estava Finn Wolfhard, o famoso " garoto perfeitinho" . Finn era muito  popular com as mulheres, poderia ter todas que quisesse, e de fato tinha. Quando estava entediado seu passatempo favorito era brincar com os sentimentos de ômegas ingênuas.

Ele era bom nos estudos, esportes ,atividades extracurriculares , sem contar na sua aparência de deus grego. Finn é bem alto, com cabelos morenos e encaracolados, olhos castanhos, a pele tão branca que chega quase a ser pálida, com músculos bem definidos mas não muito exagerados,no ponto certo,  e possui um sorriso que é capaz de arrancar suspiros de qualquer um que o veja. 

Não é de se adimirar que tenha sempre todos aos seus pés, ainda mais pelo fato de sua familia possuir muito dinheiro. Mas Wolfhard era muito pressionado pelo pai. Seu progenitor queria fazer dele o herdeiro perfeito, parar quando assumisse a empresa da familia pudesse fazer tanto sucesso quanto o mesmo.

Seu pai, Eric Wolfhard, não fazia por maldade, ele só queria o melhor para ser filho. Mas fazendo isso ele não percebia que o pequeno garotinho que só queria brincar como qualquer outra criança, estava sendo muito sobrecarregado.  Vendo o quanto seu pai se esforçava por sua educação, Finn dicidia não reclamar e apenas fazer o que era a ele pedido. 

Com o tempo ,o moreno começou a se esconder por trás de uma máscara, "a máscara da perfeição " . Finn , como qualquer outra pessoa, não era perfeito ,nem sequer chegava perto. O garoto tinha problemas de de personalidade ,era exatamente mulherengo e possuia transtornos de raiva constantes, que foram suprimidos por meio do boxe.

Mas apesar disso ,era uma boa pessoa.  Ele defendia muito as ômegas, por considerairá-las frágeis. Apesar de gostar de brincar com elas ,ainda sim as respeitava . Finn preferiria mulheres ômegas a homens ômegas, apenas um gosto pessoal. 

Pov finn 

Acordei com um fio de luz vindo sobre meus olhos, olho ainda sonolento para o despertador que berrava sobre a escrivaninha. Que merda, odeio ter que acordar cedo em pleno domingo de manhã, mas infelizmente não posso voltar ao meu belo sono de beleza.

 Hoje chega minha corta de admissão da faculdade, e prometi ao meu pai que acordaria cedo, para que pudéssemos abri-la juntos, já que ele sai para trabalhar bem cedo.  Ir para Stanford sempre foi o sonho do meu pai , mas ele não teve oportunidade de ir pala lá, então eu meio que tô realizando o sonho dele por ele. Que louco.

Parando para pensar, não é tão ruim. Stanford é uma ótima universidade, e mesmo se não fosse o sonho de meu progenitor que eu ingressasse na mesma, eu procuraria a que mais me fosse atrativa. Com os melhores cursos, dormitórios e sem dúvidas com as melhores e mais belas ômegas. 

Pelo que vejo, Stanford tem todos esses requisitos, tirando as ômegas. Lá os dormitórios são separados por gênero e as ômegas não são das mais bonitas.

Me levanto indo em direção ao banheiro, quase caindo durante o caminho , tropecei em algumas roupas jogadas pelo quarto. Sou muito higiênico e limpo, eu juro, mas meu forte não é a organização, parece que quanto mais arrumado mais difícil fica de achar as coisas.

Entro no banheiro, logo tirando a minha boxer e entrando no box, ligo o chuveiro , sentindo a água gelada arrepiar cada centímetro do meu corpo. Nada melhor que um banho frio para acordar. 

 Essa semana tem sido muito estressante, com o término do ensino médio começaram as provas para a faculdade. Pretendo ser o melhor na área de vendas e administração de empresas, assim como meu pai . E é  bom ter momentos de sossego como esse as vezes, em que só se ouve o barulho da água caindo ,e a sensação de alívio ao sentir a mesma sobre si.

Hoje finalmente chega a carta que ira decidir todo o meu futuro, estou nervoso. A prova em si não estava difícil, na verdade estava até fácil demais, e é exatamente isso que me preocupa. Normalmente esse teria que ser um desafio quase impossível, mas não foi, confesso que me decepcionei um pouco, esperava mais adrenalina. 

Que idiota, do que estou reclamando? Isso é bom, não ruim . Termino meu banho, logo saio do box e visto uma roupa fresquinha e simples.  Vesti uma bermuda moletom cinza com uma blusa preta larga.

Depois de me vestir, desço as enormes escadas da mansão de minha família, já consigo ver meu pai na mesa da sala tomando seu café tranquilamente. Ao me ver ele abre um pequeno sorriso, me chamando com a cabeça, para que eu sentasse junto a ele na mesa. Quando estou para me sentar ele fala.

- antes pegue a carta, sua mãe deve tê-la colocado em cima do criado mudo. 

- claro - peguei a carta, logo me juntando a ele na grande mesa.

- e então? Leia para mim . Quero saber se meu esforço valeu a pena. - o mais velho fala apontando para a carta.

Começo a ler para ele, não posso deixar de conter um sorriso ao saber que fui aceito, e vejo que ele também não. Meu pai pode até ser frio as vezes, mas é um bom pai, e sei que me ama muito e sente orgulho de mim. 

Este amplo sorriso  que é direcionado a mim é a coisa mais rara do mundo de se ver, meu pai gosta de bancar o durão, ele sempre acreditou que impunha respeito. 

Conversamos um pouco depois disso, mas infelizmente não demorou muito para o ligarem do trabalho reclamando de sua demora.

- desculpa filho, é algo importante, tenho que ir. Mas meus parabéns, tenho muito  orgulho de você. 

- muito obrigado pai, tenho um bom dia de trabalho - digo o vendo sair apressado pela porta .

Volto ao meu quarto , me jogando preguiçosamente na cama , pego meus fones de ouvido e começo a vagar pela minha playlist de músicas. Não consigo parar de pensar na faculdade, é realmente incrível ter conseguido entrar assim tão fácil. Fácil entre aspas né, porque me esforcei muito a vida inteita para isso.

Daqui a poucas semanas estarei me mudando para o campus da Universidade, que louco, estou ansioso para saber qual será meu colega de quarto, tomara que seja um alfa legal, não suportaria ficar 5 anos vivendo com um babaca, ia ser um porre.

A primeira coisa que farei será entrar para um clube de boxe, não aguento ficar um segundo sem treinar, no começo era só para controlar a raiva, mas acabou se tornando algo muito prazeroso para mim.

Já estava a algum tempo deitado quando lembrei, Chosen também tinha feito a prova, será que aquele idiota conseguiu passar? . Com essa dúvida o mandei uma mensagem.  

Mensagem :

Eu: mano, conseguiu passar pra Stanford????

Eu: responde logo porra, tô curioso. 

Chosen: calma cara, ainda não vi ,ia abrir a carta agora 

Eu: então vê caralho 

Chosen: PORRA MANO, EU PASSEI AEEEE, CHUPA PROFESSORA ARROMBADA QUE DISSE QUE EU NÃO IA CONSEGUIR. 

Chosen: e vc ??? Passou vei????

Finn: passei né porra

Chosen: novidade que vc conseguiu o que queria 😮 chocado

Finn: a gente vai junto, que foda.

Chosen: muito mano, tendo meu melhor amigo lá vamos fazer muita merda. Tomara que fiquemos no mesmo quarto. 

Finn: vdd, não quero ficar 5 anos com um babaca pau no cu, pelo menos vc eu suporto

Chosen: é recíproco 

Chosen: agora tenho que ir, minha mãe ta inventando de dar uma festa de comemoração aqui, ela ta me enchendo de perguntas sobre a festa e a Universidade. 

Finn: blz, só me diz quando e eu to ai.

Chosen: vou ver aqui e te falo

Finn: ok, tchau cara.

Chosen: até. 

Terminando a conversa, volto a ouvir música. Esse dia vai ficando cada vez melhor, esta tudo dando certo, o que só me faz pensar que alguma merda vai acontecer, afinal é sempre assim. Me deixo levar pela música calma , logo pegando no sono. As boas lembranças de hoje vem em minha mente, me trazendo felicidade e alívio. 







Notas Finais


Desculpem pela demora, eu não sabia muito bem como faria o finn ainda, então demorou um pouco. Mas espero que tenham gostado, dei o meu melhor.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...