História APENAS (MAIS QUE) IRMÃOS.- (Taekook - Vkook - Quase Incesto) - Capítulo 11


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jeon Jeongguk (Jungkook), Jung Hoseok (J-Hope), Kim Namjoon (RM), Kim Seokjin (Jin), Kim Taehyung (V), Min Yoongi (Suga), Park Jimin (Jimin)
Tags Incesto, Kooktae, Kookv, Namjin, Taekook, Taekookflex, Vkook
Visualizações 388
Palavras 2.919
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Famí­lia, Ficção Adolescente, Fluffy, Lemon, Romance e Novela, Yaoi (Gay), Yuri (Lésbica)
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Pansexualidade, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oiiii minhas princesas e meus princesos, como estão? Espero que beeem! ❤

Perdão pelos erros e boooa leitura ❤📚

Capítulo 11 - Capítulo 11 - Apenas (mais que) um mal entendido.


Apenas (mais que) Irmãos.

 

- Ei TaeTae. – senti minha coberta ser puxada.

- Me deixa dormir mais, Kookie. – digo manhoso puxando a coberta para cobrir meu corpo novamente.

- Vamos! Temos que ir para a aula. – subiu em cima de mim.

- Não quero. – abri meus olhos levemente já que a claridade não permitia que abrisse por completo.

- Vamos TaeTae.

- O que eu ganho com isso?

Selou meus lábios em um selinho demorado.

- Você já esta pronto?. – me sentei escorando na cabeceira da cama.

- Sim, há algum tempo. – se ajeitou no meu colo e passou os braços pelo meu pescoço.

- Não quero ir para escola. – abracei sua cintura.

- Só mais hoje, amanhã é sábado e podemos ficar o dia inteiro deitadinhos e abraçados, uh? – me deu um selinho rápido.

- Amanhã temos que escolher os ternos para o casamento e temos o ensaio do jantar da família.

- Aé, tinha me esquecido.

- Não acredito que eles já vão se casar nesta semana que entra. – sorri bobo. – Não faz nem um mês do noivado, como eles conseguiram organizar tudo?

- Eles se amam, e não podiam esperar. – colocou as mãos por dentro da blusa de meu pijama e passou a acariciar meu abdômen. – Meu pai ama sua mãe, assim como eu te amo.

- Quem é você e o que fez com meu Jungkook?

- Meu Jungkook?

- Meu Jungkook. E por isso quero saber sobre a Sunbin.

- Como assim? – me olhou estranho.

- Quero ver qual foi o último momento que conversou com a Sunbin.

- Ciúmes, Taehy?

- Muito. – selei seus lábios em um beijo. – O que foi? – perguntei ao ver que ele parecia surpreso.

- Você nunca responde quando pergunto sobre o ciúme.

- Mas, agora sabe que eu te amo e por isso não tenho que esconder o ciúme. – selei seus lábios novamente. – Agora vamos, temos que ir para a aula não?

Ele assentiu e se levantou.

- Tae, quando vamos conversar com nossos pais? – me olhou antes de sair do quarto. – Sobre nós?

- Quando você achar melhor. – sorri. – Depois do casamento, ou antes?

- Depois, ok?

- Ok. – ele sorriu e saiu do quarto.

 

(...)

- Então vocês dormiram juntos? – Jimin me olhou malicioso.

- Não pense besteiras. – revirei os olhos. – E tampouco fale tão alto assim, não quer um microfone? – perguntei irônico e ele riu.

- Não, obrigado. Mas, e aí o que fizeram depois?

- Aigoo... Não fizemos nada demais, a gente ficou assistindo filmes e trocando carícias, nada pervertido. Queremos ir com calma, somente iremos fazer algo quando conversarmos e recebermos a benção de nossos pais.

- Hm. - me olhou desconfiado. - Não fizeram nada mesmo?

- Aigoo... - empurrei seu ombro de leve e ele riu novamente.

- Oi pessoas que me amam. - Jin chegou se sentando entre nós dois.

- O certo não seria pessoas que eu amo? - perguntei rindo fraco.

- Não. Vocês me amam, mas eu nunca disse amar vocês. - fingimos indignação.

- Que hyung mais convencido. - dissemos juntos.

Jungkook, Namjoon e Yoongi se juntaram a nós.

- Finalmente vocês chegaram, já podemos ir embora? - Jin perguntou para Namjoon.

- Sim. - sorriu. - Vamos?

Ambos vão embora juntos por terem feito uma aposta qualquer, e Jin ganhou assim ganhando junto uma carona de volta para casa durante um mês.

- Vamos Tae? - Jungkook me chamou e eu me despedi de todos os hyungs.

- Uh, então eu terei que voltar todos os dias com você? - perguntei ao que estávamos afastados dos outros.

- Sim, você terá. - me entregou o capacete. - Mas, se quiser pode ir a pé.

- Você não faria isso com seu namorado. - corei e ele riu fraco. - D-digo, você não faria isso comigo.

- Quer pagar para ver?

- Não, obrigado. - coloquei o capacete e subimos na moto.

Ele ligou a moto e acelerou fazendo-me o agarrar.

- VAI TOMAR NO CU, SEU ARROMBADO. FAÇA ISSO QUANDO ESTIVER SOZINHO E EU TORÇO PARA QUE CAIA, OTÁRIO. - gritei e ele começou a rir.

 

(...)

Eu e Jungkook estávamos no sofá assistindo séries e comendo pipoca - ou melhor eu estava, já que o mais novo dormia -, quando a porta foi aberta e minha omma entrou por ela.

- Tem casa mais não? - perguntei e ela me encarou.

- A mãe é você ou eu? Appa Kim agora é? - riu cínica.

- Rainha do deboche você, onde estava?

- Garoto! - falou em um quase grito assustando Jungkook que cochilava ao meu lado. - Não te conto.

- Prossiga.

- O vestido de casamento. - correu e se sentou ao meu lado. - Ele é a cara da riqueza.

- Credo omma, não fala coisas juvenis assim.

- Me respeita que quem 'tá falando é eu. - me deu um tapa na testa. - Continuando, posso prosseguir? Ótimo. Enfim, como o tradicional vestido ele é branco.

- Calma, calma. - pausei a série e cobri Jungkook com a coberta. - Pronto.

- Tão fofinhos. - me olhou terna e eu corei.

- Mãe, o vestido. - ela riu.

- Sim, sim. Ele tem um caimento nos ombros maravilhoso e a saia é feita de tule com alguns bordados simples e bonitos. Acho que me apaixonei pelo vestido. - se jogou para trás se escorando no sofá.

- Exagerada. - ri.

- E você e Jungkook?

- O que tem?

- Eu sei quando meu filho está apaixonado, ok?

- Omma. - corei. - Podemos falar disso depois do casamento? Eu prometi a Jungkook.

- Minha bênção não pode esperar. - pegou uma almofada e jogou em Jungkook que levantou assustado. - Vai para o quarto embuste.

- Hã? - perguntou sonolento.

Tão fofo, tão neném, tão amorzinho, tão MEU.

- Eu mandei ir para o quarto dormir mais. - ele ia negar. - Olha que eu corto os toddynhos.

Jungkook pegou a coberta e subiu em disparada para o segundo andar.

- Pronto! Agora vamos falar sobre a minha bênção. - sorriu e se ajeitou no sofá.

Se não é a melhor mãe, eu desconheço quem seja.

 

(...)

- Ok, e você está me dizendo, que isso aconteceu em poucos meses aqui? - assenti. - EU SABIA QUE HAVIA UMA TRETA ENTRE OS DOIS.

- Omma, a senhora irá o acordar.

- Desculpa. 'Tá bom, e como voltaram a conversar?

- Acho que voltamos a conversar mesmo, pois ele quem foi ao meu quarto.

- Meu amor, você poderia pular para a parte quente, ou me dizer se ocorreu algo a mais que amizade?

Sim, eu contei a minha omma muitas coisas, menos o que aconteceu ontem.

- Bom, ontem o Baek veio aqui... - comecei a brincar com os dedos.

- MEU DEUS, ELE PEGOU VOCÊS TRASANDO?

- Omma! - revirei os olhos.

- Ok, ok... Pode continuar.

- Eu e Baek estávamos na cama, conversando e o hyung me deu um selinho e na mesma hora Jungkook chegou. - a mais velha me ouvia e comia a pipoca que eu fiz.

- Então...

- Baek decidiu que deveria ir embora e assim fez, mas antes de ir me ditou palavras amigáveis e confortantes, das quais necessitava ouvir, ele dizia coisas que resumindo em uma frase seria 'siga teu coração', e eu fiz. Depois de uma pequena discussão na cozinha, Jungkook meio que se declarou para mim e nos beijamos, ficamos a noite toda juntos e não rolou nada mais que carinho. Queríamos pedir a bênção de vocês e depois pensar em outras coisas, queremos ir com calma. - ela sorriu animada. - Omma, você está bem?

- Eu shippo Taekook, ok? Me deixa ser iludida com o otp.

- Taekook?

- Ôh anta manca, junção de Jungkook e Taehyung. - revirou os olhos. - O appa de vocês me ajudou a inventar isso.

- O appa? E-ele apoia?

- Apoiamos aquilo que faz bem a vocês e os deixe felizes. Se ficar juntos é o que querem, nós apoiamos.

- Eu amo vocês. - a abracei. - Amo muito!

- Eu também filho, eu também te amo muito. - me apertou. - Aliás, eu e meu noivo já conversamos sobre isso, e vocês têm nossa permissão.

- Vocês são a melhor família, a melhor de todas.

- Nós amamos vocês dois. - beijou minha testa. - E quando vão conversar com o appa de vocês, aliás ele liberou mas seria justo conversarem, não é?

- Quando Jungkook achar melhor. - sentei em meu lugar de antes. - É estranho chamar ele de appa. - ri anasalado e voltei a brincar com minhas mãos.

- Pensei que já tinha se acostumado. - se levantou e pegou sua bolsa.

- Ainda é estranho.

- Você se acostuma. Agora irei tomar um banho. - sorriu.

 

(...)

- Não precisa se arrumar tanto para ir apenas em um treino, Jungkook. - fiz bico. - Vão te olhar com desejo.

- Isso é bom, não?

- Vai se foder, idiota. Isso não é bom, é péssimo, horrível, inútil, desnecessári-

- Ok, já entendi. - riu e sentou ao meu lado na cama. - Eu apenas irei com Yoongi no shopping, ele quer comprar um presente para a avó dele.

- Experimenta tentar ou revidar as gracinhas de certas putas. - o encarei raivoso e sentei em seu colo.

- Pensei que o ciumento era eu. - passou a beijar meu pescoço.

- Eu apenas não demonstro com frequência, caso contrário você se enjoaria de minhas crises de ciúme.

- Jamais enjoaria de você ou algo referente a você.

Sorri bobo e acariciei seu rosto.

Aproximamos nossos rostos e selamos nossos lábios

Um beijo calmo e casto, nada pervertido. Mas, mesmo assim senti uma ereção abaixo de mim e Jungkook puxou meu corpo em busca de - se é que é possível - mais contato.

Ele me deitou na cama e ficou acima de mim, sem desfazer o ósculo.

Quando a falta de ar se fez presente, seus lábios desceram de minha boca até meu pescoço, onde o mais novo começou a deixar selares e chupões fracos.

Tudo estaria perfeito, maravilhoso, incrível, se não fosse PELO CARALHO DO CELULAR DELE TOCANDO.

- Deixa tocar. - o puxei pela gola da camisa e fiz ele ficar acima de mim novamente.

- Não posso Tae, Yoongi nunca me liga e se eu não atender é perigoso dele me matar. - bufei e o soltei. - Ah, oi hyung... Não, não, eu não esqueci... Ok, já estou descendo! - desligou a ligação.

- O que ele quer?

- Está me esperando lá fora, ele quer ir a pé, por isso veio mais cedo.

- Hm. - cruzei os braços emburrado.

- Não fica assim bebê. - veio me dar um beijo e eu virei seu rosto. - Olha para mim.

- Não quero.

- Sunbin não se emburrava assim comigo. - o olhei incrédulo.

- Para de falar nessa esperma! Caralho, vai se fuder também!

- Bobo, eu já disse que te amo! - selou meus lábios. - Até mais tarde! 

- Até.

- Acho que irei conversar com meu pai hoje, ok?

- Tudo bem! - sorri e ele saiu do quarto.

Me deitei na cama e peguei o celular que não parava de apitar avisando que mensagens chegavam em disparada.

{Oiii Tae, não esqueceu que iremos a sorveteria né?}

{Olha... Se quiser posso passar aí.}

{Ok?}

[Ok, que horas irá vir?]

{Daqui 10 minutos tô aí, não se atrasa.}

[Ok, até daqui a pouco!]

{Até! ^^}

Guardei o celular no bolso e me agradeci mentalmente por já ter tomado um banho. Fui até o guarda-roupas do mais novo e tirei de lá um moletom azul bebê. Se for para ter um namorado, digo... Um "irmão" e não pegar as roupas dele, eu nem quero.

Peguei o moletom e fui para meu quarto. Separei uma calça jeans escura e a vesti, fiz o mesmo com o moletom - que ficou maravilhoso em mim - e calcei um tênis branco.

Passei perfume e fui até o espelho, arrumei minhas madeixas e fiquei as encarando por um tempo.

Acho que irei pintar meu cabelo... Vermelho, talvez? Aish, depois eu decido isso...

Peguei meu celular e dinheiro, logo saindo do quarto.

- Omma, irei na sorveteria com Baek, tudo bem?

- Claro Tae. - sorriu e me olhou. - Falou com Jungkook, ou quando ele chegar eu devo o avisar?

- Hã... Nem me lembrei de o avisar sobre isso mesmo, caso ele chegue antes de mim, poderia avisar?

- Sim, sim. Ele não sentirá ciúme?

- Ele vai entender que somos amigos, ele sabe disso. - sorri e ouvi a buzina do carro de Baek. - Tchau omma!

- Tchau Tae! - beijei sua testa e ela voltou a sua atenção para os papéis com que mexia.

Sai da casa e entrei no carro.

- Annyeonghaseyo hyung. - sorri e passei o cinto.

- Annyeonghaseyo dongsaeng. - deu partida no carro.

- Não o vi na aula hoje.

- Tive que faltar.

- Aconteceu algo sério?

- Sim. Eu estava com sono.

- Aigoo... Isso não é tão sério assim, fiquei até preocupado agora. - ri.

- Como pode dizer que meu sono não é algo sério? É de extrema importância.

- Ok, ok. - olhei para a janela. - Nunca vim a essa sorveteria.

- Ela é nova na cidade. - estacionou o carro. - Eu a descobri quando estava indo ao shopping.

- Ah, o shopping é aqui próximo?

Me lembro que Jungkook disse que iria ao shopping, deve ser esse. Quem sabe não o encontro por coincidência.

Saímos do carro e nos sentamos na mesa de fora o estabelecimento.

- Qual você vai querer? - perguntou após um tempo em que escolhiamos os sabores.

- Morango com chocolate.

- Só? - se levantou.

- Não, não... Aaaaah, quero com confetes, cobertura de morango, e bastante granulado de estrela.

- De estrela?

- Sim, se não for de estrela não quero. - ele riu.

- Ok, já volto.

Peguei meu celular e atendi a ligação feita por Jin.

{Jin = O NAMJOON ME BEIJOU.}

{Jin = EU TÔ SURTANDO.}

[E o que você fez hyung?]

{Jin = Eu retribui, lógico.}

{Jimin = Hmmm, prevejo um futuro casal a caminho.}

{Jin = Claro que não Jimin.}

[Vai que é tua hyung.]

{Jin = ELE TÁ ME LIGANDO... O QUE EU FAÇO?}

{Jimin e me: ATENDE!}

Acabei por rir e desliguei o telefone ao ver Baek se aproximar.

- Aqui! - me entregou o sorvete. - Agora vamos falar sobre você e Jungkook.

- Mas... por quê?

- Você é meu crush, mas antes de tudo é meu amigo, quero saber sobre vocês dois, oras.

- Ok, por onde começo?

- DO COMEÇO!

- Nossa, grosso. – ele riu. – Bom, o início de tudo foi quando acordei em uma bela manhã com minha mãe chamando-me dizendo que nos mudaríamos para Seul, minha reação?

- Se bem te conheço você começou a xingar o vento.

- Sim, foi basicamente isso. Chegamos em Seul e eu não sabia sobre a existência de Jungkook.

Contei sobre os ocorridos e ele prestava atenção em cada palavra minha.

- Mês passado eu descobri gostar dele e acabamos nos “declarando”. – fiz aspas. – Basicamente, foi quando nos afastamos por motivos pessoais.

- Motivos?

- A história do meu irmão, lembra que te contei quando fui em sua casa? – ele assentiu. – Não queria que a história se repetisse, e fiquei com medo então nos afastamos. Ou seja, medo da sociedade.

- Seu otário. – pegou um pouco de sorvete na colher e jogou em mim.

- Ei!

- Você é um trouxa, sabia? Merece punição.

- E qual seria? – o olhei desafiador.

Pegou sorvete na mão e passou em meu rosto.

- Você não fez isso.

- O que eu fiz? – fingiu de desentendido e passou novamente sorvete em minha cara.

Como a pessoa plena que sou, eu revidei e logo estávamos em uma guerra de sorvetes.

 

Jeon Jungkook

 

Estava caminhando com Yoongi ao meu lado, quando avistei uma nova sorveteria.

- Acho que vou trazer o Taehyung nesta sorveteria, ele não deve a conhecer. – comentei com o mais velho ao meu lado.

- Mas... Espera, eu ‘tô cego ou aquele não é o Taehyung?

- Hã? – olhei para dois garotos que pareciam até namorados brincando do lado de fora da sorveteria.

Era Baekhyun e Taehyung.

- Interessante... – falei seco sem deixar de os encarar. –Vamos logo para o shopping, quero ir embora.

- Ciúme, pequeno Jeon?

- Jamais, eu e Taehyung nem ao menos namoramos, não tenho que me preocupar com as amizades dele.

- Se você diz.

- Ele ao menos me contou que viria.

- Deve ter esquecido.

- Ou omitido.

- Não teria motivo.

- Hyung, ontem eles estavam na cama. – me olhou assustado. – Se beijando, nada mais que isso, eu imagino.

- Você deve ter se confundido.

- Eu vi com meus próprios olhos.

- Conversou com ele?

- Não, mas-

- Exatamente, não tire conclusões precipitadas, você também tem amigas e amigos, não?

- Mas, é diferente.

- Não é diferente. Você beija vários “amigos” seus.

- Você tem razão, mas ele ao menos me disse que sairia.

- Não brigue com ele, converse com calma na casa de vocês.

- Você tem razão hyung.

- Eu sempre tenho razão. – ri anasalado.


Notas Finais


Perguntinhas:
- Vocês querem que o Baekhyun fique com quem? Ele não pode ser iludido com o Taehyung para sempre, né? Maldita seja a friendzone ksks

Eae, gostaram? Espero que sim e até o próximo! ❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...