História APENAS (MAIS QUE) IRMÃOS.- (Taekook - Vkook - Quase Incesto) - Capítulo 12


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jeon Jeongguk (Jungkook), Jung Hoseok (J-Hope), Kim Namjoon (RM), Kim Seokjin (Jin), Kim Taehyung (V), Min Yoongi (Suga), Park Jimin (Jimin)
Tags Incesto, Kooktae, Kookv, Namjin, Taekook, Taekookflex, Vkook
Visualizações 400
Palavras 1.683
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Famí­lia, Ficção Adolescente, Fluffy, Lemon, Romance e Novela, Yaoi (Gay), Yuri (Lésbica)
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Pansexualidade, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oi minhas princesas e meus princesos, como vão? Espero que bem! ❤

Perdão pelos erros e boa leituraa ❤📚

Capítulo 12 - Capítulo 12 - Apenas (mais que) empaca fodas.


Apenas (mais que) Irmãos.

 

- Jungkook, você ainda não esqueceu o lance com o Taehyung? – Yoongi perguntou ao que nos aproximávamos de minha casa.

- Hyung! Ele é meu.

- Ele não é propriedade para ser seu Jeon Jungkook.

- Aigoo... Eu sei.

- Agora, você vai entrar na sua casa e tomar um banho, se vestir e esperar o Taehyung. – paramos de frente minha casa. – Vai conversar civilizado com ele. Até mais!

- Até mais hyung! – acenei e entrei na casa. – Omma, Taehyung já chegou?

- Não, não... Ele foi à sorveteria com Baekhyun e acabou de dizer-me que iria para a casa dele.

- Hm, entendi. – subi até meu quarto.

Como o hyung disse para eu fazer, me banhei e logo após vesti uma roupa confortável para dormir.

Assim que estava vestido fui para o escritório de meu pai, onde o mesmo se encontrava.

- Appa, posso conversar com o senhor? – adentrei o local e ele guardou os papéis.

- Pode dizer. Imagino que seja sobre Taekook, certo?

- Taekook? – me sentei na cadeira em sua frente.

- Junção de Taehyung e Jungkook. Yuri avisou que viria, mas não pensei que seria tão rápido.

- Appa, eu até poderia pedir a bênção depois do casamento, mas eu não aguento mais. – me inclinei para trás. – Eu o amo, e quero o fazer meu.

- Então faça, oras...

- Não vai dizer nada? Eu disse que amo meu irmão.

- Qual o sobrenome dele?

- Aigoo... O senhor sabe.

- Qual o sobrenome dele?

- Kim. – revirei os olhos.

- Ele é um Kim, não um Jeon ou seja não são irmãos de sangue, nada impede o relacionamento de vocês. Acho que nós estamos destinados a ficar com os Kim. – riu anasalado.

- Então tenho sua bênção?

- Sim, Yuri conversou comigo quando você e Taehyung estavam fora, e eu sei de tudo entre vocês. Aliás, ela me mataria se eu negasse e eu sou um bobo apaixonado por ela, acredita que ela usou um aegyo contra mim?

- Tal mãe, tal filho. – rimos.

- Que enrascada nos metemos, não?

- Sim, uma enrascada das grandes.

- E então? Quais seus planos para o pedido de namoro?

- Eu não faço a mínima ideia.

- Sorte a sua me ter como appa.

- Sorte? – arqueei a sobrancelha.

- Eu sou foda quando o assunto é pedido de namoro ou casamento.

- Foda, appa? O senhor é mesmo um mau exemplo.

- Mau exemplo é você, seu coelho. Saiba que não irá perverter e tirar a inocência do pequeno Kim.

- Não prometo nada. – sorri malicioso.

- Onde foi que eu errei? – bateu a mão na testa e eu só pude rir.

 

Kim Taehyung

- Até mais Baek hyung! – acenei e ele deu partida no carro.

Entrei na casa e tentei fazer o mínimo de silencio possível. Aliás, são dez da noite.

Jungkook apareceu na escada e por estar escuro eu me assustei.

- Pintorolacubaguete! – atropelei as palavras. – Caralho não faz isso comigo.

Ele entrou no meu quarto e eu o segui.

Se sentou na minha cama e eu fui até ele. Tentei lhe dar um beijo ao ver que ele parecia emburrado, mas ele desviou o rosto.

- Onde você estava até uma hora dessas?

- Estava com Baekhyun.

- Tudo bem... Pode ir à sorveteria com quem quiser, na casa dele também, mesmo preferindo que não. Mas, precisa chegar tarde assim?

- Não precisa de ciúme, eu e ele somos amigos. Sabe que eu te amo!

- Também te amo Taehyung, e é por isso que estou assim. Poxa, eu não fiquei com ciúme, talvez um pouco, mas eu fiquei morto de preocupação. Custava mandar uma mensagem ou atender minhas ligações?

- O celular desligou Kookie. Desculpa, eu não queria te deixar preocupado. – abaixei a cabeça.

- Aigoo...

Me abraçou apertado.

- Eu conversei com meu pai.

- Sério? – perguntei abafado sobre seu peitoral. – E o que ele disse?

- Bom... – me olhou triste.

- Kookie? – me separei do abraço.

- Sabe Tae, é que... – olhou para baixo.

- Pensei que ele apoiaria.

- Não, não é isso. – o olhei sem entender. – Ele falou que vamos ter que usar camisinha sempre, me senti triste por isso.

- Aish, seu idiota! – dei um murro em seu ombro e ele fez expressão de dor. – Achei que ele havia negado.

- Se negasse podíamos fugir. – piscou e eu ri.

- Vou tomar banho. – fui até o guarda-roupas e peguei um roupão e uma boxer.

- Esse moletom é meu?

- Sim, um arraso, não é?

- Realmente. – sorriu e se jogou na cama pegando um de meus mangás.

Ia entrar no banheiro e ele me chamou.

- Posso ir com você?

- J-Jungkook! – corei e entrei rápido no banheiro. – Aigoo... – sussurrei.

Ele ainda me mata.

 

(...)

- Jimin, eu não posso ir hoje, apresenta seu namorado aos garotos eu e Jungkook o conhecemos depois. – dizia no telefone enquanto mexia na orelha do mais novo.

- Aigoo Tae, ele não é meu namorado. Apenas amigos, bons amigos, ok?

- Se você diz. – ri anasalado. – Tenho que desligar, chegamos a loja.

- Ok, depois conversamos mais. Vocês vão adorar ele, até mais Tae.

- Até hyung!

Desliguei o celular e saímos do carro. Até que Jungkook entrelaçou nossas mãos, fazendo-me corar.

- O que é? Não quer andar de mãos entrelaçadas? - ia soltar minha mão, mas eu apertei o enlaço.

- Eu quero, quero sim! – sorri tímido.

- Annyeonghaseyo, em que posso ajudá-los?

- Annyeonghaseyo, viemos olhar os ternos que a Senhora Kim separou para nós dois.

- Ah sim, os nomes, por favor?

- Jeon Jungkook e Kim Taehyung.

- Me sigam. – nos guiou até uma parte da loja com alguns ternos separados. – São namorados?

- Nã-

- Sim, nós somos. – Jungkook me interrompeu.

- Já sei os ternos perfeitos, eles são de casal. Chegou esse mês.

- Casal gay? – perguntei estranhando.

- Minha filha é lésbica, quis trazer mais sobre a sociedade LGBT para cá. – sorriu. – Aqui está!

Pegou dois ternos e nos mostrou.

- A Senhorita Yuri decidiu que queria os filhos dela de azul ou branco. Mas, acho que azul combinaria mais com vocês. – sorriu. – Se importam?

- Não, não... Gostamos de azul! – sorri.

- Então ótimo. No ocidente este azul é chamado de ‘azul Indigo’ – mostrou o terno mais escuro. – E este azul é chamado de ‘azul Cobalt’. – mostrou o mais claro.

Jungkook pegou o mais escuro e eu o mais claro. Entramos no provador.

- O que achou? – perguntei para o garoto ao meu lado e ele pegou em minha mão me girando.

- Esplêndido.

- Você também está uma perdição com esse terno. – mordi meu lábio inferior. – Imagina sem?

- Aish, seu pervertido. – ri de sua reação.

- Acho que nós quem podemos nos casar.

- Mas, nem namoramos ainda.

- Falou certo ainda, por você não ter me pedido ainda.

- Mas, você também pode me pedir em namoro.

- O ativo pede o passivo, isso é uma regra criada por mim neste exato momento.

- Você aceitou ser o passivo?

- Eu me imaginei sendo fodido por você.

- O-o quê? – perguntou corado.

- Tive um sonho erótico com você, dormir de conchinha e sentir seu “pacote” no meio da noite causa esses efeitos. – ri do modo que o deixei vermelho. – Não se preocupe, eu era um bom passivo no sonho. – apertei sua bochecha.

- Imagino. – me deu um selinho rápido.

Tiramos nossos ternos e vestimos nossas roupas normais.

- Vão querer estes mesmo?

- Sim, serão estes. – sorriu e pegou os ternos colocando em seus cabides e cobrindo com as capas para ternos.

Fomos até o caixa de pagamento e a atendente somou o preço dos dois.

- O total será de 592.295 wones. – sorriu.

Jungkook tirou a quantia e pagou. Pegamos nossos ternos e saímos da loja.

- Onde vamos agora?

- Loja de doces! – falei animado. – Ali, tem uma ali na frente, vem Kookie-ah.

O puxei até a loja e entrei meu terno para ele enquanto ia de encontro com meus bebês, vulgo doces.

 

(...)

- Não acredito que gastou 29.615 wones, em doce.

- Olha, não vai ser só eu a comer os doces. ENTÃO NÃO RECLAMA! – entramos na casa. – O que vamos assistir?

- Qualquer coisa, eu não irei prestar a atenção mesmo. – deu de ombros e nos jogamos no sofá.

- E o que irá fazer?

- Te distrair.

- Com- Ãhn Kookie...

Acabei por cortar minha fala com um gemido ao que o mais nova me deu um chupão no pescoço me pegando desprevenido.

Ele me puxou para seu colo e começamos a nos beijar. Suas mãos escorregaram até minha cintura, fazendo-me arfar ao ter suas mãos apertando fortemente.

Desci meus lábios até seu pescoço e passei a língua de baixo até o lóbulo de sua orelha, deixando mordidas e selares no mesmo.

- JEON JEONGGUK, EU FALEI PARA NÃO PERVERTER O JOVEM KIM. – me levantei rapidamente do seu colo assustado com a presença repentina de Hee-chul em casa e me encontrava mais que vermelho.

- Aigoo... O que você ‘tá fazendo aqui, appa?

- Aqui também é minha casa, coelho.

- Para de me chamar de coelho. – revirou os olhos.

- Enfim, só vim pegar uma pasta que acabei esquecendo, não queria atrapalhar o momento e não esqueçam a camisinha.

Se tinha como eu corar mais? Não sei. MAS, EU COREI MAIS QUE ANTES.

Ele saiu da casa e ficamos apenas nós dois na casa.

- Quer continuar? – perguntou.

- ‘Tô com trauma. – escorei minha cabeça no sofá. – Acho que é possível minha omma sair de algum lugar a qualquer momento.

- Ela não faria isso, faria?

- E você duvida de Kim Yuri? Ela é louca!

- EI! ‘Cê me respeita moleque, te criei assim? É assim que chama quem te aguentou nove meses na barriga, seu ingrato.

- DA ONDE VOCÊ SURGIU? – Jungkook gritou assustado.

- Eu vejo todos, mas ninguém me vê.

- OMMA!

Eu acho que colei chiclete na cruz para merecer uma família assim.


Notas Finais


Para quem não sabe '592.295 wones' equivale à 2.000 reais, aproximadamente, e '29.615 wones' equivale à 100 reais, aproximadamente também ^^

Eae, gostaram? Espero que sim, e até o próximo ❤❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...