História Apenas Mais Uma História de Amor - Bughead - Capítulo 12


Escrita por: e RiverVixenSS17

Postado
Categorias Riverdale
Personagens Alice Cooper, Antoinette "Toni" Topaz, Archibald "Archie" Andrews, Cheryl Blossom, Elizabeth "Betty" Cooper, Fangs Fogarty, Forsythe Pendleton "FP" Jones II, Forsythe Pendleton "Jughead" Jones III, Frederick "Fred" Andrews, Hal Cooper, Hermione Lodge, Hiram Lodge, Josephine "Josie" McCoy, Kevin Keller, Polly Cooper, Pop Tate, Sierra McCoy, Veronica "Ronnie" Lodge, Xerife Keller
Tags Bughead, Riverdale, Romance, Songfic
Visualizações 94
Palavras 2.223
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Ficção Adolescente, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Amoreeees 🤩
Capítulo feito com todo amor que Bughead desperta em mim. Espero ter correspondido a expectativa de vcs!

Capítulo 12 - Capítulo XII


Fanfic / Fanfiction Apenas Mais Uma História de Amor - Bughead - Capítulo 12 - Capítulo XII

CAPÍTULO XII


Assim que os meninos entraram no carro Verônica logo perguntou:

- Sua namorada não vem Jughead?

Pelo retrovisor Betty viu ele e Sweet Pea trocar olhares antes de Jughead responder:

- Hum, não.

- Mas está tudo bem? - Insistiu Verônica - Vocês pareciam estar discutindo...

- A Tonni tem a personalidade forte sabe, e com o fechamento da Southside ela está meio tensa por estarmos em colégios diferentes. Enfim... Vou deixar ela na dela hoje para por a cabeça no lugar.

Quando chegaram na casa de Cherryl já havia bastante gente e ela os recebeu com um sorriso:

- Bem vindos! Tem um barril de cerveja lá trás e outro na cozinha e o Kevin está preparando uns drinks fantásticos,vocês tem que experimentar!

Jughead olhou para Betty e Verônica e Perguntou:

- O que vocês vão querer ? Eu e o Sweet Pea vamos lá buscar .

- Cerveja! - disse Verônica

- Eu vou querer Mojito, o Kevin sabe como eu gosto. - respondeu Betty com um sorriso.

Quando estavam a sós Betty virou-se para Verônica e falou:

- O que será que rolou entre o Jughead e a namorada?

- Talvez tenham terminando! - sugeriu Verônica

- Não, acho que não...

- De qualquer forma, não importa! Você está aqui e ela não. E você tem que ser sincera com você mesma, está caidinha pelo cara e ele por você. Passaram a noite toda se olhando mas mal se falaram! Você tem que relaxar e curtir é o que eu acho!

Verônica tinha razão, ela havia passado a noite toda tensa perto de Jughead, preocupada demais em evita-lo. Sentiu uma mão quente em seu ombro e uma voz suave fez com que ela se virasse:

- Seu drink senhorita. - Jughead e Sweet Pea haviam chegado com as bebidas. Verônica logo tratou se agarrar Sweet Pea para dançar, deixando Betty e Jughead a sós. 

- Então, vocês conseguiram entrar para o time? - Betty puxou assunto enquanto segurava o canudinho do seu Mojito e tomava um gole.

- Sim, o treinador gostou muito do nosso desempenho. E vai colocar eu e o Sweet no time principal só espero que o seu namorado não crie problemas - Respondeu Jughead encarando seu copo de cerveja.

- O Archie? Ele não é meu namorado, não mais. 

- Hum, o que rolou? - Perguntou tentando não demonstrar o quanto estava satisfeito por Archie ser um EX. 

- Eu terminei com ele a uma semana, porque ele me traia. - Betty contou e deu um sorrisinho.

 Jughead arregalou os olhos surpreso e disse:

- Uma semana? Nao foi quando...

- Exatamente! - interrompeu Betty - Foi quando você quase me atropelou. Ele me falou umas merdas quando estávamos no pop's e eu joguei Milkshake na cara dele e saí chorando naquele temporal até você aparecer.

Jughead deu um assoviu e disse:

- Algumas pessoas não sabem valorizar o que tem de bom em sua vida né? - ele falou como se tivesse dito isso mais a si mesmo do que a Betty e tomou um grande gole de cerveja.

- Mas e você, vai ficar tudo bem com sua namorada? Digo, ela não liga de você estar aqui sem ela?

- A Tonni é legal mas ela faz umas coisas que me deixa pilhado. Ela cria umas paranóias na cabeça dela e a gente briga demais. Nos últimos dias isso tá sendo muito frequente e desgasta a relação sabe. Sinto que já não é mais como antes.

Ele pareceu pensativo e Betty ergueu seu copo dizendo:

- Um brinde a nossas vidas amorosas!

Jughead encostou seu copo no dela e eles beberam novamente.

- Pelo menos alguém está se dando bem né?

Betty apontou para Verônica e Sweet Pea que dançavam mais adiante com as bocas coladas em um beijo.

Nesse momento Kevin se juntou a Betty e Jughead entregando mais um copo de Mojito a sua amiga e dizendo:

- Pessoal, que desânimo é esse? Vocês estão em uma festa! Vamos dançar!

E arrastou os dois para perto de Verônica e Sweet Pea que agora tinham finalmente se desgrudado e conversavam com Cherryl e Archie.

A cada gole que Betty tomava ela sentia que suas bochechas estavam em chamas, mas em contrapartida ela se sentia muito mais leve, solta e animada. A música envolvia a todos e geral dançava se divertindo muito, e hora ou outra Jughead e Betty se olhavam e trocavam sorrisos , cada vez que isso acontecia Betty sentia uma vontade incontrolável de se jogar em cima dele e beijar aquela boca que parecia estar chamando pela sua.

 "Hey baby, baby

Your heart's too big to be treated small

So please don't blame me, blame me

For trying to be the one who could have it all

You know that it's stupid, stupid

Telling you it's dark when you see the light

And I know you ain't foolish, foolish

Just give me one chance, I could treat you right

So I said..." (No way no - MAGIC!)

 Betty resolveu procurar um lugar para se sentar e descansar um pouco, estava ofegante de tanto dançar e um pouco tonta, já estava no 4º drink. Jogou-se em um enorme puff que estava no jardim e ficou observando distraidamente de longe Jughead que conversava com Sweet Pea.

"Will I ever back down my sword to protect our home?(No way, no)

Will I ever spend a day not telling you you're beautiful?(No way, no)

No way, no way, no
(No way, no way, no)"

  Foi então que Archie se aproximou e sentou-se ao seu lado:

- Porquê não está dançando? - perguntou.

Betty sorriu, tomou a cerveja que estava na mão de Archie e deu um gole pensando "é oficial, estou meio bêbada"

- Cansei, precisei sentar um pouco. E você, porque não está aproveitando a festa agora que está solteiro? - provocou.

- Betty, nós estamos separados por que você quis assim. - Archie pareceu triste.

- Não, você quis! O que fez comigo deixou bem claro, mas não vem ao caso, não mais.

Archie passou a mão no rosto de Betty e colocou seu cabelo atrás da orelha.

- Eu ainda amo você Betty. - disse ele se aproximando.

Betty congelou por um segundo e milhões de coisas vieram a sua cabeça de uma vez, Por que não conseguia parar de pensar em Jughead? Será que sua mãe não tinha razão e ela estava jogando fora seu namoro com Archie? Talvez estivesse fazendo tudo errado...

E antes que ela se desse conta seus lábios já estavam colados nos de Archie.

No outro lado do jardim Jughead conversava com Sweet Pea sobre o placar do seu time no último jogo , mas seus olhos procuravam Betty que havia desaparecido de vista. Quando ele a localizou sentiu como se tivesse levado um soco no estômago. Ela estava beijando o ruivo, e a vontade que dominou Jughead foi de ir até lá imediatamente e socar a cara de Archie com força, mas antes que ele pudesse esboçar qualquer reação viu Betty empurrar Archie e sair correndo em direção a casa. Em um impulso repentino ele deixou Sweet Pea falando sozinho e correu atrás dela, procurou entre a multidão de gente bêbada que estava jogada pelos cômodos da casa até a encontrar sentada nas escadas da porta dos fundos onde, por incrível que pareça, não havia ninguém e a musica soava distante.

Ele se aproximou de vagar e percebeu que ela estava chorando, hesitou por um instante pensando se deveria falar com ela ou a deixar em paz, mas nesse momento ela se virou dizendo:

- Archie me deix... - ela parou ao ver que não era Archie e enxugou o rosto com as mãos.

Jughead sentou-se no degrau da escada abaixo do que ela estava e disse:

- O que aquele babaca te fez?

Betty riu:

- Por mais estranho que possa ser, ele não fez nada! Ele ainda me ama e queria outra chance. E para falar a verdade eu até acho que seja verdade, até acho que ele me ama. Mas o fim do nosso namoro só me fez perceber uma coisa, eu não o amo mais! Seria injusto da minha parte fingir e insistir em um relacionamento que é apenas conveniente.

As palavras de Betty atravessaram como uma adaga afiada o peito de Jughead, porque ele percebeu que ela disse uma palavra que definia exatamente a relação dele com Tonni " conveniente". E só agora ele se deu conta disso.

Betty apoiou a cabeça nos joelhos e continuou:

- Minha vida está uma droga! E talvez seja minha culpa, talvez eu só tenha que fazer o que minha mãe diz, voltar com o Archie, cursar jornalismo... E esquecer tudo isso que está aqui no meu peito prestes a explodir - Ela falava sem parar em um desabafo quase sincero, porque sua maior vontade era de dizer a Jughead que não o tirava da cabeça desde o dia que quase foi atropelada por ele. 

Jughead a olhava e lutava contra uma imensa vontade de segurar aquele rosto angelical e beijar aquela boca vermelha. Ouvindo tudo que Betty dizia ele percebeu que aquela garota tão diferente dele tinha problemas bem parecidos com os seus e talvez não fosse só uma patricinha fútil. Ele colocou sua mão sobre a dela e perguntou:

- Tem algo que eu posso fazer para você se sentir melhor?

Betty queria dizer várias coisas, mas controlou-se e disse:

- Pode me trazer uma cerveja!

Ele olhou para ela cauteloso:

- Tem certeza? Talvez seja melhor tomar uma água ou refrigerante.

- Não seja irritante, preciso afogar meus problemas antes que eles me afoguem! - disse ela rindo.

Jughead entrou pela porta do fundo que já dava acesso ao barril que estava na cozinha e Betty ficou encarando-o, Já estava perdendo as forças que a impediam de se jogar em cima daquele cara, principalmente quando ele lançava aquele olhar azul como o céu sobre ela.

Ele voltou segurando dois copo e sentou-se ao lado de Betty passando um copo para ela, eles brindaram e ela bebeu de uma só vez quase metade do copo.

- Eu despejei em você um bocado das minhas frustrações, me fala você agora, algo que te preocupa ou sei lá o que, para ficarmos quites. - Ela disse olhando - o no fundo dos olhos e bebendo mais um pouco de sua cerveja.

Ele pensou em algo que pudesse dizer mas as palavras saíram de uma vez pela sua boca antes que ele pudesse se quer parar para medir as consequências:

- Eu não paro de pensar em você desde aquela noite na chuva.

Betty engoliu seco, não estava esperando ouvir aquilo de forma alguma. Seguiu-se um silêncio e eles ouviram a música que tocava distante.

"I was broken from a young age

Taking my sulking to the masses

Write down my poems for the few

That looked at me, took to me, shook to me, feeling me

Singing from heartache from the pain

Taking my message from the veins

Speaking my lesson from the brain

Seeing the beauty through the You made me a, you made me a believer, believer..." (Believe - Imagine Dragons)

Jughead a encarava sem piscar e Betty sentiu seu corpo enrijecer, ela se enclinou um pouco para perto dele, agora estavam tão próximos que podiam sentir o calor da respiração um do outro. Jughead tocou o rosto e o pescoço de Betty e ela fechou os olhos como se aquele toque quente a fizesse derreter lentamente. Ainda de olhos fechados ela sussurrou:

- Me beija Jughead.

Ele gemeu baixinho ao ouvir ela dizer isso encostou sua testa na dela e a ponta dos seus narizes ficaram coladas também, ela segurou o rosto dele com as maos e ele disse como se cada palavra o machucasse:

- Eu não posso te querer - disse fechando os olhos também. Ele respirava profundamente e sentia aquele perfume adocicado que havia impregnado seu carro e sentia que ele o estava deixando literalmente enfeitiçado.

Betty começou a passar seus lábios suavemente nos dele dizendo:

- Você já quer! E eu te quero também desde a primeira vez que te vi...

"Last things last

By the grace of the fire and the flames
You're the face of the future, the blood in my veins, oh ooh
The blood in my veins, oh ooh
But they never did, ever lived, ebbing and flowing
Inhibited, limited
'Til it broke up and it rained down
It rained down, like

You made me a, you made me a believer, believer
(Pain, pain)
You break me down, you built me up, believer, believer"


Jughead deixou de lado o resto de juízo que ainda comandava sua cabeça e colou de uma vez seus lábios nos de Betty. Eles se beijavam em um ritmo acelerado como se matassem a sede um do outro. Jughead sentia a língua quente de Betty em sua boca e a chupava como se sua vida dependesse disso. Ele enroscou seus dedos no cabelo dela enquanto sua outra mão apertava sua cintura, as mãos de Betty percorriam as costas de Jughead e aos poucos eles foram desacelerando o ritmo até que seus lábios se separaram.

Eles estavam ofegantes como se tivessem corrido uma maratona, seus olhos estavam perdidos um dentro do outro e exalavam uma eletricidade que os conectava de tal forma que ambos nunca haviam experimentado nada igual. E em um impulso súbito e selvagem Betty se levantou, sentou-se de pernas abertas em cima de Jughead e o beijou ainda mais intensamente.

"My life, my love, my drive, it came from
(Pain)
You made me a, you made me a believer, believer"



Notas Finais


Gostaraaaam???? 😍
Estou ansiosa pela reação de vcs 💞


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...