1. Spirit Fanfics >
  2. Apenas, Termine - Amor doce - Garota Suicida Castiel >
  3. Cor do Mar -

História Apenas, Termine - Amor doce - Garota Suicida Castiel - Capítulo 6


Escrita por:


Notas do Autor


No capitulo de hoje tive a ajuda de um grande ser humaninho de Deus, @BruxinhaS2
Esperamos que todos/as gostem!

Capítulo 6 - Cor do Mar -


Fanfic / Fanfiction Apenas, Termine - Amor doce - Garota Suicida Castiel - Capítulo 6 - Cor do Mar -

"Foram tão poucos dias para tantas sensações"

Fiquei no sofá refletindo  o que Lysandre havia dito, por um breve momento veio à mente momentos de hoje com a menor, não poderia está criando sentimentos por Lyana, não depois de hoje.

Decidir ir tomar um banho para relaxar e afastar os pensamentos, o dia havia sido cansativo. Sair do banho ouvindo meu celular tocar com mensagens do Lysandre

*Temos que marca de sair com Lyana mais vezes

*Vamos marca então- Respondi

Me joguei na cama, ouvir pela segunda noite a porta dos fundos se abrindo e uma última mensagem 

*Tenho um presente para ela

Estranhei aquela mensagem vindo dele e logo em seguida uma foto de um colar com um pingente cor do mar. Deixei o celular de lado e fiquei sentado na cama pensando, então ouvir a porta dos fundos fechando e fui atrás.

-Lyana?!- Ela estava olhando para o céu escuro-Tá bem?-Perguntei 

-Pensativa

-Sobre?!-Arqueei a sobrancelha 

-Hoje... -Ela falou cabisbaixa

- Não gostou?-Perguntei

- Não é isso- Ela deu uma pequena pausa- Tenho medo que isso tudo acabe, mas eu gostei.

-Que bom- Me sentei ao seu lado- Mas acho que esse negócio de acabar não vai acontecer

A mesma me olhou como se duvidasse, mas logo me lançou um sorriso tentando me deixar tranquilo.

-Por que vem aqui?- Perguntei

-Gosto de olhar as estrelas e a lua, elas me fazem perceber que só na escuridão é onde você as encontra- Ela terminou. Então, olhei novamente para o céu examinando, ela estava certa- Muito bom ler livros

Depois de longos minutos ali, ela se levantou parando na minha frente. 

-Vamos entrar? -Perguntei me levantando

Ela balançou a cabeça em afirmação, estava tão perfeita e linda ali com uma coberta em volta de si que esqueci como ela era no inicio vazia e fria, parecia que aos poucos eu ia conhecendo mais dela e iria me arrepender por agir de forma tão brusca e irracional. Sem perceber levei minhas mãos ao seu rosto a encarando, a mesma ficou parada e lembrei-me do que Lysandre havia dito há poucos minutos me subiu uma pequena raiva, então  já que estávamos ali por impulso depositei um pequeno selinho em Lyana e logo que percebi o que fazia parei e adentrei a casa sem olha-la.

-Tranque a porta e vá dormi-Falei ao entrar na casa me jogando na cama- O que eu fiz?- Enterrei minha cabeça no travesseiro para sufocar o que havia acabado de acontecer
Logo depois ouvir Lyana entrar na casa, bem silenciosa e tranquila sem fazer barulho

***

Logo pela manhã Lyana já parecia estranha

-O que foi?-Perguntei... Ela não respondeu nada - O beijo?- Questionei, ela apenas afirmou-Foi só um beijo nada de mais!-Falei saindo- Vamos nos atrasar

Lyana On

Eu não queria que tivesse sido apenas um beijo... Eu queria poder senti-lo e entender um pouco de cada coisa dele, mas ele me impedia sempre que insistia em me aproximar dele.

-Vamos sair mais vezes?- Corri ao ver que ele me deixava pra trás

-Não!-Ele falou grosso, sentir saudades do Castiel de ontem.

-Tô com fome!-Falei

Por mais que eu tentasse gostar dele, ele sempre agia de alguma maneira tão absurda que me fazia guardar um profundo ódio

-Gostei do ontem! Meus joelhos ainda doem- Falei tentando puxar assunto

-Tanto faz! -Ele falou -Fique aqui-  Ele foi até uma vendinha de salgados e voltou com uma sacola e achocolatado.

Parei de falar quando percebi que ele não estava de bom humor, na escola tentei ao máximo ficar longe dele e dos amigos dele, talvez o ruivo ficasse com raiva então fiquei na sala de aula olhando pela janela.

-O que faz aqui?- Alguém falava comigo 

-Estou estudando - Falei. Era o Lysandre

-Por que não desceu? -Ele questionou, não podia dizer que era por causa do Castiel

-Tenho atividades para botar em dia, só estou descansando a mente-Falei.

-Estou testando o Castiel... E preciso da sua ajuda, você poderia me ajudar?- Estranho que ele precisasse de me, mas eu não pude dizer não.

-Claro! O que quer que eu faça? -Perguntei, o mesmo me entregou um colar com uma pedra da cor do mar, muito fofa.

-Só use isso- Ele falou

-Qual o sentido... -antes de terminar ele já havia sumido- Que frustante

Durante a saída fiz o que sempre faço, esperei o Castiel, mas dessa vez ele me entregou a chave dizendo para ir à frente que teria de ensaiar com o Lysandre

Então fui andando sozinha, era estranho mais eu gostava está sozinha às vezes é bom.

A morte por si só, é uma piada pronta, só que essa não tem graça, deixa as música que você não terminou do ouvir, o livro que ficou pela metade, a comida que você ainda sim guardou para o outro dia, e as malas que você fez para suas férias que seria daqui a dois meses, os planos, as brigas e conquistas o que seria se você morresse? Ainda sim, "Morrer e ridículo é um exagero e o exagero e a matéria prima das piadas... só que essa não tem graça"

Era muito fácil ouvir citações e músicas e não por em prática, ler e não fazer o que queria, "talvez não seja tarde" seria minha resposta para tudo mais o talvez ou era um "sim" ou um "não", talvez manhã eu mude eu falo que eu o amo, talvez eu faça como eu sempre quis ou talvez eu acabe a minha vida por aqui 

Uma, duas, três... Sujei gotas de sangue já espalhado na pia que escorria. 

-Melhor eu limpar e guarda essa gilete – Tomei um breve banho e sair do banheiro, pus uma blusa que vinha com as mangas longas e o esperei ele chegar.

-Lyana!-O Castiel me chamou para abrir a porta e eu fui- Trouxe bolo e algum café-Ele levantou a sacola

-... -Quando ele falou isso me lembrei da noite passada que droga Tinha mesmo que lembrar? - A-ah... Obrigada!-Falei dando espaço para ele entrar

-Estava chorando?!-Ele me perguntou fazendo meu coração disparar

-Na-na-não!-Falei gaguejando ele pôs as coisas na mesa

-Ah é mesmo Lyana? Nem parece que te conheço -Ele me puxou- Você se cortou de novo?!- Ele foi direto ao que queria

-Não, quem disse?-Falei recuando

- Se não foi nada me deixe ver

-Não foi nada!-Falei me retirando indo comer

Peguei uma fatia do bolo e pus na boca evitando não falar muito ele fez o mesmo parecia esquecer- Podíamos ir para a escola de skate

-Eu... Não sei... Como andar!-Falei

-Vai aprender então - Novamente fui pegar outro pedaço do bolo. Quando o Castiel segurou meu braço forte trazendo um desconforto

-Ai Castiel!-Falei tentando não deixar óbvio - Isso dói! -Falei brigando

-Andou se cortando Lyana?! Já falei para parar com isso! Por que não me ouve!-Ele reclamava

-Não importa

-Importa sim-Ele foi pegar a caixa de primeiros socorros- Se seus pais virem de surpresa e te pegarem assim, Dona Valeria me mata!

-... -Ele ás vezes esquecia, mas eu também não queria lembrá-lo toda vez- A culpa não é sua!

-Mais vai ser!

Às vezes era ruim tê-lo brigando a todo o momento comigo, às vezes, era bom ele me fazia ser muito mais importante que comida ou dinheiro, às vezes, trocava sua guitarra para falar comigo... Corrigindo, RECLAMAR

-Lyana você me mata!-Ele falou ao terminar o curativo, eu olhei parar ele confusa.

-Eu fiz o que?!-Perguntei assustada

-Você deveria aproveitar mais...  - Ele se deitou assistindo TV e logo pegou no sono 

Fui para o quarto com a mente a mil, hoje fazia três meses que meus pais não estavam mais comigo, o que me fez pegar para me as fotos e cartas escondidas em uma caixa gigante e bem decorada pela minha mãe, ela gostava bastante de guarda objetos e escrever o valor sentimental de cada um e os dias mais alegre da vida dela era como está lendo uma música.

Meu coração estava em choque foi tudo tão rápido, despedaçado e a cada batida era uma peça que caia a cada lágrima que escorria era um desespero era uma preocupação a mais... Não consegui até agora encontrar um sentido estável para minha vida, ainda cada vez mais está acabado.

Abracei minhas pernas escondendo meu rosto chorando pelo desastre que acontecia ainda me lembro dela sempre me guiando no caminho certo e mais vantajoso, eu queria ter falado mais coisas desde a nossa última vez, ela sempre foi o tipo de mãe que protegia demais, trocava de lugar comigo e me protegia dos castigos da vida.

-Eu queria estar no lugar dela... -Falei baixo

Castiel On

Eu havia pegado no sono por um momento até despertar com a TV, porém Lyana não estava nem na sala nem na cozinha.

-Lyana!- Fui até a porta. Ela estava dormindo no chão com alguns papéis a sua volta e fotos a mesma parecia ter chorado até pegar no sono, a peguei no colo e pus na cama vendo a mesma se ajeitar e dormi

Mexi nos papéis que estavam no chão, fotos dela com a família e pequenos textos que fui botando na caixa, em uma das fotos havia escrito "Preferia está no lugar de vocês"

-Eu prefiro que não... - Logo que guarde tudo me sentei ao seu lado -Eu sinto muito Lyana- Falei - Você não merece metade do que passa! Queria te proteger para sempre, te dar confiança, mas como se você não sai da regra de viver o que impõem e não percebe que só está se machucando a cada dia que se passa- Parei sentindo a raiva me consumir- Aquele filho da mãe só deve está brincando comigo!- Lyana usava o colar do Lysandre



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...