1. Spirit Fanfics >
  2. Apenas Um - Jikook >
  3. Tristonho

História Apenas Um - Jikook - Capítulo 26


Escrita por: e taensano


Notas do Autor


Oi yag

Capítulo 26 - Tristonho


Fanfic / Fanfiction Apenas Um - Jikook - Capítulo 26 - Tristonho


Passou-se alguns minutos, e os pais de Jimin foram embora. Agora, quem era responsável pelo Jimin, era minha mãe, mas eu não havia gostado nada daquela ideia. Se arrepender pode ser uma coisa boa, mas às vezes não. 

ㅡ Vamos chamar um táxi? ㅡ Perguntou minha mãe. 

ㅡ Eu não estou com dinheiro agora, Aeyon. E você, Jungkook?

ㅡ Também não estou, deixei minha carteira em casa. ㅡ Bufei enquanto empurrava a cadeira de rodas que minha mãe estava. ㅡ E você, Jimin? 

ㅡ Sândala que me trouxe, mas tenho alguns trocados no meu bolso.

Ele mexeu no bolso de sua calça, tirando algumas moedas e isso me deixou feliz. Entramos no elevador e esperamos descer. Enquanto isso, minha mãe contava o quanto tinha.

ㅡ Não tem nem a metade. ㅡ Lamentou. ㅡ E agora?

ㅡ Podemos ir de ônibus. ㅡ Meu pai falou. ㅡ Faz um tempo que eu não ando de ônibus.

ㅡ O que? Ônibus? Eu nunca andei de ônibus, Jiwen nunca deixou. ㅡ Jimin olhou para porta que se abria. 

ㅡ Você não chama ele de pai? 

ㅡ Não, e não faço questão.

ㅡ Hum, tudo tem sua primeira vez, sei que nossa situação não é boa, mas tem lugares preferenciais nos ônibus.

 ㅡ Sério, senhora Jeon? ㅡ Jimin parecia surpreso com aquela informação, e eu sorri sarcástico. ㅡ Está rindo de quê, Jeon? 

ㅡ Nada. 

Deixamos as cadeiras com alguns enfermeiros que estavam por perto, fomos até a saída e caminhamos lentamente até a parada de ônibus. Minha mãe estava apoiada em meu pai e Jimin andava sozinho. Eu não o ajudaria. Nessa trajetória, fiquei pensando  no beijo que eu havia o dado, não foi lá essas coisas, mas para quem se diz hétero, isso era meio estranho. 

Jimin falava todas aquelas baboseiras, mas no fundo, eu sabia que tudo isso não passava de uma brincadeira. Tirando o fato de que eu seria processado. 

ㅡ Então, isso é uma parada de Ônibus? ㅡ Ele olhou o local sujo, e o pequeno telhado estava quebrado, junto com um banco de concreto pela metade.

ㅡ É sim, lindo, não? 

ㅡ Sim. ㅡ Respondeu animado, fazendo algumas pessoas que estava lá, o olhar. ㅡ Posso me sentar seu lado, Senhora Jeon? ㅡ Viu minha mãe sentada no banco de concreto. 

ㅡ Claro, pode sim. ㅡ Sorriu sem ânimo. 

ㅡ E o que faremos agora? ㅡ Perguntou.

ㅡ Vamos esperar, Hyung. ㅡ  Fiquei olhando a movimentação da rua.

ㅡ Esperar? E como vamos saber que o ônibus está vindo? ㅡ Ele olhou para os lados, fazendo movimentos circulares em sua barriga dolorida. 

ㅡ Eu não estou parado aqui por que quero, devemos ficar atentos, senão iremos perder e ele só passa de uma em uma hora. 

ㅡ Ah. ㅡ Prolongou a surpresa. 

Com um milagre, o ônibus chegou em menos de dez minutos. Sorrimos felizes e Jimin ficou sem entender nada. Ajudei meu pai a subir no ônibus com minha mãe, e em seguida o Jimin. Olhamos em todos os lugares e infelizmente as cadeiras referenciais estavam sendo usadas. O único jeito era ter que passar a catraca. 

Pagamos e sentamos nas cadeiras vazias. Meu pai e minha mãe sentaram distantes, logo a frente, Jimin e eu sentamos no fundo, pois só tinha dois lugares vagos por lá. 

ㅡ Por que ele mexe demais? Parece que estamos numa montanha russa. ㅡ Jimin segurava na costa do banco da frente assim que o ônibus começou a se movimentar, parecia enjoado. 

ㅡ Deve ser por causa das ruas ou o ônibus está com problemas. ㅡ Olhei para as ruas, da janela, depois de sorri. 

ㅡ Me distraia, senão irei vomitar. ㅡ Jimin tocou meu braço, olhando sofrido para mim.

ㅡ O nosso processo ainda está de pé? ㅡ Perguntei curioso.

ㅡ Sim, mas você já sabe que ele pode ser esquecido com uma noite, não sabe? 

ㅡ Eu ainda não entendi essa sua obsessão, eu não quero ser a mulherzinha. 

ㅡ  Você é tão babaca. ㅡ Bufou, e parecia mais confortável enquanto me olhava. ㅡ Somos dois homens que não seriam passivos de jeito nenhum, nenhum dos dois querem destruir a masculinidade de homem hétero, macho alfa, estou certo? 

ㅡ  Óbvio que sim, eu sei que sou homem.

ㅡ Então dois homens se beijarem é normal? Homem que é homem nunca beijaria outro. Sabia que isso tudo é só marra, mas no fundo estão doidos para sentirem novas experiências. Esqueceu do beijo gostoso que me deu?

ㅡ Corrigindo, foi você que quis o beijo. ㅡ Me defendi. 

ㅡ Você também. ㅡ Gargalhou. ㅡ Acho que estamos no mesmo armário.

ㅡ O que quer dizer? Você…? 

ㅡ Você quer me beijar? ㅡ Ele tentou morder os lábios, mas lembrou que estava machucado e sorriu sofrido. 

ㅡ E-Eu não, por quê? Você quer?

ㅡ Eu quero. ㅡ Ele se aproximou de mim lentamente, e fechei os olhos, me sentia bobo e confiante. Seus lábios estavam no canto da minha boca, e senti muito desejo de abrir, suas mãos tocavam me meu queixo com delicadeza. ㅡ Ninguém resiste a Park Jimin ㅡ Sussurrou. ㅡ Jungkook-ssi adora, não é? Diz Jungkook-ssi, que gosta de ser aliciado por mim. 

Pisquei algumas vezes e me separei dele assim que o ônibus parou,me senti envergonhado e olhei para as pessoas que entravam no ônibus. As pessoas que estavam atrás, nem ligaram, até achei estranho.

ㅡ Tímido como sempre.

ㅡ Não estou tímido, Hyung. ㅡ Ajeitei meu cabelo pra trás. 

ㅡ Então, por que suas orelhas estão vermelhas? Eu te conheço. ㅡ Sorriu adorável. 

Encostei meu corpo no banco e avistei alguém conhecido passando pela catraca, estava chamativa demais e atrapalhada na hora de pagar o cobrador. Fiquei desconfiado alguns minutos e até que percebi em quem era.

ㅡ Jeongyeon? ㅡ Falei baixinho para mim mesmo, vendo ela olhar atenta para os lados. Ajeitou os óculos escuros e sua bolsa cara, segurando nas barras. 

ㅡ O que disse, Jun… 

Nós dois nos olhamos assustados, não podia ser Jeongyeon, ela era podre de rica. Decidi chamá-la, mas meus pais se levantaram e puxaram a cordinha de sinalização. 

ㅡ Vamos descer, querido. 

Me levantei junto com Jimin, estávamos pensativos e olhamos para Jeongyeon, mas ela não olhava para trás. O ônibus parou e nós descemos. 

ㅡ Não sabia que Jeongyeon pegava ônibus. ㅡ Comentei com Jimin. ㅡ Ela sempre deixava bem claro que nunca andaria em um. 

ㅡ Nem eu, Jungkook-ssi. 

ㅡ Você sabe de alguma coisa? Sabe, vocês são namorados.

ㅡ  Não somos namorados.

Sentia que aquela era uma resposta esfarrapada, mas decidi esquecer. Andamos um pouco e chegamos em casa. Me joguei no sofá, cansativo. Eu definitivamente odiava hospitais, parecia que ele sugava toda a sua saúde.

ㅡ Jimin, talvez você saiba, não tem quarto de hóspedes, então você pode dormir no quarto do Jungkook.

ㅡ O quê? Mãe? Não! ㅡ Me levantei as pressas do sofá.

ㅡ Não tem problema, senhora Jeon, eu posso dormir aqui mesmo no sofá. ㅡ Jimin tinha um olhar sarcástico, na minha visão, era. 

ㅡ Não Jimin, você está todo machucado, você pode dormir na cama do Jungkook enquanto não melhorar, eu prometi ao seu pai.

ㅡ Mãe! ㅡ Fiz biquinho birrento, ela era muito mandona. ㅡ Eu me recuso a dormir no sofá ㅡ Andei em sua direção e a abracei por trás, fazendo carinho em seus cabelos. ㅡ Vai mesmo deixar o seu tão amado filho, dormir no sofá? 

ㅡ Sim, eu vou. ㅡ Me empurrou e eu dobrei os braços. ㅡ Não vê que o Jimin está machucado? Coitado. Enfim...

Quando ela ia terminar de falar, a campainha tocou. Eu fui ver quem era. 

ㅡ Pois não? 

ㅡ Eu sou Vícent, motorista do Senhor Jiwen, vim trazer os pertences do Senhor Jimin. ㅡ O homem pegou duas malas medianas e saiu sem se despedir.

ㅡ Adeus? ㅡ Ele entrou no carro e foi embora.

ㅡ Quem era, meu filho? ㅡ Fechei a porta e voltei a dar atenção aos dois na sala. 

ㅡ Motorista do Jimin, veio trazer essas malas. ㅡ Apontei. ㅡ Vou levar logo lá para cima, antes que mandem eu fazer isso, pois eu odeio quem manda em mim.

ㅡ Isso é uma indireta, Jeon Jungkook? ㅡ Caminhei até a mulher e ela fez algumas cócegas, de longe, vi Jimin olhar toda aquela cena encantado. ㅡ Arrume tudo e desça, eu vou preparar a merenda, e depois a janta. 

ㅡ Jungguk?

ㅡ  Oi, Hyung. ㅡ Segurei as malas e olhei para ele. 

ㅡ Quero deitar.

ㅡ Tudo bem, vem. ㅡ Ele caminhou mancando e subimos as escadas com ele segurando o meu ombro. 

A minha casa não era grande comparada a dele, mas era uma boa casa e me orgulhava dela. Quando chegamos na frente da porta, ele abriu e entrou. Jimin era muito observador e ficou algum tempo parado.

ㅡ Faz algum tempo que eu não venho aqui. ㅡ Comentou e se sentou na beirada da minha cama.

ㅡ Era bom quando eu morava aqui. ㅡ Suspirei. ㅡ  Se não tivesse pegado a minha namorada, estávamos jogando agora. 

ㅡ E o que impede? Eu estou aqui. 

ㅡ Agora é diferente...

ㅡ Não, não é, você só faz as coisas se atrasarem. Você pode me ajudar a me deitar? Eu tentei, mas meu estômago dói muito.

Sinceramente, a minha vontade era de ir embora, mas não faria isso, eu me importava com ele. Eu acho que no fim de tudo isso, era eu que não estava sofrendo, e sim ele, mais o meu lado decepcionado me deixava cego. 

Peguei alguns travesseiros antigos meus e posicionei na cama, perto da cabeceira, estiquei minha mão para ele e Jimin segurou de volta. Se levantou e andou um pouco devagar, se sentando  na cama novamente. Seus pés estavam no chão, percebi que ele estava fraquinho e os subi. 

ㅡ Obrigado, não existe uma pessoa mais atenciosa que você. ㅡ Jimin gemeu, sentindo seus ossos todos se acalmarem, ele sentia paz, deitado na cama. 

ㅡ É, eu sei.

Fiquei analisando seu rosto arroxeado enquanto fechava os olhos. 

ㅡ Você vai dormir aqui hoje? ㅡ Sussurrou, cansado.

ㅡ Vou ficar aqui até minha mãe melhorar, meu pai vai ter que viajar, sabe? Vou ser o escravo dela por alguns dias. ㅡ Me aproximei da cama e sentei. 

ㅡ Desculpa por está dando trabalho. 

ㅡ Eu ainda estou curioso com essas marcas no seu corpo. Seja sincero comigo, quem fez isso? ㅡ O olhei preocupado, ele estava muito machucado. Atrás da sua cabeça, seu cabelo estava um pouco cortado, pois tinha aberto um pequeno buraco e o médico teve que costurar. Alguns de seus dedos estavam enfaixados,  seus braços, pescoço e rosto estavam com um tom vermelho e arroxeado. ㅡ Está na cara que não foi a escada.

ㅡ E-eu, eu estava protegendo um amigo meu, ele anda correndo perigo. ㅡ Eu estava olhando bem em seus olhos, mas virou o rosto, olhando para a parede. ㅡ Eu ando recebendo ameaças...

ㅡ O quê?! Devemos ir à delegacia. ㅡ Me levantei eufórico.

ㅡ Não, Jungkook. Você não entende, eu preciso fazer uma coisa muito feia para poder ser liberto, para ser feliz. 

ㅡ Que amigo é esse? Eu posso resolver e...

ㅡ Você acha mesmo que eu vou falar? E por favor, poderia falar um pouco baixo? Minha cabeça está explodindo. ㅡ Voltou a olhar para mim e sorriu fraco. ㅡ Não precisa se preocupar. 

ㅡ Mesmo dizendo isso, eu não vou ficar parado e esperar você morrer, Hyung. 

ㅡ  Vamos mudar de assunto? Eu estou com calor, poderia ligar o ar-condicionado?  

ㅡ Tudo bem. Hum, por que a Jeongyeon estava no ônibus? Você sabe? ㅡ Peguei o controle do ar e liguei, voltando a sentar do seu lado. 

ㅡ Não sei muito, tudo tem sua primeira vez, não? Foi isso que a senhora Jeon falou.

ㅡ Ah, sim. Você vai ficar alguns dias sem ir pra faculdade, não é mesmo? 

ㅡ Acho que sim, meu corpo dói muito.

Entre sentir raiva e querer ir atrás da pessoas que fizeram isso com Jimin, estava dividido cinquenta por cento cada. Eu não sabia o que estava acontecendo na vida do Jimin, talvez, eu queria que ele se desse mal, mas não que fosse espancado, eu não sou esse tipo de pessoa. Senti o meu celular vibrar no bolso e o peguei, desbloqueado ele. 

ㅡ Alô, aconteceu alguma coisa? ㅡ Assim que atendi a chamada, sorri ao escutar a sua voz.

ㅡ Quem é? ㅡ  Olhei para Jimin que me perguntou curioso. Respondi sem sair voz, era Gwen.

ㅡ Não sei, você quer? Tá bom, quer dizer, agora? ㅡ Me levantei da cama , respondendo abobalhado pra ela da outra linha. ㅡ A minha mãe está fazendo a merenda da tarde, mas já que está anoitecendo, você pode vim pra cá, que tal? Ok, vou te esperar.

ㅡ Para quem se conheceu a poucos dias, estão íntimos demais, não é? ㅡ Jimin parecia emburrado, fazendo biquinho.

ㅡ Na verdade, eu pretendo conhecê-la melhor. ㅡ Falei sincero.

ㅡ Ah, entendi. ㅡ Fiquei analisando seu rosto, suas sobrancelhas se juntaram e seu biquinho ficou maior, tremendo rapidinho enquanto me olhava, eu não sabia oque estava acontecendo com ele, então me aproximei, me sentando do seu lado. ㅡ Jungkook-ssi é sem coração. ㅡ Seus olhos estavam brilhantes, e no canto deles, as lágrimas tímidas começaram a descer em seu rosto colorado. ㅡ Jungkook-ssi está quebrando meu coração aos poucos. 

ㅡ O-o que? Eu?! ㅡ Levei minha mão até seu rosto, limpando suas lágrimas com meus dedos longos. ㅡ Eu não fiz nada demais.

ㅡ Fez sim, vê que eu gosto de você, mas sempre se finge de sonso. ㅡ Fungou baixinho. ㅡ Eu não quero que me odeie, principalmente por te amar.

ㅡ Você...

ㅡ Sim, eu sou gay! ㅡ Gritou. ㅡ Eu sou gay! Eu gosto de homens! ㅡ Sua voz era sofrida e as lágrimas não paravam. ㅡ Eu gosto de você, só você.

Fiquei paralisado com sua confissão, me sentia estranho, mas vulnerável. Agora,as minhas desconfianças estavam confirmadas, eu tentei, tentei olhar para ao rosto dele novamente, mas me levantei.

ㅡ A merenda está pronta. ㅡ Escutei minha mãe nos chamar, então eu saí do quarto. 

No fundo, eu sabia daquilo,  mas aceitar? Tudo bem, era normal, mas comecei a me sentir estranho com aquela confissão. Quando desci as escadas, minha mãe me obrigou a levar um pouco de comida para o Jimin, até tentei hesitar, mas com aquela mulher por perto, seria muito difícil.

Voltei ao quarto e me deparei com Jimin na varanda , conversando com algumas flores que minha mãe cuidava e deixava por lá. Ele estava de costas, nem deve ter percebido que eu estava o observando. 

ㅡ Jungkook não é malvado, só não consegue expressar seus sentimentos. ㅡ Deixei a bandeja em cima da cama e caminhei sem fazer barulho, chegando atrás de si. ㅡ Ele tem um bom coração, no começo, eu dizia para mim mesmo que eu não gostava de homens, mas depois de um tempo, eu olhei Jungkook com outros olhos. ㅡ Ele falava sorrindo, dando carinhos para as plantas.ㅡ Sabia que a gente até brigou? Foi porque eu transei com a ex-namorada dele, foi horrível , não gostei, foi ali que eu percebi que eu não gosto de mulher. O que? Já, já namorei com mulheres, mas não é o que eu estou te dizendo, plantinha? Eu comecei a prestar atenção mais no Jungkook, no meu Jungkook-ah.

Acabei sorrindo junto, ele era tão adorável. Resolvi escutar mais o que dizia  para a plantinha.

ㅡ Eu falo algumas coisas pra ele, mas é para chamar sua atenção, e a única coisa que ele faz é brigar comigo. ㅡ Suspirou. ㅡ Às vezes eu tenho vontade de matar ele, mas se eu matar ele, não vai existir mais outro Jungkook pra mim amar. 

ㅡ Você tem razão. ㅡ Comentei e ele se assustou, se virando para mim.

ㅡ Você? O que faz aqui? ㅡ Abaixou o rosto envergonhado, e senti vontade de apertar suas bochechas como antes.

ㅡ Aqui é meu antigo quarto. ㅡ Falei o óbvio. ㅡ Vim trazer a merenda da tarde. ㅡ Apontei pra cama, e ele concordou. ㅡ Vejo que já está melhor, está até conversando com plantas. ㅡ Gargalhei com meu sarcasmo. ㅡ O que estava falando com ela?

ㅡ E-eu, disse que quero voltar pra casa.

ㅡ Não foi isso que eu escutei. sabia que a gente até brigou? Foi porque eu transei com a ex-namorada dele, foi horrível , não gostei, foi ali que eu percebi que eu não gosto de mulher. O quê? Já, já namorei com mulheres, mas não é o que eu estou te dizendo, plantinha? eu comecei a prestar mais no Jungkook, no meu Jungkook-ah.

ㅡ Eu não d-disse isso. ㅡ Jimin passou por mim lentamente, mas segurei seus braços.

ㅡ Eu te odeio. ㅡ Falei. 

ㅡ O-o que? ㅡ Vi seus olhos lacrimejarem de novo, mordendo o lábio inferior.

ㅡ Eu sinto coisas estranhas quando estou com você, desde aquele dia na sala, quando o Yoon e o Tae nos viram. ㅡ Engoli a saliva, confuso.

ㅡ E você me odeia por isso? 

ㅡ Te odeio por gostar, mas isso é errado. ㅡ Eu estava frustrado e isso me deixava com dor de cabeça.

ㅡJungkook-ssi. ㅡ Ele se aproximou de mim, envolvendo seus braços em meu pescoço e eu abracei sua cintura, nossos corpos estavam bem juntinhos, e aproveitamos o nosso calor, dizendo coisas baixinhas. ㅡ Você nunca vai ser meu, mas te desejo tudo de bom, com a Gwen ou com outra mulher. Eu queria muito, de verdade tirar a queixa, mas essa decisão é do meu pai, e o policial com quem eu falei, é amigo dele.

ㅡ Espera, então é o seu pai que te bateu? 

ㅡ Por que você acha isso? ㅡ Perguntou baixinho, perto do meu ouvido, me fazendo arrepiar. 

ㅡ Eu não sei, não consigo ter empatia com ele. Eu sei que não vai me falar, mas não sai da minha cabeça que possa ser ele. 

ㅡ Tem algum problema em ter um homossexual na sua casa? ㅡ Jimin se distanciou de mim, sem sair da minha frente, parecia feliz.

ㅡ  Você sabe que não. ㅡ Quando eu ia bagunçar seu cabelo, lembrei que estava machucado, então abaixei minha mão. ㅡ Eu tenho uma dúvida. 

ㅡ Diga.

ㅡ E o trabalho? 

 ㅡ Enfim, fui demitido, derrubei uma prateleira com muitas garrafas cheias. ㅡ Ele mostrou os dentes, fingido está assustado. ㅡ Eu sou péssimo em fazer as coisas.

ㅡ Você é muito mimado, sempre teve as coisas. ㅡ Beijei sua testa e analisei seu rosto. ㅡ Você precisa comer.

ㅡ Tudo bem.

Soltei sua cintura e ele deitou na cama novamente. Puxou o lençol até sua cintura, e pegou a bandeja de comida.

ㅡ Vai ficar me olhando toda hora? ㅡ Jimin pegou o copo e tomou o suco.

ㅡ Eu…

 ㅡ Jungkook? 

Nós dois olhamos para trás, por termos escutado o meu nome, era Gwen, estava sorridente e adorável com aquele vestido florido. 

ㅡ Gwen? Você foi rápida. ㅡ Caminhei em sua direção e a abracei com ternura. ㅡ Você está linda.

ㅡ Eu sou rápida. O que o Jimin está fazendo aqui? ㅡ tentou se aproximar, mas parou no caminho. ㅡ O que aconteceu com você, anjinho?

ㅡ Acidente de carro.

Semirrei os olhos, olhando suas expressões, parecia aborrecido. 

  ㅡ Bom, a gente pode descer e conversar. ㅡ Sugeri pra ela. ㅡ O que acha, Gwen? 

ㅡ  Antes disso, eu queria dar uma volta pela pracinha, pode ser? ㅡ Concordei com ânimo, esticando minha mão pra ela segurar.

ㅡ  Vai ficar tudo bem? Não é, Jimin? ㅡ Vi Jimin  confirmar, tristonho. Não vi que ele estava magoado, então faria de tudo pra seguir a minha vida com Gwen.








Notas Finais


Spoiler do próximo: interação dos Jikook e decepção.

Até a próxima.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...