1. Spirit Fanfics >
  2. APENAS UM DESABAFO >
  3. MINHA EX CARTA DE SUICÍDIO.

História APENAS UM DESABAFO - Capítulo 1


Escrita por:


Capítulo 1 - MINHA EX CARTA DE SUICÍDIO.


Fanfic / Fanfiction APENAS UM DESABAFO - Capítulo 1 - MINHA EX CARTA DE SUICÍDIO.

Escrever sua própria história é algo que pode te deixar confuso e nervoso.

Escrever sua própria história pode te fazer chorar de emoção ao lembrar tudo que já passou e isso não é algo fácil.

Lembrar de coisas difíceis é muito ruim mas eu quero contar a minha versão. Todos já contaram suas versões da minha vida. E se aquela é a verdade deles, deixemos eles. Mas eu preciso contar a minha.

Não espalhem mentiras sobre a vida de alguém, vocês podem acabar se machucando também.

Bem vindos a "Minha Ex Carta De Suicídio".

Pode dizer que sou fraca no decorrer dela, não vou julgar ninguém por isso.

Sou fraca por não ter terminado de entregar esta carta. Eu comecei um suicídio mas desisti dele no meio do caminho. E nem sei se me arrependo ou não disso.

"Não acredite em tudo que escuta, as pessoas inventam mentiras para se beneficiar"

Minha primeira dor começa aos 6 anos, onde fui horrivelmente estuprado pelo meu meio irmão.

Ei não precisa ler de novo, foi isso aí mesmo.

Fui estuprada por um ser nojento que eu chamava de Irmão. Ou meio irmão apenas.

Esse foi apenas o começo de tudo, a partir daí desenvolvi um eterno nojo de mim mesmo e comecei a me odiar de forma intensa.

Aos 8 aproximadamente eu descobri, que meu pai havia perdoado ele. Isso mesmo, ele perdoou aquele merda após tudo que ele me fez. Minha mãe e meu pai não estavam mais juntos na época. E o garoto nunca foi pra cadeia ou pra qualquer castigo. Apenas eu, eu passei por toda a dor que ele deveria passar.

Aos 9 anos minha depressão começou a ficar mais forte a cada minuto, eu comecei a me cortar mais, chorar mais e a tentar me suicidar.

Tentei 4 vezes, sem sucesso. É claro que ninguém iria deixar minha dor acabar ali.

Eu tinha que continuar, continuar a chorar, sofrer, ver meu pai com aquele demônio, ver minhas irmãs construírem uma vida feliz, ver eu mesmo afundar.

Nesse momento meu outro pesadelo começa. Eu comecei a comer demais por causa da ansiedade e a partir daí minha depressão também havia destruído minha aparência

Estou tão feio... Mas..

Eu tenho quw continuar aqui, continuar a ver todos os garotos me desprezaram o tempo todo.

Eu tenho medo, por causa daquele garoto de merda, medo de amar, medo de sorrir, medo de me machucar, medo de chorar, medo de pedir ajuda, apenas um enorme medo de tudo.

Eu não saio mais do meu quarto a muito tempo, fico apenas aqui.

Minha mãe já nem me entende mais, ao olhar nos olhos dela percebo que até ela começou a desistir de mim e nem adianta ela negar, eu consigo perceber isso.

E agora aos 16 anos ainda estou passando pelas mesmas coisas. Mesmos traumas. Pesadelos. Ansiedade. Depressão.

Tudinho.

Apenas continuaram crescendo e se tornando fardos ainda mais pesados para eu carregar sozinho.

Eu a cada dia fico mais feio, por ter desistido, eu desisti de cuidar de mim mesmo, de me arrumar, de me achar bonito. Desisti de me amar.

Assim como todos os outros. Eu tenho amigos, nossa tão falsos.

Quando convido eles pra sair, eles inventam desculpas.

Quando falo para tirarmos fotos juntos, eles dizem que não estão afim no momento.

Mas são meus amigos não é?

Pergunte a eles se um dia eu demorei para responder eles no celular, se quando pediram ajuda ou um conselho eu não dei e não ajudei,

Pergunte se fui falso com eles.

Não. eu não fui.

Eu ainda ajudo eles, mesmo sabendo de tudo que fazem pra mim. E dói tanto isso, dói ajudar tanto os outros já sabendo que se um dia eu precisar eles não farão o mesmo por mim.

Mãe querida mãe, eu sinto tanto por você. A senhora não faz idéia de todas as vezes em que chorei em meu quarto querendo um abraço seu. Você não faz idéia de todas as vezes em que coloquei um fone de ouvido com uma música triste e chorei desesperado querendo ajuda. Não faz idéia de quantas vezes que olhei pra luz fora do meu quarto as 5 horas da manhã, vendo que vc estava acordada. E eu lá, esperando vc entrar para ver se eu estava bem, mas sabe, vc nunca entrou e todas essas vezes que vc não entrou eu estava chorando, com meu fone e uma música muito triste, abraçando meu urso de pelúcia.

Eu estava lá mamãe, atrás daquela porta branca querendo que você entrasse para me abraçar, para me beijar e ficar comigo mas você nunca entrou.

Eu sinto tanto por todos. Como sinto.

Eu quero gritar e dizer a todos que não quero mais ficar aqui, que quero ir para junto de Deus e não sentir mais dor alguma.

Mas eu tenho que ficar...

Eu tenho que ficar para a mamãe não entrar em depressão por minha causa e morrer de tristeza.

Eu tenho que ficar para meu irmão não sofrer o mesmo que eu quando descobrir o porque do meu suicídio e entrar em depressão também.

Eu tenho que ficar para meu pai não ficar triste e se arrepender tarde demais.

Eu tenho que ficar por causa de meus amigos. Vai que eles precisem de mim né?

Eu tenho que ficar para cuidar de todos menos de mim.

Eu tenho que ficar para sentir dor.

Eu tenho que ficar para ser desprezada, para ser chamada de gorda, para ser chamada de prostituta, para ser acusada de coisas que não fiz.

Eu tenho que ficar viva com toda a escuridão dentro de mim.

Esta é a minha despedida, só que não vou poder ir embora como quero.

Hoje está carta pertence a vocês.

Ela não pertence mais a mim.

Façam dela um protesto para que menos inocentes neste mundo precisem sofrer tanto a ponto de querer se matar.

Obrigado por lerem minha história, espero que todos que tenham sofrimentos assim como eu, fiquem aqui neste mundo, tentando vencer assim como eu.

Eu sei oque disse na carta mas em partes ainda estou aqui por mim.

Já que sofri tudo isso até agora, pra que desistir? Eu tenho que ser forte e mostrar em vida oque eu irei me tornar para aqueles que querem me ver no chão.

Está foi a minha história e desde já peço desculpas aos que leram da minha família.

Mamãe se vc leu, desculpe.

Papai se vc leu, desculpe.

Irmão se vc leu, desculpe.

E a todos os outros que se sentiram tristes com esta carta, desculpem.

"Eu não vejo mais sentido nenhum no suicídio, porque não a nada em mim que ainda não esteja morto."

Diga a todos oque está sentindo, diga a eles se doí ou não, diga se quer chorar ou se quer sorrir.

A pior coisa é ter voz para falar e não dizer nada.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...