História Apenas Um Palhacinho - Capítulo 5


Escrita por:

Postado
Categorias It: A Coisa
Personagens Benjamin "Ben" Hanscom, Beverly "Bev" Marsh, Edward "Eddie" Kaspbrak, Henry Bowers, Michael "Mike" Hanlon, Pennywise - o Palhaço Dançarino ("A Coisa"), Personagens Originais, Richard "Richie" Tozier, Stanley "Stan" Uris, William "Bill" Denbrough
Visualizações 21
Palavras 1.287
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Lemon, Magia, Mistério, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo, Violência, Yaoi (Gay)
Avisos: Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 5 - "Espíritos endemoniados e sensação familiar"


"Max on"

Me levanto da cama, ainda pensando no último sonho, não conseguia tirar aquela cena da minha cabeça, e aquela frase: "go to sleep", peguei uma toalha e uma peça de roupa e fui para o banheiro.

"Pennywise on"

Depois de ter visto Max chorar daquele jeito depois de ter acordado de um sonho, senti um leve aperto no coração, não pude ver o que ele estava sonhando, pois quando ia fazer isso ele acordou, não dando tempo de ver o sonho. Ele desfez o abraço e olhou a tela do celular, ia dá 6:00 AM, ele se levanta da cama, pega uma toalha e uma peça de roupa e foi para o seu banheiro.

Fiquei pensativo e curioso por saber o que o deixou tão frágil assim por um sonho, minutos depois ele sai do banheiro com outra roupa, e eu decido perguntar.

—Com o que você sonhou, Max?-perguntei curioso, ele levanta a cabeça e me olha de um jeito, como se não quisesse falar sobre tal assunto.

MAX Não quero falar sobre isso…-respondeu abaixando sua cabeça meio triste.

Tentei ler seus pensamentos, mas de alguma forma ele tentava, bloqueá-los.

Mas o que está acontecendo com esse pirralho?

Alguma coisa não estava me cheirando bem, e eu queria saber o que era.

Olho para a janela do quarto de Max, na sensação de estar sendo observado, algo que me incomodou um pouco, pois geralmente, era eu que observava as pessoas, e não elas me observavam.

Max percebeu meu incomodado e perguntou.

Max Que foi Penny?-perguntou guardando algo em sua pequena cômoda.

—Nada demais…-respondi ainda olhando a janela.

Max e eu ouvimos um barulho na cozinha e Max se assusta e diz:

MAX MAS QUE PORRA, A ESSA HORA DO DIA, SÉRIO ISSO, grr…-exclamou o garoto no seu tom "irritado" como sempre e eu comecei a rir.—O que? Vai ficar rindo que nem uma hiena de novo, cria do demônio?-perguntou debochado olhando pra mim, me fazendo rir ainda mais.

—Que foi? O pirralho tá com medo é?-perguntei no mesmo tom.

MAX Grr…-rosnou pra mim sério, pegando sua mochila e saindo do quarto me deixando sozinho.

Aproveitei que estava sozinho em seu quarto e comecei a revirar suas coisas, só por curiosidade mesmo.

"Max on"

Sai do quarto com a minha mochila e fui para a sala, percebi que havia esquecido meus fones bluetooth e voltei para o quarto e me deparei com a seguinte cena: o Penny bagunçando as minhas coisas, e revirando o meu quarto inteiro.

—Bunito, né? Eu saio por um instante e você já começa a fazer a festa no meu quarto, né? Aliás, por que tá revirando o meu quarto de cabeça para baixo, em senhor Pennywise?-perguntei cruzando os braços.

PENNY Só por curiosidade mesmo.-respondeu como se não fosse nada demais.

Vi ele pegando um caderno antigo onde eu costumava escrever e desenhar algumas coisas, por medo de que ele visse algo que não deveria, peguei o caderno antes que ele pudesse abrir.

—EI ISSO NÃO!!-exclamei em desespero.

PENNY Por que senhor Max?-perguntou um olhar curioso.

—ISSO SÃO COISAS PESSOAIS, NÃO É PARA UM PALHAÇO OLHAR, OK?!-exclamei outra vez, guardando o caderno em outro lugar, sem que ele veja.

Depois de ter guardado o meu caderno, pego os meus fones bluetooth e saio do quarto, pego minha mochila e vou para a escola, deixando Penny sozinho na minha casa.

Cheguei na escola e dei de cara com o Henry, com O HENRY, fudeu, adeus meus amigos, foi bom conhecer vocês. Ele chega perto e diz:

HENRY Olá, Max? Não é? Você já deve saber quem eu sou, porque se não soubesse não teria fugido de mim ontem, né pirralho?-falou de forma fria e eu engoli em seco.

???D-d-d-deixa ele Henry!!-falou garoto mais ou menos da minha altura, gago, kskks, gago.

HENRY Se eu não quiser, vai fazer o que "senhor gagueiro"?-falou o olhando mortalmente.

Então eu me pronunciei, olha o otário aqui vai fazer, vai confrontar o cara mais valentão e assassino da escola inteira.

—Ai o babaca, eu não tenho medo de você, pirralho!!-exclamei confiante, sabendo que provavelmente eu vou ser espancado até a morte.

HENRY O que você disse?-voltou seu olhar para mim.—Não tem medo é? Vou fazer você sentir medo.-disse ele apontando um canivete pra mim.

—Cara, eu já vi cada coisa na minha vida que nem da morte eu não tenho mais medo, tá ligado?-falei debochado.

EU E A MINHA BOCA GRANDE MAIS A MINHA OUSADIA DE MEXER COM O DIABO.

HENRY Ah é!?-disse com um sorriso psicopata pra mim.

Que saber já deu, a minha paciência acabou.

Desferi um soco na cara dele, o fazendo cuspir sangue, subi em cima do mesmo, começo a espancá-lo.

—EAE HENRY QUEM É TÁ COM MEDO AGORA, EM OTÁRIO.-comecei a gritar e um sorriso pior que o dele se alto desenhou em meu rosto.

Os amigos dele vieram pra cima pra tentar me tirar de cima do Henry, e aqueles que antes estavam tentando me ajudar também vieram pra cima.

Eu sai de cima dele e vi que ele estava todo ensanguentado, e as minhas mãos também. As olhei e comecei a sentir uma sensação familiar.

'DROGA TÁ ACONTECENDO DE NOVO', pensei preocupado, e corri para o banheiro da escola.

Entro no local, lavo minhas mãos e o meu rosto, olho para o espelho e olha quem aparece? Claro, o "famoso" Palhaço dançarino e ele diz.

PENNY O que foi Max? Está com medo de algo?-perguntou, com os olhos amarelos e eu lhe respondi "irritado".

—EU NÃO TO COM MEDO PENNYWISE, MAS TEM ALGUÉM LÁ FORA QUE TÁ MORRENDO DE MEDO AGORA.-falei insinuando que Henry estava com medo, e ele realmente estava, como sei disso? Simples, eu pude ver nos olhos dele quando estava o espancando, essa foi a intenção daquela "briga".

Penny me olhou confuso, e nesse momento o Henry entrou no banheiro com o rosto desfigurado.

NÃO SABIA QUE COM ESSA FORMA EU PODIA DESFIGURAR O ROSTO DE ALGUÉM, ESSA É NOVA.

Penny havia ficado invisível e o Henry diz:

HENRY Mas o que você é? Você é maluco!?-falou como se tivesse sido eu que apontei um canivete para o seu pescoço.

—Nem pense em me enfrentar de novo, não quer ficar num estado pior que esse, não é?-falei dando um sorriso psicopata para o mesmo.

(QUEBRA DE TEMPO) - 13:00 DA TARDE

Horas depois eu voltei pra casa ainda com aquela sensação, e por incrível que pareça havia esquecido aquele sonho que tive mais cedo.

É impressão minha eu to ficando que nem o Jeff naquela história dele?

Vocês devem estar se perguntando o que ta acontecendo comigo, mas não to afim de explicar isso agora.

Eu estava no meu quarto, até escutar um barulho vindo da cozinha, DE NOVO? Espero que não seja o Penny querendo brincar com a minha paciência.

Desci para verificar se era ele, mas infelizmente não vi nada… além de uma coisa horrível… um espírito endemoniado em cima da minha geladeira, ele parecia que queria me matar, corri pra sala e peguei uma cruz que tinha ali.

Apontei para o demônio, mas de nada adiantou, e o demônio veio pra cima, mas foi impedido de chegar até mim, por uma mão enluvada.

PENNY Mas o que é isso? Você está bem pirralho?-perguntou ainda com o braço levantado.

—Achei que era você brincando com a minha maravilhosa paciência.-respondi ainda com a cruz na mão apontada para onde antes tinha um fantasma endemoniado.

PENNY Como fui eu, se eu acabei de chegar aqui?-perguntou confuso.

—Então não sei que porra é essa.-falei mais confuso ainda.

O tempo passou e os espíritos endemoniados começaram a aparecer do nada e Penny estava começando a ficar incomodado com isso.


CONTINUA...



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...