História Apenas um pequeno sociopata - Capítulo 34


Escrita por:

Postado
Categorias Gravity Falls
Personagens Bill Cipher, Dipper Pines, Mabel Pines, Soos Ramirez, Stanford "Ford" Pines, Stanley "Stan" Pines
Tags Billdip, Billxdipper, Bipper, Dipperxbill, Gravity Falls, Mabwill, Yaoi
Visualizações 136
Palavras 1.723
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Famí­lia, Ficção Adolescente, Lemon, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Nesse capítulo eu declaro que a fanfic realmente está chegando ao fim, e que agora sim vai ficar interessante, pois vocês iram saber mais da Stella.
Deixei o último capítulo com o antigo Bill do mau falando(vcs lembram ksksk?)
Mas iria ser sacanagem deixar só aquilo e demorar mais de duas semanas pra postar cap novo ne
Então, fiquem com o começo de um Nova confusão!

Capítulo 34 - Final do encontro.


Dipper Pov-

- Nossa, quanta neve!! - Disse animado, puxando Bill com tudo para onde eu ia. O mesmo apenas ria da minha animação.

- Acho que agora podemos fazer bonecos de neve, guerra, estátuas, essas coisas né? - ele me pergunta sorridente.

Cristo, que sorriso LINDO.

- Exato! - Exclamei, me abaixando para poder começar um boneco. - Vem, vamos fazer um boneco. - Falei animado, sentindo o extremo frio que fazia e sentindo meu nariz escorrer um pouco, mas nada preocupante.

- Como fazemos um? - Ele pergunta, se concentrando nas minhas maos que juntavam neve, fazendo uma bola.

- Me ajuda a juntar neve aqui! - ele Então começa a juntar neve na bola que eu fazia, a enchendo. - Agora vamos rolar ela pra todos os lados, ela mesma vai se encher sozinha! E aí vai chegar um momento que ela vai congelar, e ficar dura! Daí faremos o mesmo com as duas outras partes. - Expliquei, sorrindo.

- Incrível. - Ele responde. - Mas pena que não temos objetos pra colocar nele. - Ele suspira, parecia decepcionado.

- Ei, não tem problema. - Sorri, pegando sua mão. - Vamos usar algumas pedras, vai ficar incrível.

- Vai mesmo, nosso primeiro boneco de neve juntos. - Ele sorri bobo, e me sinto feliz com essa resposta.

Primeiro boneco de neve juntos?

Ele planejava fazer isso mais vezes comigo?

Isso me deixa feliz.

- Sim. - Respondi. - Agora vamos ao trabalho. - Sorri aberto, o vendo ficar de bochechas vermelhas, que fofo.

Ficamos quase uma hora fazendo as três bolas gigantes de neve, demorou um pouco para que pudéssemos fazer a primeira.

Nesse tempo fiquei pensando em como tudo aconteceu tão rapido, como consegui a amizade da pessoa mais assustadora da escola:

Bill Cipher, ou Cypher.

O garoto que me dava arrepios, estava do meu lado, dando um sorriso lindo, me ajudando a fazer um boneco de neve.

E eu estava completamente apaixonado por ele.

Minha mãe sempre disse que minha a minha personalidade não era boa. Quando criança eu não havia entendido muito bem o que ela quis dizer, mas hoje em dia eu entendo, pois tenho a Mabel do meu lado.

Aquele acontecimento com a minha antiga paixão infantil, que me traumatizou, foi justamente por isso: Minha personalidade.

O jeito que eu trato as pessoas, o jeito que eu as deixo me tratas pode ser um problema ou algo bom.

O incrível, é que acho que o destino era realmente ter encontrado Bill Cipher.

Poís eu não queria ter mais que me submeter alguém daquela forma, da mesma forma que fiz com aquele garoto.

Mas faze-lo com o Bill foi justamente o que me fez me fez ficar proximo dele.

Então comecei a pensar sobre isso, e cheguei a uma conclusão.

Nós não precisamos mudar para as pessoas erradas, por que a única pessoa certa que teremos que mudar será para nós mesmos.

A pessoa destinada a você, ou a pessoa certa como preferem dizer, vai ser totalmente adapto a como você é, isso contando tanto quando personalidade como coisas físicas ou gostos.

Eu não mudei desde aquela época, e me sinto feliz por isso.

Por que agora eu sei que posso ser eu mesmo, com uma pessoa que gosta de como eu sou naturalmente.

E eu nunca me senti melhor como agora.

Coisas ruins, sempre vão acontecer, e isso infelizmente é questão da sorte de cada um.

Se alguém te xingar ou te bater, sempre haverá um retorno. E talvez nesse retorno, a pessoa aprenda algo novo, e você ganha um prêmio por ter aguentado aquilo.

Acho que é isso que Bill está passando, ele está sorrindo comigo a todo momento.

As pessoas têm medo dele, e ele tirou meu maior medo.

" Eu nasci para sofrer, ou para fazer as pessoas sofrerem. "

Era o que eu pensava. Mas estar aqui, do seu lado. Sentindo a minha e a sua felicidade me faz pensar que eu tenho mais uma opção.

Apenas... Ser feliz.

- Achei algumas pedrinhas, Dipper. - ouço a voz do meu amor, quando o vejo, o mesmo está com várias pedras, umas um pouco maiores que as outras, mas nada que fosse muito extremo.

- Perfeito! - Falei, animado, pegando algumas. - Faz os olhos, você quer que tenha sobrancelhas? - pergunto.

- Eu quero um clássico, sem sobrancelhas! - ele responde, animado.

- Tá, faz os olhos e procura mais algumas pedrinhas para fazer o sorriso, eu vou pegar um gravero para o Nariz! - Digo,me distanciando.

- Volta logo, e não vai longe! - Ele fala num tom sério, mas ate agora não havia largado o sorriso.

Vou a uma árvore não muito grande e puxo um galho fino. Logo após isso o quebro ao meio, deixando o não tão longo mas nao tão curto.

Perfeito.

Volto para onde Bill estava, e coloco o Nariz do nosso boneco de neve antes dele começar a fazer a boca do mesmo.

Como eu estava ajudando, não demoramos. E quando terminamos seu rosto, começamos a " alisar " sua neve, a deixando lisinha, sem gelo ou nada que atrapalhe a linha reta.

Ficamos nessa por horas.

As vezes paravamos por alguns minutos e ficávamos juntinhos e abraçados, e acabavamos ficando quentinhos, e o refazendo, enfim, perdemos MUITO tempo nisso, tanto que quando tivemos a coragem de dizer " está pronto, era basicamente noite, e as pessoas já estavam saindo do parque felizes e satisfeitas, com seus companheiros e filhos.

- Nossa, finalmente. - Falei orgulhoso! - Olha pra ele, Bill! - Me levantei, indo para nosso filho. - Ele está tão lindo, precisamos dar um nome.

Ouço sua risada gostosa soar pelos meus ouvidos.

- Tudo bem. Você pode escolher. - Ele diz, sorrindo.

- Hmm... - Começo a pensar.- Que tal Cipher Pines? - pergunto, achando graça

- Nossos sobrenomes juntos? Hahaha.

- É praticamente nosso filho, ué. - Falei, fazendo biquinho. - É ele tá lindo. - Eu o encarei novamente, com os olhos cheio de determinação. - Aprovado??

- Aprovado. - Ele responde, finalmente se levantando. - Devemos ir agora... Está realmente ficando muito frio.

- Sim... - Concordo, meio cabisbaixo. - Até provavelmente amanhã, Cipher II. - Falo para o boneco de neve sorridente, ouvindo Bill rir ao meu lado.

- Até amanhã, Cipher II. - Ele repete, pegando minha mão e a apertando, buscando algum calor. - Vamos? - eu acento, sorrindo.

Começo a segui-lo lado a lado, para fora do parque.

Até que o mesmo para, como se tivesse se lembrado de algo, eu o encaro confuso.

- O Buda. - Ele diz.

Dei um sorriso enorme no mesmo segundo.

Mudamos de trajetória até o Buda que até hoje era a atração principal do parque. E vimos.

Aquele Buda bem feito, enorme.

Solto sua mão mesmo sem querer soltar dele, mas sei que ele entende.

Iríamos rezar, rezar para que posaíamos ficar juntos para sempre.

- Eu, Dipper Pines, desejo ficar ao lado de Bill Cipher, que está agora ao meu lado. Desejo-o ver todos os dias sorrindo e bem. Não só por essa vida, mas por todas que virão depois dessa. - Digo isso, fechando meus cruzando minhas maos diante de meu corpo.

Olhando de lado, vejo Bill alegre, parecia tocado. E então, faz basicamente o mesmo.

- Eu, Bill Cipher, desejo ficar ao lado de Dipper Pines, que está agora ao meu lado. Desejo ve-lo todos os dias sorrindo e bem. Não só por essa vida, mas por todas que virão depois dessa. E que ele me aceite em todas, e que me ame e nunca desista de mim, como o faz agora. - Ele diz, sorrindo e de olhos fechados.

Meu coração bate forte, tão rápido que ao menos consigo pensar em contar.

Suspiro apaixonado, pegando sua mão novamente para agora sim irmos direto para a casa em paz, e com nosso desejo na lista para se realizar.

Sem palavras.

Não tínhamos palavras para agora.

Só queríamos aproveitar o resto do dia. Queríamos aproveitar o resto do tempo que teríamos aquela noite, mesmo que amanhã pudéssemos nos encontrar novamente.

Eu amo Bill Cipher.

Eu o amo demais.

EU AMO ELE!

Estávamos andando pela calçada, mas eu o parei.

Ele me encara, confuso.

- Bill, eu te amo. - Eu confesso. - Eu te amo muito.

Vejo a surpresa em seu olhar, mesmo que ele ja soubesse.

- Eu quero falar isso a todo momento, quero contar pra todos, quero que todos saibam que eu te amo. - Falei, sentindo um pequeno desespero. - Eu te amo muito...

- Dipper...

- Por favor, apenas pense sobre hoje, sobre tudo que passamos juntos antes de dormir. - peço.

- Dipper, eu-

- Não, por favor. - Eu peço, pegando suas duas mãos, a segurando. - Me diga amanhã. - Eu olho em seus olhos. - Me diga se eu tenho chance, me diga se há alguma possibilidade de você me amar tanto quanto eu te amo. - Falei. - E não minta! - Disse.

Ele então segura minhas mãos com força, e suspira.

- Está bem. - Ele responde. - Me aguarda amanhã naquela cafeteria da cidade, as 13:20.

- Tudo bem. - Respondo, sorrindo aliviado. - Obrigado por hoje.

- Eu que agradeço. - Ele sorri. - Acho que hoje foi um dos dias mais felizes da minha vida.

- Digo o mesmo. - Respondo, rindo um pouco.

Nenhum de nós dois tínhamos coragem de nós soltamos e irmos para direções diferentes, acabamos ficando assim por longos minutos.

Até que senti, lentamente a mão de Bill deixando a minha.

- VOCÊ ESTÁ LOUCO??! - Ouço uma voz feminina gritando nao tão longe de nós dois, antes de me virar para trás a feição de Bill muda para uma totalmente surpresa.

Era um carro desgovernado, que em questão de segundos, foi para a nossa direção e bateu conta nós dois.

Mal consegui processar tudo o que havia ocorrido, mas sentia uma enorme dor no corpo, e minha testa começou a ficar encharcada com algo quente, e tudo que tive antes de sentir um forte sono me dominar, foi uma pequena visão de Bill caído no meio da rua com a barriga pra cima e cabeça virada para a direção contrária onde eu estava.

Totalmente encharcado de sangue.


Notas Finais


Por favor, comentem, eu definitivamente quero saber a reação de vocês :)
Ouçam Epiphany do Jin
Socorro que musicaaaaaaaaaaaaa QUE LETRAAAAAAAAAMEMATA


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...