1. Spirit Fanfics >
  2. Apenas um pouco confuso - Stony >
  3. Último capítulo.

História Apenas um pouco confuso - Stony - Capítulo 15


Escrita por:


Notas do Autor


Oláaa, meus amoress. Como cês tão? Tudo ok?

Esse é o último capítulo, infelizmente.

Espero que gostem! <3

Boa leitura.

Capítulo 15 - Último capítulo.


Steve abriu os olhos lentamente e olhou para a cabeça morena em seu ombro. O corpo quente de Anthony estava grudado ao longo do seu, e a perna pendurada sobre a sua coxa. Ele ainda estava dormindo. Cílios longos pálido vibraram, mas não abriram. Anthony sorriu em seu sono um pouco, com seu braço apertando ao redor de Steve.

Eles estavam nus. É claro que eles estavam nus: eles tinham feito sexo. E desta vez ele não poderia alegar estar embriagado ou confuso. Desta vez, ele não tinha sido um participante passivo. Longe disso.

Steve apertou a mandíbula. Ele próprio havia prometido que ele não iria viajando para a Rússia para foder com a cabeça de Anthony novamente. Não deveria ter havido qualquer enroscando envolvido, e ponto final.

No entanto, ali estava ele, nu, com seu melhor amigo igualmente nu em cima dele. Seu melhor amigo que estava apaixonado por ele. Seu melhor amigo cujo coração ele não poderia quebrar. Isso não poderia acontecer novamente, ele não estava certo do que diabos ele queria.

Anthony fez um barulho suave, suspirou e se mexeu em seu sono.

Seu peito apertou com carinho, Steve não conseguia parar de se inclinar e acariciar o cabelo de Anthony. Cristo, ele sentia falta dele: a forma como ele se sentia, do jeito que ele cheirava, todo quente, e perfeito, e Tony. Ele beijou a testa de Anthony, perguntando como ele podia sentir tal adoração agora, quando há poucas horas ele fodeu Anthony mais áspero do que ele já tinha fodido alguém em sua vida. Estes desejos e pensamentos conflitantes estava deixando-o louco por semanas. Por meses. Ele não podia nem fundi-los nem se livrar de qualquer um deles.

Ele se perguntou o que teria acontecido se Bruce não tivesse desaparecido. Ele gostaria de dizer que ele teria ficado longe de Anthony, mas no fundo, ele sabia melhor do que ninguém. Com a forma como as coisas estavam indo, ele teria durado mais algumas semanas antes de caçar Tony e re-cola-los juntos novamente, e o senso comum que se dane.

— Se você franzir a testa mais forte, suas sobrancelhas vão grudar juntas no meio.

Steve olhou para Anthony e o encontrou com os olhos fechados. — Você acordou?

Anthony bocejou e aprofundou ao seu lado. — Não.

Rindo, Steve passou os dedos pelo cabelo de Anthony. — Tony.

— Não. — O pé descalço de Anthony deslizou para baixo da perna de Steve.

Steve ficou tenso, suas emoções piegas sumindo no fundo quando o outro sentimento assumiu. A mudança foi tão rápida que o deixou um pouco desorientado. Agora, em vez de ter sentimentos quentes e macio para afagar seu melhor amigo, ele estava quente por toda parte, muito consciente de toda aquela pele suave e pálida. Ele encontrou sua mão se movendo para cima da perna de Anthony, acariciando sua coxa levemente antes de se decidir sobre a nádega perfeitamente arredondada. Ao contrário dele, Anthony era liso em todos os lugares, sua pele era sedosa e macia.

— Alguém está excitado. — Anthony murmurou, observando-o de debaixo de seus cílios.

— Você raspa aqui em baixo, ou algo assim? — Perguntou Steve, apertando a nádega de Anthony e tentando distrair-se do desejo de jogar essas longas pernas tonificadas sobre seus ombros e voltar para dentro dele.

Anthony riu, correndo os dedos pelo cabelo loiro escasso na barriga de Steve. — Não. Eu simplesmente não tenho nenhum. — A mão de Anthony deslizou mais baixo e envolveu em torno da ereção de Steve com familiaridade casual.

Mas não havia nada casual sobre a forma como Anthony olhou para ele. Anthony umedeceu os lábios com a língua. — Eu acho que eu senti mais falta de chupar seu pau do que eu senti sua falta.

— Eu acho que estou ofendido. — Disse Steve, tentando manter sua voz leve. Ele limpou a garganta. — Companheiro, nós precisamos conversar. — Companheiro. A palavra soava estranho em sua língua. Errada. Como se já não se encaixasse. Ela não encaixava, e Steve percebeu como ele sentia quase fisicamente algo clicar dentro dele. — Tony? — Disse ele, com seu coração acelerado.

Anthony piscou e olhou para cima.

A respiração de Steve ficou presa na garganta. Deus, ele era ... Os olhos de Anthony parecia quase verde à luz final da manhã, brilhando sobre a face corada de sono, seus lábios cor de rosa entreabertos, e Steve se sentiu ...

Foda-se, ele sentiu vontade de consumi-lo. Ele queria tê-lo, precisava colocar-se sobre ele, nele, rastrear o seu caminho dentro, marca-lo, amá-lo, usá-lo, cuidar dele, possui-lo e...

Anthony fez um som assustado quando Steve rolou em cima dele. — Tony. — Disse ele com a voz rouca, enterrando seu rosto no pescoço de Anthony e murmurando sons de sucção gananciosos. — Tony. Deus, eu quero você. — Suas mãos já estavam separando as coxas de Anthony e acariciando-as com impaciência. Ele queria e precisava-se colocar dentro dele, a urgência dessa necessidade estava ameaçando tragá-lo.

— Ok. — Anthony disse, parecendo surpreso e sem fôlego, enterrando os dedos no cabelo de Steve.

— Ok. O que você quiser.

As palavras sacudiram por ele. Ele mal conseguia se lembrar de preparar Anthony e colocar um preservativo.

Quando ele finalmente empurrou, Steve grunhiu, estremecendo. Porra. Havia algo sobre estar dentro de Anthony que estava o satisfazendo além de ter seu pênis em um buraco apertado. Fechando os olhos, Steve se envolveu no sentimento por um momento, mas ele queria se mover. Ele precisava.

Beijando, eles se moveram juntos, tentando definir um ritmo lento e constante, mas seu corpo exigiu mais.

O prazer construiu rapidamente e o ritmo tornou-se rápido e forte, o som alto de sua pele tapeando juntos foi adicionando aos seus gemidos e o ranger da cama. Foi rápido e sujo, o corpo de Steve estava com fome como ele nunca tinha sido para nada ou ninguém, como se quisesse fundi-los juntos. Ele queria.

Logo os gemidos de Anthony cresceu o volume, tornando-se gemidos de necessidade, devasso e despertando-o como o inferno.

Apoiando-se nos cotovelos, Steve olhou para Anthony, observando seu rosto pálido corado, seus lindos olhos desfocados, seus lábios rosados entreabertos como Anthony ofegou asperamente e Steve queria engoli-lo inteiro.

Rosnando, ele bateu suas bocas juntas, beijando Anthony enquanto ele transou com ele duramente. Eu te amo, eu te amo, eu te amo bombeava em seu sangue quando ele empurrou e empurrou, querendo dirigir-se cada vez mais fundo. Os gemidos de Anthony assumiu uma qualidade de dor, seus braços puxando-o mais apertado enquanto se moviam juntos, perdendo o ritmo completamente.

— Steve... — Anthony resmungou contra sua boca, arqueando em agitação.

— Vamos, Tony. — Steve bateu duro nele. — Vamos, amor...

Anthony gritou e gozou, com suas paredes apertando ao redor do pênis de Steve da maneira mais doce possível.

Gemendo, Steve gozou também, ofegando no ombro de Anthony enquanto seus braços cederam, com ondas após ondas de prazer rolando através dele.

Puta merda.

Porra. Será que sempre será intenso com Tony?

O pensamento o fez parar.

Sempre?

— Steve? — Disse Anthony. — Algo errado?

Steve não respondeu, tentando dar sentido a seus pensamentos e emoções caóticas.

— Steve?—  Disse Anthony incerto, com uma nota de medo na voz. Steve queria envolvê-lo em seus braços e beijar seus medos.

Merda.

— Steve?

Ele levantou a cabeça e olhou para Anthony.

Anthony estava franzindo a testa, os olhos castanho-esverdeados ainda macio com o brilho, mas um pouco cauteloso. A vermelhidão e o inchaço dos lábios de Anthony atraiu seu olhar.

Sim.

Diabos.

Ele riu, quando as ondas de alívio e alegria corriam através dele. — Finalmente.

— O quê? — A apreensão de Anthony parecia crescer. — Eu não entendo.

Steve hesitou, sem saber como explicar algo que quase não fazia sentido até mesmo para ele. Ele rolou de cima de Anthony e puxou o preservativo para fora. Depois de jogá-la no lixo, ele se estendeu ao lado de Anthony e olhou para ele. — Os últimos meses têm sido confuso como o inferno para mim. — Ele murmurou, colocando a mão na barriga de Anthony. Ele não conseguia parar de tocá-lo. — Eu não conseguia parar de pensar em você como alguém para proteger, meu pseudo irmãozinho que eu amei quase toda a minha vida. Ao mesmo tempo, eu gozei fodendo sua boca, mesmo que eu pensei que era errado querer você desse jeito. Isso me assustou. Não poderia fazer sentido isso. Isso mexeu com minha cabeça, e eu acabei mexendo com sua cabeça, também.

— E agora?

— Agora eu olho para você e eu não vejo um irmão. — Steve encontrou seus olhos. — Eu não me sinto como um pervertido. Foi tudo da minha cabeça. Eu acho que é verdade o que eles dizem:. Que você pode se acostumar com qualquer coisa se dado tempo suficiente — Um sorriso surgiu nos lábios de Steve. — Eu acho que eu me acostumei com isso um pouco demais. Mesmo chamar você de companheiro parece estranho agora.

— Você quer dizer ... — Uma faísca inconfundível de esperança acendeu nos olhos de Anthony.

— Sim. — Disse Steve, roçando o polegar sobre o umbigo de Anthony. — Querer você não soa errado e estranho mais. Não me interprete mal: você sempre será meu melhor amigo, mas você não é apenas isso. Não é o suficiente para mim. Eu quero mais. — Ele deu um sorriso torto. — Agora sinto as coisas se encaixar. Eles não são coisas separadas mais. Eles não se contradizem. Eu o quero e eu quero cuidar de você.

Anthony não sorriu de volta. Ele parecia confuso, franzindo a testa. — Mas ... mas o que dizer de Peggy? Eu pensei que você queria voltar com ela. Eu lhe disse para voltar para ela.

Suspirando, Steve circulou seu polegar em torno do umbigo de Anthony. — Nós tentamos, mas não dava mais certo. — Ele hesitou antes de admitir: — Eu era uma bagunça sem você.

— Sim? — Anthony soou muito satisfeito, o idiota.

— Sim. — Steve disse com um sorriso triste. — Eu poderia ter sido um pau para toda a gente. Peggy não estava impressionada. No final, nós concordamos que seria melhor sermos amigos.

Anthony estudou-o. — Algum arrependimento?

Steve não teve pressa com sua resposta. Ele sabia que isso era importante para Anthony depois que ele tinha sido recepção de sua raiva e amargura sobre sua relação falha com Peggy. Anthony merecia uma honesta resposta pensada.

— Eu estava apaixonado por ela. — Disse ele, por fim. — Eu pensei que ela poderia ser a tal para mim. — O olhar de Anthony caiu.

Steve bateu-lhe na barriga e Anthony olhou para cima novamente. — Mas eu estava errado. Agora eu sei. Quando eu perdi você, ela não poderia me fazer feliz. Nada podia. — Seus lábios torceram. — Eu não gosto da pessoa que eu me tornei sem você. Eu não tenho certeza se eu mesmo conheço essa pessoa. — Sentindo-se nu de uma forma que não tinha nada a ver com a pele exposta, Steve pigarreou. — Eu não percebi o quanto eu precisava de você, e como isso seria ruim. Eu não percebi o quão ruim eu funcionava sem você até... até que você terminou comigo sobre a porra do telefone. — Ele olhou com raiva, ainda não completamente engolindo isso.

A expressão perplexa apareceu no rosto de Anthony. — Eu não terminei com você. Nós nunca estivemos juntos.

— Não, nós não estávamos. — Disse Steve com uma risada. — Mas com certeza que senti isso como uma dissolução. Uma muito mais dolorosa do que o meu rompimento com Peggy.

O rosto de Anthony estava em branco. — Não é o mesmo, apesar de tudo.

— Não, não é. Eu não a amava toda a minha vida.

A garganta de Anthony tremeu. — Não, Steve. — Disse ele, desviando os olhos. — Você não tem que fazer isso. É o suficiente para mim que você realmente quer ser mais do que meu amigo.

Steve olhou para ele. Então ele rolou, fixando Anthony sob ele. — É isso que você acha que é? — Ele disse, encarando Anthony. — Que eu quero que sejamos ... amigos com benefícios?

Anthony deu de ombros. — Você não acha?

Steve quase riu. — Isso nunca seria suficiente para mim. Não com você. — Ele olhou o adorável rosto de Anthony, seus traços querido e familiar de maneiras que fizeram sua garganta fechar-se. — Eu amo você, seu bobo. Isso nunca foi uma questão para mim. Você é meu tudo. Eu quero tudo de você. Eu quero dar-lhe tudo; Eu sempre quis. Eu só não podia antes. — Steve franziu a testa e se corrigiu. — Eu pensei que eu não podia. — Ele se inclinou e beijou o canto da boca de Anthony. — Eu estava errado. E só me levou um tempo para parar de sentir que estava doente por querer você desse jeito também. — Ele escovou seus lábios. — Eu quero você. — Ele mordeu o lábio inferior inchado de Anthony. — Eu quero muito você. Deus, eu iria manter meu pau em você o tempo todo se eu pudesse.

Anthony riu contra seus lábios. — Isso é um pouco de um exagero. — Ele sorriu descaradamente. — E se eu quiser colocar meu pau em você?

Rindo, Steve se afastou um pouco para olhar para ele. — Não empurre sua sorte, Stark.

O sorriso de Anthony se arregalou. — Hmm, eu prefiro ser passivo de qualquer maneira, mas veremos. Eu sei o quão ruim você é em dizer não para mim.

Steve bufou. — Sim, aparentemente, até mesmo o seu pai sabe disso. Falando de Howard, ele disse-me para dizer-lhe para parar de ser a rainha do drama e voltar para casa.

O sorriso de Anthony desbotou. Ele fez uma careta. — Ele vai me importunar sobre fazer o meu dever para com a família e me casar com Pepper.

— Eu não penso assim. — Disse Steve. — Eu acho que eu não sou o único que percebeu algo enquanto você estava fora.

Os olhos de Anthony se arregalaram. Ele começou a sorrir antes de franzir a testa de repente. — Eu não posso ir para casa. Você disse que Bruce está desaparecido há dez dias. — Ele passou os olhos ao redor da sala, com a culpa cintilação em seus olhos. — Eu estava muito ocupado sentindo pena de mim mesmo para perceber que ele tinha ido embora há muito tempo. Péssimo amigo que eu sou.

— Ele pode estar bem. — Disse Steve.

Anthony lançou-lhe um olhar cético. — Ele deveria ter voltado agora.

Steve suspirou, se jogando de costas. — Eu sei. Estou preocupado, também, mas não vamos assumir o pior, certo? Eu acho que Bruce acabou por ser apanhado em qualquer obscuro negócio que seu pai está envolvido. Talvez... os associados de Brian queiram usar Bruce como alavanca em algum negócio. Ele pode estar seguro o suficiente. Howard me disse que Brian não parecia preocupado com o bem-estar de seu filho, apenas irritado com a situação.

— Será que isso deveria me fazer sentir melhor? — Perguntou Anthony com um olhar trincado.

— Não. — Steve respondeu com firmeza. — Mas não há nada que você ou eu possa fazer para ajudar Bruce, mesmo se ele precisar de ajuda. Nós não conhecemos o país ou a língua, ou onde começar a procurar por ele. Para não mencionar que o seu visto está terminando e você literalmente não pode ficar na Rússia, mesmo que você queira.

Anthony ainda não parecia feliz, mas acenou com a cabeça. — Eu sei. Eu acho que o meu pai tem alguns conhecidos no MI6. Eu vou ser de mais ajuda para Bruce voltando para casa do que aqui. Eu posso dar-lhes a descrição do homem que Bruce foi ao encontro.

— Sim. — Disse Steve, desviando o olhar para esconder seu alívio. Talvez fosse egoísta, mas ele não queria que Anthony ficasse aqui e saísse por aí fazendo perguntas a algumas pessoas que poderiam achar muito desconfortável. Steve gostava de Bruce e realmente  estava preocupado com ele, mas a segurança de Anthony era sua prioridade. Ela sempre seria.

— Vamos voar para casa esta tarde. — Disse Steve. — Mas primeiro vamos conseguir alguma coisa para comer.

Anthony revirou os olhos com um sorriso. — Sim, qualquer coisa. — Ele desceu da cama. — Mas primeiro eu quero um banho. — Ele olhou para Steve e sorriu timidamente e, como se não pudesse acreditar que estava dizendo isso.

— Você vem? — Ele estendeu a mão.

Havia algo surreal sobre isso.

Se alguém lhe tivesse dito a metade de um ano atrás que ele estaria em um hotel russo, nu, com seu melhor amigo igualmente nu, e que Anthony iria convidá-lo para se juntar a ele no chuveiro, ele teria rido em voz alta, pensando que era uma piada de mau gosto. Metade de um ano atrás, ele tinha pensado que Peggy era a única para ele. Agora ele sabia melhor. Sempre houve apenas uma pessoa para ele. Ele tinha acabado de ser muito cego para ver o que tinha sido ali o tempo todo.

Ele saiu da cama, com os olhos fixos em Anthony.

— Steve? — Disse Anthony, inclinando a cabeça para o lado, com seus lábios entreabertos. Deus, ele era fodidamente bonito, e ele era todo dele. Todo de Steve.

— Eu quero te beijar. — Disse Steve, levando a mão oferecida e puxando Anthony contra ele.

Anthony realmente corou. — Eu também quero te beijar.

— Por que não estamos nos beijando ainda, então?

— Eu não sei. — Disse Anthony, colocando seus braços ao redor do pescoço de Steve.

— Temos de corrigir isso. — Steve murmurou antes de fazer exatamente isso. Esse beijo não era apressado. Ele era lento, exploratório e sensual. Sentia-se bem de uma forma que fez seu estômago doer com carinho e amor. Ele virou a cabeça e beijou Anthony mais profundo, com a boca molhada e aberta, perdendo-se na sensação das suas línguas a correr, e com Anthony ofegante e gemendo em sua boca, a cada ponto de contato como uma confissão: eu te amo, eu preciso de você, eu quero você. Deus. Ele tinha amado Peggy, mas estar com ela nunca o fez se sentir assim. Estar com ela nunca o fez se sentir tão porra completo.

Eles quebraram o beijo suavemente, um pouco ofegante e sorrindo um para o outro.

— Nós nunca vamos conseguir parar a gozação, você sabe. — Disse Steve, suspirando. — Depois de todos esses anos de negar exatamente isso.

Anthony fez uma careta. — Loki será insuportável.

Steve riu. — Ele já é. — Embora, para ser justo, Loki tinha sido absolutamente certo: É errado e estranho somente se você deixar ser.

— Sim, mas ... — Olhando pensativo, Anthony deu de ombros. — Ele me ajudou a descobrir algumas coisas, então eu acho que eu deveria agradecer a ele. — Ele olhou Steve no olho. — Se não fosse por ele, eu não teria sequer lhe dito como me sinto sobre você. Você provavelmente estaria ainda com Peggy e eu ainda seria...

O coração de Steve apertou quando viu a dor no rosto de Anthony. Mas ela tinha ido embora de forma rápida e Anthony sorriu, mas tinha estado lá. Ela ainda estava lá: os anos de fingir e colocar uma cara feliz para sua dor, nunca iria verdadeiramente embora.

Ele embalou o rosto de Anthony em suas mãos e inclinou suas testas juntos.

— Vamos agradecer-lhe, então. Seremos muito, muito bom para ele. — Um sorriso preguiçoso esticou seus lábios. — Isso vai o confundir para porra. Isso irá deixa-lo louco. Loki fica divertidamente perturbado quando as pessoas são agradáveis para ele.

Os lábios de Anthony tremeram antes de sua risada irromper de seu peito, uma risada aliviada e feliz.

Sorrindo, Steve envolveu-o em seus braços e segurou o seu melhor amigo, seu amante, sua outra metade, a sua felicidade nos braços. Nomes não importam se todos eles queriam dizer a mesma coisa: Tony.


Notas Finais


A fic acaba aqui? Bom, ainda tem o epílogo. E Bruce ira aparecer.

Agradeço a todos que leram e favoritaram. E também a todos que comentaram, eu amei todos os comentários, serio.

Eu planejo fazer mais adaptações, irei falar mais sobre isso no epílogo.

Eu espero que vocês tenham gostado dessa fanfic. kjsksksksksks

Até o Epílogo e me desculpem qualquer erro. EU AMO VOCÊEEES. <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...